Eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 1994

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1990 Brasil 1998
Eleições estaduais no  Rio Grande do Norte em 1994
3 de outubro de 1994
(Decisão em primeiro turno)
Foto oficial de Garibaldi Alves Filho.jpg Replace this image male.png
Candidato Garibaldi Alves Filho Lavoisier Maia
Partido PMDB PDT
Natural de Natal, RN Catolé do Rocha, PB
Vice Fernando Freire Rosalba Ciarlini
Votos 489.765 359.870
Porcentagem 52,67% 38,70%


Brasão do Rio Grande do Norte.svg
Governador do Rio Grande do Norte

Titular
Vivaldo Costa
PL

As eleições estaduais no Rio Grande do Norte ocorreram em 3 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados. Foram escolhidos o governador Garibaldi Alves Filho, o vice-governador Fernando Freire, os senadores Geraldo Melo e José Agripino Maia, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais. Como o candidato vencedor alcançou a metade mais um dos votos válidos, a eleição para governador foi decidida em primeiro turno e conforme a Constituição e a Lei nº. 8.713, a posse ocorreria em 1º de janeiro de 1995 para quatro anos de mandato e originalmente sem direito a reeleição.[nota 1][1][2][3]

Advogado nascido em Natal e formando na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Garibaldi Alves Filho descende de tradicional família potiguar e é jornalista. Iniciou sua carreira ao entrar no MDB em lugar de seu pai, Garibaldi Alves, que se encontrava com os direitos políticos suspensos. Antes foi chefe de gabinete de seu tio, Agnelo Alves, na prefeitura de Natal. Eleito deputado estadual em 1970, 1974 e 1978, ingressou no PMDB e conquistou mais um mandato em 1982. Em 1985 foi eleito prefeito da capital potiguar numa disputa com Wilma de Faria[4] e em 1990 foi eleito senador numa coligação chefiada por Lavoisier Maia que, em 1994, foi derrotado por Alves na primeira disputa pelo governo estadual entre as duas famílias desde 1982.[5][6] Garibaldi Alves Filho é sobrinho de Aluizio Alves, eleito governador do Rio Grande do Norte em 1960 e se tornou o primeiro mandatário potiguar a tomar posse no Palácio de Despachos de Lagoa Nova.

Empresário nascido no Recife e graduado em Londres e Amesterdã na área de Comércio Exterior ao longo dos anos 1970,[7] Fernando Freire prestou serviços a entidades sob influência da Confederação Nacional do Comércio, a qual era dirigida por seu pai, Jessé Freire. Presidente da Companhia Nacional de Álcalis por dois anos a partir de 1984, ingressou na política após a morte do irmão, Jessé Freire Filho, a quem sucedeu como deputado federal ao eleger-se via PFL em 1990. Voto favorável à abertura do impeachment de Fernando Collor em 1992,[8] foi eleito vice-governador do Rio Grande do Norte pelo PPR em 1994.

Eleito senador com a maior votação do estado, o jornalista Geraldo Melo é potiguar de Campo Grande. Nomeado para uma das diretorias da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE) a convite de Celso Furtado, cursou antes a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e detém especialização no Centro de Estudos Monetários Latino-Americanos no México.[nota 2] Estagiário no Banco Interamericano de Desenvolvimento e no Banco Mundial, foi secretário de Planejamento no governo Aluizio Alves, aliás o primeiro titular da pasta. Empresário do setor sucroalcooleiro em Ceará-Mirim, foi eleito vice-governador do Rio Grande do Norte via ARENA na chapa de Lavoisier Maia em 1978, trocou depois o PDS pelo PMDB. Presidente do diretório estadual da legenda, foi eleito governador do estado em 1986 e após o ingresso no PSDB foi eleito senador em 1994.[9]

Para ocupar a outra cadeira de senador foi eleito José Agripino Maia. Engenheiro civil natural de Mossoró, formou-se na Universidade do Estado do Rio de Janeiro em 1967. Dedicado à iniciativa privada, ingressou na ARENA e foi nomeado prefeito de Natal em 1979 pelo governador Lavoisier Maia[10] e com o apoio deste foi eleito governador do Rio Grande do Norte pelo PDS em 1982. Na Nova República tomou assento no PFL e foi eleito senador em 1986. Após ajudar na elaboração da nova Carta Magna, retornou ao governo do estado em 1990 e conquistou um novo mandato de senador em 1994.[2][11]

