Orangotango

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaOrangotango
Orangotango-de-bornéu (Pongo pygmaeus)

Orangotango-de-bornéu (Pongo pygmaeus)
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Infraclasse: Placentalia
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Ponginae
Género: Pongo
Lacépède, 1799
Espécie-tipo
Pongo borneo
Lacépède, 1799
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição do orangotango.
Mapa de distribuição do orangotango.
Espécies
Sinónimos
  • Faunus Oken, 1816 [indisponível]
  • Lophotus Fischer, 1813
  • Macrobates Bilberg, 1828
  • Satyrus Lesson, 1840
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

O orangotango (cujo nome vem de duas palavras da língua malaia que, juntas, significam "pessoa da floresta")[1] é um género de exclusivamente duas espécies asiáticas de Grandes primatas. Nativo da Indonésia e da Malásia, os orangotangos são encontrados somente nas florestas tropicais do Bornéu e da Sumatra. Classificado no género Pongo, orangotangos foram considerados uma espécie. No entanto, desde 1996, eles foram divididos em duas espécies: o orangotango-de-bornéu (P. pygmaeus) e o orangotango-de-sumatra (P. abelii). Para além disso, a espécie do orangotango-de-bornéu está dividida em 3 subespécies. Os orangotangos também são as únicas espécies sobreviventes da subfamília Ponginae, que também incluiu várias outras espécies como o gigantopithecus, o maior primata conhecido. Ambas as espécies tiveram o seu genoma sequenciado e parecem ter divergido há cerca de 400.000 anos atrás. Orangotangos divergiram do resto dos grandes primatas há aproximadamente 15,7-19,3 milhões de anos atrás.

Os orangotangos são os primatas mais arborícolas e passam a maior parte do seu tempo nas árvores. O seu pêlo é tipicamente marrom-avermelhado, ao contrário do pêlo dos Gorilas e dos Chimpanzés. Machos e fêmeas diferem em tamanho e aparência. Têm entre 1,10 e 1,40 m de altura e pesa entre 35 e 100 kg, embora os machos adultos geralmente pesam 200 kg [2] , o que o faz a terceira maior espécie de primata do mundo, superado apenas pelo gorila e pelo homem, com quem partilha cerca de 97% dos genes.[1] Os orangotangos são animais territorialistas, para demarcar território o macho dá um grito estrondoso que avisa os outros orangotangos para não entrarem em seu território. São as espécies mais solitárias dos grandes primatas, com laços sociáveis que só ocorrem principalmente entre as mães e seus filhos independentes, que ficam juntos durante primeiros dois anos. Por consequência os machos adultos só procuram as fêmeas uma vez por ano, na época da seca e acasalam frontalmente.[3] Uma característica sexual notável é o crescimento de "abas" nas laterais da fronte e no pescoço dos machos maduros, o que lhes dá um aspecto bastante peculiar.

As principais ameaças às populações de orangotangos selvagens incluem a caça, destruição do habitat e comércio ilegal de animais para uso de estimação.[4] Segundo os cientistas, restam pouco mais de 100 000 orangotangos no mundo,[5] sendo que o rápido crescimento do ritmo de devastação permite fazer a previsão que a extinção da espécie ocorrerá em algumas décadas.

As fêmeas vivem em grupos, mas aparentemente sem a mesma hierarquia encontrada em outras espécies de antropóides e aprendem como cuidar dos filhotes com as fêmeas mais velhas. Os filhotes nascem após nove meses de gestação, passando a ficar agarrados aos pelos longos das costas da mãe. No ambiente silvestre, a taxa reprodutiva é baixa, o que contribui ainda mais para o risco de extinção. Os filhotes ficam em média 8 anos com a mãe, até se tornarem independentes, o que faz as mães orangotangos, as primatas que cuidam por mais tempo os seus filhos (sem contar com o ser humano.

