Eleições estaduais em Alagoas em 1962

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1960 Brasil 1965
Eleições parlamentares em  Alagoas em 1962
7 de outubro de 1962
(Turno único)
Senadores eleitos
Replace this image male.png Replace this image male.png
Líder Arnon de Melo Rui Palmeira
Partido PDC UDN
Natural de Rio Largo, AL São Miguel dos Campos, AL
Votos 66.260 50.303
Porcentagem 27,53% 20,90%


Coat of arms of Brazil.svg
Senador de Alagoas

As eleições estaduais em Alagoas em 1962 aconteceram em 7 de outubro como parte das eleições gerais em 22 estados e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima.[1] Foram eleitos os senadores Arnon de Melo e Rui Palmeira, além de nove deputados federais e trinta e cinco deputados estaduais.[nota 1]

Eleito senador com a maior votação do estado, o advogado Arnon de Melo é formado na Universidade Federal do Rio de Janeiro[2] e na referida cidade trabalhou na Associação Comercial antes de ingressar no jornalismo. Dentre os veículos onde trabalhou estão A Vanguarda, Diário Carioca, Diário de Notícias e O Jornal, além de passar pelos Diários Associados. Membro do conselho diretor da Associação Brasileira de Imprensa, retornou a Maceió e após algum tempo comprou a Gazeta de Alagoas, jornal que serviria de embrião para o grupo empresarial batizado com o seu nome. Nascido em Rio Largo, filiou-se à UDN nos últimos meses da Era Vargas e em 1945 foi eleito suplente de deputado federal. Graças ao mecanismo das "candidaturas múltiplas" foi eleito deputado federal e governador de Alagoas em 1950, mas renunciou ao mandato parlamentar para assumir o cargo no Executivo.[nota 2] Derrotado por Silvestre Péricles na eleição para senador em 1958, migrou para o PDC e foi eleito quatro anos depois.[2]

A segunda cadeira de senador foi entregue pelo eleitorado ao advogado Rui Palmeira. Graduado na Universidade Federal de Pernambuco, foi oficial de gabinete e secretário da prefeitura de Maceió ao longo das décadas de 1930 e 1940, além de seu trabalho no Departamento de Estatística. Natural de São Miguel dos Campos, fez parte tanto do Instituto dos Advogados de Alagoas quanto da seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, além de ter sido delegado auxiliar de polícia em Maceió.[3] Membro da Associação Alagoana de Imprensa, trabalhou como jornalista na Gazeta de Alagoas e no Jornal de Alagoas. Eleito deputado federal pela UDN em 1945, perdeu a eleição para governador em 1947 e foi reeleito deputado federal em 1950. Eleito senador em 1954, reelegeu-se em 1962, mas faleceu no final de 1968 em pleno curso do mandato.[4][5]

Devido à sua morte foi efetivado o advogado Mário Gomes de Barros. Oriundo de uma família de políticos, nasceu em Colônia Leopoldina e formou-se na Universidade Federal de Pernambuco.[6] Assumiu a prefeitura de União dos Palmares em 1933 e no ano seguinte foi eleito deputado estadual até que o Estado Novo extinguiu o seu mandato. Presidente do Clube de Regatas Brasil e membro do Sindicato de Fornecedores e Banguezeiros de Alagoas,[nota 3] elegeu-se deputado federal via UDN em 1945 e primeiro suplente em 1950, mas foi beneficiado pela renúncia de Arnon de Melo para assumir o governo alagoano. Afastou-se da política, mas a ela retornou ao ser eleito suplente de senador em 1962.

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Em relação à disputa para senador os arquivos do Tribunal Superior Eleitoral informam o comparecimento de 290.206 eleitores, dos quais 240.670 foram votos nominais ou votos válidos. Foram apurados também 41.397 votos em branco (10,21%) 8.139 votos nulos (0,76%).[1]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Arnon de Melo
PDC
Hermann de Medeiros Torres
PDC
-
PDC (sem coligação)
66.260
27,53%
Rui Palmeira
UDN
Mário Gomes de Barros
UDN
-
UDN (sem coligação)
50.303
20,90%
Teotônio Vilela
UDN
Cícero Cabral Toledo
UDN
-
UDN (sem coligação)
39.843
16,56%
Afrânio Lages
PSD
João Teixeira Cavalcanti
PSD
-
PSD (sem coligação)
31.518
13,10%
José Otávio Moreira
PTB
José Ferreira Macedo
PTB
-
PTB, PSP
26.115
10,85%
Hildebrando Falcão
PSP
Otacílio de Oliveira
PSP
-
PTB, PSP
15.218
6,32%
Ismar de Góis Monteiro[nota 4]
PST
Marcos Gasparian
PST
-
PST (sem coligação)
11.413
4,74%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7][8]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Abraão Moura PTB 15.653 Atalaia  Alagoas
Muniz Falcão[nota 5][nota 6] PSP 15.339 Ouricuri  Pernambuco
Aloysio Nonô UDN 12.991 Atalaia  Alagoas
Oséas Cardoso UDN 12.593 Viçosa  Alagoas
Ary Pitombo PTB 8.970 Neópolis  Sergipe
Segismundo Andrade UDN 8.386 Pão de Açúcar  Alagoas
Medeiros Neto PSD 6.214 Traipu  Alagoas
Oceano Carleial UDN 5.848 Barbalha  Ceará
José Pereira Lúcio UDN 5.535 Arapiraca  Alagoas

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo as 35 cadeiras da Assembleia Legislativa de Alagoas.[1]

Notas

  1. A partir de 1962 a eleição dos senadores ocorre na mesma chapa que os suplentes.
  2. Durante a Quarta República Brasileira um político podia disputar mais de um cargo numa eleição, mas caso conquistasse mais de um mandato eletivo deveria fazer sua opção.
  3. "Banguezeiro" é um regionalismo alagoano que significa "dono de engenho", referência às atividades ligadas ao ciclo da cana-de-açúcar.
  4. O banco de dados do TSE informa que o candidato em questão recebeu o apoio de uma dissidência do PSD.
  5. Recebeu a maior votação dentre os candidatos ao governo alagoano em 1965, porém como seu percentual ficou abaixo da maioria absoluta estipulada pela Emenda Constitucional nº 13 promulgada em oito de abril daquele ano, a decisão coube aos deputados estaduais que rejeitaram o nome de Muniz Falcão.
  6. Faleceu em Maceió à 14 de junho de 1966 e em seu lugar foi efetivado Gerardo Melo Mourão.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 16 de agosto de 2016. 
  2. a b «Senado Federal do Brasil: senador Arnon de Melo». Consultado em 17 de agosto de 2016. 
  3. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Rui Palmeira». Consultado em 17 de agosto de 2016. 
  4. «Senado Federal do Brasil: senador Rui Palmeira». Consultado em 17 de agosto de 2016. 
  5. Rui Palmeira falece no Rio (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 17/12/1968. Geral, p. 04. Página visitada em 18 de agosto de 2016.
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Mário Gomes de Barros». Consultado em 17 de agosto de 2016. 
  7. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 16 de agosto de 2016. 
  8. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 16 de agosto de 2016.