Eleições estaduais no Piauí em 1998

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1994 Brasil 2002
Eleições estaduais no  Piauí em 1998
4 de outubro de 1998
(Primeiro turno)
25 de outubro de 1998
(Segundo turno)
Mao-Santa.jpg Hugo napoleao.jpg
Candidato Mão Santa Hugo Napoleão
Partido PMDB PFL
Natural de Parnaíba, PI Portland, EUA
Vice Osmar Júnior Felipe Mendes
Votos 637.235 613.338
Porcentagem 50,96% 49,04%


Brasão do Piauí.svg
Governador do Piauí

Titular
Mão Santa
PMDB

Eleito
Mão Santa
PMDB

As eleições estaduais no Piauí em 1998 ocorreram em 4 de outubro, como parte das eleições gerais em 26 estados e no Distrito Federal.[1] No estado foram eleitos o governador Mão Santa, o vice-governador Osmar Júnior, o senador Alberto Silva, 10 deputados federais e 30 estaduais. Como nenhum candidato a governador recebeu a maioria dos votos válidos, houve um segundo turno em 25 de outubro entre Mão Santa e Hugo Napoleão, ambos egressos da ARENA e do PDS e aliados em eleições anteriores.[nota 1] Segundo a Constituição de 1988, o mandato do governador seria de quatro anos a se iniciar em 1º de janeiro de 1999 e permitia uma reeleição aos que já detinham mandato executivo a partir do pleito de 1994, quando Mão Santa conquistou seu primeiro mandato de governador, conforme a Emenda Constitucional nº 16 de 4 de junho de 1997.

No segundo turno Mão Santa venceu Hugo Napoleão pela menor margem desde a vitória de Alberto Silva sobre Freitas Neto em 1986 numa luta tão renhida que resultou num processo por abuso de poder econômico contra o vencedor, demanda acolhida pelo Tribunal Superior Eleitoral em 6 de novembro de 2001 quando Mão Santa e seu vice tiveram os mandatos cassados. Após tal decisão, Hugo Napoleão e Felipe Mendes foram empossados em 19 de novembro após a interinidade do deputado Kleber Eulálio, presidente da Assembleia Legislativa. Outro fato ímpar dessa eleição foi a coligação entre PSDB e PT que apoiou Francisco Gerardo ao governo. Os principais nomes da eleição lideravam, respectivamente, as coligações O Piauí em boas mãos e Avança Piauí e O futuro a gente faz.

No pleito para o Senado Federal a eleição de Alberto Silva foi facilitada pela cisão na coligação de seus adversários, que lançou dois nomes: Júlio César e Ari Magalhães. Dentre os candidatos proporcionais cabe ressaltar que Marcelo Castro foi o primeiro deputado federal a ultrapassar a marca dos 100 mil votos e Wellington Dias foi o primeiro deputado federal petista do Piauí.

Foi a última vez que PMDB e PFL confrontaram-se diretamente pelo governo do estado.[nota 2] Ademais a nova lei eleitoral permitiu que uma coligação majoritária apresentasse mais de um candidato a senador e, no tocante às disputas proporcionais, a coligação fosse "dividida" em seções menores.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Primeiro turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí foram apurados 1.015.238 votos nominais (75,39%), 236.622 votos em branco (17,57%) e 94.733 votos nulos (7,04%), resultando no comparecimento de 1.346.593 eleitores.[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Hugo Napoleão
PFL
Felipe Mendes
PPB
25
Avança Piauí
(PFL, PPB, PV, PRP, PSL, PAN, PTdoB)
444.043
43,74%
Mão Santa
PMDB
Osmar Júnior
PCdoB
15
O Piauí em boas mãos
(PMDB, PCdoB, PDT, PTB, PL, PPS, PSDC, PRONA)
411.984
40,58%
Francisco Gerardo
PSDB
Antônio José Medeiros
PT
45
O futuro a gente faz
(PSDB, PT, PSB, PSC)
131.821
12,98%
Francisco Macedo
PMN
Maria Luiza Mouzinho
PMN
33
PMN
(sem coligação)
15.861
1,56%
Geraldo Carvalho
PSTU
-
PSTU
16
PSTU
(Sem coligação)
11.529
1,14%
  Segundo turno

