SR-71 Blackbird

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:


Lockheed SR-71 Blackbird
Descrição
Fabricante Lockheed Martin
Entrada em serviço Janeiro de 1966
Missão Reconhecimento/Vigilância
Tripulação 2, um piloto e um operador de sistemas
Dimensões
Comprimento 32,74 m
Envergadura 16,94 m
Altura 5,64 m
Área (asas) 167,2 m²
Peso
Tara 27.000 kg
Peso total 66.000 kg
Peso bruto máximo 77.000 kg
Propulsão
Motores Pratt & Whitney J58-1 T11D-20B de 144 kN
Performance
Velocidade máxima 4.300 km/h (Mach 3,5)
Alcance 5.800 km
Teto máximo 26.000 m
Notas
não tem

Lockheed SR-71 Tipo A, também conhecido por Blackbird, é um avião de reconhecimento estratégico (daí o "SR": Strategic Reconnaissance) de curto alcance desenvolvido pela Lockheed a partir dos projectos YF-12 e A-12.

O famoso Clarence "Kelly" Johnson é o nome por detrás de muitos dos conceitos avançados da aerodinâmica desse avião. Sua fuselagem foi feita com ligas de titânio para suportar as altas temperaturas em torno de 200 a 300 graus celsius, causadas pelo atrito com o ar em virtude da alta velocidade alcançada.

Como sua fuselagem foi feita em placas para poder dilatar-se durante o voo, o SR-71 é conhecido por vazar quando está no chão; pelo seu fluido hidráulico congelar em temperaturas de 30 °C e pelo modo peculiar de ativação dos motores. Por ser a J-58 uma turbina de grande porte e pesada demais (9 estágios de compressão de fluxo axial) para um sistema pneumático comum, a ativação era feita por um motor V-8 envenenado ligado por engrenagens diretamente no eixo da turbina nos primeiros anos (agora a ativaçao era feita de outra maneira escrito logo abaixo).

Seu voo em altas temperaturas também não seria possível sem o combustível especial desenvolvido para ele, o JP-7, tão viscoso e pouco volátil que era possível apagar facilmente um fósforo aceso num balde de JP-7. O JP-7 não queimava com o motor frio, assim na hora da partida era preciso pré-aquecer as turbinas com outra "formula de bruxa", o borato de trimetila - que fazia uma característica chama verde.

O Blackbird foi construído inicialmente com uma nacele, para somente um piloto, eram os chamados A-12, em sua segunda versão, denominada SR-71 A, possuía duas naceles, para dois tripulantes em assentos tandem, ficando o piloto na nacele da frente, enquanto o operador de sistemas ia na nacele de trás. Havia também a versão B usada para treinamento, que possuía duas naceles, e acomodava dois pilotos, em que a nacele traseira ficava mais elevada em relação a dianteira. Para as missões em grandes altitudes e velocidades, ambos os tripulantes usavam uma roupa pressurizada, que lembra os primeiros trajes dos astronautas. Para sua construção, foram criadas máquinas ferramentas (máquinas operatrizes) com o fim específico da construção dos componentes para este avião. Quando do encerramento de sua produção, as máquinas foram destruídas, impossibilitando assim que novas peças e/ou unidades do SR-71 fossem feitas novamente e, com o fim da Guerra Fria, não mais era viável seguir utilizando um avião com hora de voo de custo tão elevado.

Por vários motivos, o SR-71 foi desativado. Entre eles, fatores políticos, custo operacional e o advento dos satélites. Apenas 3 são mantidos ativados pela NASA para estudos. Esse avião voava tão alto e tão rápido que, perseguido por um míssil terra-ar, a manobra de evasão clássica era simplesmente acelerar. Com base em Beale, na Califórnia, a unidade equipada com SR-71 estava em diferentes bases, principalmente na Inglaterra e no Japão, para fazer cobertura aérea em todo o mundo.

À altitude operacional, o SR-71 conseguia fazer a vigilância de uma superfície de 12.000 km² por hora, o que lhe permitia operar no Vietnam do Norte, na China, na União Soviética, em Cuba ou na Coreia do Norte sem entrar no espaço aéreo respectivo. Nenhum dos 33 SR-71 fabricados foi abatido até a atualidade,no entanto 12 unidades foram perdidas em acidentes[1] . Em um dos seus últimos voos fora dos EUA, um SR-71 foi exibido em feira aérea em Paris, e no retorno aos EUA, bateu novo recorde de velocidade. Devido ao fuso horário, o avião chegou aos EUA aproximadamente 4 horas antes do horário em que decolou de Paris.

Na cultura[editar | editar código-fonte]

O X-Jato do desenho X-Men foi feito baseado no SR-71, e seria no desenho uma modificação do RS-150 Blackbird da SHIELD feita por Forge usando tecnologia Shi'ar.[2]

Na série de figuras de ação Comandos em Ação, uma réplica do Blackbird era utilizado pelos terroristas do "Cobra" sob o codinome de "Aeroforça Noturna". O brinquedo foi lançado no Brasil em 1988. No filme Transformers: Revenge of the Fallen,o autobot JETFIRE se transforma em um SR-71 Blackbird,guardado num museu. uma de suas otimas categorias e o estado de invisibilidade em radares.

No jogo Call of Duty: Black Ops de 2010, O SR-71 é usado contra as forças inimigas. O jogador tem de fazer 8 pontos/kills para chamá-lo ao ar, na qual sua função consiste em mostrar no radar a posição e orientação do seu oponente, funcional para o time todo por tempo limitado.

No mangá e na série de OVA's de Hellsing, Alucard usa o SR-71 para destruir um porta aviões que havia sido tomado pela vampira Rip Van Winkle.

Referências

  1. Blackbird Losses. sr71.org. Página visitada em 2008-01-26.
  2. X-Jet na Marvel Database

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Artigos relacionados:
Desenvolvimento: A-12 - YF-12 - M-21
Equivalência:
Série: XB-68/SM-68 - RB-69 - XB-70 - SR-71 - XGAM-72 - SM-73 - SM-75
Listas relacionadas: Lista de aviões - Lista de aviões militares
Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons