Nova Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Nova Cruz
"Rainha do Agreste"
Bandeira de Nova Cruz
Brasão de Nova Cruz
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 15 de março de 1852 (165 anos)
Gentílico novacruzense
Prefeito(a) Targino Pereira (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Nova Cruz
Localização de Nova Cruz no Rio Grande do Norte
Nova Cruz está localizado em: Brasil
Nova Cruz
Localização de Nova Cruz no Brasil
06° 28' 40" S 35° 26' 02" O06° 28' 40" S 35° 26' 02" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Agreste Potiguar IBGE/2008 [1]
Microrregião Agreste Potiguar IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Santo Antônio, Várzea, Espírito Santo, Pedro Velho, Montanhas, Jacaraú, Caiçara, Logradouro, Tacima, Passa-e-Fica e Lagoa d'Anta
Distância até a capital 98 km[2]
Características geográficas
Área 277,658 km² [3]
População 37 395 hab. (RN: 12º) –  IBGE/2013[4]
Densidade 134,68 hab./km²
Altitude 73 m[5]
Clima Semiárido Bsh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,629 (RN: 39º) – médio PNUD/2010 [6]
PIB R$ 150 454,191 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 4 140,64 IBGE/2008[7]
Página oficial
Prefeitura www.novacruz.rn.gov.br
Câmara www.cmnovacruz.rn.gov.br

Nova Cruz é um município brasileiro localizado no interior do estado do Rio Grande do Norte, na mesorregião e microrregião do Agreste Potiguar. De acordo com a estimativa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no ano de 2013, sua população era de 37 079 habitantes, sendo o décimo segundo município mais populoso do estado. Área territorial de 277,658 km².

História[editar | editar código-fonte]

Era início do século XVI quando surgiu um núcleo populacional às margens do rio Curimataú, resultado da instalação de uma hospedaria pertencente aos primeiros moradores que ali chegaram. Essa hospedaria destinava-se ao descanso dos boiadeiros, vindos da Paraíba e de Pernambuco, quando passavam pela região com seus rebanhos. O crescimento da povoação foi aumentando, quando foram fixadas moradias por muitos boiadeiros que por ali passavam.[8]

No início o povoado foi chamado de Urtigal, devido à quantidade de urtigas existentes no local, segundo historiadores. Logo depois seu nome foi mudado para Anta Esfolada, em virtude de alguns fatos ocorridos na localidade, contados pelo historiador Manoel Dantas, que diz:[8]

Tornando-se o terror daquelas paragens e sem que o povoado conhecesse outra denominação, continuava sendo chamado de Anta Esfolada, até que um missionário conhecedor de artes diabólicas e exorcismo, percebendo que o demônio fazia mal àquela terra, através do corpo da anta, adquiriu galhos de inharé vindos de Santa Cruz, fez uma cruz e fincou no ponto mais alto da vereda por onde o animal costumava passar.[8]

O animal não mais apareceu e o povoado foi denominado definitivamente de Nova Cruz, e no dia 15 de março de 1852, pela Lei Provincial nº 245, foi criado o município de Nova Cruz, que só recebeu foros de cidade em 3 de dezembro de 1919.[8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Nova Cruz (em vermelho) e municípios limítrofes.
  Rio Grande do Norte
  Paraíba

O município de Nova Cruz está localizado na mesorregião e microrregião do Agreste Potiguar, no estado do Rio Grande do Norte,[1] distante 98 quilômetros da capital estadual, Natal,[2] e 2 132 quilômetros da capital federal, Brasília.[9] Ocupa uma área de 277,658 quilômetros quadrados,[3] e se limita com os municípios de Santo Antônio, Várzea e Espírito Santo a norte, estado da Paraíba (Tacima, Logradouro, Caiçara e Jacaraú) a sul, Montanhas e Pedro Velho a leste, Lagoa d'Anta e Passa-e-Fica a oeste.[10]

