Parelhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Parelhas
"Capital da telha"
"Cidade do Boqueirão"
"Paris Seridoense"
"Terra da Vaquejada"
"Cidade Sorriso do Seridó""
Parelhas vista da Serra do Boqueirão.

Parelhas vista da Serra do Boqueirão.
Bandeira de Parelhas
Brasão de Parelhas
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 8 de novembro
Fundação 1926
Gentílico parelhense
Prefeito(a) Francisco Assis de Medeiros (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Parelhas
Localização de Parelhas no Rio Grande do Norte
Parelhas está localizado em: Brasil
Parelhas
Localização de Parelhas no Brasil
06° 41' 16" S 36° 39' 28" O06° 41' 16" S 36° 39' 28" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Central Potiguar IBGE/2008[1]
Microrregião Seridó Oriental IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: Carnaúba dos Dantas e Jardim do Seridó;
Sul: Equador;
Leste: Paraíba (Nova Palmeira, Pedra Lavrada e São Vicente do Seridó);
Oeste: Jardim do Seridó e Santana do Seridó.
Distância até a capital 246 km[2]
Características geográficas
Área 513,507 km² [3]
População 21 387 hab. (RN: 26º) –  IBGE/2014[4]
Densidade 41,65 hab./km²
Clima Semiárido BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,676 (RN: 11°) – médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 118 332,000 mil IBGE/2010[6]
PIB per capita R$ 4 674,84 IBGE/2008[6]
Página oficial

Parelhas é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Norte. Está localizado na região do Seridó. De acordo com o censo realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano 2010, sua população é de 20.354 habitantes. Área territorial de 513,507 km².

História[editar | editar código-fonte]

O topônimo deste município teve origem numa competição esportiva conhecida como "parelhas", muito comum na região em meados do Século XIX. Por ter suas várzeas planas e extensas a localidade conhecida como Boqueirão, às margens do Rio Seridó, tornou-se ponto de encontro tradicional de cavaleiros da época, que disputavam corridas montados em seus cavalos, sempre em duplas ou parelhas, numa espécie de jóquei rústico. O evento atraía habitantes de todas as redondezas e chegou a ser atração domingueira para as corridas, com direito a prêmio e festejos. O local passou a ser conhecido como "Boqueirão de Parelhas".

Depois da passagem por aqui do bandeirante Domingos Jorge Velho, em 1688, a primeira ocupação do solo parelhense aconteceu em 1700, com o tenente Francisco Fernandes de Souza que requereu e ganhou uma sesmaria de 3 léguas quadradas, incluindo a localidade denominada Boqueirão. Depois, só em meados do Século XIX, já com um aglomerado de casas construídas às margens do Rio Seridó, é que se tem informação mais concreta do povoamento. Foi quando estabeleceu-se epidemia do cólera morbus, que praticamente matou ou pôs debandada a pequena população local. Poucas famílias sobreviveram a doença e entre estas estavam Cosme Luiz, Sebastião Gomes de Oliveira e Félix Gomes.

Registros históricos[editar | editar código-fonte]

A partir daí os registros históricos são sequenciados, principalmente a partir de 1856, com a construção da capela de São Sebastião, em agradecimento a uma graça alcançada por Cosme Luís e Sebastião Gomes (Sebastião "Chocalho") que, segundo a história, pediram o fim da epidemia no local e foram atendidos. Neste ano de 1856 ficou oficialmente convencionado a fundação da Vila de Parelhas. Dos marcos históricos da época apenas três não são conhecidos: a Igreja Matriz de São Sebastião, o Cemitério dos Coléricos do Boqueirão e outro do povoado Juazeiro.

Já no Juazeiro o cemitério memorial do coléricos ainda está preservado, com seus muros de pedra e argamassa como também a estrutura do oratório (capela) e que foi restaurado no final de 2005. Este cemitério secular foi construído por Virgínio Vaz de Carvalho, pai do patriarca Bernardino de Sena e Silva. Logo ao terminar a obra Virgínio e seu filho Manuel Vaz contraíram o cólera, vindo a falecer, sendo ali mesmo sepultados.

Depois de ganhar a categoria de município, em 1927, Parelhas teve importante participação na política do estado, com a Revolução de 1930 durante o governo do interventor Mario Câmara que, em 1933, nomeou para prefeito de Parelhas o comerciante e fazendeiro paraibano Ageu de Castro, líder da facção Liberal ou "pelabucho", que entrou em confronto armado com os militantes do Partido Popular, conhecidos no Rio Grande do Norte como "Perrepistas". Os Perrepistas eram liderados em Parelhas pelo fazendeiro Florêncio Luciano com o apoio de toda a elite de coronéis da região.

As escaramuças partidárias culminaram com o famoso "tiroteio de 13 de agosto de 1934", durante um comício realizado na cidade pelos perrepistas. Este episódio foi noticiado na imprensa de quase todo o país.

Os efeitos da expansão urbana desordenada e a falta de políticas públicas voltadas para a área de História e Cultura e ainda a influência da ditadura militar, a partir dos anos 1960, fizeram desaparecer praticamente todo o referencial histórico e cultural de Parelhas, entre monumentos e documentários, dificultando sobremaneira o resgate e aprofundamento do Memorial do município.

