Cruthin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cruthin
País: Irlanda
Dinastia de origem: desconhecido
Títulos:
Linhagem secundária:

Os cruthin (em irlandês médio: Cruithnig, Cruithni, em irlandês moderno Cruithne) eram um povo da antiga Irlanda, que ocuparam partes dos condados de Down, Antrim e Londonderry durante a Alta Idade Média.

Suas dinastias governantes incluíam os Dál nAraidi, no sul de Antrim, e os Uí Echach Cobo, no oeste de Down. Fontes primitivas preservam uma distinção entre os cruthin e os ulaid, que deram seu nome à província de Ulster, embora os Dál nAraide alegavam em suas genealogias serem na fir Ulaid, "os verdadeiros ulaid".[1] Os loígis, que deram seu nome ao condado de Laois, em Leinster, e os soghain de Connacht são também reivindicados como cruthin nas antigas genealogias irlandesas.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Variações do nome incluem Cruthen, Crutheni, Cruthin, Cruthini, Cruthne, Cruthni, Cruithni e Cruithini.

É geralmente aceito que este é derivado de *Qritani ou *Qriteni, que é o goidélico/celta-Q versão do britônico/celta-P *Pritani ou *Priteni.[3] [4] Do último derivou Britanni, o nome romano para aqueles que hoje chamamos de britânicos.[3] [5] [6]

O professor T. F. O'Rahilly propõe que os Qritani/Pritani foram o primeiro grupo celta a habitar a Bretanha e Irlanda, e descreve-os como "os primeiros habitantes destas ilhas a quem o nome pode ser atribuído".[7]

Os cruthin e os pictos[editar | editar código-fonte]

Os antigos escritores irlandeses usavam o nome para se referir aos pictos e ao grupo de pessoas que viviam na parte nordeste da Irlanda.[5] Foi então sugerido que os cruthin e os pictos eram as mesmas pessoas ou estavam de alguma forma ligados.[1] Foi também sugerido que Cruthin era um nome usado para se referir a todos os britânicos que não foram "conquistados" pelos romanos - os que viviam fora da Britannia romana, ao norte da Muralha de Adriano.[6]

Porém, os cruthin não podem ser distinguidos por arqueologia,[8] Os escritores latinos irlandeses nunca usaram Picti para se referirem aos cruthin irlandeses, e nos tempos históricos os cruthin utilizavam o sistema de hereditariedade irlandês, o derbfhine, ao invés do sistema matrilinear utilizado pelos pictos, e falavam o irlandês.[9] Dáibhí Ó Cróinín acredita que a "noção de que os cruthin eram 'pictos irlandeses' e estavam intimamente ligados aos pictos da Escócia é bastante equivocada";[10] e Kenneth H. Jackson disse que os cruthin "não eram pictos, não tinham qualquer ligação com os pictos, linguística ou não, e nunca são chamados de Picti pelos escritores irlandeses".[11]

Referência nos Anais[editar | editar código-fonte]

No alvorecer da história registrada no século V, os cruthin parecem ter sido mais poderosos no norte do que no Ulaid, que havia sido reduzido ao leste de Antrim e Down.[1] Um certo Dubsloit dos cruthin é dito ter matado o filho do Grande Rei Diarmait mac Cerbaill em 555 ou 558, e Diarmait foi assassinado por um cruthin rei de Ulster, Áed Dub mac Suibni, em 565.[12]

Porém, sua população foi logo reduzida pela expansão dos Uí Néill. Os Anais de Ulster registram uma vitória dos Uí Néill do norte sobre uma confederação de reis cruthinos em Móin Dairi Lothair (Moneymore, no condado de Londonderry)[8] em 563, após o que os cruthin perderam seu território entre o rio Bann e o rio Moyola para os reis de Ailech, e entre o Bann e o rio Bush para os airgíalla.[1]

