Marco Antônio Cabral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marco Antônio Cabral
Deputado federal pelo Rio de Janeiro
Período 1 de fevereiro de 2015
até a atualidade
Dados pessoais
Nome completo Marco Antônio Neves Cabral
Nascimento 7 de maio de 1991 (27 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Progenitores Mãe: Susana Neves
Pai: Sérgio Cabral Filho
Alma mater Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Cônjuge Jessica Gargioni Cabral
Filhos Marco Antônio, nascido em março de 2018
Partido MDB

Marco Antônio Neves Cabral (Rio de Janeiro, 7 de maio de 1991) é um político brasileiro filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB).[1] Nas eleições de 2014, foi eleito deputado federal pelo Rio de Janeiro com 119.584 votos.[2] Em dezembro de 2014, o governador Luiz Fernando Pezão anunciou os nomes que iriam compôr o seu secretariado, entre eles Marco Antônio Cabral, que assumiu a Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro, cargo em que permaneceu até janeiro de 2017.[3]

Filho do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, e da prima de Aécio Neves, Susana Neves [4], Marco Antônio é formado em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.[3]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Marco Antônio Cabral iniciou sua caminhada na política muito cedo, aos onze anos de idade, acompanhando seu pai, Sérgio Cabral Filho, então candidato ao Senado. Foi presidente do Grêmio Estudantil do Colégio Santo Inácio e teve grande atuação na militância juvenil. Em 2009 foi eleito Presidente Estadual da Juventude do PMDB e em 2013 foi eleito Presidente Nacional da Juventude do mesmo partido.[5]

Em 2012, com o coeficiente de rendimento numa faculdade de Direito de apenas 5,6, trabalhava no 13º andar da Prefeitura do Rio. Conseguiu o emprego com "amigos do pai".[1] Em 2013, foi acusado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de antecipar a propaganda eleitoral através das redes sociais, sendo obrigado a deletar sua conta do Facebook. Em 2014 foi multado em 10 mil reais pelo TRE-RJ por propaganda eleitoral antecipada.[6]

Nas eleições de 2014, foi eleito deputado federal pelo Rio de Janeiro com 119.584 votos, ficando entre os dez mais votados do Estado.[3] Em dezembro de 2014, foi nomeado secretário do Esporte, Lazer e Juventude do Estado do Rio de Janeiro,[3] sendo exonerado em 19 de janeiro de 2017.[7]

Em janeiro de 2016, Marco Antônio e Pedro Paulo foram enviados de volta à Brasília pelo PMDB, deixando a secretaria, para votar a favor de Dilma Rousseff, no processo de impeachment.[8] Em agosto do mesmo ano, Marco Antônio declarou o seu voto a favor do impeachment.[9]

Durante a sua campanha para deputado federal pelo Rio de Janeiro, recebeu quase 7 milhões de reais em doações, incluindo meio milhão da construtora Queiroz Galvão.[10] Em 2015, essa mesma construtora teve mais de 160 milhões de reais congelados pela Justiça Federal devido à ligações com o esquema de lavagem de dinheiro da Petrobras descoberto pela operação Lava Jato.[11]

Em agosto de 2017 votou a favor do presidente Michel Temer, no processo em que se pedia abertura de investigação, e que poderia lhe afastar da presidência da república. [12]

Em outubro de 2017, o Ministério Público Federal (MPF) entrou com uma ação contra Marco Antônio por improbidade administrativa. O pedido dos procuradores aponta irregularidades nas visitas dele ao pai, o ex-governador Sérgio Cabral, preso em 2016 na Operação Calicute, um desdobramento da Lava-Jato.[13] O processo está na fase inicial.

Nas eleições de 2018, obteve menos de 20 mil votos e não conseguiu ser reeleito para o cargo de deputado federal.[14]

Trabalho na Câmara[editar | editar código-fonte]

Em seu mandato na Câmara dos Deputados, Marco Antônio Cabral está em cinco comissões permanentes (Minas e Energia, Finanças e Tributação, Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, Esporte e Defesa do Consumidor)[15]. Ele também participa da criação de 43 Projetos de Lei[16] e liberou mais de R$ 36 milhões em emendas parlamentares para o Estado do Rio de Janeiro[17], nas áreas de Saúde, Esporte, Segurança Pública[18], Educação, Juventude e Cultura. [19]

Principais Projetos de Lei de sua autoria[20][editar | editar código-fonte]