O relevo do município, com altitudes entre 50 e 200 metros, está inserido na depressão sublitorânea, que abrange terrenos rebaixados de transição entre os tabuleiros costeiros e o Planalto da Borborema. Geologicamente, o município está inserido em área de abrangência de rochas que compõem o embasamento cristalino, nas áreas de menor altitude e nos vales dos rios, provenientes do período Pré-Cambriano, com idade entre 1,1 e 2,5 bilhões de anos, além das coberturas colúvios-eluviais nas regiões mais altas. Geomorfologicamente predominam formas tabulares, com diferentes ordens de grandeza e de topo plano.[10]

O tipo de solo predominante é o planossolo sódico, cujas características são o alto nível de fertilidade, a textura formada por areia ou argila e a drenagem imperfeita. Há também o podzólico vermelho amarelo equivalente eutrófico e a areia quartzosa.[10][11] O município possui ainda dois sítios naturais: Conceição e Genipapo.[10]

Nova Cruz possui cerca de 70 % do seu território inserido na bacia hidrográfica do rio Curimataú e os 30 % restantes na bacia do rio Jacu. Os principais rios são Calabouço e Curimataú e os principais riachos são Curralinho, Massaranduba, João Gomes e Três Voltas. As principais lagoas são Bastião, do Couro, dos Currais, da Espera, Jenipapo, Limpa, do Peixe, Redonda e Umari. Os principais açudes, com capacidade igual ou superior a cem mil metros cúbicos (m³) de água são Pau Barriga (150 000 m³), Xique-Xique (124 700 m³) e do Seixo (100 000 m³).[10]

A cobertura vegetal é formada pela floresta subcaducifólia, com espécies vegetais cujas folhas são pequenas, caducas e caem na estação seca, e pela caatinga hipoxerófila, com espécies de arbustos e plantas de baixo porte, resistentes à seca, como o angico, a aroeira, a braúna, a catingueira, o juazeiro, o mandacaru, o marmeleiro e o umbuzeiro.[10]

Clima[editar | editar código-fonte]

Maiores acumulados de chuva em 24 horas
registrados em Nova Cruz por meses
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 107,2 mm 07/01/1948 Julho 93 mm 05/07/1994
Fevereiro 95,6 mm 12/02/1975 Agosto 80,4 mm 25/08/1975
Março 119 mm 29/03/1976 Setembro 130,2 mm 04/09/1979
Abril 105 mm 03/04/2011 Outubro 90,1 mm 24/10/1977
Maio 144 mm 21/05/1976 Novembro 47,3 mm 01/11/1948
Junho 190,4 mm 09/06/1980 Dezembro 58,2 mm 09/12/1945
Fontes: Agência Nacional de Águas (ANA) e Empresa de Pesquisa Agropecuária
do Rio Grande do Norte
(EMPARN). Período: 1912 a 1917, 1919, 1924, 1928 a 1961,
1963 a 1983 e a partir de 1992.[12][13]

O clima de Nova Cruz é caracterizado como semiárido quente (do tipo Bsh na classificação climática de Köppen-Geiger), com estação chuvosa de março a junho[10] e precipitação média em torno de 750 milímetros (mm) anuais. O mês mais chuvoso é abril (133 mm) e o mais seco é outubro (10 mm).[14] A temperatura média anual é de 25,5 ºC, sendo janeiro o mês mais quente (27 ºC) e julho o mais frio (23,3 ºC).[15] A umidade relativa do ar é de 77 %,[16] e o tempo de insolação chega a 2 700 horas anuais.[10]

Apesar do clima predominantemente seco, segundo dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), referentes ao período de 1912 a 1917, 1919, 1924, 1928 a 1961, 1963 a 1983 e a partir de 1992, o maior acumulado de chuva em 24 horas registrado em Nova Cruz foi de 190,4 milímetros em 9 de junho de 1980.[17] Outros grandes acumulados foram 144 milímetros em 21 de maio de 1976,[18] 142,5 milímetros em 29 de maio de 1945,[19] 134,7 milímetros em 25 de junho de 1936,[20] 130,2 milímetros em 4 de setembro de 1979,[21] 127 milímetros em 3 de junho de 2007,[22] 119,4 milímetros em 4 de junho de 1976,[23] 119 milímetros em 29 de março de 1976,[24] 107,2 milímetros em 7 de janeiro de 1938,[25] 106 milímetros em 1º de maio de 1997,[26] 105 milímetros em 3 de abril de 2011,[27] 100,5 milímetros em 5 de abril de 1978[28] e 100 milímetros em 10 de março de 2011.[27] O maior volume de chuva observado em um mês foi de 481,1 milímetros em abril de 1935.[29]

