Lublin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Maio de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Lublin
Bandeira de Lublin Brasão de Lublin
Bandeira Brasão
Localização de Lublin
Voivodia Lubelskie
Governo municipal Rada Miasta Lublin
Prefeito Adam Wasilewski
Área 147,5 km²
População
 - densidade
355 954 (2004)
2400/km²
Fundação antes do século XII
Cidade em: 1317
Latitude
Longitude
51°14' N
22°34' E
Código de área +48 81
Placas de carros LU
Cidades irmãs Alcalá de Henares, Debrecen, Delmenhorst, Erie, Lancaster, Münster, Nancy, Nykøbing Falster, Pernik, Panevėžys, Rishon LeZion, Luhansk, Lutsk, Lviv, Starobelsk, Viseu, Windsor
Website municipal

Lublin é a maior cidade do leste polonês e a capital da voivodia de Lublin (polonês: województwo lubelskie) com uma população de 355 954 habitantes (2004).

História[editar | editar código-fonte]

Castelo Lublin

Os primeiros assentamentos permanentes no que hoje é Lublin foram estabelecidos no início da Idade Média, entretanto, achados arqueológicos indicam a presença de várias culturas no local em épocas anteriores a esta. O mais antigo e significativo assentamento foi iniciado no século VI, em uma colina localizada no subúrbio de Czwartek (em português: quinta-feira, muito provavelmente devido ao dia da semana em que se realizava a feira no povoado). É provável que as colinas circunvizinhas, principalmente o local onde atualmente se localiza a Cidade Velha, também tenham sido povoadas próximo deste tempo.

Nos séculos X e XI o povoado de Czwartek tornou-se um importante centro de comércio. A localização de Lublin próxima à fronteira oriental das terras polonesas deu-lhe uma importância militar estratégica. A primeira fortificação no local pode ter sido construída já no século VIII, possivelmente na Colina do Castelo. Certamente ao término do século X uma importante fortificação existiu lá. Quando o castelo foi construído, a colina adjacente a ele, a Cidade Velha, se tornou o foco principal dos novos assentamentos, e o povoado de Czwartek diminuiu em importância. O castelo se tornou a propriedade de um castelão, mencionado pela primeira vez em fontes históricas de 1224, mas bastante possivelmente presente desde o começo do século XII, ou até mesmo do século X. O documento histórico mais antigo que menciona Lublin data de 1198, e certamente seu nome deve ter entrado no uso geral já algum tempo antes.

A Cidade Velha

A aldeia foi alvo de ataques por parte de tártaros (1241, 1259 e 1287), rutenos, iotivingianos e lituanos e foi destruída várias vezes. Recebeu o título de cidade em 1317. Casimiro o Grande, avaliando a importância estratégica do local, mandou erguer com pedras um castelo em 1341 e cercou a cidade com muralhas.

Em 1392, a cidade recebeu do rei Władysław Jagiełło importantes privilégios na área de comércio, e com o estabelecimento da paz entre a Polônia e a Lituânia acabou se transformando em um grande centro comercial entre os dois países. Em 1474 a área ao redor de Lublin foi escolhida para formar a Província de Lublin.

Nos séculos XV e XVI a cidade teve um rápido crescimento. Em Lublin aconteceram as maiores feiras da República das Duas Nações. Durante o século XVI as reuniões do parlamento (sejm) aconteceram em Lublin inúmeras vezes. No dia 26 de junho de 1569, uma das mais importantes sessões do parlamento proclamou a União de Lublin, que uniu Polônia e Lituânia.

Alguns dos artistas e escritores da Renascença polonesa viveram e trabalharam em Lublin, inclusive Sebastian Klonowic e Jan Kochanowski, que morreram na cidade em 1584. Em 1578 o Tribunal da Coroa se estabeleceu na cidade, e ela então passou a contar com o mais alto tribunal da região da Pequena Polônia (Małopolska).

Desde a segunda a metade do século XVI, movimentos da Reforma Protestante surgiram em Lublin, e uma grande congregação de Irmãos poloneses esteve presente na cidade. Uma das mais importantes comunidades judaicas da Polônia também se estabeleceu em Lublin neste período. Ela continuou sendo uma parte vital da vida da cidade até quando deixou de existir durante o Holocausto nazista. Entre 1580 e 1764 o Conselho Judeu das Quatro Terras (Va'ad Arba' Aratzot) aconteceu em Lublin. Setenta delegados de comunidades judaicas locais (kahals) se encontraram para discutir assuntos de tributações e outros importantes temas de interesse dessas comunidades.

Estudantes vinham para Lublin de toda a parte da Europa para estudar no yeshivá. O yeshivá se tornou um centro de aprendizado do Talmud e da Cabala. A grande bolsa de estudos para aqueles que estudavam lá levaram a cidade ser nomeada de a "Oxford judia"; o Rosh yeshivá recebia o título de reitor e direitos iguais aos das universidades polonesas com a permissão do Rei em 1567.

