Platoon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Platoon
Platoon - Os Bravos do Pelotão (PT)
Platoon (BR)
Cartaz original de lançamento do filme.
 Estados Unidos
1986 •  cor •  120 min 
Direção Oliver Stone
Produção Arnold Kopelson
Roteiro Oliver Stone
Elenco Charlie Sheen
Tom Berenger
Willem Dafoe
Forest Whitaker
John C. McGinley
Kevin Dillon
Johnny Depp
Keith David
Género drama, guerra
Música Georges Delerue
Cinematografia Robert Richardson
Edição Claire Simpson
Companhia(s) produtora(s) Hemdale Film Corporation
Distribuição Estados Unidos Orion Pictures
Brasil Viacom
Lançamento Estados Unidos 19 de dezembro de 1986
Brasil 27 de fevereiro de 1987[1]
Portugal 6 de março de 1987
Idioma inglês
Orçamento US$ 6 milhões
Receita US$ 138,5 milhões
(América do Norte)
Página no IMDb (em inglês)

Platoon (Platoon (título no Brasil) ou Platoon - Os Bravos do Pelotão (título em Portugal)) é um filme norte-americano de 1986, do gênero drama de guerra, escrito e dirigido por Oliver Stone. É considerado por vários críticos de cinema como o melhor filme de guerra já feito, tendo vencido prémios por todo o mundo. Practicamente, quase todos os filmes de guerra que lhe sucederam tiveram-no como referência.

Baseado na experiência pessoal de Oliver Stone na Guerra do Vietnã, o filme mostra os horrores do conflito através dos olhos de Chris Taylor, um jovem recruta estadunidense que se alista voluntariamente para o combate. Na guerra, o jovem trava contato com os sargentos Bob Barnes e Elias Grodin: o primeiro, um assassino brutal e psicopata; e o segundo, um pacifista inteligente e sensível. Estrelado pelos atores Charlie Sheen, Tom Berenger, Willem Dafoe e grande elenco, o roteiro foi feito pelo próprio Oliver Stone, que foi finalizado por volta de 1976.

O orçamento de Platoon foi de 6 milhões de dólares, sendo que arrecadou a quantia de um pouco mais de 138 milhões de dólares apenas nas bilheterias estadunidenses.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em 1967, o voluntário do Exército dos Estados Unidos Chris Taylor (Charlie Sheen) chega ao Vietnã do Sul e é designado para um pelotão de infantaria da 25a Divisão de Infantaria perto da fronteira do Camboja. O pelotão é oficialmente liderado pelo jovem e inexperiente tenente Wolfe (Mark Moses), mas na realidade os soldados seguem ordens de dois de seus subordinados mais velhos e mais experientes: o sargento Robert "Bob" Barnes (Tom Berenger), rígido e cínico, e o sargento Elias Grodin (Williem Dafoe), mais idealista.

Taylor é imediatamente enviado com Barnes, Elias e outros soldados veteranos em uma emboscada à noite planejada para capturar guerrilheiros da força do exército norte-vietnamita. Os soldados vietnamitas conseguem se aproximar dos americanos enquanto eles descansam antes de um breve tiroteio a se desencadear; o novo recrutador de Taylor é morto e o próprio Taylor é levemente ferido. Após seu retorno do hospital, Taylor mantém mais proximidade com Elias juntamente com os outros seguidores do pacífico sargento (que são fumantes de maconha), enquanto permanecem distantes de Barnes e de seus seguidores mais ríspidos.

Durante uma patrulha subsequente, três homens são mortos por armadilhas montadas pelos inimigos do Vietnã. Já no limite, o pelotão está ainda mais irritado quando descobre uma reserva de inimigos e armas em uma aldeia próxima. Barnes, através de um soldado de língua vietnamita, Lerner (Johnny Depp), interroga agressivamente o chefe da aldeia questionando-lhes se os aldeões estiveram ajudando o exército do Vietnã, e atira com frieza na esposa do líder da aldeia quando ela tenta intervir, fazendo o pobre homem cair profundamente em prantos. Elias então intervém, chegando a agredir fisicamente Barnes por conta do assassinato, Wolfe interrompe a briga e ordena que todos os suprimentos da aldeia sejam destruídos para evitar possível ajuda aos inimigos vietnamitas. Logo após, Taylor impede um estupro que duas garotas da aldeia estavam sofrendo de alguns dos homens de Barnes.

