Estremenho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde outubro de 2010)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Estremenho (Estremeñu)
Falado em: Espanha
Região: Estremadura
Total de falantes: 200 000 (cerca de 500 000 passivos)[1]
Família: Indo-europeia
 Itálico
  Romance
   Italo-ocidental
    Ocidental
     Galo-Ibérico
      Ibero-romance
       Ibérico Ocidental
        Astur-Leonês
         Estremenho
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: ext

O estremenho (estremeñu) é uma língua do grupo astur-leonês falada na Estremadura, Espanha.

Possui cerca de 200 000 falantes que a usam com regularidade, e cerca de meio milhão que são falantes passivos ou capazes de usá-la.[1] A maioria dos falantes são maiores de 40 anos, e habitam o norte de Estremadura, especificamente na província de Cáceres, próximo à fronteira com Portugal.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

Há três dialetos principais: setentrional ou artu estremeñu, central ou meyu estremeñu e meridional ou bahu estremeñu, sendo o setentrional considerado o mais puro e o que tem a maior quantidade de falantes. Cada um desses dialetos se subdivide, por sua vez, em variantes subdialetais, havendo suficiente intelegibilidade entre os três. Há diferenças de opinião sobre a inteligibilidade com o astur-leonês, que para uns é insuficiente e para outros é suficiente.

Os falantes de estremenho são bilíngües em castelhano, considerando-a como língua principal e usando-a na escola, igreja, e no contato com estrangeiros, conservando o estremenho na vida familiar. De fato a opinião generalizada é de que o castelhano é uma língua e o estremenho é um dialeto.

Aproximadamente 90% da população falante de estremenho lê bem,[carece de fontes?] havendo diferentes ortografias para escrever estremenho: uma quase idêntica ao castelhano, desenvolvida no século XIX pelo poeta José María Gabriel e Galán; a outra é mais recente e mais fonética.

Referências

  1. a b Ethnologue 11 de novembro de 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]