Mérida (México)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Mérida
Brasão
Lema: Muy noble y muy leal ciudad de Mérida
Pdm-statue-merida.jpg
Nome oficial Mérida
Estado Iucatã
Município Mérida
Fundação 6 de janeiro de 1542
Website www.merida.gob.mx
Demografia
População
 - Pop. municipio

800 000 hab.
Gentílico Meridano(a) ou Emeritense
Geografia
Altitude 9 metros
Código telefônico 999
Fuso horário UTC-6
Localização
Localização de Mérida no México
20° 58' 12" N 89° 37' 12" O
Cidade do México México

Mérida é a capital e a maior cidade do estado do Iucatã, no México. Localiza-se no sudeste do país e tem cerca de 800 mil habitantes. Foi fundada em 1542 no local das ruínas da antiga cidade maia de T'Hó.

É uma cidade que goza da reputação de oferecer um elevado nível de qualidade de vida. Suas características urbanas são horizontais e tem muitas áreas arborizadas disponíveis. A área metropolitana de Mérida, que inclui peças de dois outros municípios, (Kanasín e Uman), que abriga uma população de cerca de um milhão de habitantes, o que o coloca como a cidade mais populosa toda a região do sudeste do México e é a décima segunda área metropolitana, no México..[1]

O apelido de Cidade Branca deriva segundo a pesquisa do historiador Michel Antochiw Kolpa, e não pela cal com a qual era utilizada para pintar as suas paredes e fachadas da época colonial até o século XX, a cal a ser utilizado para este resultante da queima do carbonato de cálcio do calcário é abundante na região, nem por sua provável limpeza, que agora pode ser considerado um mito, sem que a cidade seja suja, mas um fato que remonta a fundação da cidade em 1542: Francisco de Montejo seu pai, filho e sobrinho, conquistadores de Yucatán e fundador de Mérida e seus acompanhantes, durante o primeiro século após a conquista, queriam por razões de segurança e bem-fundado receio, dada a persistente rebelião dos maias que nunca poderia ser rebatido totalmente (como evidenciado pela rebelião de Jacinto Canek em meados do século XVIII e sangrenta e prolongada Guerra de Castas que eclodiu em 1848 e não concluídas até o século XX que começou), fazer a cidade Branca, que é para os brancos da época. Essa era a sua intenção original (daí as portas de entrada para a cidade para além do qual foram os bairros de índios que mais tarde seriam esmagados pelo crescimento da população).

Mais tarde verificou-se que era mais forte do que a necessidade dos conquistadores para pegar a mão de obra exigida pela crescente expansão urbana que seu desejo inicial de permanecer etnicamente pura, isolados e protegidos no espaço da cidade criada sobre as ruínas da antiga cidade maia de T'Hó Ichcaanzihó ou T'Hó.[2]

Mérida foi nomeada em 2000 Capital Americana da Cultura em virtude de sua vocação e que deu um impulso considerável para atividades culturais. A cidade já sediou duas reuniões Estados Unidos - México, a primeira em 1999, e a segunda em 2007. Em recentes reuniões científicas internacionais também foram realizadas na cidade de Merida: a Olimpíada Internacional de Matemática em 2005, a Olimpíada Internacional de Informática em 2006 e a Olimpíada Internacional de Física em 2009.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa das estradas de Mérida e vizinhança

Mérida situa-se no nordeste da Península de Yucatan, a 36 km do Porto de Progresso no Golfo do México. Encontra-se a leste de Cidade do México a 1 450 km de distância, pela estrada costeira do Golfo (via Ciudad del Carmen). Mérida está localizado ao sul do centro aproximado da cratera de Chicxulub a uma altitude de 9 metros acima do nível do mar.

História[editar | editar código-fonte]

Mérida foi fundada em 6 de janeiro de 1542 pelo espanhol Francisco de Montejo e 100 famílias espanholas. Esta cidade foi construída sobre as ruínas da população maia T'HO Ichcaansihó, de maia quer dizer conco montes, também conhecido apenas como T'HO quefoi abandonada após a chegada dos espanhóis no século XVI. O historiador Victor Manuel Molina Solis, que quando as tropas espanholas entraram em T'HO em 1541, mal tinha 200 casas de palmeiras ocupadas por cerca de mil indígenas desnutridos, com ruínas colossais e restos de construções, coroação incríveis, e belas colinas cobertas de árvores silvestres de muita idade.

