União dos Palmares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de União dos Palmares
"Terra da Liberdade"
Bandeira de União dos Palmares
Brasão de União dos Palmares
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 13 de Outubro de 1831
Gentílico palmarino
Padroeiro(a) Santa Maria Madalena
Prefeito(a) Beto Baia (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de União dos Palmares
Localização de União dos Palmares em Alagoas
União dos Palmares está localizado em: Brasil
União dos Palmares
Localização de União dos Palmares no Brasil
09° 09' 30" S 036° 01' 55" O09° 09' 30" S 036° 01' 55" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008[1]
Microrregião Serrana dos Quilombos IBGE/2008[1]
Região metropolitana Zona da Mata
Municípios limítrofes Santana do Mundaú, São José da Laje, Ibateguara, Branquinha, Joaquim Gomes.
Distância até a capital 73 km
Características geográficas
Área 427,825 km² [2]
População 65 764 hab. IBGE/2014[3]
Densidade 153,72 hab./km²
Altitude 155 m
Clima Tropical megatérmico e úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,6 médio PNUD/2000[4]
Gini -
PIB R$ 313 855,010 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 5 030,13 IBGE/2008[5]
Página oficial

União dos Palmares é um município brasileiro do estado de Alagoas. Cidade pólo da região da zona da mata alagoana, União dos Palmares é banhado pelo Rio Mundaú.

Localizado a cerca de 73 quilômetros da capital, Maceió, União dos Palmares faz parte da microrregião Serrana dos Quilombos, e faz limites com Santana do Mundaú, São José da Laje, Ibateguara, Branquinha e Joaquim Gomes.

Com uma população estimada em 65 764 (2014) e um território de aproximadamente 427 km², União é considerada uma das principais cidades de Alagoas, e é conhecida por ser "A Terra da Liberdade", já que foi nela, mais precisamente na Serra da Barriga, onde foi dado o primeiro grito de liberdade, por Zumbi dos Palmares.

Cidade rica em história e banhada pelo lendário rio Mundaú, foi nela que nasceu o poeta Jorge de Lima.

Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do município tem as suas bases no binômio agricultura-pecuária, destacando-se, como um dos maiores produtores de cana-de-açúcar de Alagoas.

No setor industrial, o município conta com amplos recursos energéticos da usina hidroelétrica de Paulo Afonso, localizada no limite com o Estado da Bahia, sendo banhado pelo rio Mundaú e pelos riachos Macaco, Cana Brava e Riacho Seco.

Destaca-se, ainda, como um dos maiores produtores de banana do Estado, possuindo usina de açúcar e álcool, indústria de laticínios e plásticos, de cerâmicas em barro (olaria), piscicultura, suinocultura, avicultura (esta com as instalações mais modernas do país), seguido da pecuária que contribui de maneira relevante para a economia do município.

A feira-livre realizada 4 (quatro) vezes por semana, sendo a de sábado a principal, merece destaque por empregar grande parte da população, além do comércio de confecções, calçados, móveis etc.

Há ainda uma grande expectativa na formação de um pólo têxtil no município de União com a utilização de mão-de-obra local favorecendo o desenvolvimento e a qualificação profissional da região.

Eventos[editar | editar código-fonte]

Os principais eventos festivos são: A procissão do Mastro e o tradicional bloco Os Carroceiros do Amor, a Festa da Padroeira, Santa Maria Madalena (Janeiro e início de Fevereiro), a Festa do Milho (Junho, coincidindo com as populares festas juninas), a Festa da Consciência Negra (20 de Novembro, dia da morte de Zumbi dos Palmares) e a Corrida Palmarina do Jumento Alagoano (Último domingo de Dezembro).

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

O município conta atualmente com cinco hotéis, nove restaurantes, quatro bancos federais, dois hospitais, três postos de saúde urbanos, cinco escolas privadas, 65 escolas públicas municipais, cinco escolas públicas estaduais e ainda o campus da Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL).

Na comunicação, o município conta com a agência da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, jornais locais e emissoras de rádios (AG-FM, Farol FM e Zumbi FM).

No transporte, o município é servido pelas rodovias federais, BR-101 e BR-104, estaduais: AL-205 e pela ferrovia através da antiga Rede Ferroviária Federal S/A, atual CFN (Companhia Ferroviária do Nordeste).

Turismo[editar | editar código-fonte]

A Serra da Barriga, principal palco do famoso Quilombo dos Palmares, hoje declarada Patrimônio Histórico do Brasil, está a cerca de 6 km da sede do atual município de União dos Palmares.

Por ser a terra natal de Jorge de Lima, o príncipe dos poetas alagoanos, dedica um museu à sua memória, a Casa Jorge de Lima.

Outro museu a ser visitado é a Casa de Maria Mariá, instalado na antiga residência da historiadora Maria Mariá de Castro Sarmento, onde se pode encontrar variedades de objetos que refletem a vida na zona da mata alagoana.

Vale salientar, também, a presença da comunidades quilombolas remanescentes Muquém, a 5 km do centro da cidade, onde se pode encontrar artesanato variado produzido pela comunidade quilombola que ali vive.

História[editar | editar código-fonte]

União dos Palmares é considerado um dos mais antigos municípios de Alagoas. Os primeiros indícios de presença humana datam de finais do Século XVI, quando os negros fugitivos dos engenhos de açúcar dos atuais estados de Alagoas e Pernambuco chegaram à Serra da Barriga, onde instalaram a sede do Quilombo dos Palmares.

O Quilombo dos Palmares foi a primeira tentativa de vida livre promovida pelos trabalhadores africanos nas Américas, surgindo por volta de 1580, durando até 1695, ano em que foi morto Zumbi, seu principal líder, pelas forças comandadas pelo bandeirante Domingos Jorge Velho.

Tinha uma extensão média de 200 km², englobando terras da zona da mata dos atuais Pernambuco e Alagoas. Inicialmente, quando sede do Quilombo, a localidade chamava-se Cerca Real dos Macacos, provavelmente em referência ao Riacho dos Macacos.

Por volta de 1730, o português Domingos de Pino chegou à região, onde construiu uma capela dedicada a Santa Maria Madalena. Daí, o primeiro nome oficial do lugar: Maria Madalena.

Já no Império, quando da visita da Imperatriz Leopoldina, mudou-se o nome para Vila Nova da Imperatriz, em 1831, quando a vila ganha autonomia administrativa, após desmembrar-se do município de Atalaia. Assim chamou-se até meados do Século XIX.

Em 1889, recebe através de Decreto de Lei a condição de cidade e passa a chamar-se União pelo decreto de 25 de setembro de 1890. Essa mudança de nome se deve à união ferroviária entre Alagoas e Pernambuco.

Contudo, o nome definitivo da cidade só veio a ser dado em 1944, quando houve o acréscimo de Palmares ao nome da cidade, em homenagem ao Quilombo dos Palmares.

Palmarinos notórios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa populacional 2014 IBGE Estimativa populacional 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.