Droga psicodélica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

As drogas psicodélicas (do grego antigo ψυχη (psique) "mente" e δηλειν (delein) "manifestação") são classificadas como aquelas cujo principal efeito consiste no aumento ou ampliação da capacidade de pensamento do cérebro.

Acredita-se que isto se deva à desabilitação dos filtros que bloqueiam sinais relacionados a certas funções de alcançarem o consciente. Supõe-se que estes sinais tenham sua origem em variadas funções cerebrais, incluindo os sentidos, emoções, memórias, além de funções do subconsciente. Este efeito é normalmente conhecido como expansão da mente, ou expansão da consciência, já que a mente consciente se torna ciente de aspectos normalmente inacessíveis a ela. Em níveis avançados isto pode destruir temporariamente a noção de ego resultando em um estado dissociativo.

A melhor definição do que é considerado verdadeiramente psicodélico é a seguinte: “uma droga psicodélica é aquela que, sem causar dependência física, ansiedade, vertigem, delírios, amnésia, problemas de ordem fisiológica de modo geral, aumenta a capacidade de pensamento de forma mais ou menos confiável, além de induzir mudanças de percepção experimentadas raramente de outra forma exceto talvez em sonhos, exaltação contemplativa e religiosa e lampejos involuntários de memória de longo prazo”.

Ver também[editar | editar código-fonte]

alguns remédios "tarja preta" como ritalina por exemplo ao serem tomados com álcool podem dar um efeito semi-psicodélico.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma droga é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.