Os orangotangos vivem em média 35 anos a 40 anos em ambiente selvagem e 50 anos em cativeiro.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do orangotango é derivado das palavras malaias e indonésias orang que significa "pessoa" e hutan que significa "floresta"[6] , portanto "pessoa da floresta".[7] Orang Hutan não foi originalmente usado para se referir a macacos, mas sim para humanos que habitam as florestas. As palavras malaias para se referirem a macacos são maias e mawas, mas ainda não se sabe se essas palavras se referem a orangotangos apenas, ou a macacos em geral.

Filogenia, taxonomia e genética[editar | editar código-fonte]

As duas espécies de orangotango são os únicos membros existentes da subfamília Ponginae. Esta subfamília também incluiu os gêneros extintos Lufengpithecus, que viveu no sul da China e Tailândia há 8 a 2 milhões de anos atrás e Sivapithecus, que viveu na Índia e no Paquistão há 12,5 milhões a 8,5 milhões de anos atrás. Estes macacos provavelmente viviam em ambientes mais secos e mais frios do que os orangotangos o fazem atualmente. O Khoratpithecus, que viveu na Tailândia há 7 a 5 milhões de anos atrás, acredita-se a ter sido o parente mais próximo do orangotango. O maior primata conhecido, o Gigantopithecus, foi também membro desta subfamília e viveu na China, Índia e Vietnã, de 5 milhões a 100.000 anos atrás.[8] :50 Dentro da superfamília Hominoidea, o gibão divergiu durante o início do mioceno (entre 24,1 e 19,7 milhões de anos atrás, de acordo com o relógio molecular) e os orangotangos se divergiram dos grandes primatas africanos entre 19,3 e 15,7 milhões de anos atrás.[9] (Fig. 4)

Taxonomia do gênero Pongo[10] Filogenia da superfamília Hominoidea[9] (Fig. 4)
 Hominoidea




humanos (gênero Homo)



chimpanzés (gênero Pan)




gorilas (gênero Gorilla)




orangotangos (gênero Pongo)




gibões (família Hylobatidae)



As populações de orangotangos nas duas ilhas foram classificadas como subespécies até 1996[8] :53, quando foram elevadas ao status de espécies, e as três populações distintas de orangotangos na ilha de Bornéu foram elevadas a subespécies do orangotango-de-bornéu. Por consequência o orangotango-de-bornéu também tinha seu genoma sequênciado.

Genoma[editar | editar código-fonte]

O genoma do orangotango-de-sumatra foi sequênciado em janeiro de 2011.[11] [12] Seguido do ser humano e dos chimpanzés, o orangotango-de-sumatra tornou-se a terceira espécie de hominídeo a ter seu genoma sequênciado. Verificou-se que a diversidade genética foi menor nos orangotangos-de-bornéu (P. pygmaeus) do que os orangotangos-de-sumatra (P. abelii), apesar do fato de que Bornéu é o lar de seis ou sete vezes mais orangotangos do que em Sumatra.[12] A comparação tem mostrado que as duas espécies divergiram há 400.000 anos atrás, mais recentemente do que se pensava anteriormente. Constatou-se também que o genoma do orangotango evoluiu mais lentamente do que o chimpanzé e o DNA humano.[12] Anteriormente, tinha sido estimado que as duas espécies tinham divergido há 4,9 a 2,9 milhões de anos atrás.[9] (Fig. 4) Os investigadores esperam que estes dados possam ajudar os conservacionistas salvar este gênero de macaco, e que também possa ser útil na compreensão das doenças genéticas humanas.[12]

Os orangotangos-de-bornéu têm 48 cromossomos diploides.[13]

Anatomia e fisiologia[editar | editar código-fonte]

O esqueleto do orangotango está adaptado à sua vida arborícola.