O tiroteio entre Perrepistas e Pelabuchos[editar | editar código-fonte]

A revolução de 1934, que levou ao poder, o presidente Vargas, mesmo perdendo as eleições daquele ano, foi marcada por grandes acomodações políticas em todos os recantos do Brasil. No Rio Grande do Norte, a indicação para o governo do estado, do interventor Mário Câmara, polarizou o poderoso domínio político dos coronéis e da igreja. No interior do estado, as acirradas disputas pelos "currais eleitorais" ganharam requintes de guerrilha urbana como o aparecimento de jagunços e bandos armados, com fins puramente políticos, nada tendo a ver com cangaceiros de Lampião, Antonio Silva, etc.

Em Parelhas, a nomeação de Ageu de Castro para prefeito municipal, em 1934, pôs em alvoroço a política local, dominada por toda a elite de coronéis, liderada pelo ex-prefeito Florêncio Luciano, apoiado por Antão Elisiário, Laurentino Bezerra, Manoel Virgílio, Graciliano Lordão e outros, tendo como aliado da igreja o padre Vicente de Freitas.

A luta política entre Ageu de Castro e a oposição de coronéis parelhenses descambou para o confronto armado que culminou com o famoso "Tiroteio de 13 de Agosto" daquele ano.

Com certeza esta foi à quadra mais importante da história política de Parelhas, que, infelizmente nunca foi resgatada, até porque, 70 anos após existem vestígios partidários da época. Os "Perrepistas", que usavam bandeiras verdes e os "Pelabuchos" que adotavam a cor vermelha, deram origem a UND e PSP, depois ARENA e MDB e em seguida PFL E PMDB.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Parelhas em municípios limítrofes (em verde, municípios da Paraíba).

O município de Parelhas está localizado na mesorregião Central Potiguar e microrregião do Seridó Oriental, no estado do Rio Grande do Norte,[1] distante 246 km de Natal, capital estadual,[2] e 2 065 km km de Brasília, capital federal.[7] Ocupa uma área de 513,507 km²,[3] e se limita com os municípios de Carnaúba dos Dantas e Jardim do Seridó a norte; Equador a sul; Nova Palmeira, Pedra Lavrada e São Vicente do Seridó, todos na Paraíba, a leste; Jardim do Seridó e Santana do Seridó a oeste.[8]

O relevo do município, com altitudes médias entre 200 e 400 metros, é constituído pelo Planalto da Borborema, formada por terrenos antigos originários do período Pré-Cambriano, e pela Depressão Sertaneja, que abrange terrenos baixos de transição entre a Chapada do Apodi e o Planalto da Borborema. Parelhas está situado em área de abrangência de rochas que formam o embasamento cristalino, formadas durante o período Pré-Cambriano inferior, com idade entre 570 milhões e um bilhão de anos. Geomorfologicamente predominam formas de relevos tabulares com topo plano, com diferentes aprofundamentos de drenagens e ordens de grandeza, normalmente separados por vales de fundo plano. Apenas no sul do município o relevo é mais aguçado, com vales em formato de “V”.[8] O tipo de solo é o litólico eutrófico, que é altamente fértil, textura média ou formada por areia e forte drenagem, além de ser raso e pedregoso.[9] [8]

Situado na bacia hidrográfica do Rio Piranhas/Açu, Parelhas é cortado pelos rios Seridó e das Vazantes. O principal açude é o Boqueirão, o terceiro maior do Rio Grande do Norte, com capacidade 85,012 milhões de metros cúbicos (m³). Outros reservatórios importantes, com capacidade igual ou superior a 100 000 m³ de água, são Caldeirão (10 195 000 m³), Boa Vista dos Negros (500 000 m³), Dinarte Mariz (400 000 m³), Cantinho da Cobra (373 400 m³), Barragem da Cachoeira (300 000 m³), Cachoeira (200 000 m³) e Algodão (200 000 m³).[8]

A cobertura vegetal de Parelhas é formada pela caatinga, com a predominância entre cactáceas e plantas de baixo porte, adaptadas à seca, além de arbustos e árvores ralas e xerófitas. Entre as espécies mais encontrados estão o facheiro (Pilosocereus pachycladus), o faveleiro (Cnidoscolus quercifolius), a jurema-preta (Mimosa hostilis), o macambira (Bromelia laciniosa), o mandacaru (Cereus jamacaru) e o xique-xique (Pilosocereus polygonus). O município abriga o Parque Estadual Florêncio Luciano, unidade de conservação criada em 10 de agosto de 1988 pelo decreto estadual 10 120, na gestão do governador Geraldo Melo.[8]

