Santo Daime

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santo Daime
Santo Cruzeiro
Também conhecido como cruz de caravaca

O Santo Daime é uma manifestação religiosa surgida na região amazônica nas primeiras décadas do século XX. Consiste em uma doutrina espiritualista que tem como base o uso sacramental de uma bebida enteógena, a ayahuasca. A doutrina não possui proselitismo, sendo a prática espiritual essencialmente individual, sendo o autoconhecimento e internalização os meios de obter sabedoria.

Segundo seus adeptos, a doutrina do Santo Daime é uma missão espiritual cristã, que encaminha os seus praticantes ao perdão e a regeneração do seu ser. Isto acontece porque o daimista, ao participar dos cultos e ingerir o Santo Daime inicia um processo de auto conhecimento, que visa corrigir os defeitos e melhorar-se sempre, aprimorando-se como ser humano.

Nos rituais sempre há uma forte presença musical. São sempre cantados hinos religiosos e são usados maracás, um instrumento indígena ancestral, na maioria dos locais de culto, além de violas, flautas, bongôs e atabaques.

Surgiu no estado brasileiro do Acre, no início do século XX, tendo como fundador o lavrador e descendente de escravos Raimundo Irineu Serra, que passou a ser chamado dentro da doutrina e por todos que o conheciam como Mestre Irineu. Após conhecer a bebida sacramental chamada de ayahuasca pelos nativos da região Amazônica, Irineu Serra teve uma visão de características marianas, em que um ser espiritual superior lhe entrega a missão do Santo Daime.

Ouça o artigo (info)
Este áudio foi criado a partir da revisão datada de 23 de julho de 2010 e pode não refletir mudanças posteriores ao artigo (ajuda com áudio).

Mais artigos audíveis

História[editar | editar código-fonte]

Raimundo Irineu Serra nasceu em São Vicente Ferrer, no Estado do Maranhão em 1892. No final da primeira década do século, embarcou para o então Território do Acre para trabalhar nos seringais, onde se estabeleceu próximo à cidade de Brasileia, na fronteira com a Bolívia. Foi ali que Raimundo Irineu Serra, teve sua iniciação com a ayahuasca (um dos muitos nomes da beberagem), recebendo a missão de uma entidade feminina associada com a Virgem Maria (Virgem da Conceição ou Rainha da Floresta) de expandir a doutrina e utilizar todo o conhecimento nela inserida para a cura.

Mestre Irineu não inventou a ayahuasca, foi apenas responsável pela cristianização do seu uso, rebatizando a bebida a partir do rogativo "Dai-me Amor", "Dai-me Firmeza". A nova seita religiosa mesclou elementos culturais diversos como as tradições caboclas e xamânicas, o catolicismo popular, o esoterismo e tradições afro-brasileiras.[1]

Na década de 1930 inicia seus trabalhos espirituais com um pequeno grupo de seguidores nos arredores de Rio Branco e, com o passar dos anos, viu esse grupo aumentar em tamanho e importância no cenário acreano. Raimundo Irineu Serra faleceu em 6 de julho de 1971.

Fugindo dos princípios da doutrina, e desrespeitando aos advertimentos do Mestre antes do falecimento[2] , iniciou-se um movimento de expansão com a criação de novos centros como o CEFLURIS liderada por Sebastião Mota de Melo.[3]

Em 2006, estimava-se em aproximadamente 10.000 [carece de fontes?] os seguidores dessa doutrina no Brasil e no mundo. Há centros legalmente instituídos em quase todos os estados brasileiros e em países como Espanha e Países Baixos, além de grupos que celebram os cultos em países como Estados Unidos, Canadá, Japão, Argentina, Chile, Uruguai, Venezuela e Portugal.[4]

A doutrina ficou então dividida em duas vertentes principais:

O Centro de Iluminação Cristã Luz Universal (CICLU)[5] - Alto Santo - dirigido pela viúva do mestre, Peregrina Gomes Serra[6]

O CEFLURIS, fundado pelo Sebastião Mota de Melo, natural de Eirunepé, Amazonas. O Centro Eclético de Fluente Luz Universal Raimundo Irineu Serra (CEFLURIS) foi registrado em 1974, com sede na cidade do Rio Branco, como um centro espírita estruturado sob a forma de sociedade religiosa sem fins lucrativos, responsável pela organização da Doutrina e pela feitio e distribuição da bebida sacramental utilizada nos rituais.

