Eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 2002

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1998 Brasil 2006
Eleições estaduais no  Rio Grande do Norte em 2002
6 de outubro de 2002
(Primeiro turno)
27 de outubro de 2002
(Segundo turno)
Wilmafaria2006.jpg Replace this image male.png
Candidato Wilma de Faria Fernando Freire
Partido PSB PPB
Natural de Mossoró, RN Recife, PE
Vice Antônio Jácome Laíre Rosado
Votos 820.541 523.614
Porcentagem 61,05% 38,95%


Brasão do Rio Grande do Norte.svg

Governador do Rio Grande do Norte

As eleições estaduais no Rio Grande do Norte aconteceram em 6 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram escolhidos a governadora Wilma de Faria, o vice-governador Antônio Jácome, os senadores Garibaldi Alves Filho e José Agripino Maia, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais. Como nenhum candidato a governador alcançou metade mais um dos votos válidos, houve um segundo turno em 27 de outubro e conforme a Constituição a posse da governadora e de seu vice-governador se daria em 1º de janeiro de 2003 para quatro anos de mandato já sob a égide da reeleição.[1][2][3][4][nota 1]

Nascida em Mossoró e formada em Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Norte com especialização em Sociologia, Wilma de Faria lecionou na referida instituição, foi assessora da Secretaria de Educação e Cultura de Natal na gestão do prefeito Vauban Bezerra e coordenadora de projetos e convênios da Pró-Reitoria de Planejamento e Coordenação Geral da UFRN. Primeira-dama potiguar no governo Lavoisier Maia, desenvolveu ações de voluntariado, de assistência social e ainda colaborou com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais. No primeiro governo José Agripino Maia foi secretaria do Trabalho e Bem-Estar Social presidindo ainda a Fundação Estadual do Trabalho e Ação Comunitária e o Conselho Estadual de Menores, entretanto afastou-se para concorrer à prefeitura de Natal pelo PDS em 1985 numa disputa vencida pelo PMDB de Garibaldi Alves Filho.[5] Eleita deputada federal em 1986, migrou para o PDT e foi eleita prefeita de Natal em 1988.[6] Ao deixar o Palácio Felipe Camarão[nota 2] ingressou no PSB e embora tenha perdido as eleições para o governo potiguar em 1994, retornou à prefeitura de Natal em 1996 e foi reeleita em 2000, renunciando ao cargo seis meses antes de eleger-se governadora do Rio Grande do Norte em 2002, estado que já foi governado por seus tios-avôs Juvenal Lamartine de Faria e Dinarte Mariz.[7][8][9]

O vice-governador eleito foi o médico, advogado e teólogo paraibano Antônio Jácome.[10] Nascido em Sousa, graduou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na Universidade Potiguar e na Faculdade Teológica de Ciências Humanas e Sociais Logos (FAETEL), respectivamente. Detém especialização nas áreas de Medicina Estética, Medicinado Antienvelhecimento, Medicina Ortomolecular e Direito Público em instituições como: o Centro de Estudos e Pesquisas e Consultoria de Saúde (CEPECS) em Belo Horizonte, a Fundação de Apoio à Pesquisa e Estudo na Área de Saúde (FAPES) em São Paulo e mestrado em Teologia na FAETEL. Filiado ao PMDB foi eleito vereador em Natal em 1988 e deputado estadual em 1990. Ao aproximar-se de Wilma de Faria foi seu auxiliar na prefeitura da capital potiguar como secretário municipal de Promoção Social, membro do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente e secretário municipal de Assuntos Comunitários. Eleito vereador pelo PDT em Natal em 1996, migrou para o PSB sendo eleito deputado estadual em 1998 e vice-governador do Rio Grande do Norte em 2002.[10]

Na eleição para senador o mais votado foi o jornalista Garibaldi Alves Filho. Advogado nascido em Natal e formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foi chefe de gabinete da prefeitura de Natal na gestão de seu tio, Agnelo Alves, que acabaria cassado em 1969 pelo Ato Institucional Número Cinco,[11][12] mesmo destino de Garibaldi Alves, pai de Garibaldi Alves Filho. Filiado ao MDB e ao PMDB foi eleito deputado estadual em 1970, 1974, 1978 e 1982. Eleito prefeito de Natal em 1985 ao derrotar Wilma de Faria,[5] conquistou um mandato de senador em 1990.[13] Eleito governador do estado em 1994 e reeleito em 1998, elegeu-se senador em 2002 e durante o mandato foi escolhido presidente do Senado Federal em 12 de dezembro de 2007 sob o impacto do Renangate.[14]

