Doença por arranhadura do gato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Doença por arranhadura do gato
Bartonella, bactéria causadora da doença da arranhadura do gato.
Especialidade infectologia
Classificação e recursos externos
CID-10 A28.1
CID-9 078.3
DiseasesDB 2173
MedlinePlus 001614
eMedicine emerg/84
MeSH D002372
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Doença por arranhadura do gato (DAG), também conhecida como febre da arranhadura do gato ou doença de Teeny é uma zoonose comum, geralmente benigna, causada pela bactéria Bartonella henselae. A maioria dos casos ocorre antes dos 18 anos, afeta 9 em cada 100.000 pessoas por ano. Depois da primeira infecção costuma gerar imunidade por vida.[1]

Causa[editar | editar código-fonte]

Bartonella henselaes são bacilos gram negativos, flagelados, fastidiosos, intracelular facultativo, pequenos e pleomórficos. Gatos infectados são comuns, especialmente gatos de rua e filhotes, e não demonstram sintomas. Entre gatos pode ser transmitido por pulgas. Pode ser transmitido para humanos por arranhão, mordida e talvez por pulgas.[2]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Uma ou duas semanas após o arranhão ou mordida do gato podem aparecer[3][4]:

  • Pápulas ou pústulas vermelhas de 3 a 5mm no local da lesão (65%)
  • Fadiga e mal estar (29%)
  • Febre (28 a 60%)
  • Perda de apetite e peso (14%)
  • Dor de cabeça (13%)
  • Dor de garganta (7%)
  • Linfonodos inchaços (linfadenopatia), perto do local do arranhão ou mordida

Na maioria dos sintomas desaparece mesmo sem tratamento já na primeira semana, exceto o inchaço, que leva meses para melhorar.

Complicações[editar | editar código-fonte]

Em 2 a 10% dos pacientes não tratados desenvolvem alguma complicação, especialmente os imunodeprimidos, como confusão mental, neurorretinite (problemas de visão), convulsões, osteomielite, angiomatose bacilar, eritema nodoso, pneumonia atípica ou artrite.[4][5] Mesmo pacientes com complicações neurológicas se recuperam sem sequelas, a mortalidade é próxima a zero.[6]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Os sintomas desaparecem sozinhos em poucos dias, então para a maioria dos pacientes com febre leve ou moderada, apenas tratamento sintomático conservador é recomendado. Isso inclui, administrar antifebril e analgésicos, conforme necessário. Bolsa de água quente pode ser aplicada sobre os nódulos linfáticos inchados. Ocasionalmente, aspiração dos linfonodos é indicado para o alívio da dor em pacientes com nódulos sensíveis. Em casos graves pode ser usado azitromicina ou doxiciclina[7] num curso prolongado (3 a 4 meses).[8]

Referências