Eleições estaduais no Maranhão em 2002

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
‹ 1998 Brasil 2006
Eleições estaduais no  Maranhão em 2002
6 de outubro de 2002
(Decisão em primeiro turno)
Jose reinaldo tavares.jpg Jackson Lago 2008.jpg
Candidato José Reinaldo Tavares Jackson Lago
Partido PFL PDT
Natural de São Luís, MA Pedreiras, MA
Vice Jurandir Filho Deoclides Macedo
Votos 1.076.893 896.930
Porcentagem 51,06% 42,52%


Brasão do Maranhão.png
Governador do Maranhão

As eleições estaduais no Maranhão em 2002 aconteceram em 4 de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados.[1] O placar final da votação estabeleceu o governador José Reinaldo Tavares e o vice-governador Jurandir Filho como vencedores em primeiro turno, além do triunfo dos senadores Roseana Sarney e Edison Lobão, cabendo à coligação O Maranhão segue em frente as maiores bancadas dentre os 18 deputados federais e 42 deputados estaduais eleitos. Reeleito,[2] o governador José Reinaldo Tavares iniciaria um mandato de quatro anos em 1º de janeiro de 2003.[3]

Para se chegar a esse resultado, entretanto, foi necessária a intervenção do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão que cassou a candidatura de Ricardo Murad em sentença confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral.[4] A questão surgiu ante o fato que ele é cunhado de Roseana Sarney e essa ligação impedia a candidatura de parentes da ex-governadora no pleito daquele ano dado o exercício, por parte da mesma, de dois mandatos consecutivos no Palácio dos Leões. Quando a briga chegou a Brasília o recurso foi desconsiderado pela falta de uma procuração autorizando o deputado federal José Antônio Almeida a figurar como advogado do PSB maranhense e assim os 114.640 votos dados ao partido foram anulados e a falta desse contingente encerrou a eleição em primeiro turno e mesmo o próprio Ricardo Murad aceitou a sentença.[5] Outro fato que influiu na disputa foi a decisão do deputado federal Roberto Rocha em renunciar à sua candidatura a governador pelo PSDB para apoiar a campanha de Jackson Lago e reforçar a oposição ao clã Sarney, estratégia derrubada pela cassação de Ricardo Murad.

Natural de São Luís, o governador José Reinaldo Tavares é engenheiro civil formado em 1964 na Universidade Federal do Ceará com especialização na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1970. Quando José Sarney governou o Maranhão, José Reinaldo Tavares foi diretor do Departamento de Estradas e Rodagem [6] e Secretário de Planejamento no governo Pedro Santana. Após mudar para Brasília assumiu a presidência da Companhia Urbanizadora da Nova Capital em 1975 no governo Elmo Serejo tendo Jorge Murad e Roseana Sarney como assessores até que foi nomeado Secretário de Viação e Obras Públicas do Distrito Federal e durante a passagem de João Figueiredo pela presidência da República foi diretor do Departamento Nacional de Obras de Saneamento (DNOS). Após a doença e morte de Tancredo Neves, o Palácio do Planalto ficou sob o comando de José Sarney e este nomeou José Reinaldo Tavares para comandar a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste onde ficou até substituir Afonso Camargo no Ministério dos Transportes.[6] Politicamente o novo governador maranhense fez carreira no PFL sendo eleito deputado federal em 1990 e vice-governador do estado em 1994 e 1998 junto a Roseana Sarney cuja renúncia deu a ele o mandato de governador do estado, agora referendado nas urnas.

Para representar o estado do Maranhão no Senado Federal foram eleitos Roseana Sarney e Edison Lobão na terceira vez em que o PFL conquista as duas vagas em aberto.