Engenheiro civil natural de Mossoró e formado em 1967 pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, o senador José Agripino Maia trabalhou na iniciativa privada antes do ingresso na vida política.[15] Nomeado prefeito de Natal em 1979 pelo governador Lavoisier Maia,[16] passou da ARENA para o PDS e nesta legenda foi eleito governador do Rio Grande do Norte em 1982. Criado o PFL às vésperas da Nova República, elegeu-se senador em 1986, ajudou a escrever a Carta de 1988 foi ungido governador potiguar pela segunda vez em 1990 e regressou ao Senado Federal em 1994. Embora tenha perdido a eleição para governador em 1998, foi reeleito ao buscar um novo mandato de senador em 2002.[15][17][2]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Conforme o acervo do Tribunal Superior Eleitoral foram apurados 1.310.730 votos nominais.[1]

Candidatos a governador(a) do estado Candidatos a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Wilma de Faria
PSB
Antônio Jácome
PSB
40
Vitória do Povo
(PSB, PGT, PST)
492.756
37,59%
Fernando Freire
PPB
Laíre Rosado
PMDB
11
Unidade Popular
(PPB, PMDB, PSDB, PHS, PTdoB, PTN, PSD)
404.865
30,89%
Fernando Bezerra
PTB
Carlos Augusto Rosado
PFL
14
Vontade do Povo
(PTB, PFL, PPS, PDT, PV, PAN, PSL)
261.225
19,93%
Ruy Pereira
PT
Anchieta Lopes
PCdoB
13
Frente Popular Potiguar
(PT, PCdoB, PMN, PL)
147.380
11,24%
Sônia Godeiro
PSTU
Francisco Varela
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
2.392
0,18%
Marcônio Cruz
PSC
Antônio de Oliveira
PRP
20
Força do Povo
(PSC, PRP)
1.498
0,12%
Roberto Ronconi
PSDC
Elizabeth Farias
PSDC
27
PSDC (sem coligação)
614
0,05%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Conforme o acervo do Tribunal Superior Eleitoral foram apurados 1.344.155 votos nominais.[1]

Candidatos a governador(a) do estado Candidatos a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Wilma de Faria
PSB
Antônio Jácome
PSB
40
Vitória do Povo
(PSB, PGT, PST)
820.541
61,05%
Fernando Freire
PPB
Laíre Rosado
PMDB
11
Unidade Popular
(PPB, PMDB, PSDB, PHS, PTdoB, PTN, PSD)
523.614
38,95%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Conforme o acervo do Tribunal Superior Eleitoral foram apurados 2.423.663 votos nominais.[1]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Garibaldi Alves Filho
PMDB
João Faustino
PSDB
Carlos Alberto de Oliveira Torres
PMDB
154
Unidade Popular
(PPB, PMDB, PSDB, PHS, PTdoB, PTN, PSD)
714.363
29,48%
José Agripino Maia
PFL
José Bezerra de Araújo Júnior
PFL
Edivan Secundo Lopes
PTB
252
Vontade do Povo
(PTB, PFL, PPS, PDT, PV, PAN, PSL)
594.912
24,53%
Geraldo Melo
PSDB
Garibaldi Alves
PMDB
Hermano Morais
PSDB
456
Unidade Popular
(PPB, PMDB, PSDB, PHS, PTdoB, PTN, PSD)
479.723
19,79%
Augusto Viveiros
PFL
Raimundo de Freitas
PFL
Fátima Lapenda
PFL
253
Vontade do Povo
(PTB, PFL, PPS, PDT, PV, PAN, PSL)
221.147
9,13%
Hugo Manso
PT
Gutemberg Queiroz
PT
Lailson de Almeida
PT
131
Frente Popular Potiguar
(PT, PCdoB, PMN, PL)
217.911
8,99%
José Marcelo de Souza
PT
Geraldo Saraiva
PT
Volclene Bezerra
PT
133
Frente Popular Potiguar
(PT, PCdoB, PMN, PL)
113.405
4,68%
Ismael Wanderley Filho
PSB
Luiz Augusto Maranhão
PST
Ailton Fagundes
PGT
404
Vitória do Povo
(PSB, PGT, PST)
68.480
2,83%
Maurício Pereira Dantas
PRP
Não disponível
-
Não disponível
-
444
Força do Povo
(PSC, PRP)
6.697
0,28%
Fernando Antônio dos Santos
PSTU
Myltson Vieira
PSTU
Manoel Messias
PSTU
162
PSTU (sem coligação)
4.684
0,19%
Ana Célia Ferreira
PSTU
Edvaldo Lima
PSTU
José Garcia
PSTU
161
PSTU (sem coligação)
2.341
0,10%
  Eleito(s)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[18] Ressalte-se que os votos em branco eram incluídos no cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[3]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Fátima Bezerra PT 161.875 11,08% Nova Palmeira  Paraíba
Álvaro Dias PMDB 138.241 9,45% Natal  Rio Grande do Norte
Iberê Ferreira[nota 3] PTB 103.882 7,11% Natal  Rio Grande do Norte
Ney Lopes PFL 97.425 6,67% Natal  Rio Grande do Norte
Betinho Rosado PFL 92.888 6,35% Mossoró  Rio Grande do Norte
Sandra Rosado PMDB 90.792 6,21% Mossoró  Rio Grande do Norte
Henrique Eduardo Alves PMDB 85.437 5,84% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Nélio Dias PPB 79.399 5,43% Umarizal  Rio Grande do Norte