Quando o pelotão retorna à base, o comandante da companhia veterana, o capitão Harris (Dale Dye) declara que se a corte marcial descobrir que ocorreu um homicídio ilegal Barnes poderá ser punido. Isso deixa o enfurecido sargento preocupado por medo de que Elias testemunhe contra ele. Em sua próxima patrulha, o pelotão sofre uma emboscada e é cercado pelos vietnamitas, causando um tiroteio onde numerosos soldados de ambos os lados são feridos. Mais homens americanos ficam feridos quando o tenente Wolfe acidentalmente ordena um fogo amigo para sua própria unidade antes de Barnes chamá-lo. Elias leva Taylor e outros dois homens para interceptar as tropas inimigas do flanco. Barnes ordena que o resto do pelotão se retire e volte para a selva para encontrar o grupo de Elias. Barnes encontra Elias sozinho e dispara contra ele, depois volta e diz aos outros que Elias foi morto pelo inimigo. Enquanto o pelotão está se evadindo através de um helicóptero, eles observam Elias, bastante agonizante, emergindo da floresta sendo perseguido por um grupo de soldados do Vietnã do Norte, que finalmente o matam. Observando a maneira anômala de Barnes, Taylor percebe que ele foi responsável de alguma maneira pela morte de Elias.

Na base, Taylor tenta conversar com o grupo de Barnes, mas é impedido de dialogar quando Barnes entra na sala e começa a zombar de Taylor. O jovem recruta então agride Barnes, mas é rapidamente dominado. Barnes corta Taylor perto de seu olho com uma Push Dagger antes de sair.

O pelotão é enviado de volta à linha de frente para manter posições defensivas, onde Taylor compartilha uma espécie de trincheira com Francis (Corey Glover). Naquela noite, ocorre um grande ataque dos norte-vietnamitas, e as linhas defensivas americanas são dominadas pelos inimigos. Grande parte do pelotão, incluindo Wolfe e a maioria dos seguidores de Barnes, são mortos na batalha que se segue. Durante o ataque, um salteador do exército norte-vietnamita, armado com explosivos, destrói a sede do batalhão em um ataque suicida. Agora, no comando da defesa, o capitão Harris ordena seu suporte aéreo para gastar todas as suas armas restantes dentro de seu perímetro. Durante o caos, Taylor encontra Barnes, que é ferido e tem um ataque de fúria. Quando Barnes está prestes a matar Taylor, ambos os homens são golpeados inconscientemente por um ataque aéreo.

Taylor recupera a consciência na manhã seguinte, pega um rifle do Tipo 56 de um dos inimigos mortos e encontra Barnes, que ordena Taylor para chamar um médico. Ao notar que Taylor não irá ajudá-lo, Barnes despreza o jovem rapaz e o recruta mata o sargento com um tiro. Francis, que também sobreviveu à batalha, surge em meio aos corpos dos outros soldados apalpando a perna de Taylor e o lembra que, por terem sido duas vezes feridos, podem voltar para casa. O helicóptero resgata os dois homens e os levam para longe. Já dentro do helicóptero, Taylor observa assustadoramente as crateras cheias de cadáveres enquanto vai embora.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Elenco do filme no Festival de Cannes em 2006
Ator Personagem Dublador no Brasil (Herbert Richers)
Charlie Sheen Soldado Chris Taylor Mário Jorge de Andrade
Tom Berenger Sargento Bob Barnes Júlio Cézar Barreiros
Willem Dafoe Sargento Elias Grodin Garcia Júnior
Forest Whitaker Big Harold Márcio Simões
Kevin Dillon Bunny sem informações
Francesco Quinn Rhah Júlio Cézar Barreiros
John C. McGinley Sargento O'Neill Ricardo Schnetzer
Richard Edson Sal Hélio Ribeiro
Reggie Johnson Junior Eduardo Borgerth
Keith David King Armando Braga
Johnny Depp Gator Lerner Marco Antônio Costa
David Neidorf Tex Dário de Castro
Mark Moses Tenente Wolfe sem informações
Chris Pedersen Crawford sem informações
Tony Todd Warren Hamilton Ricardo
Corkey Ford Manny sem informações
Dale Dye Capitão Harris Joméri Pozzoli
Paul Sanchez Doc sem informações

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

"O Vietnã era realmente visceral, e eu vim de uma existência cerebral: estudo... Trabalhando com uma caneta e papel, com idéias. Voltei realmente visceral. E acho que a câmera é muito mais... Esse é o seu intérprete, em oposição a uma caneta."