Dados climatológicos para Nova Cruz
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 31,8 31,8 31,3 30,9 30,3 29,4 29 29,5 30,4 31,2 31,7 31,8 30,8
Temperatura média (°C) 27 26,7 26,6 25,8 24,9 23,9 23,3 23,6 24,7 25,8 26,5 26,9 25,5
Temperatura mínima média (°C) 22,1 22,2 22,1 21,9 21,4 20,6 19,9 19,7 20,3 20,9 21,2 21,7 21,2
Chuva (mm) 38 63,7 114,2 133,2 111,6 103,3 79 42,6 20,1 9,9 12,2 12 746,7
Umidade relativa (%) 72 75,4 78,2 81,4 83,9 85,6 84,4 79,6 74,9 73,2 71,6 71 77,3
Fonte: Departamento de Ciências Atmosféricas.[30][15][31][14][16]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1872 20 939
1900 6 485
1920 20 328 213,5%
1940 29 240 43,8%
1950 27 565 -5,7%
1960 22 644 -17,9%
1970 22 285 -1,6%
1980 26 044 16,9%
1991 30 053 15,4%
2000 33 834 12,6%
2010 35 490 4,9%
Est. 2013 37 079 [4] 9,6%
Fonte: IBGE (1872-2010).[32][33]

A população de Nova Cruz no censo demográfico de 2010 era de 35 490 habitantes, sendo o décimo segundo município mais populoso do Rio Grande do Norte, apresentando uma densidade populacional de 127,82 km².[33] Desse total, 24 380 viviam na zona urbana (68,7 %) e 11 110 na zona rural (31,3 %). Ao mesmo tempo, 17 991 eram do sexo feminino (50,69 %) e 17 499 do sexo masculino (49,31 %), tendo uma razão de sexo de 97,27.[34][35] Quanto à faixa etária, 9 692 pessoas tinham menos de 15 anos (27,31 %), 22 669 entre 15 e 64 anos (63,87 %) e 3 129 possuíam 65 anos ou mais (8,82 %).[36] Ainda segundo o mesmo censo, a população era formada por 19 642 pardos (55,34 %), 14 665 brancos (41,32 %), 986 pretos (2,78 %) e 190 amarelos (0,54 %).[37]

Considerando-se a nacionalidade, todos os habitantes eram brasileiros natos.[38] Em relação à região de nascimento, 34 592 eram nascidos na Região Nordeste (97,43 %), 785 no Sudeste (2,21 %), 37 no Norte (0,1 %), 25 no Sul (0,07 %) e 23 no Centro-Oeste (0,06 %), além de 29 sem especificação (0,08 %). 30 842 habitantes eram naturais do Rio Grande do Norte (86,9 %) e, desse total, 25 349 eram nascidos em Nova Cruz (71,43 %). Entre os naturais de outras unidades da federação (11,01%), a Paraíba era o estado com maior presença, com 3 574 habitantes residentes (10,07 %), seguido por São Paulo, com 453 (1,28 %) e pelo Rio de Janeiro, com 323 (0,91 %).[39][40] No mesmo ano, dezoito pessoas emigraram de Nova Cruz para outros países, sendo quinze para a Europa (83,33 %) e para a América do Norte (16,67 %). Em relação aos países de destino, cinco foram para a Itália (27,78 %), três para Portugal (16,67 %), três para o México (16,67 %), dois para a Alemanha (11,11 %), um para o Reino Unido (5,56 %), um para a Noruega (5,56 %) e um para a Espanha (5,56 %), além de dois para outros países europeus (11,11 %).[41] Para 2013, a estimativa populacional é de 37 079 habitantes.[4]

