Giovanni Caboto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Giovanni Caboto
Giovanni Caboto
John Cabot en atuendo veneciano tradicional por Giustino Menescardi (1762). Pintura mural en la Sala dello Scudo en el Palacio Ducal de Venecia.
Nascimento 1450
Génova
Morte 1498 (47–48 anos)
Oceano Atlântico Norte
Cidadania República de Veneza
Progenitores
  • Giulio Caboto
Filho(a)(s) Sebastião Caboto
Ocupação gestor, marinheiro, traficante de escravos
Estátua de Giovanni Caboto no porto de Bristol

Giovanni Caboto, conhecido em português como João Caboto (c. 1450 — c. 1499),[1] foi um navegador e explorador italiano. É considerado como um dos primeiros europeus que chegaram ao continente norte-americano, em 1497. Henrique VII de Inglaterra, financiou Giovanni Caboto estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte.[2]

Expedições[editar | editar código-fonte]

Placa de John Cabot mostrando Cabot partindo de Bristol, Inglaterra para o Canadá Atlântico (1497), instalada em Sir Sandford Fleming Park, Halifax

Cabot foi para Bristol para organizar os preparativos para sua viagem. Bristol era o segundo maior porto marítimo da Inglaterra. A partir de 1480 abasteceu diversas expedições em busca do mítico Hy-Brasil. Segundo a lenda celta, esta ilha ficava em algum lugar no Oceano Atlântico. Havia uma crença generalizada entre os mercadores do porto de que os homens de Bristol haviam descoberto a ilha em uma data anterior, mas depois a perderam de vista. Em uma carta particular a um colega (Quinn), Ruddock afirmou ter encontrado evidências em arquivos italianos de que os homens de Bristol descobriram a América do Norte antes de 1470. Como se acreditava que a ilha era uma fonte de pau-brasil (do qual poderia ser obtido um valioso corante vermelho), os comerciantes tinham incentivo econômico para encontrá-lo.[3][4][5][6][7]

Primeira viagem[editar | editar código-fonte]

Pouco foi registrado da primeira viagem de Cabot. O que é conhecido como a "carta de John Day", escrita por John Day, também conhecido como Hugh Say, um comerciante de Bristol originário de Londres, foi enviado durante o inverno de 1497-98 a um destinatário que se acredita ser Cristóvão Colombo. A carta refere-se brevemente a esta viagem, mas escreve principalmente sobre a segunda expedição de 1497. Day observou: "Como Vossa Senhoria deseja informações relacionadas à primeira viagem, eis o que aconteceu: ele partiu com um navio, sua tripulação o confundiu, ele estava com falta de suprimentos e teve mau tempo e decidiu voltar". Desde que Cabot recebeu sua patente real em março de 1496, acredita-se que ele fez sua primeira viagem naquele verão.[8]

Segunda viagem[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

As informações sobre a viagem de 1497 vêm principalmente de quatro cartas curtas e uma entrada em uma crônica de 1565 da cidade de Bristol (então muitas vezes grafada Bristow). A entrada da crônica para 1496-97 diz na íntegra:[9]

Este ano, no dia de São João Batista [24 de junho de 1497], a terra da América foi encontrada pelos mercadores de Bristow em um navio de Bristowe, chamado Mathew; o referido navio partiu do porto de Bristowe, no segundo dia de maio, e voltou para casa no dia 6 de agosto seguinte.

A carta de John Day do inverno de 1497–98 fornece informações consideráveis ​​sobre a segunda viagem de Cabot. Acredita-se que Day estava familiarizado com as figuras-chave da expedição e, portanto, capaz de relatar sobre ela. Se as terras que Cabot descobriu estivessem a oeste do meridiano estabelecido no Tratado de Tordesilhas, ou se ele pretendesse navegar mais para o oeste, Colombo provavelmente teria acreditado que essas viagens desafiavam seus direitos de monopólio para a exploração do oeste.[10][11][8]

Rota da viagem de 1497 postulada por Jones e Condon

Além dessas cartas, Alwyn Ruddock afirmou ter encontrado outra, escrita em 10 de agosto de 1497 pelos banqueiros do Pe. Giovanni Antonio de Carbonariis. Esta carta ainda não foi encontrada. De vários comentários escritos feitos por Ruddock, a carta não parecia conter um relato detalhado da viagem. Ruddock disse que a carta continha "novas evidências apoiando a alegação de que os marinheiros de Bristol já haviam descoberto terras do outro lado do oceano antes da chegada de John Cabot à Inglaterra". Ela afirmou que os marinheiros de Bristol chegaram à América do Norte duas décadas antes da expedição de Cabot.[5][4][12]

Viagem final[editar | editar código-fonte]

O Great Chronicle of London (1189–1512) relata que Cabot partiu com uma frota de cinco navios de Bristol no início de maio de 1498, um dos quais havia sido preparado pelo rei. Dizia-se que alguns dos navios transportavam mercadorias, incluindo tecidos, bonés, rendas e outras "ninharias". Isso sugere que Cabot pretendia fazer comércio nesta expedição. O enviado espanhol em Londres relatou em julho que um dos navios foi pego por uma tempestade e forçado a pousar na Irlanda, mas que Cabot e os outros quatro navios continuaram.[13]

Durante séculos, nenhum outro registro foi encontrado (ou pelo menos publicado) que se relacionasse com esta expedição; por muito tempo acreditou-se que Cabot e sua frota se perderam no mar. Mas pelo menos um dos homens programados para acompanhar a expedição, Lancelot Thirkill, vive em Londres em 1501.[14]

Não se sabe se Cabot morreu durante a viagem, voltou são e salvo e morreu logo depois, ou chegou às Américas e optou por permanecer por lá, talvez permanecendo com os indígenas de maneira semelhante a Étienne Brûlé.[15]

