Rádio Clube do Pará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rádio Clube do Pará
{{{alt}}}
Rádio Clube do Pará
Rádio Clube do Pará PRC5 Limitada
País  Brasil
Frequência(s) AM 680 kHz
OT 4885 kHz
Canais 195 (Claro TV)
402 (Sky)
960 (Oi TV)
Slogan A voz que fala e canta para a planície
Fundação 22 de abril de 1928 (86 anos)
Extinção Bandeira belem.jpg Belém, PA
Avenida Almirante Barroso, 2190 - Marco
Fundador Edgar Proença
Roberto Camelier
Eriberto Pio
Pertence a Grupo RBA de Comunicação
Proprietário Jáder Barbalho
Antigo proprietário Edgar Proença (1928-1983)
Adolpho Bloch (1983-1993)
Formato Emissora comercial
Género Entretenimento, Jornalismo e Esportes
Faixa etária Público de 30 a 65 anos
Idioma (português brasileiro)
Prefixo ZYI 532 (antiga PRC 5) (AM)
ZYG 362 (OC)
Cobertura Estado do Pará
Potência 20 kW
Webcast Ouça ao vivo
Sítio oficial Rádio Clube do Pará

A Rádio Clube do Pará é uma rádio jornalística com sede em Belém do Pará.

História[editar | editar código-fonte]

Fundada por Roberto Camelier, Eriberto Pio e Edgar Proença, a transmissão inaugural da Rádio Clube ocorreu em 22 de abril de 1928, cinco anos depois da primeira rádio brasileira, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro.

Como as primeiras rádios do Brasil, a emissora surgiu na forma de uma associação, em que os integrantes pagavam mensalidades fixas para manter a emissora. A publicidade nas rádios somente seria regulamentada em 1932. Discos eram emprestados por comerciantes locais que, por sua vez, recebiam divulgação de seus locutores. As transmissões ao vivo eram noturnas, e contavam com cantores, instrumentistas e poetas da cidade.

É conhecida em toda a Amazônia pelo prefixo PRC5 – A voz que fala e canta para a planície, incorporado à razão social da emissora.

Em seu apogeu, passou a ser conhecida como A Poderosa, trazendo a Belém artistas consagrados como Carmen Miranda, Silvio Caldas, Dalva de Oliveira, Carlos Galhardo e Orlando Silva.

Seu declínio começou com a chegada da televisão ao Pará, a concorrência com a Rádio Marajoara e, nos anos 70, das primeiras FMs do estado.

O prefixo pertenceu a família Proença até 1983, quando Adolpho Bloch comprou a Clube, dois meses depois de inaugurar a TV Manchete. Bloch se interessou pela rádio por ouvi-la quando estava em viagem à Belém, e pediu ao clã a compra da emissora.

Em 1985, a Clube unificou suas transmissões esportivas com a Rádio Manchete AM do Rio de Janeiro, cobrindo sete campeonatos brasileiros (incluindo a polêmica Copa União de 1987), duas Copas do Mundo, dois Jogos Panamericanos e uma Olimpíada.

Desde 1993, pertence ao Grupo RBA de Comunicação. Revitalizada, desde 1996 é líder de audiência na região.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Possui muitas horas de seu dia programadas para o desporto, característica da rádio desde o seu início, graças a fascinação pelo futebol de um de seus fundadores, Edgar Proença. Destaque para a cobertura das duas principais equipes do estado: Remo e Paysandu.

Foi pioneira na região Norte em transmitir uma partida de futebol, em 1935, e a um jogo de Copa do Mundo, a final de 1950 no Rio de Janeiro, narrada por Edyr de Paiva Proença, filho de Edgar. O programa Cartaz Esportivo, criado em 1939, permanece no ar até os dias de hoje.

equipe[editar | editar código-fonte]

Narradores . Comentaristas

Guilherme Guerreiro . Carlos Castilho

Geo Araújo . João Cunha

Valmir Rodrigues . rui guimarães

Ronaldo Porto . Gerson nogueira

Cláudio Guimarães

Jones Tavares

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Rádio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.