Eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 1998

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1994 Brasil 2002
Eleições estaduais no  Rio Grande do Norte em 1998
4 de outubro de 1998
(Decisão em primeiro turno)
Garibaldi Alves Filho Senador.jpg Senadorjoseagripinomaia.jpg
Candidato Garibaldi Alves Filho José Agripino Maia
Partido PMDB PFL
Natural de Natal, RN Mossoró, RN
Vice Fernando Freire (PPB) Gileno Guanabara (PSB)
Votos 560.667 462.177
Porcentagem 50,17% 41,36%


Brasão do Rio Grande do Norte.svg
Governador do Rio Grande do Norte

As eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 1998 ocorreram em 4 de outubro como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal. Foram eleitos o governador Garibaldi Alves Filho, o vice-governador Fernando Freire, o senador Fernando Bezerra, oito deputados federais e vinte e quatro estaduais. Como o candidato mais votado obteve um total superior à metade mais um dos votos válidos o pleito foi decidido em primeiro turno e conforme a Constituição a posse do governador e de seu vice-governador se daria em 1º de janeiro de 1999 para quatro anos de mandato já sob a égide da reeleição.[1][2][3][nota 1]

Beneficiado pelo instrumento da reeleição o governador Garibaldi Alves Filho disputou um novo mandato à frente do Executivo potiguar. Jornalista nascido em Natal, formou-se advogado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte e ingressou na política como substituto de seu pai, Garibaldi Alves, cujos direitos políticos estavam suspensos. Antes foi chefe de gabinete da prefeitura de Natal na gestão de seu tio, o também cassado Agnelo Alves.[4] Partidário do MDB e depois do PMDB, elegeu-se deputado estadual em 1970, 1974, 1978 e 1982. Eleito prefeito de Natal em 1985, cumpriu o mandato e reuniu condições para eleger-se senador em 1990.[5] Eleito governador do estado em 1994, teve o mandato renovado em 1998 e passou à história como o primeiro governador reeleito da história do Rio Grande do Norte.[nota 2]

Também reeleito, o vice-governador Fernando Freire é natural do Recife e adquiriu formação na área de Comércio Exterior em Londres e Amesterdã nos anos 1970.[6] Filho de Jessé Freire, assessorou o pai na presidência da Confederação Nacional do Comércio, trabalhou na Associação Comercial do Rio de Janeiro e na iniciativa privada e em 1984 assumiu a presidência da Companhia Nacional de Álcalis. Sua estreia política aconteceu somente após a morte de seu irmão, Jessé Freire Filho, em 1988 e assim Fernando Freire foi eleito deputado federal pelo PFL em 1990. Nessa condição votou pela abertura do impeachment de Fernando Collor em 1992.[7] Eleito vice-governador na chapa de Garibaldi Alves Filho via PPR em 1994, migrou para o PPB e foi reconduzido ao cargo em 1998.

Outro vitorioso foi o engenheiro civil Fernando Bezerra. Nascido em Santa Cruz, formou-se pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte com pós-graduação em Engenharia Econômica e Administração de Negócios na Utah State University, chegou a dirigir o Departamento de Estradas de Rodagem potiguar, integrou o Conselho Rodoviário estadual e foi presidente do Clube de Engenharia do Rio Grande do Norte, além de trabalhar em empresas de sua família. Eleito presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Norte em 1979, manteve o cargo por quinze anos. Membro da diretoria da Confederação Nacional da Indústria, foi eleito primeiro suplente de senador pelo PMDB na chapa de Garibaldi Alves Filho em 1990 sendo efetivado quatro anos depois quando o titular elegeu-se governador do Rio Grande do Norte. Sobrinho de Teodorico Bezerra, foi eleito presidente da CNI em outubro de 1995 e reeleito senador em 1998.[8][9]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte houve 1.117.535 votos nominais.[1]