  • PL 9349/2017: Permite que postos de gasolina façam a venda ou a recarga, total ou parcial, do gás de cozinha (GLP). Dessa forma, os consumidores gastariam menos com a compra do gás.
  • PL 8037/2017: Concede isenção do IPI na compra de automóveis a agentes de segurança pública (Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Ferroviária Federal).
  • PL 8038/2017: Concede isenção do Imposto de Renda a agentes de segurança pública (Corpo de Bombeiros Militar, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Ferroviária Federal).
  • PL 10001/2018: Facilita a reentrada dos idosos no mercado de trabalho, dando incentivos fiscais aos empregadores para que contratem pessoas com mais de 60 anos.
  • PL 364/2015: Aumenta para 3% o limite de dedução do Imposto de Renda para empresas que ofereçam apoio a projetos desportivos e paradesportivos previamente aprovados pelo Ministério do Esporte.
  • PL 3335/2015: Determina a abertura de linha de crédito exclusiva no BNDES para o jovem empreendedor.
  • PL 3334/2015: Permite aos empresários abater do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica até 15% dos gastos com a contratação de mão de obra jovem.

Realizações à frente da Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude do RJ[editar | editar código-fonte]

Marco Antônio Cabral esteve à frente da Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude do Rio de Janeiro entre fevereiro de 2015 e dezembro de 2016. É o responsável pela volta do Campeonato Mundial de Surf WSL para Saquarema (RJ)[21] e por iniciativas como o projeto Ligação[22], que entregou espaços esportivos na capital e no interior, e o programa Mais Esporte[23], que garantiu a vários atletas o custeio do transporte para participar de competições. Em sua gestão, também foram incentivados diversos projetos para crianças e jovens, como o balé clássico no Centro de Referência da Juventude, em Manguinhos[24], e escolinhas[25] em parceria com estrelas do esporte como Leo Moura, José Aldo, Anderson Silva e os irmãos Rodrigo Minotauro e Rogério Minotouro.[carece de fontes?]

Referências

  1. a b «Marco Antônio Cabral e Clarissa Garotinho se preparam para disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados». Extra. Globo.com. 23 de março de 2014. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  2. «MARCO ANTÔNIO CABRAL - 1577». Meu Congresso Nacional. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  3. a b c d «Recém-formado, filho de Cabral é nomeado secretário estadual no Rio». Folha de S.Paulo. Uol. 22 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  4. http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/ex-mulher-de-cabral-prima-de-aecio-neves-depoe-na-pf/
  5. «Marco Antônio Cabral é eleito presidente da JPMDB». PMDB. 1 de março de 2013. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  6. «TRE multa filho de Sérgio Cabral em R$ 10 mil por propaganda antecipada». Uol. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  7. «Filho de Sérgio Cabral é exonerado do cargo de secretário de Esportes e Lazer do governo do Rio de Janeiro». G1. Globo.com. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  8. "QUINTINO GOMES FREIRE" (17 DE ABRIL DE 2016). «Como votaram os 46 deputados do Rio de Janeiro no impeachment de Dilma Roussseff». Diário do Rio  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. «Deputado Marco Antônio Cabral (PMDB/RJ) votou a favor do impeachment!». Mapa do Impeachment. Consultado em 12 de outubro de 2016. 
  10. «Deputado Marco Antônio Cabral (PMDB/RJ) votou a favor do impeachment!». Mapa do Impeachment. Consultado em 12 de outubro de 2016. 
  11. «Justiça bloqueia mais de R$ 160 mi da construtora Queiroz Galvão». Paraná. 8 de abril de 2015 
  12. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  13. «MPF denuncia deputado Marco Antônio Cabral por visitas irregulares a Sérgio Cabral em Bangu». G1 
  14. «Senadores e deputados federais/estaduais eleitos: Apuração e resultado das Eleições 2018 RJ - UOL Eleições 2018». UOL Eleições 2018. Consultado em 11 de outubro de 2018. 
  15. «Portal da Câmara dos Deputados» 
  16. «Portal da Câmara dos Deputados» 
  17. «Boletim de Emendas». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 17 de agosto de 2018. 
  18. Dia, O (27 de outubro de 2017). «PM do Rio ganha R$ 83 milhões em verbas parlamentares». O Dia - Rio De Janeiro 
  19. «PREFEITO VAI A BRASILIA EM BUSCA DE RECURSOS.» 
  20. «Portal da Câmara dos Deputados/Projeto de Lei e outras proposições». Câmara dos Deputados 
  21. «Oi Rio Pro estreia nas ondas poderosas de Saquarema». World Surf League (em inglês) 
  22. «D.O. Digital: D.O. Notícias - 25 de abril de 2016 - Página 3». www.ioerj.com.br. Consultado em 17 de agosto de 2018. 
  23. «Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude - SEELJE». www.rj.gov.br. Consultado em 17 de agosto de 2018. 
  24. «Projeto de balé em Manguinhos usa a dança como instrumento de transformação social». Extra Online 
  25. «Projeto Esporte RJ volta às atividades, mas com 200 mil alunos a menos | Blog Favela EC». globoesporte.com. Consultado em 17 de agosto de 2018.