O Índice de Desenvolvimento Humano do município é considerado médio, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,629, sendo o 39º maior do Rio Grande do Norte e o 3 501 º do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,788, o valor do índice de renda é de 0,589 e o de educação é de 0,537.[6] Em 2003, o índice de pobreza era de 64,76 % (o índice subjetivo era de 69,7 %).[42] De 2000 a 2010, a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até 140 reais passou de 62,4 % para 36,7 %, apresentando uma redução de 41,2 %. Em 2010, 63,3 % da população vivia acima da linha de pobreza, 19,8 % abaixo da linha de pobreza e 16,9 % entre as linhas de indigência e de pobreza.[43] No mesmo ano, o índice de Gini era de 0,52 e os 20 % mais ricos eram responsáveis por 54,43 % no rendimento total municipal, valor 23,6 vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de apenas 2,31 %.[36]

Religião[editar | editar código-fonte]

Conforme a atual divisão feita pela Igreja Católica, Nova Cruz está inserido na oitava zonal da Arquidiocese de Natal, sendo a sede da Paróquia da Imaculada Conceição, que foi criada em 12 de março de 1868 e também abrange o município de Lagoa d'Anta.[44] No censo de 2010, o catolicismo romano era a religião predominante em Nova Cruz, com 29 612 adeptos, ou 83,44 % da população municipal.[45][46]

Nova Cruz também os mais diversos credos protestantes reformados. Em 2010, 3 928 habitantes (11,07 %) eram evangélicos, sendo 2 658 pertencentes às evangélicas de origem pentecostal, 255 às de missão e 1 016 a outras igrejas. Além do catolicismo romano e do protestantismo, também havia 1 338 sem religião (3,74 %) - dentre os quais nove ateus (0,03 %) -, 168 testemunhas de Jeová (0,47 %), 143 católicos ortodoxos (0,4 %), 114 seguidores de outras religiosidades cristãs, 64 católicos apostólicos brasileiros (0,18 %) e 35 umbandistas e candomblecistas (0,1 %). Outros 32 tinham religião indeterminada ou múltiplo pertencimento e 28 não souberam.[45][46]

Política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município de Nova Cruz é representado pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários e eleito pelo voto direto para um mandato de quatro anos, podendo ser reeleito para um segundo mandato consecutivo.[47][48] O atual chefe do executivo municipal é Cid Arruda Câmara, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), eleito nas eleições municipais de 2012 com 55,89 % dos votos válidos,[49] tendo como vice Monique Peixoto Targino, filiada ao Partido Progressista (PP).[50] O atual prefeito continua sendo Cid Arruda Câmara, com a vice Monique Peixoto Targino, mas em 2017, o prefeito que irá assumir é Targino Pereira da Costa Neto que ganhou de Cid Arruda Câmara e de Hudson Tourinho nas eleições de 2016 com 50,83 % dos votos, tendo como vice Flávio de Beróis, os dois são filiados ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB)

O poder legislativo é constituído pela Câmara Municipal,[47] composta por doze vereadores eleitos para mandatos de quatro anos. Na atual legislatura, iniciada em 2013, é formada por quatro cadeiras do Partido Socialista Brasileiro (PSB), quatro do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), uma do Partido Solidariedade (SD), uma do Partido Verde (PV), uma do Partido dos Trabalhadores (PT) e do Partido Social Democrático (PSD).[51] Seu atual presidente é o vereador Thiago da Costa Vicente, eleito para o biênio 2013-2014.[52]

Existem ainda alguns conselhos municipais em atividade. São eles: Antidrogas, Assistência Social, Cultura, Defesa do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico Sustentável, Direito da Mulher, Educação, FUMAC, FUNDEF, Saúde, Trabalho Comunitário, Turismo e Tutelar.[10] Nova Cruz se rege por sua lei orgânica, que foi promulgada no dia 3 de abril de 1990,[10] e é sede de uma comarca do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte, de terceira entrância, cujos termos são Lagoa d'Anta, Montanhas e Passa-e-Fica.[53][54] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o município possuía, em dezembro de 2013, 28 394 eleitores, o que representa 1,207 % do total do Rio Grande do Norte.[55]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Artesanato, festas e eventos[editar | editar código-fonte]

O artesanato é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural novacruzense. Em várias partes do município é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, feita com matérias-primas regionais e criada de acordo com a cultura e o modo de vida local. Alguns grupos reúnem diversos artesãos da região, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em feiras, exposições ou lojas de artesanato.[56] Algumas dessas exposições ocorrem na Casa da Cultura.[57]