No século XVII, a cidade sofreu um declínio devido à invasão sueca durante as Guerras do Norte (1655-1661). Após a terceira partição da Polônia em 1795 Lublin passou para o domínio do Império Austríaco, depois, a partir de 1809 ao Ducado de Varsóvia, e ainda desde 1815 ao Polônia do Congresso sob o governo russo. No começo do século XIX aconteceram vários modernos desenvolvimentos urbanos, com o surgimento de novas praças, ruas e edifícios públicos. Em 1877 foi construída uma conexão de estrada de ferro para Varsóvia e Kovel, que alavancou o desenvolvimento industrial na cidade. A população de Lublin cresceu de 28 900 em 1873 para 50 150 em 1897.

Parte do interior da catedral de Lublin

O domínio russo terminou em 1915, quando a cidade foi ocupada pelos exércitos alemão e austro-húngaro. Depois da derrota da Tríplice Entente em 1918, o primeiro governo da Polônia independente operou em Lublin por um curto tempo. No período entre Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, a cidade continuou a se desenvolver. A população cresceu, sendo que a comunidade judaica representava quase 40% dos habitantes da cidade. Empreendimentos industriais importantes foram estabelecidos, inclusive a primeira fábrica de aviões da Polônia - Zakłady Mechaniczne A. Plage i T. Laśkiewicz. A fábrica produziu aeronaves entre 1920 e 1935, quando então foi nacionalizada como Lubelska Wytwórnia Samolotów - LWS.

A Universidade Católica de Lublin foi fundada em 1918.

Depois da invasão da Polônia pela Alemanha nazista em 1939, a cidade passou para o Governo Geral. Durante a ocupação alemã, a população da cidade foi alvo de intensa repressão por parte dos ocupantes, com um destino particularmente severo reservado para os habitantes judeus. Foram utilizados planos alemães para transformar Lublin em uma cidade germanizada e a parcela da população de etnia alemã passou de 20-25% do total, em 1944, para 30-40% no ano seguinte.

A cidade serviu como quartel-general alemão para a Operação Reinhard, o principal esforço alemão para exterminar os judeus na Polônia ocupada. A população judia de Lublin foi forçada a se estabelecer no gueto de Lublin, ao redor da área de Podzamcze. A maioria dos habitantes do gueto, aproximadamente 26 000 pessoas, foi deportada para o campo de extermínio de Bełżec entre 17 de março e 11 de abril de 1942.

O restante foi enviado para instalações ao redor de Majdanek e um grande campo de concentração foi criado nos arredores da cidade. A maioria dessas pessoas foi morta no final da guerra.

Depois da guerra, os poucos judeus que sobreviveram, escondendo-se ou fugindo para território soviético, restabeleceram uma pequena comunidade judaica na cidade, mas ela rapidamente foi reduzida a quase nada quando a maioria dos seus integrantes trocou a Polônia por Israel e pelo Ocidente, nos primeiros anos pós-guerra. O campo de Majdanek e a prisão estabelecida no castelo de Lublin, serviram também como os principais centros de medidas de terror contra a população não-judia de Lublin e do distrito circunvizinho.

Monumento do Holocausto em Lublin, com a Igreja Dominicana ao fundo.

Em 1944, a cidade foi tomada pelo Exército soviético e tornou-se a capital do Comitê de Libertação Nacional Polonês (polonês: Polski Komitet Wyzwolenia Narodowego, PKWN) também conhecido por Comitê Lublin, sob controle comunista. A capital mudou para Varsóvia em janeiro de 1945.

Nos anos pós-guerra, Lublin continuou a crescer, triplicando sua população e expandindo grandemente seu território. Uma importante base de pesquisa científica foi instalada em torno da recentemente fundada Universidade Marie Curie-Skłodowska. Uma grande fábrica de veículos (Fabryka Samochodów Ciężarowych - FSC) foi fundada na cidade em 1950.

Em julho de 1980, os trabalhadores de Lublin e da vizinha Świdnik começaram a primeira onda de greves em massa contra o regime comunista, a qual posteriormente conduziu ao aparecimento do movimento Solidariedade. A primeira greve começou no dia 8 de julho na fábrica WSK em Świdnik. Espalhou-se rapidamente para outras fábricas em Lublin e região circunvizinha. A rede ferroviária e o trânsito da cidade pararam. Por fim, 150 fábricas que empregavam 50000 trabalhadores aderiram à greve. Os grevistas usaram uma tática moderna de ficar dentro de suas fábricas e ocupá-las, em vez de marchar nas ruas, onde as autoridades facilmente usariam da força contra eles. Os trabalhadores faziam reivindicações de natureza econômica e política, tais como novas eleições para a liderança dos sindicatos, cancelamento dos privilégios para a classe governante do Partido Comunista e redução da burocracia nas fábricas.