Beneficiado pela vitória de Garibaldi Alves Filho ao governo do estado, o engenheiro civil Fernando Bezerra foi efetivado senador. Formado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte em 1965 com pós-graduação em Engenharia Econômica e Administração de Negócios na Utah State University,[12] dirigiu o Departamento de Estradas de Rodagem, fez parte do Conselho Rodoviário Estadual, trabalhou em empresas da família e foi presidente do Clube de Engenharia do Rio Grande do Norte. Eleito presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte em 1979, manteve o posto por quinze anos e assim foi alçado à uma diretoria na Confederação Nacional da Indústria, instituição da qual assumiu a presidência em 1995. Eleito primeiro suplente de senador pelo PMDB em 1990, assumiu o mandato após a renúncia do titular.[13][12]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral houve 929.822 votos nominais (74,14%), 222.165 votos em branco (17,71%) e 102.137 votos nulos (8,14%) resultando no comparecimento de 1.491.112 eleitores.[1]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Garibaldi Alves Filho
PMDB
Fernando Freire
PPR
15
Unidade Popular
(PMDB, PPR, PSDB)
489.765
52,67%
Lavoisier Maia
PDT
Rosalba Ciarlini
PFL
12
Vontade do Povo
(PDT, PFL, PTB, PP, PL)
359.870
38,70%
Fernando Mineiro
PT
José Bezerra
PT
13
Frente Popular Potiguar
(PT, PSTU)
44.596
4,80%
Wilma de Faria
PSB
Binha Torres
PSB
40
Frente Popular Pela Cidadania
(PSB, PCdoB, PCB, PPS, PMN, PV, PSC)
35 591
3,83%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Geraldo Melo
PSDB
Manoel Torres
PMDB
452
Unidade Popular
(PMDB, PPR, PSDB)
441.707
27,75%
José Agripino Maia
PFL
Janilson Ferreira
PFL
252
Vontade do Povo
(PDT, PFL, PTB, PP, PL)
387.935
24,37%
Francisco Urbano
PSDB
-
PSDB
453
Unidade Popular
(PMDB, PPR, PSDB)
310.746
19,52%
Raimundo Fernandes
PL
-
PL
223
Vontade do Povo
(PDT, PFL, PTB, PP, PL)
218.780
13,74%
Salomão Gurgel
PSB
-
PSB
402
Frente Popular pela Cidadania
(PSB, PCdoB, PCB, PPS, PMN, PV, PSC)
72.835
4,58%
Floriano Bezerra
PT
-
PT
133
Frente Popular Potiguar
(PT, PSTU)
61.047
3,84%
Jorge de Castro
PT
-
PT
132
Frente Popular Potiguar
(PT, PSTU)
59.789
3,76%
Hermano Paiva
PPS
-
PPS
233
Frente Popular pela Cidadania
(PSB, PCdoB, PCB, PPS, PMN, PV, PSC)
38.779
2,44%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[14] Ressalte-se que os votos em branco eram incluídos no cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[15]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Henrique Eduardo Alves PMDB 108.322 14,70% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Carlos Alberto[nota 3] PFL 58.255 7,91% Natal  Rio Grande do Norte
Cipriano Correia PSDB 56.786 7,71% Santana do Matos  Rio Grande do Norte
Iberê Ferreira[nota 4] PFL 56.165 7,62% Natal  Rio Grande do Norte
Betinho Rosado PFL 50.628 6,87% Mossoró  Rio Grande do Norte
Augusto Viveiros PFL 49.937 6,78% Natal  Rio Grande do Norte
Ney Lopes PFL 47.652 6,47% Natal  Rio Grande do Norte
Laíre Rosado PMDB 46.884 6,37% Mossoró  Rio Grande do Norte