Segundo turno[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral houve 1.250.573 votos nominais (95,61%), 14.444 votos em branco (1,10%) e 42.991 votos nulos (3,29%), resultando no comparecimento de 1.308.008 eleitores.[2]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Mão Santa
PMDB
Osmar Júnior
PCdoB
15
O Piauí em boas mãos
(PMDB, PCdoB, PDT, PTB, PL, PPS, PSDC, PRONA)
637.235
50,96%
Hugo Napoleão
PFL
Felipe Mendes
PPB
25
Avança Piauí
(PFL, PPB, PV, PRP, PSL, PAN, PTdoB)
613.338
49,04%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí foram apurados 935.755 votos nominais (69,49%), 284.620 votos em branco (21,14%) e 126.218 votos nulos (9,37%), resultando no comparecimento de 1.346.593 eleitores.[2][nota 3]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Alberto Silva
PMDB
Marcos Silva
PMDB
15
O Piauí em boas mãos
(PMDB, PCdoB, PDT, PTB, PL, PPS, PSDC, PRONA)
311.217
33,26%
Júlio César
PFL
-
PFL
25
Avança Piauí
(PFL, PPB, PV, PRP, PSL, PAN, PTdoB)
253.255
27,06%
Nazareno Fonteles
PT
-
PT
13
O futuro a gente faz
(PSDB, PT, PSB, PSC)
162.147
17,33%
Ari Magalhães
PPB
-
PPB
11
Avança Piauí
(PFL, PPB, PV, PRP, PSL, PAN, PTdoB)
132.513
14,16%
Acilino Ribeiro
PPS
-
PPS
23
O Piauí em boas mãos
(PMDB, PCdoB, PDT, PTB, PL, PPS, PSDC, PRONA)
22.213
2,37%
Sirley Ferreira
PDT
-
PDT
12
O Piauí em boas mãos
(PMDB, PCdoB, PDT, PTB, PL, PPS, PSDC, PRONA)
96.328
1,78%
Landim Neto
PSTU
-
PSTU
16
PSTU
(Sem coligação)
14.657
1,57%
Rosane Oliveira
PTB
-
PTB
14
O Piauí em boas mãos
(PMDB, PCdoB, PDT, PTB, PL, PPS, PSDC, PRONA)
14.426
1,54%
Irisvaldo Vieira
PMN
-
PMN
33
PMN
(Sem coligação)
8.717
0,93%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

Quatro partidos representando três candidaturas ao governo conquistaram um assento na representação piauiense na Câmara dos Deputados.

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Marcelo Castro[nota 4] PMDB 116.262 12,41% São Raimundo Nonato  Piauí
Heráclito Fortes[nota 5] PFL 88.602 9,46% Teresina  Piauí
Mussa Demes PFL 77.341 8,25% Floriano  Piauí
Wellington Dias PT 77.067 8,22% Oeiras  Piauí
João Henrique PMDB 64.904 6,93% Teresina  Piauí
Paes Landim PFL 61.999 6,62% São João do Piauí  Piauí
Átila Lira PFL 61.397 6,55% Piripiri  Piauí
Themístocles Sampaio PMDB 44.520 4,75% Esperantina  Piauí
Ciro Nogueira PFL 44.407 4,74% Teresina  Piauí
Benedito Sá PSDB 42.547 4,54% Oeiras  Piauí