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de chuva em 24 horas
registrados em Parelhas por meses
Mês Acumulado Data Ref Mês Acumulado Data Ref
Janeiro 126 mm 21/01/1981 [10] Julho 105 mm 06/07/1964 [11]
Fevereiro 185 mm 07/02/1945 [12] Agosto 43 mm 28/08/1979 [13]
Março 145 mm 17/03/1972 [14] Setembro 28 mm 29/09/1986 [15]
Abril 120 mm 02/04/1954 [16] Outubro 74 mm 22/10/1971 [17]
Maio 108 mm 11/05/2004 [18] Novembro 50 mm 28/11/1949 [19]
Junho 57,6 mm 23/06/1936 [20] Dezembro 70 mm 23/12/1944 [21]
Fontes: ANA/EMPARN (dados de 1921 a 1988 e a partir de 1992).[22]

O clima de Parelhas é caracterizado tropical semiárido, tipo BSh de acordo com a classificação climática de Köppen-Geiger.[23] com sua estação chuvosa sujeita a atrasar-se para o outono, com regime irregular de chuvas, o que acontece entre os meses de fevereiro a abril, com média de precipitação pluviométrica anual de 551 milímetros (mm). O município apresenta grande amplitude térmica, com média de 26 °C, mínima de 21 °C e máxima de 31 °C.[24] Em um ano o município apresenta mais de 2 000 horas de insolação, com umidade relativa de 65%.[25] A incidência de descargas elétricas é de 2,04 raios por quilômetro quadrado (km²).[26]

Segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), referentes ao período de 1921 a 1988 e a partir de 1992, o maior acumulado de chuva em 24 horas registrado em Parelhas foi de 185 mm em 7 de fevereiro de 1945.[12] Outros grandes acumulados foram 145 mm em 17 de março de 1972,[14] 143 mm em 28 de março de 1947,[27] 127 mm em 28 de março de 1976,[28] 126 mm em 21 de janeiro de 1981,[10] 120 mm em 2 de abril de 1954,[16] 119,3 mm em 8 de março de 1975,[29] 115 mm em 20 de março de 1946,[30] 113 mm em 13 de março de 1980,[31] 110,5 mm em 4 de fevereiro de 1924,[32] 108,3 mm em 19 de fevereiro de 1973,[33] 108 mm nos dias 11 de maio de 2004[18] e 12 de março de 1967,[34] 105 mm em 6 de julho de 1964,[11] 104 mm em 8 de março de 1946[30] e 102,5 mm em 29 de janeiro de 1992.[35] Em um mês o maior volume observado foi de 485,4 mm em abril de 1974.[36]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Parelhas Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 32,7 32,4 31,7 30,7 29,6 28,4 28,3 29,1 30,7 32,1 32,7 32,7 30,9
Temperatura média (°C) 27,3 27,1 26,8 26,2 25,6 24,7 24,4 24,7 25,8 26,7 27,2 27,2 26,1
Temperatura mínima média (°C) 22 21,9 21,9 21,8 21,7 21,1 20,5 20,4 21 21,3 21,7 21,8 21,4
Precipitação (mm) 39 97 169 140 45 20 9 3 2 2 5 20 551
Fonte: Climate Data.[24]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1970 12 469
1980 14 482 16,1%
1991 17 575 21,4%
2000 19 319 9,9%
2010 20 354 5,4%
Est. 2014 21 387 [4] 10,7%
Censos demográficos do
IBGE (1872-2010).[37] [38]

A população de Parelhas no censo demográfico de 2010 era de 20 354 habitantes, sendo o 27º município mais populoso do Rio Grande do Norte, apresentando uma densidade populacional de 39,67 km².[38] Desse total, 17 084 habitantes viviam na zona urbana (83,93%) e 3 270 na zona rural (16,07%). Ao mesmo tempo, 10 393 eram do sexo feminino (51,06%) e 9 961 do sexo masculino (48,94%), tendo uma razão de sexo de 95,84.[39] [40] Quanto à faixa etária, 4 905 habitantes tinham menos de 15 anos (24,1%), 13 484 entre 15 e 64 anos (66,25%) e 1 965 acima de 65 anos ou mais (9,65%).[41] Ainda segundo o mesmo censo, a população era formada por 13 441 brancos (66,04%), 5 276 pardos (25,92%), 1 392 pretos (6,84%), 239 amarelos (0,17%) e seis indígenas (0,03%).[42]

Levando-se em conta a nacionalidade da população, todos os habitantes eram brasileiros natos.[43] Em relação à região de nascimento, 20 091 eram nascidos na Região Nordeste (98,71%), 195 no Sudeste (0,96%), 53 no Centro-Oeste (0,26%) e 15 no Norte (0,08%). 18 587 habitantes eram naturais do Rio Grande do Norte (91,32%) e, desse total, 16 222 nascidos em Parelhas (79,7%). Entre os naturais de outras unidades da federação, havia 1 313 paraibanos (6,45%), 77 baianos (0,38%), 69 mineiros (0,34%), 67 fluminenses (0,33%), 59 paulistas (0,29%), 56 pernambucanos (0,27%), 37 brasilienses (0,18%), 31 cearenses (0,15%), dezesseis goianos (0,08%), quinze paraenses (0,08%), dez sergipanos (0,05%), nove piauienses (0,04%) e nove maranhenses (0,04%).[44] [45] Para 2014, a estimativa populacional é de 21 387 habitantes.[4]

