Jardim do Seridó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Jardim do Seridó
"Terra de Conceição"
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 1 de setembro
Fundação 1858
Gentílico jardinense
Prefeito(a) Jocimar Dantas de Araújo (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Jardim do Seridó
Localização de Jardim do Seridó no Rio Grande do Norte
Jardim do Seridó está localizado em: Brasil
Jardim do Seridó
Localização de Jardim do Seridó no Brasil
06° 35' 02" S 36° 46' 26" O06° 35' 02" S 36° 46' 26" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Central Potiguar IBGE/2008[1]
Microrregião Seridó Oriental IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: São José do Seridó e Acari; Sul: Ouro Branco e Santana do Seridó; Leste: Parelhas e Carnaúba dos Dantas; e Oeste: Caicó.
Distância até a capital 224 km[2]
Características geográficas
Área 368,643 km² [3]
População 12 124 hab. (RN: 47º) –  IBGE/2012[4]
Densidade 32,89 hab./km²
Altitude 218 m
Clima Semi-árido BSh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,663 (RN: 16°) – médio PNUD/2010 [5]
PIB R$ 58 646,311 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 4 744,08 IBGE/2008[6]
Página oficial

Jardim do Seridó é um município brasileiro no interior do estado do Rio Grande do Norte. Pertencente à Microrregião do Seridó Oriental e Mesorregião Central Potiguar, localiza-se a sudoeste da capital do estado, distanciando desta cerca de 224 km. Ocupa uma área de 368,643 km² e sua população era no ano de 2010 de 12 113 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o quadragésimo sétimo mais populoso do estado e o terceiro de sua microrregião.

Localizada entre o Planalto da Borborema e a Chapada do Apodi, o município tem uma temperatura média anual de 27,5 °C e a caatinga é a vegetação predominante. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,722, considerando como médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), sendo então o décimo melhor do estado.

História[editar | editar código-fonte]

No final do século XVII, com o objetivo específico de reprimir a volta dos índios Cariris, uma expedição chegou ao território, marcando a presença do homem branco em área indígena. O povoamento da região só ocorreu algum tempo depois com a chegada de Antônio Azevedo Maia, nos idos de 1770, que tornou-se o novo proprietário da fazenda que comprou ao Sargento Mor Alexandre Nunes Matos e deu-lhe o nome de fazenda Conceição.

Ao falecer em 1802, Antônio Azevedo Maia deixou uma grande descendência e nessa época a comunidade Conceição já estava alcançando desenvolvimento de vila. Em abril de 1853, foi instalada uma escola e em 1856 passou a ser freguesia de Nossa Senhora da Conceição.

Desmembrado de Acari, em 1 de setembro de 1858, pela Lei nº 407, o povoado de Conceição passou a município com a denominação Jardim, em virtude da existência de um belo jardim cultivado pelo Capitão Miguel Rodrigues Viana.

Em 27 de agosto de 1874, de acordo com a Lei nº 703, para diferenciar de Jardim de Angicos, o município passou a ser chamado de Jardim do Seridó.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Jardim do Seridó é a 9º município do nordeste com a maior porcentagem de brancos, onde 65,32% da população se declara branca[7] . Os fortes traços de influência europeia da população jardinense do seridó fez com que os habitantes recebessem a alcunha de galegos, que era utilizado para designar as pessoas mais claras que vieram majoritariamente de norte de Portugal e da fronteira galega na Espanha, principalmente da região do vale do Minho (região de onde nasceu o pai do fundador da cidade), seguida das regiões de Açores, Estremadura, Douro e Trás-os-Montes, onde eram chamados de patrões-marinheiros, em referência a viagem marítima de Portugal ao Brasil; mas Jardim do Seridó ainda foi povoada por migrantes de Pernambuco (Goiana e Igarassu) e Paraíba.[8] No entanto acredita-se que parte da população branca tenha ascendência judia oriunda da Península Ibérica, chamados de Cristãos-Novos, pois foram forçados a conversão ao catolicismo, sendo isso ainda motivo de estudos.[9] A presença de negros africanos, apesar de limitada, é muito forte culturalmente na região, onde fundaram a Irmandade dos Negros do Rosário. Os indígenas nativos da região eram originários das famílias tarairiú (janduí) e cariri, onde se dividiam em cinco grupos: canindés, Jenipapos, sucurus, cariris e pegas.[10] Atualmente, não existem mais índios puros na região, pois foram exterminados durante a ocupação branca por guerras e doenças, restando apenas mestiços. Jardim do Seridó é muito conhecida por sua população apresentar basicamente quatro sobrenomes: Azevedo, Araújo, Medeiros e Dantas.