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Sete partidos representando três candidatos ao governo conquistaram o direito a um assento na Assembleia Legislativa do Piauí.[nota 6][nota 7]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Moraes Souza PMDB 40.490 3,72% Parnaíba  Piauí
Juraci Leite PFL 32.466 2,98% Pedro II  Piauí
Silas Freire PMDB 32.386 2,98% Campo Maior  Piauí
Francisca Trindade PT 26.088 2,40% Teresina  Piauí
Wilson Brandão PFL 24.997 2,30% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Wilson Martins PSDB 24.096 2,22% Santa Cruz do Piauí  Piauí
Kleber Eulálio PMDB 23.841 2,19% Teresina  Piauí
Themístocles Filho PMDB 21.978 2,02% Teresina  Piauí
Warton Santos PMDB 20.913 1,92% Picos  Piauí
Paes Landim PFL 20.700 1,90% São João do Piauí  Piauí
Fernando Monteiro PFL 20.697 1,90% Teresina  Piauí
Mauro Tapety PMDB 20.557 1,89% Oeiras  Piauí
Leal Júnior PFL 18.939 1,74% Rio de Janeiro  Rio de Janeiro
Henrique Rebelo PMDB 18.145 1,67% Teresina  Piauí
Chico Filho PMDB 17.874 1,64% Floriano  Piauí
Roncalli Paulo PSDB 16.806 1,55% São João do Piauí  Piauí
Marcelo Coelho PPB 16.799 1,54% Teresina  Piauí
Edson Ferreira PFL 16.526 1,52% São Raimundo Nonato  Piauí
José Ribamar Pereira PMDB 16.326 1,50% Barras  Piauí
Homero Castelo Branco PFL 16.226 1,49% Amarante  Piauí
Gustavo Medeiros PFL 16.119 1,48% União  Piauí
Tadeu Maia PPB 15.968 1,47% Itainópolis  Piauí
Robert Freitas PFL 15.383 1,41% José de Freitas  Piauí
Abel Barros PFL 15.130 1,39% Picos  Piauí
Irmão Elias PPB 14.793 1,36% Picos  Piauí
Flávio Nogueira[nota 8] PSDB 14.603 1,34% Corrente  Piauí
Elias Ximenes do Prado Júnior[nota 9] PDT 12.831 1,18% Parnaíba  Piauí
Margarida Bona PDT 12.251 1,13% Campo Maior  Piauí
Pompílio Evaristo PSDB 10.672 0,98% São Miguel do Tapuio  Piauí
Olavo Rebelo PSB 10.202 0,94% Esperantina  Piauí

Notas

  1. Em 1978, Hugo Napoleão foi eleito deputado federal e Mão Santa deputado estadual e em 1982 Napoleão foi eleito governador e Mão Santa perdeu a eleição para prefeito de Parnaíba. Separados após a criação do PFL, os rivais voltariam ao mesmo palanque em 1990 quando apoiaram Freitas Neto.
  2. Tais partidos disputaram o governo em 1986, 1994 e 1998 em embates favoráveis ao PMDB, embora o último tenha sido revertido na justiça. Nas primeiras eleições do Século XXI as legendas em questão apresentaram candidatos, mas as disputas tiveram o PT como vencedor.
  3. Embora cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º– CF), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  4. Nomeado secretário de Agricultura pelo governador Mão Santa, foi substituído por Gessivaldo Isaías.
  5. Nomeado secretário de Defesa Civil pelo governador Hugo Napoleão, foi substituído por Guilherme Melo.
  6. Ao nomear cinco deputados estaduais para compor sua equipe ao longo do mandato, o governador Mão Santa propiciou a convocação dos suplentes Xavier Neto, José Isaías da Silva, Osmundo Andrade, Carlos Augusto e Flávio Nogueira.
  7. Semelhante medida foi tomada por Hugo Napoleão quando o TSE garantiu sua investida no Palácio de Karnak e assim foram convocados: Ismar Marques (que renunciou à prefeitura de Luzilândia a fim de assumir uma cadeira no legislativo estadual), Adolfo Nunes, Moisés Reis, Francisco Martins, Humberto Silveira e César Melo.
  8. Homônimo do deputado estadual eleito em 2002 e 2006.
  9. Faleceu em São Paulo à 8 de maio de 2002 e em seu lugar foi efetivado Antônio Uchôa.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.