Estrada de Ferro de Sobral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Estrada de Ferro de Sobral (EFS) foi a segunda ferrovia do Ceará. Planejada para dar assistência a cidade de Sobral durante os anos de seca entre 1877 e 1879. Sua construção teve início em 1878 e alcançou o seu primeiro ponto final Ipu, em 1894.[1] Atualmente estes caminhos de ferro são operados pela Transnordestina Logística S.A.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros trilhos foram assentados em 26 de março de 1879, em Camocim e dois anos depois, em 15 de janeiro de 1881, foi inaugurado o primeiro trecho, com 24,50 quilômetros, ligando o Porto de Camocim a cidade de Granja. A estrada até Sobral iniciou suas operações em 31 de dezembro de 1882, sendo então inaugurada a estação de Sobral totalizando 128,92 quilômetros de ferrovia.[2] Em 1894, o trecho desta chega a Ipu[3]

Em 1909 começaram as construções do prolongamento até a cidade de Crateús, que chegaram lá em 25 de janeiro de 1925.[1] Durante sua construção diversos povoados se desenvolveram as margens da ferrovia, como a vila de "Humaitá", que atualmente é a cidade de Pires Ferreira que teve seu nome alterado para homenagear o construtor-chefe da ferrovia, o piauiense: Dr. Antônio Sampaio Pires Ferreira.

A EFS foi arrendada à South American Railway em 1910 e em 1915 passou para administração federal sob o nome de Rede de Viação Cearense. Em 1950 a ligação entre a EFS e a Estrada de Ferro de Baturité entrou em operação. Com isso, o trecho entre Camocim e Sobral foi considerado ramal, sendo desativado em 1977. Atualmente a linha férrea tem sido pouco utilizada, limitando-se à escoação de alguns produtos; hoje, a maioria das antigas estações ferroviárias são consideradas patrimônios históricos dos municípios.

O direito de concessão da Malha Nordeste da antiga RFFSA foi concedido, em 1997, para a empresa Companhia Ferroviária do Nordeste, que mudou de nome para Transnordestina Logística, e atualmente é operada pela mesma.[4]

Os principais municípios atravessados pela ferrovia são Sobral, Cariré, Reriutaba, Pires Ferreira, Ipu, Ipueiras, Nova Russas, Poranga, Crateús e Camocim. Com o prologamento do ramal ferroviário até o Piauí, a denominação Ferrovia Teresina-Fortaleza também tem sido utilizada.

As cargas atualmente são transportadas pelos trilhos que ligam os portos do Mucuripe, Pecém e Itaqui, no Maranhão, pela Ferrovia Transnordestina Logística (FTL), único trecho operante da antiga malha ferroviária do Nordeste, correspondente às ferrovias Teresina-Fortaleza e São Luís-Teresina. [4]

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Ferrovia Teresina-Fortaleza

Referências

  1. a b «Estações Ferroviárias». Consultado em 28 de fevereiro de 2010 
  2. «Página da Biblioteca Nacional do Brasil». Consultado em 28 de fevereiro de 2010 
  3. «Estações Ferroviárias». Consultado em 28 de fevereiro de 2010 
  4. a b «Estrada de Ferro de Sobral foi marco no desenvolvimento». Diário do Nordeste 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.