Os orangotangos têm um corpo grande e volumoso, um pescoço grosso, braços muito longos e fortes, pernas curtas e arqueadas e sem cauda. É sobretudo coberto por pêlos longos marrom-avermelhados e a sua pela é cinzenta-escura. Os orangotangos-de-sumatra têm os pêlos mais esparsos e mais claros.[14] O orangotango tem uma cabeça grande, com a área da boca proeminente. Embora em grande parte sem pêlos, o rosto do orangotango pode desenvolver algum pêlo nos machos, dando-lhes a forma de um bigode.[15] Os machos adultos têm grandes abas nas bochechas[8] que mostram o seu domínio para outros machos. As abas da bochecha são feitas principalmente por tecido gorduroso e apoiadas pela musculatura do rosto.[16] O dimorfismo sexual não é significativo nos orangotangos: as fêmeas podem crescer 1,27 m e pesar cerca de 45,4 kg, enquanto os machos adultos podem chegar a 1,75 m e pesar mais de 118 kg.[17] O orangotango macho tem uma envergadura de cerca de 2 m (6,6 pés).[8] :14

Ecologia e comportamento[editar | editar código-fonte]

Os orangotangos vivem nas florestas primárias e secundárias, particularmente as de Dipterocarpaceae e em florestas de turfa. Ambas as espécies podem ser encontradas em montanhas, planicíes e áreas pantanosas. Os orangotangos-de-sumatra podem viver em altitudes de 1500 m (4921 pés), enquanto os orangotangos-de-bornéu não vivem a altitudes superiores a 1000 m (3281 pés).[18] Outros habitats dos orangotangos incluem pastos, campos cultivados, floresta secundária jovem e lagos rasos.[19] Os orangotangos são os primatas mais arborícolas existentes, gastando quase todo o seu tempo nas árvores. A maior parte do dia é gasto em alimentação, descanso e viagem. Eles começam a alimentar-se por volta das 2-3 da manhã. Descansam durante o meio-dia e viajam no final da tarde. Quando anoitece, eles começam a preparar os seus ninhos para dormir.[15] Os orangotangos não sabem nadar, embora tenham sido registados a vadear na água.[20]

Os principais predadores dos orangotangos são tigres. Outros predadores incluem leopardos, cães selvagens e crocodilos.[15] A ausência de tigres em Bornéu podem explicar porque é que os orangotangos-de-bornéu podem se encontrar no chão com mais frequência do que os seus parentes em Sumatra.[21] Os orangotangos comunicam-se através de vários sons. Os machos podem fazer chamadas de longa duração, tanto para atrair fêmeas como para se anunciar a outros machos.[22] De ambos os sexos, o orangotango vai intimidar membros da mesma espécie através de baixos ruídos guturais conhecidos coletivamente como a "chamada do rolamento".[23] Quando irritado, um orangotango suga o ar, franzindo os lábios, produzindo um som de beijo, conhecido como o "beijo de ranger". Os bebês fazem pios suaves.

Dieta[editar | editar código-fonte]

Os orangotangos são muito forrageiros e sua dieta varia muito de mês para mês.[24] A fruta está entre 65 a 90% da dieta de um orangotango e as que têm mais açúcar ou gordura são as preferidas. Os figos são frutos frequentemente consumidos e são fáceis de colher e digerir. As florestas de planície de Dipterocarpaceae são as preferidas dos orangotangos por causa dos seus frutos abundantes. Os orangotangos-de-bornéu consomem pelo menos 317 tipos de alimentos que incluem folhas jovens, brotos, cascas, insetos, mel e ovos de pássaros.[15] [24]

Nidificação[editar | editar código-fonte]

Orangotangos ficam pegados a mãe nos seus primeiros 4 meses de idade.