As greves de julho duraram duas semanas. As autoridades comunistas conseguiram conduzi-las até um fim pacífico, fazendo concessões basicamente econômicas aos trabalhadores. Porém, o impulso gerado pelas greves de Lublin rapidamente deu origem a uma nova onda de greves na região de Gdańsk, em agosto de 1980. Lá os trabalhadores usaram táticas semelhantes às usadas pelos trabalhadores de Lublin um mês antes, e desta vez as autoridades comunistas tiveram que aceitar a exigência dos grevistas de montar um sindicato independente, que logo se transformaria no Solidariedade.

Economia[editar | editar código-fonte]

Lublin - vista de cima da Torre Trynitarska

A região de Lublin tem a infeliz distinção de ter o produto interno bruto (PIB) per capita mais baixo de toda a União Europeia. É a parte da Polônia oriental que menos se beneficiou das transformações econômicas pós-1989, em relação a outras regiões do país, mais próximas da Europa Ocidental.

O desempenho econômico da cidade está inevitavelmente atado à pobreza da zona rural circunvizinha.

As fábricas construídas sob o regime comunista na cidade geralmente têm fraco desempenho na nova economia de mercado. A grande fábrica de veículos FSC (Fabryka Samochodów Ciezarowych) parecia ter um futuro mais brilhante quando foi adquirida pelo conglomerado sul-coreano Daewoo em 1990. Infelizmente, com as dificuldades financeiras da Daewoo em 1998, a produção da FSC praticamente parou e a fábrica entrou em falência. Esforços para reativar sua produção de carros tiveram sucesso quando o fornecedor dos motores comprou a companhia para não perder seu mercado principal.

Com o declínio de Lublin como um centro industrial regional, a economia da cidade está sendo redirecionada para as indústrias de serviço. Atualmente, o maior empregador é a Universidade Maria Curie-Sklodowska (UMCS).

Transportes[editar | editar código-fonte]

Trens passam dez vezes por dia para Varsóvia e três vezes por dia para Cracóvia assim como para as principais cidades da Polônia. Ônibus também partem das proximidades do castelo, na Cidade Velha, e servem a maioria dos destinos atendidos pela ferrovia. A viagem de trem rápido para Varsóvia leva cerca de duas horas e meia e há transporte público disponível para o aeroporto Frederic Chopin, que fica a apenas 10 km do centro e tem voos para todo o mundo. Há também um serviço de ônibus do aeroporto para a cidade sete vezes por dia.;.[1] [2]

Foi aprovada a construção de um novo aeroporto em Świdnik, perto de Lublin, que deverá receber recursos dos Estados Unidos e cuja inauguração está prevista para 2011.

Educação[editar | editar código-fonte]

Tribunal da Coroa, no centro da praça principal da Cidade Velha.

Lublin tem seis escolas de ensino superior, inclusive a Universidade Maria Curie-Sklodowska (UMCS) e a Universidade Católica de Lublin (KUL).

Esportes[editar | editar código-fonte]

  • Start Lublin - time de basquetebol masculino, atua na Polska Liga Koszykówki, PLK o mais alto nível da liga de basquetebol na Polônia.
  • Bystrzyca Lublin - time de handebol feminino atua na Liga Ekstraklasa de Handebol Feminino da Polônia.
  • Um time local de futebol (Motor) competindo na liga polonesa (Terceira Divisão).
  • Um time local de rugby que compete no polonês, e liga de distritos circunvizinhos.

Gente famosa[editar | editar código-fonte]

Chachmei Lublin Yeshivá

Política[editar | editar código-fonte]

Distrito eleitoral de Lublin[editar | editar código-fonte]

Prefeitura de Lublin

Membros do Parlamento (Sejm) eleitos do distrito eleitoral de Lublin:

  • Zyta Gilowska, PIS
  • Stanisław Głębocki, Samoobrona
  • Arkadiusz Kasznia, SLD-UP
  • Elżbieta Kruk, PiS
  • Grzegorz Kurczuk, SLD-UP
  • Robert Luśnia, LPR
  • Andrzej Mańka, PiS
  • Gabriela Masłowska, LPR
  • Wiktor Osik, SLD-UP
  • Zdzisław Podkański, PSL
  • Tadeusz Polański, PSL
  • Izabella Sierakowska, SLD-UP
  • Zygmunt Jerzy Szymański, SLD-UP
  • Leszek Świętochowski, PSL
  • Marian Widz, Samoobrona
  • Józef Żywiec, Samoobrona

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Lublin