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) do município é considerado médio, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,676, sendo o décimo primeiro maior do Rio Grande do Norte (PNUD) e o 2 524 º do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,802, o valor do índice de renda é de 0,625 e o de educação é de 0,617.[5] De 2000 a 2010, o índice de Gini passou de 0,52 para 0,45 e a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até R$ 140 caiu de 44,8% para 18,4%, apresentando uma redução de 59%. Em 2010, 81,6% da população vivia acima da linha de pobreza, 12,1%% entre as linhas de indigência e de pobreza e 6,3% estava abaixo da linha de indigência. No mesmo ano, os 20% mais ricos eram responsáveis por 49,6% do rendimento total municipal, valor 10,2 vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de apenas 4,9%.[41] [46]

Religião[editar | editar código-fonte]

Conforme divisão oficial da Igreja Católica, Parelhas está inserido na Diocese de Caicó, com sede no município de mesmo nome, estando situado no Zonal III dessa diocese. A paróquia de Parelhas, que tem como padroeiro São Sebastião, foi criada em 8 de dezembro de 1920, e sua sede é a Igreja Matriz de São Sebastião.[47] No censo de 2010 o catolicismo romano era a religião da maioria da população, com 17 007 adeptos, ou 83,56% dos habitantes.[48]

Parelhas também possui diversos credos protestantes ou reformados. Em 2010, 2 154 habitantes se declararam evangélicos (10,58%), sendo que 1 041 pertenciam às evangélicas de origem pentecostal (5,12%), 378 às evangélicas de missão (1,86%) e 734 a igrejas evangélicas não determinadas (3,61%). Das igrejas evangélicas pentecostais, 752 pertenciam à Assembleia de Deus (3,7%), 42 à Igreja Universal do Reino de Deus (0,21%), 31 à Comunidade Evangélica (0,15%), 29 à Igreja Deus é Amor (0,15%) e 186 a outras igrejas (0,91%). Em relação às evangélicas de missão, 261 eram adventistas (1,27%), 108 presbiterianos (0,53%) e nove batistas (0,04%).[48]

Além do catolicismo romano e do protestantismo, também existiam 59 espíritas (0,29%) e vinte testemunhas de Jeová (0,1%). Outros 1 083 não tinham religião (5,32%), entre os quais 23 ateus (0,11%), e 25 pertenciam a outras religiosidades cristãs (0,12%).[48]

Política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município de Parelhas é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.[49] O primeiro prefeito eleito do município foi Laurentino Bezerra Neto (1927),[50] e o atual é Francisco de Assis Medeiros (PT) eleito nas eleições municipais de 2012 com 50,84% dos votos válidos,[51] tendo como vice José Rogério Dantas.[52]

O poder legislativo é constituído pela câmara municipal, composta por onze vereadores eleitos para cargos de quatro anos.[53] Na atual legislatura, iniciada em 2013, é formada por quatro cadeiras do Democratas (DEM), três do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), duas do Partido dos Trabalhadores (PT), uma do Partido Progressista (PP) e uma do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).[54] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias).[55]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, existem também alguns conselhos municipais em atividade; são eles: Assistência Social, Direito da Criança e do Adolescente, Educação, Meio Ambiente, Saúde e Trabalho/Emprego.[8] O município se rege por sua lei orgânica, promulgada em 3 de abril de 1990,[55] e é sede de uma comarca de segunda entrância, do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte, cujos termos são Equador e Santana do Seridó.[56] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, Parelhas possuía, em dezembro de 2014, 15 373 eleitores, o que representa 0,661% do eleitorado do Rio Grande do Norte.[57]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O município de Parelhas é constituído apenas do distrito-sede e sua zona urbana se divide em sete bairros, além do Centro urbano. O bairro Cruz do Monte, com 4 421 habitantes, é o mais populoso da cidade.[58] A zona rural é formada por várias comunidades.[59]

Bairros oficiais de Parelhas (IBGE/2010)[58]
Bairro
População
Homens
Mulheres
Boqueirão 1 164 580 584
Centro 3 323 1 513 1 810
Cruz do Monte 4 421 2 196 2 225
Dinarte Mariz 2 373 1 132 1 241
Ivan Bezerra 1 418 711 707
Maria Terceira 2 605 1 274 1 331

Economia[editar | editar código-fonte]

Conforme dados de 2012, o Produto Interno Bruto (PIB) do município era de R$ 154 133 mil, sendo R$ 108 513 do setor terciário, R$ 26 348 mil do setor secundário e R$ 6 855 mil do setor primário e 12 418 mil de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes. O PIB per capita era de R$ 7 514,64.[6] Em 2010, da população acima de dezoito anos, 60,5% eram economicamente ativas, 33% inativas e 6,5% desocupados.[41]

Na pecuária, Parelhas possuía, em 2013, um rebanho de 8 914 bovinos, 7 615 galináceos, 2 937 caprinos, 2 912 ovinos, 266 suínos, 254 codornas e 179 equinos. No mesmo ano, também foram produzidos 2,165 milhões de litros de leite.[60] Na produção agrícola municipal destaca-se a produção de banana, batata-doce, castanha de caju, coco-da-baía, feijão, goiaba, laranja, limão, mamão, manga e tomate.[61] [62]