Mérida foi batizado com esse nome por conta da cidade na Espanha de mesmo Mérida em vez de proveniência espanhola de alguns dos conquistadores, precisamente porque as construções encontradas na cidade abandonada Maia fez lembrar as ruínas romanas da Mérida espanhola. As pedras cortadas e esculpidas na cidade maias eram usadas pelos europeus para a construção dos edifícios da cidade nova.

O lema da cidade deriva do fato de que o nascimento do Filipe IV, então o Rei Filipe III expressou sua alegria espontânea escrita em uma carta:... "O rei, Consede justiça e regimento da muito nobre e leal cidade de Mérida, Yucatán," Sexta-Feira Santa, 30 de abril em 1605.

O título foi orgulho para os cidadãos, e em 20 de agosto de 1608, o Conselho deu ordens para todos em Merida, para escrever que todos os documentos oficiais são intitulados, em referência à cidade:..."Muito nobre e leal cidade de Mérida". Em 13 de julho de 1618, o Rei Filipe III da Espanha, confirmou por carta real este título, e atribuído um brasão de armas.[3]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Catedral de San Ildefonso, a mais antiga da América (1598)

Parte da arquitetura colonial da cidade nos século XVII e XVIII, pode ser visto no centro da cidade. Durante este período, a fim de proteger a cidade dos levantes indígenas propôs um plano de gabinete, que teve lugar apenas a parede que cerca a cidade, com entradas ou arcos. Atualmente, apenas mantém o arco do Distrito de San Juan e os arcos e da Ponte dos Dragões no Bairro de la Mejorada.

Casa que foi dos Montejo de 1548. Localizada na Praça Grande de Mérida. Litografia do século XIX

Durante o século XIX e início do século XX foi um processo de "influência francesa" na arquitetura urbana, que se constituía nas casas antigas construídas na época do Paseo de Montejo muitos dos quais ainda existem. O ano do "boom" do ouro verde, e mais tarde no século XIX, foi uma época de afluência de Mérida. A situação de bonança ajudou a cidade que tinha luz elétrica e bondes, antes de muitas outras cidades.

No início do século XX Mérida tinha um grande número de famílias ricas que contrastava com a pobreza generalizada da população indígena. Paseo de Montejo O acima é uma avenida construída naquela época, e inspirado por grandes avenidas de Paris para o qual foram construídas mansões dos ricos proprietários.

Clima[editar | editar código-fonte]

Em general o clima é quente e úmido, com chuvas no verão que vão de junho a outubro e uma temperatura média anual de 30 °C.


Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Mérida Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 33 35 37 41 40 39 36 38 36 34 33 33 35
Temperatura máxima média (°C) 28 29 37 41 40 33 33 33 32 31 29 28 30
Temperatura mínima média (°C) 17 17 19 21 22 23 23 23 23 22 19 18 20
Temperatura mínima registrada (°C) 12 11 11 14 17 21 18 19 20 17 13 13 19
Precipitação (mm) 25 18 28 28 79 173 122 135 155 102 33 31 80
Fonte: BBC Weather Centre [4] 26/03/2010

Cultura[editar | editar código-fonte]

Mérida tem a reputação de ser uma cidade de cultura. Além disse, a cultura é única em Mérida, Yucatán. No que diz respeito à música as Trova Yucatec este gênero tipíco de Yucatán surgiu no século XIX que alcançou enorme popularidade nas primeiras décadas do século XX. A distinção especial da trova Yucateca é a sua diversidade de harmonias vocais e guitarra, bem como ritmos, principalmente o Bolero, Bambuco, Key, Dance, Jarana, Hall, Joropo, Valsa e outros. Alguns desses ritmos que refletem o estado de interações culturais com os países do Caribe, América do Sul e Europa que foram adaptados de uma maneira particular a fim de identificá-los como Yucatán.

