Eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 1962

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1960 Brasil 1965
Eleição parlamentar no  Rio Grande do Norte em 1962
7 de outubro de 1962
Senadores eleitos
Replace this image male.png Replace this image male.png
Líder Walfredo Gurgel Dinarte Mariz
Partido PSD UDN
Natural de Caicó, RN Serra Negra do Norte, RN
Votos 108.103 105.884
Porcentagem 25,65% 25,13%


Coat of arms of Brazil.svg
Senador do Rio Grande do Norte

As eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 1962 aconteceram em 7 de outubro como parte das eleições gerais em 22 estados e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima.[1] Foram eleitos os senadores Walfredo Gurgel e Dinarte Mariz, além de sete deputados federais e quarenta deputados estaduais.[nota 1]

Com a queda do Estado Novo o embate político no Rio Grande do Norte aconteceu sob as estruturas partidárias do PSD e da UDN cabendo ao primeiro a vitória na eleição de José Augusto Varela ao governo estadual em 1947 e um papel decisivo na vitória de Dix-Sept Rosado em 1950 quando o referido líder saiu das fileiras udenistas e chegou ao Palácio Potengi via PR e com a morte deste nos primeiros meses de mandato o PSD governaria o estado sob a liderança de Sílvio Pedrosa. A tão adiada vitória da UDN só viria em 1955 através de Dinarte Mariz, contudo a força da legenda diminuiu no momento em que Aluizio Alves abriu uma dissidência e ingressou no PSD vencendo a eleição para governador em 1960, dando origem a um ambiente político onde cada um dos grandes partidos respondia a uma liderança antagônica à do rival.[1][2][3]

Neste cenário conflagrado cada uma das vagas em disputa para senador foi conquistada pelos grupos rivais e nisso o mais votado foi o monsenhor Walfredo Gurgel. Nascido em Caicó ele estudou na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma onde se formou em Filosofia e Teologia. Professor e reitor do Seminário Maior de Natal, dirigiu o Colégio Diocesano Seridoense em Caicó, cidade na qual foi vigário da paróquia, função que desempenhou também em Acari. Eleito deputado federal via PSD em 1945, participou da Assembleia Nacional Constituinte que elaborou a Constituição de 1946.[4] Seu retorno efetivo à vida política aconteceu em 1960 ao ser eleito vice-governador na chapa de Aluizio Alves e em 1962 conquistou um mandato de senador.[5][6]

Os adversários do governo estadual fizeram valer seu status oposicionista e conquistaram a outra vaga para o agropecuarista Dinarte Mariz.[7] Natural de Serra Negra do Norte, foi chefe de polícia na cidade em questão até sua mudança para Caicó onde viveu como comerciante e obteve lucros com a economia algodoeira. Em meio aos fatos referentes à sucessão do presidente Washington Luís cerrou fileiras na Aliança Liberal e quando a Revolução de 1930 foi vitoriosa assumiu a prefeitura de Caicó. Deposto do cargo por seu apoio à causa da Revolução de 1932, chegou a ficar preso no Rio de Janeiro e a partir de então tornou-se adversário político de Getúlio Vargas e também celebrou o fracasso da Intentona Comunista de 23 de novembro de 1935 em Natal.[8][9] Nos estertores do Estado Novo rumou para a UDN e embora tenha perdido duas eleições à Câmara Alta do parlamento, foi eleito senador em 1954, governador do Rio Grande do Norte em 1955 e retornou ao Senado Federal em 1962.

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Conforme o bando de dados do Tribunal Superior Eleitoral, foram apurados 421.421 votos nominais.[1]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Walfredo Gurgel
PSD
Manuel Vilaça
PSD
-
PSD (sem coligação)
108.103
25,65%
Dinarte Mariz
UDN
Cortez Pereira
UDN
-
UDN, PST
105.884
25,13%
Teodorico Bezerra
PSD
Francisco Serafico Dantas
PSD
-
PSD (sem coligação)
98.283
23,32%
Tarcísio Maia
UDN
Sílvio Bezerra de Melo
UDN
-
UDN, PST
82.215
19,51%
Djalma Maranhão
PSB
Wilson Alves da Nóbrega
PSB
-
PSB (sem coligação)
26.936
6,39%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[10] Ressalte-se que os votos em branco eram incluídos no cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[11]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Clóvis Mota[nota 2] PTB 26.982 Campina Grande  Paraíba
Vingt Rosado PSD 24.527 Mossoró  Rio Grande do Norte
Odilon Coutinho PTB 20.932 Santa Rita  Paraíba
Aluizio Bezerra PSD 20.361 Santa Cruz  Rio Grande do Norte
Djalma Marinho UDN 19.352 São José do Campestre  Rio Grande do Norte
Aristófanes Fernandes[nota 3] PDC 18.523 Santana do Matos  Rio Grande do Norte
Jessé Freire PSD 18.292 Macaíba  Rio Grande do Norte

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo quarenta cadeiras na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.[1]

Notas

  1. Nos territórios territórios o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições no Distrito Federal e no Território Federal de Fernando de Noronha.
  2. Clóvis Mota foi substituído por Grimaldi Ribeiro ao ser eleito vice-governador na chapa de Walfredo Gurgel em 1965.
  3. Faleceu durante uma cirurgia no Rio de Janeiro em 08/12/1965 e por isso foi efetivado Xavier Fernandes.

Referências

  1. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 12 de agosto de 2017 
  2. Com 1635 palavras em um telegrama de Cr$ 23 mil Mariz responde a Aluísio (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 22/07/1960. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 13 de agosto de 2017.
  3. LIMA Jailma Maria de. Partidos, candidatos e eleitores: o Rio Grande do Norte em campanha política (1945-1955). Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2010.
  4. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1946». Consultado em 13 de agosto de 2017 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Walfredo Gurgel». Consultado em 13 de agosto de 2017 
  6. «Senado Federal do Brasil: senador Walfredo Gurgel». Consultado em 13 de agosto de 2017 
  7. «Senado Federal do Brasil: senador Dinarte Mariz». Consultado em 13 de agosto de 2017 
  8. Aos 80 anos morre Dinarte Mariz, o mais velho senador da República (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 10/07/1984. Política, página 06. Página visitada em 13 de agosto de 2017.
  9. Um hábil político e anticomunista ferrenho (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), op. cit. Página visitada em 13 de agosto de 2017.
  10. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 12 de agosto de 2017 
  11. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 12 de agosto de 2017