Religião[editar | editar código-fonte]

A grande maioria da população se declara Católica Apostólica Romana, contabilizando 96,53 % dos habitantes. 0,63% da população é evangélica de origem pentecostal, que seguem a Igreja Assembléia de Deus (0,63%). Seguida dos evangélicos de missão - 0,47%, que se dividem em Presbiterianos (0,37%), Batista (0,11%). Os evangélicos sem vínculo institucional somam 0,19%. Entre as minorias temos os Testemunhas de Jeová (0,19%) e os Espíritas (0,26%). Ainda 1,58% dos jardinenses do seridó declaram não seguir nenhuma religião.[11]

Crescimento populacional[editar | editar código-fonte]

Ano 1970 1980 1991 2000 2010
Evolução populacional 8.906 10.354 11.840 12.041 12.109[12]

Economia[editar | editar código-fonte]

Com uma economia diversificada, o Município possui algumas atividades econômicas caracterizadas por uma produção incipiente voltada apenas para o mercado interno, exemplo da agropecuária, da pesca, do extrativismo vegetal e à silvicultura.

A indústria, também diversificada, vem ampliando sua linha de atuação em: cerâmicas, oficinas de ferro, fábricas de móveis, fábricas de calçados, fábricas de caixas de papelão, padarias, serviço público, facções (Fábricas de produção de vestimentas), conta com a Empresa Café Ícla, supermercados e entre outros, incrementando a exportação econômica do Município.

O comércio vem se modernizando e juntamente com os serviços públicos ameniza o problema da mão-de-obra desocupada. O setor hoteleiro está sendo ampliado, além do Conceição Palace Hotel cresce o número de pousadas e de edifícios destinados a aluguel de apartamentos.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

A frota municipal no ano de 2010 era de 2 830 veículos, sendo 1 396 motocicletas, 737 automóveis, 298 motonetas, 156 caminhonetes, 123 caminhões, 45 ônibus, 34 camionetas, 19 micro-ônibus e 6 caminhões-trator. Outros tipos de veículos incluíam 13 unidades.[22] Por não possuir rios em abundância, o município não possui muita tradição no transporte hidroviário. Jardim do Seridó também não é cortada por ferrovias em seu território. O município conta com um aérodromo, localizado cerca de 7 km da sede do município que é capaz de receber aviões de pequeno porte. O aeroporto com voos regulares mais próximo de Jardim do Seridó é o Aeroporto de Campina Grande, que dista cerca de 160 km da cidade seguindo pela rodovia estadual a RN-088. Nas margens da rodovia BR-427, a única rodovia que corta a cidade, está localizada a rodoviária municipal, que conta com rotas à cidades como Caicó, Natal, Campina Grande, Mossoró.

Meios de comunicação[editar | editar código-fonte]

A cidade não possui canais locais. Para quem não possui antena parabólica, existe o sistema de repetidora de sinal, onde os canais são retransmitidos de Natal. Os canais oferecidos neste sistema são: Globo, SBT e Record.

A cidade conta com serviços de telefonia celular, empresas como a Claro e TIM estão atuando no município. São utilizadas antenas de grandes proporções, instaladas na cidade, cobrindo quase toda área rural do município.

O rádio ainda é o meio de informação mais utilizado pelos jardinenses. A cidade possui uma única emissora: Rádio Cabugi do Seridó: 1150AM.

O acesso a Internet é possível através de conexão por linha discada e banda larga.