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão houve 2.109.296 votos nominais (81,81%), 102.178 votos em branco (3,96%) e 366.779 votos nulos (14,23%) totalizando o comparecimento de 2.578.253 eleitores.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
José Reinaldo Tavares
PFL
Jurandir Filho
PMDB
25
O Maranhão segue em frente
(PFL, PMDB, PL, PSD, PV, PSC, PST, PSDC)
1.076.893
51,06%
Jackson Lago
PDT
Deoclides Macedo
PTB
12
Frente Trabalhista
(PDT, PTB, PPS, PCdoB, PPB, PTN, PAN)
896.930
42,52%
Raimundo Monteiro
PT
Uílio Silva
PT
13
Maranhão presente, Lula presidente
(PT, PCB)
127.082
6,02%
Marcos Silva
PSTU
Luiz Noleto
PSTU
16
PSTU (sem coligação)
8.391
0,40%
Ricardo Murad
PSB
Iolanda Cortez
PSB
40
Fé no Maranhão
(PSB, PGT)
0
0%
Roberto Rocha
PSDB
José Joaquim Ramos
PSDB
45
Maranhão decente
(PSDB, PMN)
0
0%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Segundo o banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão houve 294.301 votos em branco (5,71%) e 796.301 votos nulos (15,44%). Por serem duas as vagas em disputa[7] não informaremos o comparecimento dos eleitores para evitar discrepância nos números.[1]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Roseana Sarney
PFL
Bello Parga
PFL
Ildon Marques
PMDB
252
O Maranhão segue em frente
(PFL, PMDB, PL, PSD, PV, PSC, PST, PSDC)
1.314.524
32,33%
Edison Lobão
PFL
Edison Lobão Filho
PFL
Remi Ribeiro
PMDB
251
O Maranhão segue em frente
(PFL, PMDB, PL, PSD, PV, PSC, PST, PSDC)
1.106.151
27,21%
Epitácio Cafeteira
PDT
Clay Lago
PDT
Coelho Neto
PPS
123
Frente Trabalhista
(PDT, PTB, PPS, PCdoB, PPB, PTN, PAN)
874.573
21,51%
Haroldo Saboia
PT
Francisco Oliveira
PT
Neide Moraes
PT
131
Maranhão presente, Lula presidente
(PT, PCB)
474.191
11,66%
Ildemar Santos
PSDB
Carlos Amorim
PSDB
Douglas Pereira
PMN
456
Maranhão decente
(PSDB, PMN)
135.382
3,33%
Terezinha Rego
PSB
Augusto Fonseca
PSB
Selma Araújo
PSB
404
Fé no Maranhão
(PSB, PGT)
92.769
2,28%
Manoel do Brejo
PSB
Jessé Cutrim
PSB
Não disponível
PSB
402
Fé no Maranhão
(PSB, PGT)
35.814
0,88%
Frederico Luiz
PCB
Joberval Bertoldo
PCB
Juarez Costa
PCB
212
Maranhão presente, Lula presidente
(PT, PCB)
16.273
0,40%
Ramon Zapata
PSTU
Maria do Carmo Durans
PSTU
Valdelino Ferreira
PSTU
163
PSTU (sem coligação)
16.227
0,40%
  Eleito(a)

Questão da suplência[editar | editar código-fonte]

Titular de um mandato de oito anos, a senadora Roseana Sarney assumiu o governo do Maranhão em 2009 após a cassação de Jackson Lago pelo Tribunal Superior Eleitoral[8] e esse fato repercutiu no Senado Federal devido à morte de Bello Parga em 2008, pois como o segundo suplente, Ildon Marques, foi eleito à prefeitura de Imperatriz em 2004, não havia substituto disponível e assim foi eleito Mauro Fecury que assumiu a cadeira antes ocupada pela filha de José Sarney.

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[9] Ressalte-se que os votos em branco eram considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais até 1997, quando essa anomalia foi banida de nossa legislação.[10]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
João Castelo[nota 1] PSDB 123.474 Caxias  Maranhão
Sebastião Madeira PSDB 112.017 São Domingos do Maranhão  Maranhão
Sarney Filho PFL 111.479 São Luís  Maranhão
Gastão Vieira PMDB 106.516 São Luís  Maranhão
Pedro Novaes PMDB 99.679 Coelho Neto  Maranhão
Pedro Fernandes PFL 93.024 São Luís  Maranhão
Clóvis Fecury PFL 83.078 Brasília  Distrito Federal
Nice Lobão PFL 82.812 Recife  Pernambuco
Paulo Marinho[nota 2] PFL 74.393 Caxias  Maranhão
Antônio Joaquim Araújo PPB 70.041 Codó  Maranhão
Remi Trinta PL 68.347 São Bento  Maranhão
César Bandeira PFL 66.312 Vitorino Freire  Maranhão
Costa Ferreira PFL 64.719 Guimarães  Maranhão
Teresinha Fernandes PT 57.583 Barreirinhas  Maranhão
Neiva Moreira PDT 57.185 Nova Iorque  Maranhão
Luciano Leitoa PDT 47.432 Parnaíba  Piauí
Wagner Lago[nota 3] PDT 41.700 Pedreiras  Maranhão
Ribamar Alves PSB 34.468 Santa Inês  Maranhão