Na indústria, Parelhas é o maior produtor de telhas do Rio Grande do Norte, sendo, por isso, conhecido como "a capital da telha", possuindo mais de quarenta indústrias.[63] [64] Em 2010, 26,59% da população economicamente ativa trabalhava no setor industrial, sendo 16,45% na indústria de transformação, 7,57% na construção civil, 1,7% na indústria extrativa e 0,87% nos serviços de utilidade pública.[41]

No setor terciário, 37,77% trabalhavam na prestação de serviços e 18,25% no setor comercial.[41] Salários, juntamente com outras remunerações, somavam 30 236 mil reais e o salário médio mensal do município era de 1,4 salários mínimos. Havia 637 unidades locais, sendo 624 atuantes.[65]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Parelhas possuía, em 2010, 6 067 domicílios, sendo 5 077 na zona urbana (83,68%) e 990 na zona rural (16,32%). Desse total, 4 707 eram próprios (77,58%), dos quais 4 596 quitados (75,75%) e 111 em processo de aquisição (1,83%); 733 alugados (12,08%); 613 cedidos (10,1%), 77 por empregador (1,27%) e 536 de outra forma (8,83%); e 14 sob outras condições (0,23%).[66]

O serviço de abastecimento de água no município é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN).[67] Em 2010, 5 230 domicílios eram abastecidos pela rede geral (86,2%); 582 por meio de poços (5,82%); 79 através de rio(s), açude(s), lago(s) ou igarapé(s) (1,3%) e 27 por carros-pipa ou água da chuva, além de 149 de outras formas (2,46%).[68] A empresa responsável pelo abastecimento de energia elétrica é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN).[69] A voltagem da rede é de 220 volts.[70] Do total de domicílios, 6 027 possuíam energia elétrica (99,28%), dos quais 6 017 através da distribuidora (99,18%) e sete de outra(s) fonte(s) (0,12%).[71] O lixo era coletado em 5 380 domicílios (88,68%), sendo 5 367 pelo serviço de limpeza (88,46%) e treze por caçambas (0,21%).[72]

O código de área (DDD) de Parelhas é 084[73] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) é 59920-000.[74] Desde 10 de novembro de 2008 o município é servido pela portabilidade, juntamente com outras cidades de DDDs 33 e 38, em Minas Gerais; 44, no Paraná; 49, em Santa Catarina; além de outros municípios com código 84, no Rio Grande do Norte.[75] Conforme dados do censo de 2010, 4 412 domicílios tinham somente telefone celular (72,81%), 429 possuíam celular e fixo (7,08%) e 116 apenas telefone fixo (1,92%).[76]

A frota municipal em 2014 era de 2 853 motocicletas, 2 340 automóveis, 719 motonetas, 572 caminhonetes, 425 caminhões, 101 camionetes, 43 caminhões trator, 42 ônibus, 32 micro-ônibus, 23 utilitários e 110 em outras categorias, totalizando 7 260 veículos.[77] O município é atravessado por apenas duas rodovias, ambas estaduais, que são a RN-086, que liga Parelhas à rodovia federal BR-427 (em Carnaúba dos Dantas) e ainda aos municípios de Equador e Santana do Seridó,[78] e a RN-088 (Rodovia Deputado Paulo Gonçalves), que faz ligação com Jardim do Seridó.[79]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A rede de saúde de Parelhas dispunha, em 2009, de vinte estabelecimentos (quinze públicos e cinco privados), dentre hospitais, postos de saúde e pronto-socorros, com um total de 49 leitos para internação[80] (2,4 leitos por mil habitantes),[81] entre os quais o Hospital Municipal Doutor José Augusto Dantas, unidade mista de saúde, que presta atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS), contando com serviços de atendimento ambulatorial, SADT (Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia), urgência e emergência, além de 22 leitos nas especialidades de clínica geral, pediatria clínica e psiquiatria.[82] Parelhas pertence à IV Unidade Regional de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (URSAP-RN), sediada em Caicó.[83]

Em 2010, a expectativa de vida ao nascer do município era de 73,09 anos, com um índice de longevidade de 0,802, e a taxa de mortalidade infantil era de 18,3 por mil nascidos vivos.[41] No mesmo ano, a rede profissional de saúde era constituída por 38 médicos, 23 auxiliares de enfermagem, dezesseis cirurgiões-dentistas, doze enfermeiros, quatro farmacêuticos, quatro técnicos de enfermagem, três nutricionistas, três assistentes sociais, três psicólogos, dois fisioterapeutas e um fonoaudiólogo.[81] Segundo dados do Ministério da Saúde, dezenove casos de AIDS foram registrados em Parelhas entre 1990 e 2012 e, entre 2001 e 2011, foram notificados 1 298 casos de dengue, três de leishmaniose e um de malária.[84] Em 2012, 98% das crianças menores de um ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia[85] e, entre as crianças menores de dois anos pesadas pelo Programa Saúde da Família (PSF), 1,1% estavam desnutridas.[46]

Educação[editar | editar código-fonte]