Os Dál nAraide, situados em torno de Ráth Mor, a leste da cidade de Antrim, surgiram como a dinastia governante dos cruthin a leste do rio Bann.[13] O seu rei histórico mais poderoso foi Fiachnae mac Báetáin, Rei de Ulster e efetivo Grande Rei da Irlanda. No reinado de Congal Cáech, eles foram derrotados pelos Uí Néill em Dún Cethirnn (entre Limavady e Coleraine)[14] em 629, apesar de Congal ter sobrevivido. No mesmo ano, o rei cruthino Mael Caích derrotou Connad Cerr do Dál Riata em Fid Eóin, mas em 637 uma aliança entre Congal Cáech e Domnall Brecc do Dál Riata foi derrotada, e Congal foi morto, por Domnall mac Áedo dos Uí Néill do norte em Mag Roth (Moira, condado de Down), que institui a supremacia dos Uí Neill no norte. Em 681 outro rei dos Dál nAraide, Dúngal Eilni, e seus aliados foram mortos pelos Uí Néill no que os anais chamam de "a queima dos reis em Dún Cethirnn". O termo étnico "Cruthin" foi por este estágio dando lugar ao nome dinástico dos Dál nAraide. Os Anais registram uma batalha entre os cruthin e os ulaid em Belfast, em 668, mas a última utilização do termo foi em 773, quando a morte de Flathruae mac Fiachrach, "rex Cruithne", é registrada.[1] No século XII ele caiu em desuso como um etnônimo, e foi lembrado apenas como um nome alternativo para os Dál nAraide.[15]

Cultura moderna[editar | editar código-fonte]

Na Irlanda do Norte dos tempos modernos, os escritores unionistas, em especial Ian Adamson, veem os cruthin como um antigo reflexo de seu próprio separatismo nortista e afinidade com os britânicos.[10] [16] Alguns titulares do sobrenome escocês Ferguson reivindicam uma descendência do fundador de Carrickfergus. Os cruthin, como os clãs de Dál Riata, movimentaram-se para lá e para cá entre a Escócia e a Irlanda do Norte muito antes dos reinos da Escócia e da Irlanda existirem.

O asteroide 3753 Cruithne recebeu esse nome em homenagem ao grupo.[17]

Notas

  1. a b c d e Dáibhí Ó Cróinín, "Ireland, 400-800", in Dáibhí Ó Cróinín (ed.), A New History of Ireland Vol 1, 2005, pp. 182-234.
  2. Francis J. Byrne, Irish Kings and High Kings, Four Courts Press, 2001, p. 39, 236.
  3. a b Chadwick, Hector Munro. Early Scotland: the Picts, the Scots & the Welsh of southern Scotland. CUP Archive, 1949. páginas 66-80.
  4. Bernhard Maier. Dictionary of Celtic religion and culture. Boydell & Brewer, 1997. página 230.
  5. a b Ó Cróinín, Dáibhí. A New History of Ireland: Prehistoric and Early Ireland. Oxford University Press, 2008. Page 213.
  6. a b Dunbavin, Paul. Picts and ancient Britons: an exploration of Pictish origins. Third Millennium Publishing, 1998. Page 3.
  7. T. F. O'Rahilly, Early Irish History and Mythology, Dublin Institute for Advanced Studies, 1946, p. 15-16 341-342
  8. a b Richard Warner, "The Lisburn Area in the Early Christian Period Part 2: Some People and Places", Lisburn Historical Society Journals Vol 8, 1991
  9. Byrne 2001, p. 8, 108.
  10. a b Dáibhí Ó Cróinín, Early Medieval Ireland 400-1200, Longman, 1995, p. 48
  11. Kenneth H. Jackson, "The Pictish language", in F. T Wainwright (ed.), The problem of the Picts, Edimburgo, 1956, pp. 122-166.
  12. Byrne 2001, pp. 94-95.
  13. Byrne 2001, p. 109
  14. Alfred P. Smyth, Warlords and Holy Men, Edinburgh University Press, 1989, p. 101
  15. O'Rahilly 1946, p. 345
  16. Ian Adamson, The Cruthin: a history of the Ulster land and people, Belfast, 1974
  17. Cruithne: Asteroid 3753. Western Washington University Planetário.

Referências

  • Byrne, Francis J. Irish Kings and High Kings. Dublin: Four Courts Press, 2001 (2ª edição). Primeira publicação em 1973.
  • Jackson, Kenneth H. "The Pictish language." Em The problem of the Picts, ed. F.T Wainwright. Edimburgo, 1956. pp. 122–166.
  • Ó Cróinín, Dáibhí. "Ireland, 400-800." Em A New History of Ireland, ed. Dáibhí Ó Cróinín. Vol 1. 2005. pp. 182–234.
  • O'Rahilly, T.F. Early Irish History and Mythology. Dublin: Dublin Institute for Advanced Studies, 1946.
  • Smyth, Alfred P. Warlords and Holy Men. Edimburgo: Edinburgh University Press, 1989.
  • Warner, Richard. "The Lisburn Area in the Early Christian Period Part 2: Some People and Places." Lisburn Historical Society Journals Vol 8. 1991

Ligações externas[editar | editar código-fonte]