Inúmeros centros independentes ou não diretamente ligados ao CICLU ou ao CEFLURIS surgiram após a expansão para o resto do país. Um dos mais recentes desdobramentos desta expansão é o surgimento de centros independentes, que promovem sincretismos com a Umbanda, o Hinduísmo[carece de fontes?]. Um centro considerado expansionista, mas que ritualísticamente segue os princípios do Alto Santo é o Centro Eclético Flor do Lótus Iluminado - CEFLI, com sede em Capixaba, Acre, e dirigido por Luiz Mendes do Nascimento, mas com seguidores em vários locais do mundo.

O uso ritual de substâncias psicoativas como a ayahuasca vem sendo discutido em vários países. No Brasil, o CONAD (Conselho Nacional Antidrogas) do Brasil, retirou a ayahuasca da lista de drogas alucinógenas conforme portaria publicada no Diário Oficial da União em 10 de novembro de 2004, permitindo o uso ritual.

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, encaminhou em 2008 ao IPHAN,[7] um processo para transformar o uso do chá de ayahuasca, em patrimônio imaterial da cultura brasileira.[8]

Um caso de agressão[editar | editar código-fonte]

Em 2010, Glauco Villas-Boas (1957-2010), cartunista por profissão e um dos responsáveis pela distribuição do chá em oficio religioso na cidade de São Paulo [9] , foi assassinado por uma pessoa que frequentou a doutrina. Outras fontes declaram que o jovem já sofria de problemas psiquiátricos antes de frequentar as sessões com o Santo Daime e que estaria passando por uma crise.[10] O agressor, por razões psiquiátricas de sua inimputabilidade (diagnóstico de esquizofrenia) não permaneceu preso e inclusive posteriormente recebeu autorização para tratamento domiciliar. Recentemente, em setembro de 2014 tal agressor foi novamente preso sob suspeita de latrocínio (roubo seguido de morte), estando seu envolvimento ainda em investigação. [11] [12]

Estrela utilizada pelos fardados.

Legislação para uso do chá[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2010 o governo brasileiro formalizou legalmente o uso religioso do chá ayahuasca, vetando o comércio e propagandas do mesmo, que só poderá ser utilizado com fins religiosos e não lucrativos, com a criação de um cadastro facultativo para as entidades que o utilizam. A bebida chegou a ser proibida no país em 1985, sendo liberada dois anos depois, e ocorreu uma nova tentativa de proibição nos anos 1990. Atualmente não há impedimento para o uso do chá em cerimônias religiosas, porém não existiam orientações para o seu uso em conformidade com o direito.[13]

Referências

  1. Página do Centro de Iluminação Cristã Luz Universal
  2. Não existe ninguém que tenha recebido autorização do Mestre Irineu para se declarar dono ou continuador de sua infinita obra.
  3. Página do "Céu do Mar" no Rio de Janeiro
  4. daime.com.br
  5. Centro de Iluminação Cristã Luz Universal
  6. Depoimento da luta de Peregrina
  7. Portal Iphan
  8. Gil defende o Chá do Ayahusaca com cultura brasileira. G1, 1 de maio de 2008 (visitado em 15-3-2010).
  9. Genealogia do Santo Daime A Familia Juramidam Acesso Dez. 2014
  10. Daime: uma droga que não tem nada de santa, jbonline.terra.com.br
  11. Suspeito de novo crime, assassino de Glauco vai para a prisão na quarta feira. Paula Sperb. Folha de São Paulo, 02/09/2014 - Cotidiano Acesso, Dez. 2014
  12. Jovem ficou internado em hospital psiquiátrico por morte de cartunista Globo.como 01/09/2014 Acesso, Dez. 2014
  13. Yahoo! Notícias (27 de janeiro de 2010). Santo-daime é oficializado para uso religioso (em português). Visitado em 27 de janeiro de 2010.
Dimetiltriptamina, ou DMT, uma das substancias psicoativas presentes na ayahuasca.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LABATE, BEATRIZ CAIUBY Reinvenção do uso da ayahuascha em centros urbanos, Mercado de Letras, 2004
  • MACRAE, Edward Guiado pela lua, Editora Brasilense, 1992.
  • MOTIMER, Lúcio Nosso Senhor Aparecido na floresta s/ed
  • SANTANA, RICARDO J. ARRUDA, CAROLINA Centro Livre - Ecletismo cultural no Santo Daime, All Print.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]