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Cidade onde nasceu Unidade federativa
Manoel Ribeiro PSD 79.253 São Luís  Maranhão
Tatá Milhomem PFL 38.185 Presidente Dutra  Maranhão
Maura Jorge PFL 37.612 Lago da Pedra  Maranhão
Max Barros PFL 35.438 São Luís  Maranhão
Telma Pinheiro PFL 33.641 São Luís  Maranhão
Rigo Teles PFL 30.850 Caxias  Maranhão
Arnaldo Melo PFL 30.745 Codó  Maranhão
Hélio Soares PFL 29.106 São Luís  Maranhão
Stênio Rezende PSD 28.559 Vitorino Freire  Maranhão
Humberto Coutinho PSD 27.152 Pedreiras  Maranhão
Rubens Pereira PFL 26.842 São Luís  Maranhão
Camilo Figueiredo PSD 26.734 Codó  Maranhão
João Evangelista PFL 26.618 São João Batista  Maranhão
Carlos Filho PFL 25.527 Teresina  Piauí
Geovane Castro PFL 25.405 Coroatá  Maranhão
Alberto Franco PSDB 24.844 Bacabal  Maranhão
Chico Gomes PFL 24.809 São Luís  Maranhão
Julião Amin PDT 24.766 São Luís  Maranhão
César Pires PFL 24.490 Codó  Maranhão
Soliney Silva PSD 24.408 São João do Piauí  Piauí
Wilson Carvalho PFL 24.197 São Luís  Maranhão
Graça Paz PDT 24.061 Guimarães  Maranhão
Joaquim Haickel PTB 22.359 São Luís  Maranhão
Janice Braide PSD 20.701 São Luís  Maranhão
Cristina Archer PSDB 20.616 Codó  Maranhão
Mauro Bezerra PDT 20.258 São Luís  Maranhão
Rubem Brito PDT 19.831 São Luís  Maranhão
Deusdete Sampaio PMDB 19.497 São Luís  Maranhão
Pavão Filho PSC 19.463 Santa Helena  Maranhão
Carlos Braide PMDB 19.438 Teresina  Piauí
Teresa Murad PSB 18.850 Coroatá  Maranhão
Helena Heluy PT 17.512 São Luís  Maranhão
Aderson Lago PSDB 17.649 São Luís  Maranhão
Reginaldo Nunes PL 17.362 Caxias  Maranhão
Ceará PTB 16.242 Fortaleza  Ceará
Socorro Waquim PMDB 15.400 Parnaíba  Piauí
Domingos Dutra PT 14.415 Buriti  Maranhão
Antônio Pereira PPS 14.236 Teixeira  Paraíba
Luiz Pedro PDT 14.125 Juazeiro do Norte  Maranhão
Eligio PPB 12.955 Bacabal  Maranhão
Professor Lima PGT 11.367 São Luís  Maranhão
Paulo Neto PRTB 11.341 Parnaíba  Piauí

Notas

  1. Renunciou em 5 de janeiro de 2007 para assumir a presidência da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Porto de Itaqui) e em seu lugar assumiu Luís Rocha Filho.
  2. Perdeu o mandato em 11 de agosto de 2005 após ser condenado num processo iniciado em 1999 sob a acusação de venda irregular de ações da Companhia Energética do Maranhão e em seu lugar assumiu Albérico Filho.
  3. Foi nomeado secretário extraordinário de Assuntos Políticos de São Luís pelo prefeito Tadeu Palácio e em seu lugar foi convocado Eliseu Moura.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão». Consultado em 19 de junho de 2014. 
  2. A reeleição surgiu na ordem jurídica brasileira via Emenda Constitucional nº 16 de 4 de junho de 1997 e que beneficiou os detentores de mandatos executivos obtidos a partir de 1994.
  3. A posse dos governadores eleitos em 1990 no Amapá, Distrito Federal e Roraima aconteceu em 1º de janeiro de 1991 conforme o Art. 28 da Carta de 1988 que estabeleceu o primeiro dia do ano para a posse de todos os governadores eleitos a partir de 1994.
  4. Erro assegura reeleição de aliado de Sarney (online). Folha de S. Paulo, 09/10/2002. Página visitada em 19 de junho de 2014.
  5. Murad diz ser inócuo recurso contra governador (online). Folha de S. Paulo, 15/10/2002. Página visitada em 19 de junho de 2014.
  6. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado José Reinaldo Tavares». Consultado em 19 de junho de 2014. 
  7. Embora o Art. 46 § 3º da Constituição de 1988 previsse também a eleição de dois suplentes, listaremos somente o primeiro, sem prejuízo quanto a informar eventual convocação do segundo.
  8. «Roseana assume governo do Maranhão; Lago se recusa a deixar sede do governo». Consultado em 21 de junho de 2014. 
  9. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 24 de maio de 2017. 
  10. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 24 de maio de 2017.