—Oliver Stone[3]

Depois de seu turno na Guerra do Vietnã ter terminado em 1968, Oliver Stone escreveu um roteiro chamado Break, uma história semi-autobiográfica detalhando suas experiências com seus pais e seu tempo na Guerra do Vietnã. Os tempos em que Stone serviu no conflito resultou em uma "grande mudança" na forma como ele viu a vida e a guerra. Embora o roteiro de Break nunca tenha sido produzido, ele mais tarde usou isso como base para Platoon.

Em uma entrevista em 2010 com o jornal The Times, Stone discutiu ter matado um membro dos vietcongs durante a guerra e como ele trabalhou esse evento em seu roteiro inicial.[4] Break apresentava vários personagens que foram os embriões daqueles que ele desenvolveu em Platoon. O roteiro foi configurado, inicialmente, para ser uma música da banda The Doors; Stone enviou o roteiro para Jim Morrison na esperança de que ele gravasse uma música (Morrison nunca respondeu, mas seu empresário devolveu o roteiro para Stone logo após a morte de Morrison, que estava com o script quando ele faleceu em Paris). Apesar de Break nunca ter sido utilizado, Stone decidiu se matricular numa escola de cinema.

Depois de escrever vários outros roteiros no início da década de 1970, Stone trabalhou com Robert Bolt no roteiro de The Cover-up (a qual nunca saiu do papel). As diversas mudanças no script feitas por Bolt não agradaram Stone. Oliver Stone, então, usou seus personagens de Break e desenvolveu um novo roteiro intitulado The Platoon. O produtor Martin Bregman tentou suscitar o interesse de um estúdio de cinema no projeto, mas não teve sucesso. Mas, com base no script de The Platoon, Stone foi contratado para escrever o roteiro do filme Midnight Express (1978).

O filme foi um sucesso crítico e comercial, mas mesmo assim a maioria dos estúdios ainda estava relutante em financiar uma eventual adaptação para The Platoon, pois o assunto sobre a Guerra do Vietnã era impopular nos Estados Unidos. Após os lançamentos de The Deer Hunter e Apocalypse Now, os estúdios começaram a ver com melhores olhos uma produção para o roteiro de Stone, visto os sucessos que esses filmes sobre o confronto no Vietnã conseguiram.

Oliver Stone começou sua carreira como diretor liderando a produção de um filme do gênero de horror chamado The Hand, que foi um fiasco de bilheteria. Por conta desse insucesso, Stone começou a temer que The Platoon nunca seria realizado. Após isso, Stone co-escreveu Year of the Dragon financiando cerca de US$ 200 mil da produção do longa sob a condição de o produtor Dino De Laurentiis ajudar a financiar uma eventual adaptação de The Platoon (Year of the Dragon foi dirigido pelo amigo de Stone, Michael Cimino, que também tinha dirigido The Deer Hunter).

De Laurentiis conseguiu seu prometido financiamento para The Platoon, mas ele teve dificuldades para encontrar uma empresa que distribuísse o filme. Como De Laurentiis já havia gasto dinheiro enviando Stone às Filipinas para explorar as locações, ele decidiu manter o controle do roteiro do filme até que ele fosse reembolsado. O roteiro de Stone foi passado para John Daly, que trabalhava para a produtora britânica Hemdale Film Corporation. Daly adorou o roteiro e ajudou a financiar a produção do filme, que a esta altura teve o nome do roteiro mudado apenas para Platoon.

Produção[editar | editar código-fonte]

Platoon começou a ser filmado na ilha de Luzon nas Filipinas em fevereiro de 1986. A produção foi quase cancelada por causa da agitação política no país, então liderado pelo ditador Ferdinand Marcos. Com a ajuda do conhecido produtor asiático Mark Hill, as cenas do filme começaram a serem gravadas dois dias depois que Marcos se exilou do país.[5] O filme teve um custo total de 6 milhões de dólares. A produção fez um acordo com as forças armadas filipinas para o uso de equipamentos militares.[3] A produção de Platoon contratou refugiados vietnamitas que viviam nas Filipinas para interpretar diferentes papéis como vietnamitas no filme.[6] O filme foi rodado inteiramente em sequência.[7]

As cenas da floresta tiveram locação em Mount Makiling e as cenas do rio e da aldeia foram feitas em Cavite.[8][9]

Pelo fato do filme ter sido rodado na ordem cronológica de acordo com a história, a medida que os personagens morriam nas cenas, seus respectivos atores eram dispensados das gravações e mandados para casa.

Johnny Depp tinha 22 anos de idade na época em que o filme foi realizado e aquela foi a primeira vez que ele saiu dos Estados Unidos, uma vez que as filmagens foram realizadas nas Filipinas. Keanu Reeves e Emilio Estevez chegaram a ser convidados para o papel de Chris Taylor, mas ambos recusaram. O papel do Sargento Barnes foi originalmente oferecido a Kevin Costner.