Os orangotangos constroem ninhos especializados tanto para uso diurno como para uso noturno. Estes são cuidadosamente construídos; os filhotes aprendem a partir da observação do comportamento da mãe. Na verdade, a construção do ninho é a principal causa de os orangotangos jovens deixarem a sua mãe pela primeira vez. A partir dos seis meses de idade, os orangotangos praticam a construção do ninho e aos 3 anos ganham experiência.[25]

Inteligência[editar | editar código-fonte]

Os orangotangos estão entre os primatas mais inteligentes. Alguns experimentos sugerem que eles podem passar no teste da permanência de objeto.[26] Além disso, o Zoológico de Atlanta tem um computador touch screen, onde os seus dois orangotangos-de-sumatra jogam.[27] [28] O uso de ferramentas foi observado pela primatóloga Birutė Galdikas, tal como os outros Grandes primatas.[29]

Orangotangos na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Os orangotangos eram conhecidos pelos nativos de Sumatra e Bornéumilênios. Enquanto algumas comunidades caçavam-os para servir de alimento e decoração, para outras era tabu.[8] Existem algumas crenças populares tradicionais no Bornéu que consideram má sorte se olharmos para o rosto de um orangotango. Alguns contos populares envolvem acasalamento entre humanos e orangotangos, e até sequestro.[8] Há mesmo histórias de caçadores que foram seduzidos por orangotangos fêmeas.[8] Os europeus já tinham conhecimento da existência de orangotangos desde o século XVII.[8] Os exploradores europeus caçaram orangotangos-de-bornéu extensivamente até o século XIX.[8] A primeira descrição precisa dos orangotangos foi feita pelo anatomista holandês Petrus Camper, que observou os animais dissecados e alguns espécimes.[8] No entanto, pouco se soube sobre os orangotangos até que os estudos de Birutė Galdikas,[30] se tornam-se uma das maiores autoridades sobre os macacos.[31]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Estado de conservação[editar | editar código-fonte]

O orangotango-de-sumatra está críticamente ameaçado de extinção,[32] já o Orangotango-de-bornéu está ameaçado de extinção,[33] de acordo com a Lista Vermelha da IUCN dos mamíferos. Ambas as espécies estão listadas no anexo I da CITES.[32] [33] A população do orangotango-de-bornéu diminuiu aproximadamente 50% nos últimos 60 anos, enquanto a população do orangotango-de-sumatra diminuiu aproximadamente 80% nos últimos 75 anos.[32] Anteriormente o orangotango-de-sumatra encontrava-se em quase toda a ilha de Sumatra, mas atualmente encontra-se em apenas algumas regiões do norte da ilha.[32] No final de março de 2012 foi relatado que alguns dos últimos orangotangos no norte de sumatra foram ameaçados por incêdios florestais, se aproximando ainda mais da extinção.[34]

Estimativas entre 2000 e 2003 revelaram que 7300 orangotangos-de-sumatra[32] e entre 45.000 e 69.000 orangotangos-de-bornéu permaneciam em estado selvagem.[33] Um estudo publicado em 2007 pelo Governo da Indonésia, feito em 2004, indicou que havia aproximadamente 61.234 orangotangos selvagens, 54.567 dos quais foram encontrados na ilha de Bornéu. A tabela abaixo apresenta a composição das espécies, subespécies e suas populações estimadas a partir do relatório:

Nome
científico
Nome
comum
Região População
estimada
Pongo abelii Orangotango-de-sumatra Sumatra 6,667
Pongo pygmaeus Orangotango-de-bornéu Bornéu
P. p. morio Orangotango-do-nordeste-do-bornéu Sabah 11,017
P. p. morio Orangotango-do-nordeste-do-bornéu Kalimantan Oriental 4,825
P. p. wurmbii Orangotango-do-centro-do-bornéu Kalimantan Central >31,300
P. p. pygmaeus Orangotango-do-noroeste-do-bornéu Kalimantan Ocidental and Sarawak 7,425