Nova Cruz realiza uma diversa quantidade de eventos todos os anos.[58] Entre eles, destacam-se a festa de São Sebastião; a festa de Nossa Senhora da Piedade; a festa de São Pedro; a festa de emancipação política; a festa da Imaculada Conceição (padroeira municipal) e a festa de Santa Luzia.[10]

Principais atrativos turísticos[editar | editar código-fonte]

A Casa da Cultura de Nova Cruz está instalada no prédio onde funcionava a estação ferroviária. Esta estação, por sua vez, tem um significado muito grande para o município, pois foi nela que os novacruzenses, por décadas, embarcaram e desembarcaram dos trens que cortavam o estado e outros estados vizinhos. O prédio fora construído em fins do século XIX, aproximadamente em 1883, e sua arquitetura segue o padrão das demais estações ferroviárias, largamente aplicadas pelos ingleses ainda no tempo da antiga Great Western. Na programação da Casa de Cultura estão incluídas exposições de artes plásticas de artistas locais, cursos de danças folclóricas, apresentação de repentistas e outras atividades culturais que falam das raízes dos novacruzenses e da Região Agreste.[57]

A Praça do Marco Zero está construída no local onde foi fundada a cidade de Nova Cruz, em meados de 1852. Diz a lenda que foi neste local que o Frei Serafim de Catania fincou uma cruz feita com galhos de inharé, planta muito comum na região, para espantar uma anta esfolada que vivia aterrorizando os habitantes do lugarejo. Fincada a cruz a anta nunca mais apareceu e, a partir dessa dada, o local passou a se chamar Nova Cruz.[57]

Construída no início do século XX, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição é um prédio imponente, como suas colunas interiores que lembram colunas góticas e seu altar-mor, abrigando a virgem da Conceição ao centro, provoca a admiração de todos os fiéis. Além do seu valor arquitetônico, essa igreja tem o seu valor sentimental, pois foi nela que a grande maioria dos novacruzenses realizaram seu batismo, crisma, sua primeira comunhão e o matrimônio.[57]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Segundo a Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (AMPERN), em Nova Cruz há quatro feriados municipais, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. Os feriados municipais são: o dia de São Sebastião, 20 de janeiro; o dia de emancipação política de Nova Cruz, comemorado no dia 3 de dezembro; o dia da padroeira Nossa Senhora da Conceição, comemorado em 8 de dezembro e o dia de Santa Luzia, que é comemorado em 13 de dezembro.[59]