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 24 cadeiras da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Nelter Queiroz PPR 33.479 4,14% Natal  Rio Grande do Norte
José Adécio Costa PFL 27.679 3,42% Pedro Avelino  Rio Grande do Norte
Ivonete Dantas PL 24.020 2,97% Caicó  Rio Grande do Norte
Robinson Faria PFL 23.349 2,89% Natal  Rio Grande do Norte
Carlos Marinho PFL 23.292 2,88% Natal  Rio Grande do Norte
Frederico Rosado PMDB 22.937 2,84% Mossoró  Rio Grande do Norte
Carlos Eduardo Alves PMDB 21.556 2,67% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Nira Fernandes PL 20.149 2,49% Pau dos Ferros  Rio Grande do Norte
Ricardo Motta PFL 20.096 2,49% Natal  Rio Grande do Norte
Petrônio Tinoco PSDB 17.991 2,23% Natal  Rio Grande do Norte
Manoel Correia PMDB 17.470 2,16% Natal  Rio Grande do Norte
Ronaldo Soares PFL 17.383 2,15% Natal  Rio Grande do Norte
Valério Mesquita PFL 16.816 2,08% Natal  Rio Grande do Norte
Tarcísio Andrade PMDB 16.764 2,07% Natal  Rio Grande do Norte
Álvaro Dias PMDB 16.368 2,03% Natal  Rio Grande do Norte
Getúlio Rego PFL 15.957 1,97% Natal  Rio Grande do Norte
Leonardo Câmara PDT 15.591 1,93% Santa Maria  Rio Grande do Norte
Nelson Freire PFL 15.355 1,90% Natal  Rio Grande do Norte
Wober Pinheiro PMDB 15.309 1,89% Natal  Rio Grande do Norte
José Dias PMDB 15.081 1,87% Natal  Rio Grande do Norte
Elias Fernandes Neto PFL 15.061 1,86% Natal  Rio Grande do Norte
Targino Pereira PMDB 14.626 1,81% Natal  Rio Grande do Norte
Francisco Silveira PFL 14.377 1,78% Natal  Rio Grande do Norte
Fátima Bezerra PT 8.347 1,03% Nova Palmeira  Paraíba

Notas

  1. A reeleição foi inserida no ordenamento jurídico brasileiro pela Emenda Constitucional nº. 16 de 04/06/1997.
  2. Segundo a Fundação Getúlio Vargas e o Senado Federal seu nascimento aconteceu em Natal.
  3. Faleceu em 22 de dezembro de 1998 e em seu lugar foi efetivada Ana Catarina Alves.
  4. Licenciou-se em prol de João Faustino a fim de ocupar a Secretaria do Trabalho e Ação Social no governo Garibaldi Alves Filho.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 16 de agosto de 2017 
  2. a b «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 16 de agosto de 2017 
  3. «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 8.713 de 30/09/1993». Consultado em 16 de agosto de 2017 
  4. Em Natal, vence o candidato da família Alves (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/11/1985. Política, p. 06. Página visitada em 19 de agosto de 2017.
  5. «Senado Federal do Brasil: senador Garibaldi Alves Filho». Consultado em 17 de agosto de 2017 
  6. Pedetista critica Brizola e adere a Cardoso (online).Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 18/09/1994. Política e Governo, p. 07. Página visitada em 17 de agosto de 2017.
  7. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Fernando Freire». Consultado em 17 de agosto de 2017 
  8. «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8. ». Consultado em 17 de agosto de 2017 
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Geraldo Melo». Consultado em 17 de agosto de 2017 
  10. MDB não aprova prefeito de Natal (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 04/03/1979. Política e Governo, p. 05. Página visitada em 17 de agosto de 2017.
  11. «Senado Federal do Brasil: senador José Agripino Maia». Consultado em 17 de agosto de 2017 
  12. a b «Senado Federal do Brasil: senador Fernando Bezerra». Consultado em 18 de agosto de 2017 
  13. Novo presidente da CNI será empossado hoje (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/10/1995. Brasil, p. 1-5. Página visitada em 18 de agosto de 2017.
  14. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 16 de agosto de 2017 
  15. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 16 de agosto de 2017