Durante o início da década de 2000, o habitat do orangotango tem diminuído rapidamente devido ao desmatamento e incêndios florestais, bem como a fragmentação por estradas.[32] [33] Um fator importante nesse período de tempo tem sido a conversão de vastas áreas de floresta tropical em plantações de óleo de palma em resposta à demanda internacional. O óleo de palma é usado para cozinhar, cosméticos, mecânica e biodiesel.[33] Há também um grande problema com a caça.[32] [33] e ilegal comércio de animais.[32] [33] Os orangotangos podem ser mortos para o comércio de carne de animais silvestres, proteção das culturas ou para o uso da medicina tradicional. Os ossos de orangotango são secretamente negociados em lojas de souvenires em várias cidades de Kalimantan, na Indonésia.[35] As mães de orangotangos são mortas para que suas crianças possam ser vendidas como animais de estimação, e muitos desses bebês morrem sem a ajuda de sua mãe.[36] Desde 2004, vários orangotangos de estimação foram confiscados pelas autoridades locais e enviados para centros de reabilitação.[33]

Centros de conservação e organizações[editar | editar código-fonte]

Vídeo de orangotangos num centro de reabilitação em Bornéu

Um número de organizações estão trabalhando para o resgate, reabilitação e reintrodução dos orangotangos no seu habitat. A maior delas é a fundação Borneo Orangutan Survival, fundada pelo conservacionista Willie Smits. Ele é ouvido por uma empresa multinacional de auditória[37] e opera uma série de projetos como o Programa de Reabilitação Nyaru Menteng, fundada pela conservacionista Lone Drøscher Nielsen.[38] [39]

Outros centros de conservação importantes na Indonésia incluem o Parque Nacional Tanjung Puting e o Parque Nacional Sabangau, em Kalimantan Central, Kutai em Kalimantan Oriental, o Parque Nacional Gunung Palung em Kalimantan Ocidental e Bukit Lawang no Parque Nacional de Gunung Leuser na fronteira entre Achém e Sumatra do Norte. Na Malásia as àreas de conservação incluem o Centro Semenggoh Wildlife e o Centro Matang Wildlife, em Sarawak, e o Santuário Sepilok Orang Utan perto de Sandakan em Sabah.[40] Os principais centros de conservação que estão sediados em outros países que não a Indonésia e a Malásia incluem a Fundação Internacional do Orangotango, que foi fundada por Birutė Galdikas,[41] e o Projeto Australiano do Orangotango.[42]