Candidato a governador(a) do estado
Candidato a vice-governador(a) Número Coligação Votação Percentual
Garibaldi Alves Filho
PMDB
Fernando Freire
PPB
15
Unidade Popular
(PMDB, PPB, PPS, PMN, PRTB, PAN, PTdoB)
560.667
50,17%
José Agripino Maia
PFL
Gileno Guanabara
PSB
25
Vontade do Povo
(PFL, PSB, PSDB, PTB, PL, PV, PSL, PSD, PSDC, PST, PRP)
462.177
41,36%
Manoel Duarte
PT
Juliano Siqueira
PCdoB
13
Frente Popular Potiguar
(PT, PDT, PCdoB, PCB)
75.164
6,73%
Dário Barbosa
PSTU
Eugênio Almeida
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
8.124
0,73%
Roberto Ronconi
PSN
Esmeraldo Cavalcanti
PSN
31
PSN (sem coligação)
6.538
0,58%
Marconio Cruz
PSC
Francisco Paiva
PSC
20
PSC (sem coligação)
4.865
0,43%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte houve 1.030.101 votos nominais.[1]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Fernando Bezerra
PMDB
Agnelo Alves
PMDB
Tasso Rosado
PMDB
15
Unidade Popular
(PMDB, PPB, PPS, PMN, PRTB, PAN, PTdoB)
539.197
52,34%
Carlos Alberto de Sousa
PSDB
Cipriano Correia
PSDB
Maria Gizenira Diógenes de Freitas Fernandes
PL
45
Vontade do Povo
(PFL, PSB, PSDB, PTB, PL, PV, PSL, PSD, PSDC, PST, PRP)
353.414
34,31%
Hugo Manso
PT
Henrique Miranda Sá Neto
PDT
Davi Queiroz de Macedo
PDT
13
Frente Popular Potiguar
(PT, PDT, PCdoB, PCB)
122.857
11,93%
Sônia Godeiro
PSTU
Manoel Messias Maciel
PSTU
Edvaldo de Sousa Lima
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
14.633
1,42%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[10] Ressalte-se que os votos em branco eram incluídos no cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[3]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Henrique Eduardo Alves PMDB 163.572 15,74% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Iberê Ferreira PPB 103.099 9,92% Natal  Rio Grande do Norte
Múcio Sá PMDB 82.484 7,94% Mossoró  Rio Grande do Norte
Lavoisier Maia PFL 73.933 7,11% Catolé do Rocha  Paraíba
Betinho Rosado PFL 61.670 5,93% Mossoró  Rio Grande do Norte
Ney Lopes PFL 61.659 5,93% Natal  Rio Grande do Norte
Ana Catarina Alves PMDB 52.878 5,09% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Laíre Rosado PMDB 51.509 4,96% Mossoró  Rio Grande do Norte

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Estavam em jogo 24 cadeiras da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Álvaro Dias PMDB 45.260 4,03% Natal  Rio Grande do Norte
Carlos Eduardo Alves PMDB 41.689 3,71% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Márcia Maia PSB 41.269 3,68% Natal  Rio Grande do Norte
Fátima Bezerra PT 30.697 2,73% Nova Palmeira  Paraíba
José Dias PMDB 28.948 2,58% Umarizal  Rio Grande do Norte
Wober Júnior PMDB 28.452 2,53% Natal  Rio Grande do Norte
Robinson Faria PFL 27.645 2,46% Natal  Rio Grande do Norte
Ricardo Motta PPB 27.326 2,43% Natal  Rio Grande do Norte
Nelter Queiroz PL 27.211 2,42% Jucurutu  Rio Grande do Norte
Frederico Rosado PMDB 26.208 2,33% Mossoró  Rio Grande do Norte
Alexandre Cavalcanti PFL 24.275 2,16% São Paulo do Potengi  Rio Grande do Norte
Nelson Freire PPB 23.196 2,07% Natal  Rio Grande do Norte
Tarcísio Andrade PMDB 22.334 1,99% Natal  Rio Grande do Norte
Elias Fernandes Neto PMDB 22.073 1,97% Pau dos Ferros  Rio Grande do Norte
Raimundo Freitas Júnior PTB 21.374 1,90% Mossoró  Rio Grande do Norte
Sandra Rosado PMDB 19.911 1,77% Mossoró  Rio Grande do Norte
Ronaldo Soares PPB 19.694 1,75% Assu  Rio Grande do Norte
Vidalvo Costa PL 19.623 1,75% [nota 3]
Getúlio Rego PFL 19.550 1,74% Portalegre  Rio Grande do Norte
Pedro Melo Filho PSDB 19.524 1,74% Natal  Rio Grande do Norte
Ruth Ciarlini PFL 19.480 1,74% Mossoró  Rio Grande do Norte
José Adécio Costa PFL 19.147 1,71% Pedro Avelino  Rio Grande do Norte
Antônio Jácome PSB 14.118 1,26% Sousa  Paraíba
Leonardo Câmara PDT 12.796 1,14% João Pessoa  Paraíba

Notas

  1. A posse dos parlamentares eleitos ocorreria em 1º de fevereiro de 1999.
  2. A reeleição para cargos executivos foi inserida em nosso ordenamento jurídico pela Emenda Constitucional n.º 16 de 04/06/1997.
  3. Não foi possível determinar seu local de nascimento.

Referências

  1. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 17 de agosto de 2017. 
  2. «BRASIL. Presidência da República. Constituição de 1988». Consultado em 17 de agosto de 2017. 
  3. a b «BRASIL. Presidência da República. Lei nº. 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 17 de agosto de 2017. 
  4. «Morre o deputado estadual Agnelo Alves, ex-prefeito de Natal (g1.globo.com)». Consultado em 19 de agosto de 2017. 
  5. «Senado Federal do Brasil: senador Garibaldi Alves Filho». Consultado em 18 de agosto de 2017. 
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Fernando Freire». Consultado em 18 de agosto de 2017. 
  7. «Governistas tentaram evitar implosão (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 30/09/1992. Brasil, p. 1-8. ». Consultado em 18 de agosto de 2017. 
  8. Novo presidente da CNI será empossado hoje (online). Folha de S. Paulo, São Paulo (SP), 18/10/1995. Brasil, p. 1-5. Página visitada em 18 de agosto de 2017.
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Fernando Bezerra». Consultado em 18 de agosto de 2017. 
  10. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 17 de agosto de 2017.