SEGURANÇA PÚBLICA:

A cidade conta com uma Companhia de Policia Militar e com sua própria Guarda Municipal,que protege os bens, serviços e instalações municipais e reforça a segurança pública local.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Atrativos turísticos[editar | editar código-fonte]

  • Igreja de Nossa Senhora da Conceição: A igreja foi construída por descendentes do fundador da cidade, Antônio de Azevedo Maia, em 1824. Possui duas imponentes torres encimadas por bandeiras metálicas, uma de Nossa Senhora da Conceição e outra com as Armas do Império. No altar-mor, há uma imagem da padroeira da cidade, Nossa Senhora da Conceição, em tamanho natural.
  • Santuário do Sagrado Coração de Jesus: Foi construído em estilo gótico, de 1888 a 1892, no ponto mais alto da cidade. Pode ser visto em toda a cidade. Possui em sua torre um relógio que até hoje serve para conferir a hora na cidade.
  • Fóssil animal pré-histórico: No sítio Riacho Verde, em 1856, foi encontrado um fóssil. Para alguns pesquisadores, esse era de um rinoceronte, já para outros era de uma gigantesca tartaruga que existia na Região do Seridó, no período da Pré-História. O sítio é aberto à visitação e fica distante 24 km da sede do município.
  • Inscrições Rupestres
  • Museu Histórico Antônio de Azevedo Maia: Fica na Prefeitura Municipal,e tem um bom acervo.
  • Barragem Passagem das Traíras: Açude localizado a caminho da BR-427 que liga Jardim do Seridó a Caicó.
  • Açude Zangarelhas: Localizado a caminho da RN-088, que liga Jardim do Seridó a Parelhas.
  • Rio Cobra: É um dos principais rios da cidade. Passa por lajedos escarpados, onde se descobre um pequeno lago de águas calmas e várias cachoeiras, conhecido como Poço da Moça,que se situa logo após um dos maiores reservatório de agua da cidade;o Açude Zangarelhas..
  • Ponte da Pedra Lavrada: Obra arquitetônica construída em 1922,localizada no sitio Catururé, era na Propriedade do Sr.Chico Seráfico,por sobre as águas do Rio Seridó, de grande beleza, na época das cheias encanta os nativos e visitantes com a força das águas revoltas que descem da barragem na mesma propriedade.É um recanto muito aprazível,com imenso rochedos nas margens do rio.
  • Rio Seridó- Principal rio da cidade e região,nasce na Paraiba e passa por Jardim do Seridó,formando já neste município a barragem da pedra lavrada ,onde se situa a "Ponte de Zé de Basto" e abastece o Reservatório Passagem das Traíras ,que fornece água para Jardim e Caicó.
  • Solar Padre Justino-Grande Sobrado construido pelos descendentes de Antonio Azevedo Maia II,e cuja fundação remonta a década de 1840.Atualmente está instalada a Prefeitura Municipal.
  • Canal : Grande Obra arquitetônica feita para escoar as águas do Riacho que vem do Açude da Comissão,que atravessa toda a cidade até desembocar no rio seridó.Na metade do caminho no centro da cidade , se criou uma área de entretenimento com vários bares ,que hoje todos chamam "CANAL",em alusão ao referido,sendo esse u point da juventude local.
  • Casa do Rosário :Instalação que data do Seculo XIX,onde ficam hospedados a "Corte dos Negros do Rosário" durante o Mês de dezembro,em todos os anos.Tem um bom acervo de fotos antigas dessa irmandade e é bastante isitada por colégios locais e de outras cidades.
  • Casa de Cultura :Antiga cadeia Pública local,também preserva uma boa fração de documentos e fotos históricos da urbe Seridoense.No seu atrio acontecem apresentações culturais.
  • Açude Comissão :Este reservatório teve sua construção no seculo XIX,após uma grande seca ,devido a uma verba- comissão enviada pelo então Imperador do Brasil ,D.Pedro II.
  • Praça da Saudade:Bela Praça construída em frente ao cemitério local.Se destaca pela sua bela arquitetura.
  • Carnaval: Destaca-se este evento anual,pela alegria do povo local,festeiro e receptivo.Tendo seus locais de ocorrência pública ,noas arredores do "Canal" já falado antes e na rua Cel .Felinto Elisio,ao lado da Praça Dr.José Augusto.