Há pluralidade de poetas e compositores, que ultrapassaram as fronteiras de Yucatán com sua música e canções. Proeminente se destacam peças famosas como: Peregrina, A Yucatán, Aires del Mayab, Beso Asesino, Mérida Colonial, Boca Loca, Caminante del Mayab, Te amaré toda la vida, Contigo Aprendí, El Pájaro Azul, Esta tarde ví llover, Novia Envidiada, Un tipo como yo. Amor, amor, Nunca, etc. Há em Mérida, para promover e preservar a riqueza da música popular, o "Museu da Canção Yucatecan", que são permanentemente as apresentações de trovas Yucatecas.

A folia de Yucatán também é um gênero musical que tem sido dançada por gerações e é considerado uma adaptação local pelos indígenas maias de músicas espanholas, intruducida para a colônia. Existe uma variedade de danças que são acompanhadas pela música de folia entre eles incluem a dança das fitas e dança cabeça de porco..[5]

Mural de Salvador Alvarado, localizado no Palacio de Governo, em Mérida. Pintado por Fernando Castro Pacheco.

Mérida também conta com uma das melhores orquestras sinfônicas do México que é mantida permanente entre o governo do estado, o do poder público. Integrada pelos doadores atribuído à boa música. E a sede do famoso "Teatro Peon Contreras" localizado no centro histórico de Mérida.[6]

Merida também tem bibliotecas, teatros, galerias de arte e exposições, museus de todos os tipos e particularmente galeria de arte contemporânea no chamado "Museo de Arte Contemporâneo Ateneo de Yucatan" ou MACAY, que são usados para expor os mais renomados artistas locais e estrangeiros. Como parte do património cultural yucateque, é obra pictórica de Fernando Castro Pacheco, os murais transportáveis cobrem as paredes do Palácio do Governo e em particular ao seu salão de história, localizada na Grande Plaza, em Mérida. O trabalho deste renomado artista também é exibido em uma área dedicada permanentemente no Museu de Arte Contemporânea, citado acima.

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja de Santa Ana

A maioria da população de Mérida é da Igreja Católica. Existem outras religiões importantes como as Testemunhas de Jeová, a Igreja Batista, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, entre outros.

Em 2000, segundo este censo realizado pelo INEGI Instituto Nacional de Estatística, Geografia e Informática, que a população com idade de 5 anos e mais, que é Católicos equivale a 553,227 mil habitantes, enquanto que os não-católicos chegam a 80,714 mil habitantes.

Em Agosto de 1993 por Papa João Paulo II visitou esta cidade, em sua terceira visita ao México.

Vestigios do Mayas[editar | editar código-fonte]

Nocaso particular de T'Hó, a informação histórica e literaria Maya o refere como "Noh Cah Ti Hó" – o Gran Povo de T’Hó –, de maneira que nos da uma idáia de que a antepassada cultura Maya de Mérida mereceu sempre um trato que mostra sua proeminência sobre outros povos da peninsula. Para alguns historiadores, como Sergio Quezad e Raúl Canto Escaroz, T'Hó era un "local independente," entidade política descentralizada e não subordinada a nenhuma capital.

Os sítios arqueológicos mais próximos da cidade capital s]ao: Dzibilchaltún, Dzoyilá, Chen Hó, Flor de Mayo, Xcatzmil, Caucel e Xoclán. Estas cidades mayas pré-hispânicas formam um circuito ao redor e na periferia de Mérida.

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Mérida está geminanada con as seguintes cidades do mundo:

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. População do México
  2. Yucatán no tempo. Enciclopedia alfabética. Tomo IV. México, Yucatán, Mérida, 1999. ISBN 970-9071-00-9
  3. E-local. Historia de Yucatán.
  4. Average Conditions -Mérida, Mexico (em inglês). BBC Weather Centre.
  5. As festas de dança yucatecas
  6. Website do Patronato da Orquesta Sinfônica de Yucatán

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Mérida