O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,617,[41] ao passo que a taxa de alfabetização da população acima dos dez anos indicada pelo último censo demográfico do mesmo ano foi de 84,2% (80,4% para os homens e 87,8% para as mulheres).[86] Ainda em 2010, Parelhas possuía uma expectativa de anos de estudos de 10,3 anos, valor acima da média estadual (9,54 anos). A taxa de conclusão do ensino fundamental, entre jovens de 15 a 17 anos, era de 53,5%, enquanto o percentual de conclusão do ensino médio (18 a 24 anos) era de 46,1%. Em 2012, 13,4% das crianças e adolescentes com faixa etária entre seis e catorze anos de idade estavam fora da escola. Em 2013, A distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com com idade superior à recomendada, era de 12,5% para os anos iniciais e 36,4% nos anos finais, enquanto no ensino médio essa defasagem chegava a 41%.[87]

No censo de 2010, da população total, 5 790 frequentavam creches ou escolas, sendo 4 864 na rede pública de ensino (84,01%) e 926 em redes particulares (15,99%). Desse total, 3 108 cursavam o regular do ensino fundamental (53,69%), 942 o regular do ensino médio (16,28%), 613 faziam cursos superiores de graduação (10,59%), 392 em creches (6,77%), 101 na educação de jovens e adultos do ensino fundamental (1,75%), 365 estavam no ensino pré-escolar (6,31%), 208 na classe de alfabetização (3,59%) e 60 na educação de jovens e adultos do ensino médio (1,03%).[88] Levando-se em conta o nível de instrução da população com idade superior a dez anos, 10 003 não possuíam instrução e fundamental incompleto (57,9%), 3 671 tinham ensino médio completo e superior incompleto (21,25%), 2 778 com fundamental completo e médio incompleto (16,08%), 694 com superior completo (4,02%) e 130 com nível indeterminado (0,75%).[89]

Em 2012 Parelhas possuía uma rede de dezenove escolas de ensino fundamental (com 155 docentes), nove do pré-escolar (trinta docentes) e quatro de ensino médio (46 docentes).[90] Recentemente, o município ganhou uma instituição de ensino superior, com as recentes instalações de um câmpus avançado do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), em atividade desde maio de 2015.[91]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Eventos e atrações turísticas[editar | editar código-fonte]

Parelhas realiza uma diversa quantidade de eventos anuais. Os principais são a festa do padroeiro São Sebastião, entre os dias 10 e 20 de janeiro, com a realização de novenas e missas em homenagem à aparição mariana, além da apresentação de bandas católicas, encerrando-se com a procissão;[92] o Encontro dos Jipeiros do Seridó, normalmente no mês de abril;[8] o Forró Folia, carnaval fora de época realizado em maio ou em agosto;[93] a festa de emancipação política, no dia 8 de novembro; a Festa dos Caminhoneiros, em outubro ou novembro[8] e o FECAP (Festival de Cultura), também no mês de novembro.[8]

Além das festividades, Parelhas também conta com diversas atrações turísticas, entre elas a barragem do Boqueirão e as serras da Arreia, da Coruja, das Gargantas, das Queimadas, do José Elias, Maniçoba, dos Marimbondos e Tibiri. Também se destacam o Sítio Mirador (encravada na Serra das Queimadas, apresentando pinturas rupestres) e o Terminal Turístico do Boqueirão.[8]

Futebol[editar | editar código-fonte]

Vista parcial interna do Estádio Laurentino Bezerra

Nos anos 80 a cidade era bastante conhecida pelos desportistas da região devido a supremacia futebolística do Centenário Esporte Clube, "papão" de títulos no futebol de campo, chegando a conquistar um tricampeonato nos anos de 88-89-90. A equipe foi um dos principais responsáveis por revelar grandes jogadores como Didi Ex-jogador do Corinthians. A revelação de craques sempre foi algo constante na cidade fazendo dela um "celeiro" perfeito para clubes de todo Brasil. Alguns registros apontam que os possíveis primeiros atletas da cidade a se "aventurarem" nos gramados brasileiros foram Aluísio Medeiros ( o zerão ) atuando no gol do Bangu-RJ e Paperó pelo Bonsucesso. Mais recentemente alguns atletas vem fazendo sucesso até mesmo no futebol internacional, são os casos de Luiz Eduardo, que atuou por algumas temporadas vestindo a camisa 9 em clubes do futebol búlgaro e Geová Azevedo, goleiro que jogou no futebol iraniano onde foi campeão da Azadegan League (liga correspondente a segunda divisão do Irã), jogando pela equipe do Tractor Club. Histórias como estas vem sendo cada vez mais frequentes no esporte da cidade.

No segundo semestre do ano de 2010 a equipe do Centenário Esporte Clube filiou-se a Federação Norte-rio-grandense de Futebol, onde disputou a segunda divisão do campeonato potiguar. O clube obteve uma campanha razoável onde chegou inclusive a liderar parte da competição mas não conseguiu manter o bom ritmo e acabou deixando escapar o acesso já nas rodadas finais.