  • Culinária :A Culinária Jardinese destaca-se pelas delicias que encantam o paladar do visitante ,que misturam influencias europeias , africanas e indígenas,como os biscoitos finos,os tarecos, beijus, peixes no coco,o feijão de corda e o arroz de leite,o cuzcuz temperado,as carnes de carneiro,boi "torradas" ao modo sertanejo,o picado de carneiro,as linguiças de carne de porco e gado,e agora até de frango,e os doces ,como doce de leite , caju,coco,e tantos outros.
  • Feira Livre Municipal:Evento semanal onde ocorrem o comercio de vários produtos de origem local e de outras cidades,e que pode ser encarado como um evento social,isto que é o dia em que a população da zona rural vem a cidade para se abastecer de bens e insumos.Lá se pode encontrar desde vestuário popular,até comidas locais,frutas e verduras,redes,produtos plásticos , de couro,peixe e carnes,ferramentas e produtos impportados,e até bares,enfim,está instalada num verdadeiro e grande mercado público,que é o centro de abastecimento municipal.O ideal é que se chegue cedo a feira e se aprecie a cultura local.
  • Centro de Abastecimento Municipal e Açougue Pùblico:Ao redor deles acontecem a feira ,e são amplos prédios ,reformados em 2015,e em ótimo estado.
  • Banda de Música "Euterpe Jardinese":Está instalada em sua sede na rua Otávio Lamartine ,pero da feira livre ,e na opinião de muitos ,é um dos maiores expoentes da cultura local,com suas retretas,alvoradas e desfiles,que , ao estilo de orquestra sinfonica ,toca do popular ao erudito .Já ganhou vários prêmios no Estado do RN,e deveria ser prioridade da municipalidade local, tal a sua grandeza e beleza dos seus concertos.
  • Fauna e Flora Local:Mesmo estando numa região do semi árido brasileiro,a diversidade da flora ,com suas cactaceas,faveleiras,juazeiros, pereiros,e craibeiras ,além da tipica jurema,foma uma mata tipica , como um cerrado,que serve de lar a muitos tipos de aves,mamiferos,e repteis ,que são abundantes nas caatingas locais.Nota-se que ainda não se teve atenção ao turismo de "trekking" nestas paisagens locais.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde dezembro de 2009).
  • Viajando pelo Rio Grande do Norte em 1927, o escritor modernista e folclorista paulista Mário de Andrade, admirado com a arquitetura moderna,edificada no início do século XX na cidade de Jardim do Seridó, escreveu em seu livro Aprendiz de Turista: “Às 9 cortamos Jardim de Seridó, uma cidadezinha de Tarsila, toda colorida limpa e reta. Catita por demais, lembrando Araraquara por isso. Cidade pra inglês ver. Mas não tem dúvida que é um dos momentos de cor mais lindos que já tive neste aprendizado pra turista”.[13]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. IDH de nível médio, comparável ao da Síria (108º do mundo): Lista de países por Índice de Desenvolvimento Humano

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. FEMURN. «Distâncias dos Municípios do Rio Grande do Norte a Natal-RN». Consultado em 13 de agosto de 2011. 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  4. «ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2012» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 30 de agosto de 2011. Consultado em 31 de agosto de 2012. 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013. 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  7. IBGE. «Tabela 3175 - População residente, por cor ou raça, segundo a situação do domicílio, o sexo e a idade - Ranking descendente». Consultado em 10 de maio de 2011. 
  8. Tomislav R. Femenick. «Artigo sobre o Ciclo do Algodão». 06 de Junho de 2010. Consultado em 2011. 
  9. «Artigo sobre os judeus marranos no RN». 
  10. «Artigo História e Espaço seridoense entre os séculos XVII e XIX» (PDF). 
  11. IBGE. «Tabela 2094 - População residente por religião no ano 2000». Consultado em 3 de dezembro de 2011. 
  12. «Página do IBGE com conteúdo destinado à Jardim do Seridó». 
  13. «A cor do Sertão do Seridó - Natal Press». Alexandro Gurgel. Consultado em 09 de Setebro de 2007. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]