Na chegada às Filipinas, o elenco foi enviado para um curso de treinamento intensivo, durante o qual eles tiveram que cavar poços e estavam sujeitos a marchas forçadas e "emboscadas" noturnas, que usavam explosões de efeitos especiais. Conduzido pelo ator e também veterano da Guerra do Vietnã Dale Dye, o treinamento colocou os atores principais - incluindo Sheen, Dafoe, Depp e Whitaker - através de um regime imersivo de treino militar de 30 dias. A produção limitou a quantidade de comida e água que eles poderiam beber e comer e quando os atores dormiam eram disparados tiros pelo alto para mantê-los acordados, embora cansados.[10] No filme, Dye fez o papel do Capitão Harris. Willem Dafoe disse que "o treinamento foi muito importante para a realização do filme", ​​acrescentando a sua autenticidade e fortalecimento da camaradagem desenvolvida entre o elenco: "No momento em que você passou pelo treinamento e através do filme, você teve um relacionamento com a arma. Não ia matar pessoas, mas você se sentia confortável com isso".[11]

Stone faz uma aparição atuando como o comandante do batalhão da infantaria 3/22 na batalha final, que se baseou na histórica Batalha do Dia de Ano Novo de 1968, na qual ele participou enquanto estava de serviço no Vietnã do Sul. Dale Dye, que interpretou Harris também atuou como assessor técnico do filme.[12]

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Adagio for Strings, instrumental de Samuel Barber, foi bastante utilizada em Platoon. White Rabbit da banda Jefferson Airplane, e Okie from Muskogee de Merle Haggard também foram tocadas no filme. Em uma das cenas do longa, os soldados cantam juntos The Tracks of My Tears dos The Miracles, que também foi apresentado no trailer do filme. A trilha sonora ainda inclui Groovin dos The Rascals e (Sittin' On) the Dock of the Bay de Otis Redding.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O filme foi apresentado nos Estados Unidos com o slogan "The first casualty of war is innocence" ("A primeira vítima da guerra é a inocência"). Esta foi uma adaptação da afirmação do senador Hiram Johnson de 1917 de que "a primeira vítima da guerra é a verdade".[13]

Platoon foi lançado nos Estados Unidos em 19 de dezembro de 1986 e no Reino Unido em março de 1987, com uma classificação acima de 15 anos por conta das cenas apresentarem linguagem forte, cenas de violência e uso de drogas suaves.[14] No Brasil, o filme chegou nos cinemas em 27 de fevereiro de 1987, sendo dublado pelo estúdio carioca Herbert Richers.

Televisão[editar | editar código-fonte]

O longa foi exibido pela primeira vez na Televisão Brasileira dentro da sessão Tela Quente da Rede Globo em 4 de setembro de 1989.[15]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Platoon foi aclamado pela critica especializada: Roger Ebert deu quatro de quatro estrelas, chamando-lhe de o melhor filme do ano e o nono melhor dos anos 80.[16][17] Gene Siskel também pontuou o filme com quatro de quatro estrelas,[18] e observou o quanto os veteranos da Guerra do Vietnã se identificaram com o filme.[19] Em sua revisão no The New York Times Vincent Canby descreveu o Platoon como "possivelmente o melhor trabalho de qualquer tipo sobre a Guerra do Vietnã desde o livro vigoroso e alucinante de Michael Herr, Dispatches".[20]

No Rotten Tomatoes, o filme possui uma classificação de aprovação de 88% com base em 60 avaliações, com uma classificação média de 8.1/10. O consenso crítico do site diz: "Informado pelas experiências pessoais do diretor Oliver Stone no Vietnã, Platoon renuncia a sermão fácil em favor de uma visão de guerra angustiante e subterrânea, reforçada por performances sem barulho de Charlie Sheen e Willem Dafoe". No Metacritic, o filme recebeu a pontuação 86/100, indicando "aclamação universal".[21]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1987 (EUA)

Festival de Berlim 1987 (Alemanha)

Globo de Ouro 1987 (EUA)

  • Vencedor nas categorias de melhor filme - drama, melhor direção (Oliver Stone) e melhor ator coadjvuante (Tom Berenger).
  • Indicado na categoria de melhor roteiro.

Independent Spirit Awards 1987 (EUA)

  • Vencedor nas categorias de melhor filme, melhor diretor (Oliver Stone), melhor fotografia e melhor roteiro.
  • Indicado na categoria de melhor ator (Willem Dafoe).