Feriados municipais[editar | editar código-fonte]

Segundo a Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (AMPERN), em Parelhas há, além dos feriados nacionais, estaduais e dos pontos facultativos, três feriados municipais, que são os dias 20 de janeiro, dia do padroeiro municipal, São Sebastião; 24 de junho, dia de São João e 8 de novembro, data de emancipação política do município.[94]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. a b «Distância entre Natal e Parelhas». Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  3. a b «Área Territorial Brasileira - Consulta por Município». Resolução da Presidência do IBGE de n° 1, de 15/01/2013. IBGE. 23/01/2013. Consultado em 16/02/2015. 
  4. a b c «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NO BRASIL E UNIDADES DA FEDERAÇÃO COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 28 de agosto de 2014. Consultado em 2 de setembro de 2014. 
  5. a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 6 de agosto de 2013. 
  6. a b c «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010.  Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "IBGE_PIB" defined multiple times with different content
  7. «Distância entre Brasília e Parelhas». Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  8. a b c d e f g h i j «PARELHAS». IDEMA/RN. Arquivado desde o original (PDF) em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  9. «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Parelhas, RN». Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Arquivado desde o original (PDF) em 16 de fevereiro de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  10. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1954). «Chuvas - médias diárias - 1/1981». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  11. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1964). «Chuvas - médias diárias - 7/1964». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  12. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1945). «Chuvas - médias diárias - 2/1945». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  13. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1979). «Chuvas - médias diárias - 8/1979». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  14. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1972). «Chuvas - médias diárias - 3/1972». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  15. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1986). «Chuvas - médias diárias - 9/1986». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  16. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1954). «Chuvas - médias diárias - 4/1954». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  17. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1971). «Chuvas - médias diárias - 10/1971». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  18. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2004 - Posto: PARELHAS(EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2004. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  19. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1949). «Chuvas - médias diárias - 11/1949». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  20. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1936). «Chuvas - médias diárias - 6/1936». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  21. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1944). «Chuvas - médias diárias - 12/1944». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  22. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Parelhas (Estação Parelhas)». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 16 de fevereiro de 2015. 
  23. Idema (2012). «Aspectos físicos do RN» (PDF). 2012. Consultado em 18 de novembro de 2012. 
  24. a b «Clima: Parelhas». Climate Data. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  25. CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Agosto/2013). «Monitoramento Climático do Brasil». Consultado em 2013. 
  26. INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Agosto/2012). «Ranking de descargas elétricas». Consultado em 2013. 
  27. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1947). «Chuvas - médias diárias - 3/1947». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  28. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1976). «Chuvas - médias diárias - 3/1947». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  29. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1975). «Chuvas - médias diárias - 3/1975». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  30. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1946). «Chuvas - médias diárias - 3/1946». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  31. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1980). «Chuvas - médias diárias - 3/1980». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  32. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1924). «Chuvas - médias diárias - 2/1924». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  33. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1973). «Chuvas - médias diárias - 2/1973». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  34. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1967). «Chuvas - médias diárias - 3/1967». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  35. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 1992 - Posto: PARELHAS(EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 1992. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  36. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1974). «Chuvas - médias mensais - 4/1974». Agência Nacional de Águas. Arquivado desde o original em 23 de julho de 2014. Consultado em 23 de julho de 2014. 
  37. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. «Demografia - População Total». Confederação Nacional de Municípios. Arquivado desde o original em 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  38. a b «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  39. «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  40. «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  41. a b c d e f g «Parelhas, RN». Atlas Brasil. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  42. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  43. «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  44. «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  45. «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  46. a b «1 - acabar com a fome e a miséria». Portal ODM. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  47. «Forania de Jardim do Seridó». Diocese de Caicó. Arquivado desde o original em 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  48. a b c «Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  49. «Governo Municipal». Guia de direitos. Arquivado desde o original em 11 de outubro de 2011. Consultado em 30 de outubro de 2011. 
  50. «A CÂMARA». Câmara Municipal de Parelhas/RN. Arquivado desde o original em 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  51. «Parelhas RN». UOL Eleições. 7 de outubro de 2012. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  52. Alex Beretta (2015). «PREFEITO E VICE-PREFEITO DE PARELHAS PARTICIPAM DA MISSA E CAFÉ DA MANHÃ PARA OS IDOSOS». Arquivado desde o original em 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015.  Parâmetro desconhecido |Publicado= ignorado (|publicado=) (Ajuda)