O historiador Alwyn Ruddock trabalhou em Cabot e sua época por 35 anos. Ela sugeriu que Cabot e sua expedição retornaram com sucesso à Inglaterra na primavera de 1500. Ela afirmou que seu retorno seguiu uma exploração épica de dois anos da costa leste da América do Norte, ao sul na área da Baía de Chesapeake e talvez até os territórios espanhóis. no Caribe. Suas evidências incluíam o conhecido mapa-múndi do cartógrafo espanhol Juan de la Cosa. Seu mapa incluía a costa norte-americana e os mares "descobertos pelos ingleses" entre 1497 e 1500.[16]

Ruddock sugeriu que Giovanni Antonio de Carbonariis e os outros frades que acompanharam a expedição de 1498 ficaram na Terra Nova e fundaram uma missão. Se Carbonariis fundou um assentamento na América do Norte, teria sido o primeiro assentamento cristão no continente e pode ter incluído uma igreja, a única igreja medieval construída lá.[17]

Referências

  1. Frederic C., Lane (1978). Storia di Venezia (em Italian). Turin: Einaudi 
  2. Derek Croxton (2004). «The Cabot Dilemma: John Cabot's 1497 Voyage & the Limits of Historiography». University of Virginia. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  3. «Salazar's account of Bristol's discovery of the Island of Brasil (pre-1476)». The Smuggler's City. University of Bristol 
  4. a b Jones, Evan T. (2008). «Alwyn Ruddock: John Cabot and the Discovery of America». Historical Research. 2007 (212): 237–240. doi:10.1111/j.1468-2281.2007.00422.xAcessível livremente 
  5. a b Douglas Hunter, "Rewriting History: Alwyn Ruddock and John Cabot", extended July 2010 version of article by same name published in Canada's History, April 2010; accessed 24 April 2015
  6. Williamson, The Cabot Voyages, pp. 187–189
  7. «Salazar's account of Bristol's discovery of the Island of Brasil (pre-1476)». The Smuggler's City. University of Bristol 
  8. a b "John Day letter to the Lord Grand Admiral, Winter 1497/8", The Smugglers' City, Dept. of History, University of Bristol.
  9. G.E. Weare, Cabot's Discovery of North America (John Macqueen, London 1897), p. 116 (Internet Archive).
  10. Woodroffe, Sasha. «Breaking the Spanish Monopoly in the Caribbean». self-published. Consultado em 13 de setembro de 2016 – via Academia.edu 
  11. «The John Day Letter». Heritage Newfoundland & Labrador. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  12. Evan T. Jones, "The Quinn papers: Transcripts of correspondence relating to the Bristol discovery voyages to North America in the fifteenth century", p. 16. Note: Based on Ruddock's letter to Quinn on 1 May 1992, she thought that the bank was Venetian; Condon and Jones found documentation in August 2010 suggesting this conclusion was incorrect and that it was Florentine.
  13. Williamson, The Cabot Voyages, pp. 220–223
  14. Williamson (1962), The Cabot Voyages, pp. 92–94
  15. di Alberto, Magnaghi. «Caboto, Giovanni e Sebastiano». Enciclopedia Italiana. Consultado em 6 de março de 2017 – via Treccani.it 
  16. Evan T. Jones and Margaret M. Condon, Cabot and Bristol's Age of Discovery: The Bristol Discovery Voyages 1480–1508 (University of Bristol, Nov. 2016), p. 2.
  17. Evan T. Jones (2008), "Alwyn Ruddock: John Cabot and the Discovery of America", first published online 5 April 2007, Historical Research, Vol. 81, No. 212, May 2008, pp. 242–249.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Evan T. Jones and Margaret M. Condon, Cabot and Bristol's Age of Discovery: The Bristol Discovery Voyages 1480–1508 (University of Bristol, Nov. 2016). This short book provides an up-to-date account of the voyages, based on the research of the "Cabot Project". Free e-book available from the Internet Archive.
  • Evan T. Jones, "Alwyn Ruddock: 'John Cabot and the Discovery of America' ", Historical Research Vol 81, Issue 212 (2008), pp. 224–254. Provides updated information on new discoveries of documents related to Cabot and his voyage, and claims made in the late 20th century by Alwyn Ruddock.
  • Evan T. Jones, "Henry VII and the Bristol expeditions to North America: the Condon documents", Historical Research, 27 Aug 2009, relates primarily to newly discovered documents related to William Weston's 1499 voyage.
  • Francesco Guidi-Bruscoli, 'John Cabot and his Italian Financiers', Historical Research (Published online, April 2012).
  • J.A. Williamson, The Cabot Voyages and Bristol Discovery Under Henry VII (Hakluyt Society, Second Series, No. 120, CUP, 1962). Considered the essential source-book for Cabot and his voyages. Numerous documents have been discovered in the Italian, Spanish and English archives that provide new insights into these events and eras.
  • Skelton, R. A. (1979–2016). «Cabot, John». Dictionary of Canadian Biography online ed. University of Toronto Press  A short introduction; it has been updated based on material published related to The Cabot Project at the University of Bristol.
  • H.P. Biggar (ed.), The Precursors of Jacques Cartier, 1497–1534: A Collection of Documents Relating to the Early History of the Dominion of Canada (Ottawa, 1911). Contains transcriptions of many of the original documents in their original languages – i.e. Latin, Spanish and Italian.
  • P. D'Epiro, M.D. Pinkowish, Sprezzatura: 50 Ways Italian Genius Shaped the World, 1st Anchor Book Edition, 2001, pp. 179–180.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre John Cabot
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.