Antônio Dias dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Toninho
Informações pessoais
Nome completo Antônio Dias dos Santos
Data de nasc. 7 de junho de 1948
Local de nasc. Vera Cruz, Brasil
Falecido em 8 de dezembro de 1999 (51 anos)
Local da morte Salvador, Brasil
Apelido Toninho Baiano
Informações profissionais
Posição Lateral-direito
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1967-1969
1970-1975
1976-1980
1980-1981
1981-1982
Brasil Galícia
Brasil Fluminense
Brasil Flamengo
Arábia Saudita Al-Nassr
Brasil Bangu

248 (9)
241 (23)
Seleção nacional
1976-1979 Brasil Brasil 17 (0)

Antônio Dias dos Santos, mais conhecido como Toninho ou Toninho Baiano (Vera Cruz, 7 de junho de 1948Salvador, 8 de dezembro de 1999), foi um futebolista brasileiro, lateral que jogou no Fluminense e no Flamengo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Toninho foi um lateral direito de muito fôlego, que subia constantemente ao ataque com piques pela direita[1] e não fugia de divididas.[2] Começou sua carreira no São Cristóvão-BA, como ponta esquerda, mas depois assumiu a lateral-direita, em virtude de uma contusão do titular desta posição no time.[3] Estreou profissionalmente em 1967, jogando pelo Galícia, mas, três anos depois, veio a grande chance, quando acertou sua ida para o Fluminense, que pagou cem mil cruzeiros[4] por seu passe.

Seu início no clube carioca não foi muito bom. Após um acidente de automóvel, que gerou muito interesse por parte da imprensa, ele foi sacado do time e, nas poucas vezes que entrava, não raro sentia dores ou cãibras.[5] "Eu fui um deslumbrado que, no primeiro tombo, vacilou", lembraria, em 1973.[5] Sob o comando do técnico Paulo Amaral, entretanto, tornou-se um jogador "polivalente", tendo jogado nas duas laterais e nas duas pontas.[3] "O bom profissional joga onde o técnico manda", explicou o jogador, no início da experiência, em 1970. "Eu não estranho jogar na esquerda. Vou avançar do mesmo jeito e tentar o gol."[6] Conquistou os títulos cariocas de 1971, 1973 e 1975, além do Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1970. Após a final de 1971, recebeu elogios de Carlos Alberto Torres, que deu declarações dizendo que via Toninho como seu substituto.[5]

Sua saída do Fluminense, após cinco anos no clube e muitos títulos, foi precipitada por um atrito com o técnico Didi, que havia declarado que Toninho sofria de um "bloqueio mental":[3] "Ele tem bloqueio mental. Digo uma coisa, ele diz que entendeu e no jogo faz tudo ao contrário."[4] No início de 1976, Francisco Horta, presidente do Fluminense, promoveu um fantástico troca-troca de jogadores, entre os quatro grandes do Rio.[7] Desta forma, Toninho, juntamente com Carlos Alberto Torres e mais dois jogadores (Roberto e Zé Roberto), foram para o Flamengo, em troca de Rodrigues Neto, Doval, Renato e Paulinho Amorim. Inicialmente perseguido pela torcida rubro-negra, que o culpava pela saída do ídolo Doval,[3] Toninho acabou conquistando os torcedores. Mas além da admiração dos flamenguistas, em 1977, Toninho também já era visto como "um dos melhores laterais do país".[3] Jogou quatro anos e meio no Flamengo, tendo participado da conquista do tricampeonato carioca de 1978, 1979 e 1979 (especial), além do título no Campeonato Brasileiro de 1980.

Durante sua estadia na Gávea, foi convocado para a Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo de 1978, na Argentina. Titular absoluto, participou de todos os jogos (incluindo um jogo em que foi estranhamente[8] escalado na ponta direita — na Seleção, ele só jogava na lateral), menos na decisão do terceiro lugar.

No ano seguinte, especulava-se se ele ainda seria o lateral da Seleção na Copa do Mundo de 1982,[9] mas sua saída, em 1980, para o Al Nassr, da Arábia Saudita, fez com que essa possibilidade fosse esquecida. Deixou o clube árabe depois de "incidentes mal explicados sobre sua transferência para um outro clube do mesmo país"[1] e voltou ao Brasil. Sem a liberação do passe pelo Al Nassr, que pedia o valor "astronômico"[1] (à época) de um milhão de dólares, conseguiu uma liminar para defender o Bangu, mas esta foi cassada depois de apenas quatro jogos e ele foi obrigado a aposentar-se 1982, aos 34 anos de idade, passando a dedicar-se a sua loja de materiais de construção.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Galicia-BA
Fluminense
Flamengo

Referências

  1. a b c "Um lateral de fôlego", Washington de Souza Filho, Placar número 707, 9/12/1983, Editora Abril, pág. 30
  2. Enciclopédia do Futebol Brasileiro Lance!, Areté Editorial, 2001, pág. 357
  3. a b c d e "Um gol no bloqueio", Aristélio Andrade, Placar número 392, 28/10/1977, Editora Abril, págs. 4-6
  4. a b (2 de março de 1978) "Toninho, titular do esquema, que se cuide com o Zé Maria". Folha de S. Paulo (17 865): 36. São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A..
  5. a b c Fausto Neto. (21 de setembro de 1973). "'Eu era um deslumbrado'". Placar (184): 14. São Paulo: Abril.
  6. Roberto Sander. Taça de Prata 1970: O Campeonato Brasileiro mais difícil de todos os tempos, conquistado pelo Fluminense. [S.l.]: Maquinária Editora, 2010. 128 pp. p. 89. 9788562063121.
  7. "Troca-troca carioca", Placar número 1 101, março de 1995, Editora Abril, pág. 20
  8. Ivan Soter, André Fontenelle, Mário Levi Schwartz, Dennis Woods e Valmir Storti, Todos os Jogos do Brasil, Editora Abril, 2006, pág. 324
  9. "Quanto mais velho mais fôlego", Marcelo Rezende, Placar número 491, 21/9/1979, Editora Abril, pág. 27