Organizações de conservação, tais como Orangutan Land Trust, trabalham com a indústria do óleo de palma para melhorar a sustentabilidade e incentiva a estabelecer a área de conservação dos orangotangos.[43]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Informação acerca dos Orangotangos (em inglês) Orangutan Protection Foundation.
  2. Pequena informação sobre os Orangotangos (em inglês) OVGuide.
  3. a b Informação acerca da sociedade dos Orangotangos machos, etc (em inglês) Orangutan Protection Foundation.
  4. Informação acerca da ameaça de extinção (em inglês) Orangutan Protection Foundation.
  5. Informação acerca dos Orangotangos (Primatas no Sapo) (em inglês).
  6. Douglas Harper. Origem da palavra "Orangotango" (em inglês). Visitado em 5 de setembro de 2012.
  7. Alguma informação sobre os Orangotangos (National Geographic) National Geographic Society. Visitado em 5 de setembro de 2012.
  8. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Payne
  9. a b c doi: 10.1016/j.ympev.2010.11.005
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  10. Groves, C.P.. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3. ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. Seção Order Primates. 183–184 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494.
  11. doi:10.1038/nature09687
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  12. a b c d Singh, Ranjeet. (4 de janeiro de 2011). "Orang-utans join the genome gang". Nature. DOI:10.1038/news.2011.50.
  13. Sharshov, Alexander. New Page 1 SB RAS Novobrisk Institute of Cytology and Genetics. Visitado em 5 de setembro de 2012.
  14. Anatomia dum Orangotango Red-ape.co.uk. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  15. a b c d Cawthon Lang KA (13 June 2005). Primate Factsheets: Orangutan (Pongo) Taxonomy, Morphology, & Ecology. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  16. Winkler, L. A.. (1989). "Morphology and relationships of the orangutan fatty cheek pads". American Journal of Primatology 17 (4): 305–19. DOI:10.1002/ajp.1350170405.
  17. Sociedade dos orangotangos-de-sumatra. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  18. Orangutan Anatomy Page Red-ape.co.uk. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  19. Galdikas, BMF. (1988). "Orangutan diet, range, and activity at Tanjung Puting, Central Borneo". J Mammal 9 (1): 1–35. DOI:10.1007/BF02740195.
  20. .. , .
  21. van Schaik, C.; MacKinnon, J.. In: MacDonald, D. The Encyclopedia of Mammals. 2nd. ed. [S.l.]: Oxford University Press, 2001. 420–23 pp. ISBN 0-87196-871-1.
  22. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Utami_2002
  23. Vocal Repertoire Orang Utan Republik Foundation. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  24. a b Galdikas, Birute M.F.. (1988). "Orangutan Diet, Range, and Activity at Tanjung Puting, Central Borneo". International Journal of Primatology 9 (1). DOI:10.1007/BF02740195.
  25. Didik, Prasetyo; Ancrenaz, Marc; Morrogh-Bernard, Helen C.; Atmoko, S. Suci Utami; Wich, Serge A. & van Schaik, Carel P.. In: Prasetyo. Orangutans: geographic variation in behavioral ecology and conservation. [S.l.]: Oxford University Press, 2009. 270–275 pp. ISBN 978-0-19-921327-6. Visitado em 5 July 2011.
  26. Do some taxa have better domain-general cognition than others? A meta-analysis of nonhuman primate studies (PDF).
  27. Turner, Dorie (12 de abril de 2007). Orangutans play video games (for research) at Georgia zoo (em inglês). Visitado em 5 de setembro de 2012.
  28. iPad ajuda a desenvolver a inteligência dos orangotangos (em português) Letra 1.
  29. (1982) "Orang-Utan tool use at Tanjung Putting Reserve, Central Indonesian Borneo (Kalimantan Tengah)". J Hum Evol 10: 19–33. DOI:10.1016/S0047-2484(82)80028-6.
  30. de Waal, Frans. "The Loneliest of Apes". Página visitada em 26 February 2012.
  31. Galdikas-Brindamour, Birutė. "Orangutans, Indonesia's "People of the Forest"", pp. 444–473.
  32. a b c d e f g h Orangotango-de-sumatra na Lista Vermelha da IUCN (em inglês) Lista Vermelha da IUCN.
  33. a b c d e f g h Orangotango-de-bornéu na Lista Vermelha da IUCN (em inglês) Lista Vermelha da IUCN.
  34. Fires threaten Sumatran orangutans (Incêndios ameaçam orangotangos-de-sumatra) (em inglês) Al Jazeera. Visitado em 5 de setembro de 2012.
  35. Stop orangutan skull trade antaranews.com (7 de setembro de 2011). Visitado em 6 de setembro de 2012.
  36. Patricia L. Miller-Schroeder. Orangutans. [S.l.]: The Untamed World, 2004. p. 64. ISBN 1-55388-049-8. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  37. Sobre a fundação BOS Samboja lodge. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  38. 10 Years: Nyaru Menteng 1999–2009 (PDF) Orangutan Protection Foundation.
  39. Ny projektledare på Nyaru Menteng savetheorangutan.se (26 de janeiro 2012).
  40. Sepilok Orang Utan Sanctuary Tourism Malaysia. Visitado em 6 de setembro de 2012.
  41. Martinelli, D.. In: D.. A Critical Companion to Zoosemiotics: People, Paths, Ideas. [S.l.]: Springer, 2010. 218–219 pp. ISBN 978-90-481-9248-9.
  42. Australian Department of the Environment and Water Resources. "Tax Deductible Organisations (Register of Environmental Organisations)". Accessado em 6 de setembro de 2012.
  43. Rehabilitation not enough to solve orangutan crisis in Indonesia mongabay.com (20 August 2009).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]