Mário Lino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mário Lino
Mário Lino
Ministro(a) de Portugal Flag of Portugal.svg
Mandato XVII Governo Constitucional
  • Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações
Antecessor(a) António Mexia
Sucessor(a) António Mendonça
Vida
Nascimento 31 de Maio de 1940 (73 anos)
Lisboa
Dados pessoais
Partido Partido Comunista Português (-1991), Plataforma de Esquerda (1992-1993), Plataforma de Esquerda dentro das listas do Partido Socialista (1993-1995), Partido Socialista (1995-)
Profissão Engenheiro Civil

Mário Lino Soares Correia (Lisboa, 31 de Maio de 1940)[1] é um político português.

Licenciou-se em Engenharia Civil em 1965, no Instituto Superior Técnico e concluiu um mestrado em Hidrologia e Gestão dos Recursos Hídricos pela Universidade do Estado do Colorado (Estados Unidos).

Até 1991 foi militante do PCP. Foi Presidente do Conselho de Administração da Editorial Caminho e da Edições Avante. Foi deputado à Assembleia Municipal de Lisboa entre 1994 e 1996 e Presidente do Grupo Águas de Portugal entre 1996 e 2002.

Nas eleições autárquicas de 2005, apresentou-se nas listas do PS para a Câmara Municipal de Oeiras, chegando a figurar em cartazes do partido.

Ocupou o cargo de Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações no XVII Governo Constitucional.

Defendia acerrimamente a Ota como localização para o novo Aeroporto de Lisboa. Ficou famosa a sua concordância com uma equipa de ambientalistas que defendiam que aeroporto na margem sul do Tejo Jamais, jamais! (em francês) concordando que aquela região não tinha escolas, não tinha hospitais, não tinha estradas, não tinha comércio, não tinha hotéis... enfim, era, segundo ele, "um deserto". Face à opinião do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, segundo a qual o Campo de Tiro de Alcochete, na margem sul do Tejo, era a solução mais viável, técnica e financeiramente, acabou por se render aos estudos efectuados e abdicar da sua intransigência inicial em relação à Ota.

Igualmente, em Abril de 2006, viu-se numa controversa política ao ter defendido publicamente o iberismo em Santiago de Compostela[2] .

Em Junho de 2010 foi nomeado Presidente do Conselho Fiscal das Companhias de Seguros do Grupo Caixa Geral de Depósitos[3] .

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
António Mexia
Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações
XVII Governo Constitucional de Portugal
2005 - 2009
Sucedido por
António Mendonça


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.