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 24 cadeiras da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Robinson Faria PFL 44.879 3,07% Natal  Rio Grande do Norte
José Adécio Costa PFL 43.484 2,97% Pedro Avelino  Rio Grande do Norte
Luiz Almir PPB 43.356 2,96% Juazeiro do Norte  Ceará
Ricardo Motta PPB 39.999 2,74% Natal  Rio Grande do Norte
Fernando Mineiro PT 39.963 2,73% Curvelo  Minas Gerais
Larissa Rosado PMDB 39.144 2,68% Mossoró  Rio Grande do Norte
Nelter Queiroz PMDB 37.354 2,55% Jucurutu  Rio Grande do Norte
Nelson Freire PPB 36.621 2,50% Natal  Rio Grande do Norte
Paulinho Freire PSB 35.352 2,42% Natal  Rio Grande do Norte
Alexandre Cavalcanti PPB 34.765 2,38% São Paulo do Potengi  Rio Grande do Norte
Ezequiel Ferreira PTB 34.228 2,34% Natal  Rio Grande do Norte
Ruth Ciarlini PFL 34.073 2,33% Mossoró  Rio Grande do Norte
José Dias PMDB 33.604 2,30% Umarizal  Rio Grande do Norte
Joacy Pascoal PPB 33.385 2,28% Recife  Pernambuco
Vivaldo Costa PL 33.205 2,27% Caicó  Rio Grande do Norte
Francisco José PPB 33.063 2,26% Reriutaba  Ceará
Márcia Maia PSB 31.645 2,16% Natal  Rio Grande do Norte
Raimundo Fernandes PPB 30.808 2,11% São Miguel  Rio Grande do Norte
Getúlio Rego PFL 30.047 2,05% Portalegre  Rio Grande do Norte
Elias Fernandes Neto PMDB 29.662 2,03% Pau dos Ferros  Rio Grande do Norte
Vidaldo Costa PPB 28.234 1,93% [nota 4]
Gesane Marinho PDT 26.943 1,84% Recife  Pernambuco
Wober Júnior PPS 24.033 1,64% Natal  Rio Grande do Norte
Paulo Davim PT 18.359 1,26% Natal  Rio Grande do Norte

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 2003.
  2. O Palácio Felipe Camarão é a sede da prefeitura de Natal e foi após deixar o cargo pela primeira vez que Wilma de Faria deixou de assinar "Wilma Maia", pois se divorciara de Lavoisier Maia.
  3. Eleito vice-governador na chapa que reelegeu Wilma de Faria em 2006, Iberê Ferreira renunciou ao mandato no fim da legislatura em prol de Lavoisier Maia.
  4. Não foi possível determinar seu local de nascimento.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  2. a b «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  3. a b «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  4. Rio Grande do Norte: Wilma e Freire vão ao 2º turno (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 07/10/2002. Especial, A 10. Página visitada em 25 de agosto de 2017.
  5. a b Em Natal, vence o candidato da família Alves (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/11/1985. Política, p. 06. Página visitada em 18 de agosto de 2017.
  6. Vilma (sic) Maia é empossada em Natal com forró (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 02/01/1989. Política, p. A-7. Página visitada em 18 de agosto de 2017.
  7. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputada Wilma de Faria». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  8. Wilma, pelas diretas já (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 22/03/1987. Política, p. 05. Página visitada em 18 de agosto de 2017.
  9. «Ex-governadora do RN, Wilma de Faria morre em Natal (g1.globo.com)». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  10. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputada Antônio Jácome». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  11. Prisão de Agnelo Alves e de um jornalista em Natal baseou-se no AI-5 (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 17/05/1969. Primeiro caderno, p. 16. Página visitada em 19 de agosto de 2017.
  12. «Morre o deputado estadual Agnelo Alves, ex-prefeito de Natal (g1.globo.com)». Consultado em 19 de agosto de 2017 
  13. «Senado Federal do Brasil: senador Garibaldi Alves Filho». Consultado em 19 de agosto de 2017 
  14. «Garibaldi é eleito presidente do Senado (senado.leg.br)». Consultado em 19 de agosto de 2017 
  15. a b «Senado Federal do Brasil: senador José Agripino Maia». Consultado em 19 de agosto de 2017 
  16. MDB não aprova prefeito de Natal (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 04/03/1979. Política e Governo, p. 05. Página visitada em 19 de agosto de 2017.
  17. José Agripino credita à sua vitória novas verbas para Rio Grande do Norte (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 09/12/1982. Política, Primeiro caderno, p. 05. Página visitada em 19 de agosto de 2017.
  18. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 18 de agosto de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013