  53. «VEREADORES». Câmara Municipal de Parelhas/RN. Arquivado desde o original em 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  54. «Raio-x das eleições: vereadores - Parelhas». Eleições UOL. 2012. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  55. a b [LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO «LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO»] Verifique |url= (Ajuda). Câmara Municipal de Parelhas/RN. 1990. Arquivado desde o original em 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  56. «Mapa das comarcas». Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. Arquivado desde o original em 24 de abril de 2013. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  57. «Estatística de eleitorado - Consulta por Município/Zona». TSE. Consultado em 21 de fevereiro de 2015. 
  58. a b «População por bairros - Rio Grande do Norte - 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. 
  59. «Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticas». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 9 de fevereiro de 2014. 
  60. «Pecuária - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Consultado em 1° de março de 2015. 
  61. «Produção agrícola municipal - lavoura permanente - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Consultado em 1° de março de 2015. 
  62. «Produção agrícola municipal - lavoura temporária - 2013». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2013. Consultado em 1° de março de 2015. 
  63. «Negócios alçam voos mais altos em Parelhas». SEBRAE-RN. 21 de outubro de 2014. Arquivado desde o original em 1° de março de 2015. Consultado em 1° de março de 2015. 
  64. «Seca pressiona indústria cerâmica». Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte. Arquivado desde o original em 1º de março de 2015. Consultado em 1º de março de 2015. 
  65. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2011). «Estatísticas do Cadastro Central de Empresas». Consultado em 10 de fevereiro de 2014. 
  66. «Tabela 3219 - Domicílios particulares permanentes, por número de moradores, segundo a situação do domicílio, o tipo de domicílio, a condição de ocupação e a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  67. Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. «Resumo dos Custos Totais de Poços Para Atender a Demanda Humana Concentrada no Ano 2020». Arquivado desde o original em 30 de agosto de 2011. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  68. «Tabela 1395 - Domicílios particulares permanentes, por situação do domicílio e existência de banheiro ou sanitário e número de banheiros de uso exclusivo do domicílio, segundo o tipo do domicílio, a forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  69. «A COSERN». Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  70. «Tensões Nominais». Agência Nacional de Energia Elétrica. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  71. «Tabela 1398 - Domicílios particulares permanentes e Moradores em domicílios particulares permanentes, cuja condição no domicílio não era pensionista, nem empregado(a) doméstico(a) ou seu parente, por classes de rendimento nominal mensal domiciliar, a situação do domicílio, a existência e número de banheiros de uso exclusivo do domicílio, a principal forma de abastecimento de água, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  72. «Tabela 3218 - Domicílios particulares permanentes, por forma de abastecimento de água, segundo a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário, o destino do lixo e a existência de energia elétrica». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  73. «Estado: Rio Grande do Norte (RN)». Web Busca. Arquivado desde o original em 26 de agosto de 2011. Consultado em 17 de agosto de 2015. 
  74. «Sobre Parelhas». Arquivado desde o original em 18 de agosto de 2015. Consultado em 18 de agosto de 2015. 
  75. «Portabilidade numérica chega a mais 8 milhões na 2ªf». Estadão. 7 de novembro de 2008. Arquivado desde o original em 21 de dezembro de 2014. Consultado em 18 de agosto de 2015. 
  76. «Tabela 3516 - Domicílios particulares permanentes, por existência de telefone, segundo a situação do domicílio e as classes de rendimento nominal mensal domiciliar per capita». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 18 de agosto de 2015. 
  77. «Rio Grande do Norte » Parelhas » frota - 2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Arquivado desde o original em 5 de agosto de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  78. «Região do Seridó discute projeto de Federalização da RN-086». Jornal de Fato. 30 de novembro de 2013. Arquivado desde o original em 5 de agosto de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  79. «LEI Nº 8.412, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2003» (PDF). Arquivado desde o original (PDF) em 5 de agosto de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  80. «Serviços de saúde - 2009». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2009. Consultado em 2 de março de 2015. 
  81. a b «Caderno de Informações de Saúde - Município: Parelhas - RN». DATASUS. Consultado em 2 de março de 2015. 
  82. «HOSPITAL DR JOSE AUGUSTO DANTAS». DATASUS. Arquivado desde o original em 2 de março de 2015. Consultado em 2 de março de 2015. 
  83. «Municípios - IV URSAP». Arquivado desde o original em 2 de março de 2015. Consultado em 2 de março de 2015. 
  84. «6 - combater a AIDS, a malária e outras doenças». Portal ODM. Consultado em 2 de março de 2015. 
  85. «4 - reduzir a mortalidade infantil». Portal ODM. Consultado em 2 de março de 2015. 
  86. «Tabela 1383 - Taxa de alfabetização das pessoas de 10 anos ou mais de idade por sexo». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 2 de março de 2015. 
  87. «4 - oferecer educação básica de qualidade para todos». Portal ODM. Consultado em 2 de março de 2015. 
  88. «Tabela 1972 - Pessoas que frequentavam creche ou escola por nível e rede de ensino». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 2 de março de 2015. 
  89. «Tabela 3540 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por nível de instrução, segundo a situação do domicílio, o sexo, a cor ou raça e os grupos de idade». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 2 de março de 2015. 
  90. «Ensino - matrículas, docentes e rede escolar - 2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Consultado em 2 de março de 2015. 
  91. «Campus Avançado Parelhas realiza aula inaugural». Portal IFRN. 15 de maio de 2015. Arquivado desde o original em 5 de agosto de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2015. 
  92. «Confira a Programação da festa de São Sebastião 2015 em Parelhas». 2015. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. 
  93. «Forró Folia tem início hoje em Parelhas». 8 de maio de 2009. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. 
  94. Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (AMPERN). «Anexo III - Feriados Municipais». Arquivado desde o original (pdf) em 3 de março de 2011. Consultado em 5 de agosto de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Parelhas
Bandeira do Rio Grande do Norte.svg A Wikipédia possui o Portal do Rio Grande do Norte. Artigos sobre história, cultura, atrações, personalidades e geografia.