Academia Japonesa de Cinema 1988 (Japão)

  • Venceu na categoria de melhor filme estrangeiro.

BAFTA 1988 (Reino Unido)

  • Venceu nas categorias de melhor direção e melhor edição.
  • Indicado na categoria de melhor fotografia.

Honrarias[editar | editar código-fonte]

O filme aparece em 3 listas de melhores filmes de sempre do American Film Institute, sendo elas:

Em 2011, o canal de televisão britânico Channel 4 nomeou Platoon como o sexto melhor filme de guerra já feito, atrás de Full Metal Jacket e à frente de A Bridge Too Far.[22]

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Dale Dye escreveu uma novelização do filme em 1986.[23]

Jogos[editar | editar código-fonte]

  • Platoon (1987), um jogo de vídeo atirador, foi desenvolvido pela Ocean Software e publicado em 1987-88 pela Data East para uma variedade de plataformas de videogames e computadores.
  • Platoon (2002), também conhecido como Platoon: The 1st Airborne Cavalry Division in Vietnam, um jogo de estratégia em tempo real baseado no filme para Microsoft Windows, desenvolvido pela Digital Reality e publicado pela Monte Cristo e Strategy First.[24]

Referências

  1. http://www.adorocinema.com/filmes/agenda/?week=1987-02-27 Agenda cinema no Brasil - AdoroCinema
  2. «Platoon (1986) - Box Office Mojo». www.boxofficemojo.com. Consultado em 23 de março de 2011 
  3. a b Salewicz, Chris (1999) [1997]. Oliver Stone: The Making of His Movies New ed. UK: Orion Publishing Group. ISBN 0-7528-1820-1 
  4. «The Times & The Sunday Times» 
  5. Depp, Johnny. «Johnny Depp: Platoon interviews». youtube. You Tube. Consultado em 21 de março de 2015 
  6. Dye, Dale. «Part 3 - Confronting Demons in "Platoon"». Movies (entrevista). Entrevista com Almar Haflidason. Almar Haflidason. BBC. Consultado em 15 de julho de 2012 
  7. «Mohr Stories 84: Charlie Sheen». Mohr Stories Podcast. Jay Mohr. 27 de agosto de 2012. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  8. «Platoon filming locations». Fast rewind. Consultado em 21 de março de 2015 
  9. Chuyaco, Joy (4 de março de 2012). «Made in Phl Hollywood Films». Phil Star. Consultado em 21 de março de 2015 
  10. https://warisboring.com/dale-dye-is-hollywoods-drill-sergeant-2c65d85a3dc2#.r1l3v4b3x
  11. Chua, Lawrence. «BOMB Magazine: Willem Dafoe by Louis Morra». Bombsite.com. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  12. Stone, Oliver (2001). Platoon DVD commentary (DVD). MGM Home Entertainment 
  13. Mooallem, Jon (29 de fevereiro de 2004). «How movie taglines are born». The Boston Globe. Consultado em 13 de novembro de 2008 
  14. «Platoon». British Board of Film Classification. Consultado em 21 de março de 2015 
  15. http://pt.redeglobo.wikia.com/wiki/Tela_Quente Filme exibidos na Tela Quente.
  16. Ebert, Roger (30 de dezembro de 1986). «Platoon Movie Review & Film Summary (1986)». Roger Ebert. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  17. Ebert, Roger; Siskel, Gene (3 de maio de 2011). «Siskel and Ebert Top Ten Lists (1969-1998) - Inner Mind». innermind. Consultado em 30 de novembro de 2014 
  18. Siskel, Gene (2 de janeiro de 1987). «Flick Of Week: 'Platoon' Shows The Real Vietnam». Chicago Tribune. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  19. Gene Siskel (1 de abril de 1987). «A Test For `Platoon`: Battle Vets Say The Film Lacks Only The Taste And The Smell Of Death». Chicago Tribune 
  20. «The Vietnam War in Stone's "Platoon" - New York Times». The New York Times. 19 de dezembro de 1986 
  21. «Platoon - Rotten Tomatoes». Uk.rottentomatoes.com. Consultado em 28 de outubro de 2012. Arquivado do original em 16 de março de 2010 
  22. «Channel 4's 100 Greatest War Movies of All Time». Consultado em 13 de agosto de 2011 
  23. «Platoon by Dale A. Dye». Goodreads. Consultado em 14 de julho de 2013 
  24. «Platoon: The 1st Airborne Cavalry Division in Vietnam». GameSpot.com. 21 de novembro de 2002. Consultado em 28 de outubro de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]