Referências

  1. a b c «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. a b «Distância entre Natal - Rio Grande do Norte, Brasil e Nova Cruz - Rio Grande do Norte, Brasil». Consultado em 14 de junho de 2014 
  3. a b «Área territorial oficial - consulta por município». Resolução da Presidência do IBGE de n° 1 de 15 de janeiro de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 15 de janeiro de 2015. Consultado em 14 de junho de 2015 
  4. a b c «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2013» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 29 de agosto de 2013. Consultado em 14 de junho de 2014 
  5. Embrapa Monitoramento por Satélite. «Rio Grande do Norte». Consultado em 27 de julho de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011 
  6. a b «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  8. a b c d e «História». Confederação Nacional de Municípios (CNM). Consultado em 8 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2011 
  9. «Distância entre Brasília - Distrito Federal, Brasil e Nova Cruz - Rio Grande do Norte, Brasil». Consultado em 14 de junho de 2014 
  10. a b c d e f g h i j k «NOVA CRUZ» (PDF). IDEMA/RN. 2008. Consultado em 8 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2011 
  11. «Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Nova Cruz, RN» (PDF). Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Consultado em 14 de junho de 2014 
  12. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). «Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Nova Cruz». Agência Nacional de Águas (ANA). Consultado em 14 de junho de 2014 
  13. «Monitoramento pluviométrico». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. Consultado em 14 de junho de 2014 
  14. a b «PRECIPITAÇÃO MENSAL». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1990. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  15. a b «TEMPERATURA COMPENSADA MENSAL E ANUAL DO RIO GRANDE DO NORTE». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  16. a b «UMIDADE RELATIVA DO AR». Departamento de Ciências Atmosféricas. 1911–1980. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  17. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1980). «Chuvas - médias diárias 6/1980». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  18. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1976). «Chuvas - médias diárias 5/1976». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  19. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1945). «Chuvas - médias diárias 5/1945». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  20. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1945). «Chuvas - médias diárias 5/1945». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  21. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1979). «Chuvas - médias diárias 9/1979». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  22. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2007 - Posto: NOVA CRUZ (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2007. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  23. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1976). «Chuvas - médias diárias 6/1976». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  24. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1976). «Chuvas - médias diárias 3/1976». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  25. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1938). «Chuvas - médias diárias 1/1938». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  26. «Ocorrência de Chuvas (mm) - 1997 - Posto: NOVA CRUZ (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 1997. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  27. a b «Ocorrência de Chuvas (mm) - 2011 - Posto: NOVA CRUZ (EMATER)». Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. 2011. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  28. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1978). «Chuvas - médias diárias 4/1978». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  29. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1935). «Chuvas - médias mensais - 1935». Agência Nacional de Águas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  30. «TEMPERATURA MÁXIMA MENSAL E ANUAL DO RIO GRANDE DO NORTE». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  31. «TEMPERATURA MÍNIMA MENSAL E ANUAL DO RIO GRANDE DO NORTE». Departamento de Ciências Atmosféricas. Consultado em 14 de junho de 2014. Cópia arquivada em 14 de junho de 2014 
  32. «Evolução da população, segundo os municípios - 1872/2010» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  33. a b «Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  34. «Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  35. «Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  36. a b «Nova Cruz, RN». Atlas Brasil. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  37. «Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  38. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  39. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  40. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). «Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento». Sistema IBGE de Recuperação Automática. Consultado em 27 de junho de 2013 
  41. «Tabela 3173 - Emigrantes internacionais, por sexo, segundo os continentes e países estrangeiros de destino». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  42. «Rio Grande do Norte » Nova Cruz » Mapa de Pobreza e Desigualdade - Municípios Brasileiros - 2003». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2003. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  43. «ACABAR COM A FOME E A MISÉRIA». Portal ODM. 2010. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  44. «Paróquias». Arquidiocese de Natal. Consultado em 15 de junho de 2014. Cópia arquivada em 15 de junho de 2014 
  45. a b «Censo 2010 - Lista municípios e religiões, Exibir Registro [ Id: 1164 ]». 2010. Consultado em 15 de junho de 2014 
  46. a b «Rio Grande do Norte » Nova Cruz » censo demográfico 2010: resultados da amostra - religião». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Consultado em 15 de junho de 2014 
  47. a b «Governo Municipal». Consultado em 15 de junho de 2014 
  48. «EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 16, DE 04 DE JUNHO DE 1997». Planalto. 4 de junho de 1997. Consultado em 9 de março de 2014 
  49. «Prefeito». Prefeitura de Nova Cruz. Consultado em 15 de junho de 2014 
  50. «Vice-Prefeita». Prefeitura de Nova Cruz. Consultado em 15 de junho de 2014 
  51. «Os Vereadores». Câmara Municipal de Nova Cruz. Consultado em 15 de junho de 2014 
  52. «O Presidente da Câmara». Câmara Municipal de Nova Cruz. Consultado em 15 de junho de 2014 
  53. «Consulta de Comarcas e Juízes». Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. Consultado em 15 de junho de 2014 
  54. «Mapa das comarcas». Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte. Consultado em 15 de junho de 2014 
  55. «Eleições / Estatísticas eleitorais / Consulta Quantitativo». Tribunal Superior Eleitoral. Consultado em 15 de junho de 2014 
  56. «Artesanato potiguar será destaque na grande feira promovida pela Sethas». Secretário do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social (SETHAS). 26 de agosto de 2011. Consultado em 8 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2011 
  57. a b c d «Pontos Turísticos». Confederação Nacional de Municípios (CNM). Consultado em 8 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2011 
  58. «Sec. Eventos». Prefeitura de Nova Cruz. Consultado em 8 de dezembro de 2011 
  59. «FERIADOS MUNICIPAIS DAS COMARCAS DO RN – ANO 2010». Consultado em 4 de outubro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]