Nova Escócia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nova Scotia)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Canadá Nova Escócia

Nova Scotia (inglês)
Nouvelle-Écosse (francês)

 
  Província  
Bandeira de Nova Escócia
Bandeira
Brasão de armas de Nova Escócia
Brasão de armas
Lema: Munit Haec et Altera Vincit
(do latim: Um defende e o outro conquista)
Confederação 1 de Julho de 1867 (1.°)
Administração
Halifax
Maior Cidade Halifax
- Tipo Monarquia constitucional
- Primeiro-ministro Stephen McNeil
- Tenente-governador Arthur LeBlanc
Área
- Total 55 283 km²
- Terra 53.338 km²
 - Água 1.946 km²
População (2016)
 - Total 923 598[1][2]
    • Densidade 17,4 hab./km²
Gentílico Nova Scotian (inglês)
Informações
- PIB nominal C$ 42.715 milhões (2017)
- PIB per capita C$ 44.931 (2017)
- IDH (2017) 0,899 – muito alto[3]
- Fuso horário UTC-4
Código postal B
Língua oficial Inglês (de facto)[4]
Abreviação Postal NS
Código ISO 3166 CA-NS
Membros do Parlamento 11 de 338 (3.3%)
Membros do Senado 10 de 105 (9.5%)
Website novascotia.ca

A Nova Escócia (em latim e inglês: Nova Scotia; em francês: Nouvelle-Écosse, em gaélico: Alba Nuadh) é uma das dez províncias do Canadá, parte das províncias marítimas e das províncias do atlântico. A capital de Nova Escócia é Halifax, a província é a segunda menor província do Canadá, com uma área de 55.284 quilômetros quadrados, na frente somente da província da Ilha do Príncipe Eduardo. A Nova Escócia está localizada no leste do Canadá, à beira do Oceano Atlântico. Muito da Nova Escócia está localizado em uma península, no entanto faz parte da província a ilha de Cape Breton e outras 3.800 ilhas costeiras. Em 2016 a população era de aproximadamente 923 mil habitantes, a província é a segunda mais densamente povoada no Canadá, com 17,4 habitantes por quilômetro quadrado.[5]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Nova Escócia significa "New Scotland" em inglês, no entanto o nome original da província é em latim "Nova Scotia".[6] Embora "Scotia" fosse originalmente um nome romano para a Irlanda, este é o nome de língua inglesa reconhecido para a província. No gaélico escocês, a província é chamada de "Alba Nuadh", que também significa simplesmente "Nova Escócia". A província foi nomeada pela primeira vez na Carta Real de 1621, concedendo o direito de estabelecer terras, incluindo a Nova Escócia moderna, a Ilha de Cape Breton, a Ilha do Príncipe Eduardo, Nova Brunswick e a Península de Gaspé para Sir William Alexander em 1632.[7]

História[editar | editar código-fonte]

A província inclui regiões da nação indígena Mi'kmaq. O antigo território da nação Mi'kma'ki também incluia partes das outras províncias do atlântico, partes do estado americano do Maine, Terra Nova e Península Gaspé. O povo mi'kmaq habitava a Nova Escócia desde a época em que os primeiros colonos europeus chegaram.[8] Em 1605, os colonos franceses estabeleceram o primeiro assentamento europeu permanente no futuro Canadá (e o primeiro no norte da Flórida) em Port Royal, fundando o que se tornaria conhecido como Acadia.[9][10]

A conquista britânica da Acadia ocorreu em 1710. O Tratado de Utrecht, em 1713, reconheceu formalmente isso e devolveu a ilha de Cape Breton (Île Royale) aos franceses. A atual província da Nova Brunswick ainda fazia parte da colônia francesa da Acadia. Imediatamente após o cerco de Port Royal em 1710, Francis Nicholson anunciou que a área seria renomeada como Annapolis Royal em homenagem à rainha Ana. Em 1749, a capital da Nova Escócia mudou de Annapolis Royal para a recém-criada Halifax. Em 1755, a grande maioria da população francesa (os acadianos) foi retirada à força na expulsão dos acadianos. Entre 1759 e 1768 habitantes da Nova Inglaterra chegaram para substituí-los.

Port Royal no Condado de Annapolis, situado no rio Annapolis, onde se alarga para formar a Bacia de Annapolis.

Em 1763, a maior parte de Acadia, incluido a Ilha de Cape Breton, Ilha de St. John's (atualmente Ilha do Príncipe Eduardo) e Nova Brunswick, tornou-se parte da Nova Escócia. Em 1765, o condado de Sunbury foi criado. Isso incluiu o território da atual Nova Brunswick e o leste do Maine até o rio Penobscot. Em 1769, a ilha de St. John tornou-se uma colônia separada. A Nova Escócia incluiu a atual Nova Brunswick até o estabelecimento dessa província em 1784, após a chegada dos lealistas do Império Unido. Em 1867, a Nova Escócia tornou-se uma das quatro províncias fundadoras da Confederação Canadense.[11]

Séculos XVII e XVIII[editar | editar código-fonte]

Fort Edward - o mais antigo blocausse da América do Norte (1750).
Uma visão de Louisburg na América do Norte em 11 de novembro de 1762.

A guerra na terra da Nova Escócia durante os séculos XVII e XVIII influenciou significativamente a história da província.[12] Os mi'kmaq viveram na Nova Escócia por séculos. Os franceses chegaram em 1604 e os católicos mi'kmaq e acadianos formaram a maioria da população da colônia pelos próximos 150 anos. Durante os primeiros 80 anos os franceses e acadianos viveram na Nova Escócia, nove confrontos militares significativos tiveram lugar quando os ingleses e escoceses (mais tarde britânicos), holandeses e franceses lutaram pela posse da área. Esses encontros aconteceram em Port Royal, Saint John,[13] Cap de Sable (atual Port La Tour), Jemseg (1674 e 1758) e Baleine (1629). A Guerra Civil Acadiana ocorreu de 1640 a 1645.

Começando com a Guerra do Rei William em 1688, seis guerras aconteceram na Nova Escócia antes que os britânicos derrotassem os franceses (e finalmente expulsassem grande parte de sua população) e fizessem as pazes com os povos Mi'kmaq: Guerra do Rei William (1688–1697), Guerra da Rainha Ana (1702–1713), Guerra do Padre Rale (1722–1725), Guerra do Rei George (1744–1748), Guerra do Padre Le Loutre (1749–1755) e Guerra dos Sete Anos, também chamada de Guerra Franco-Indígena.

As batalhas durante estas guerras ocorreram principalmente em Port Royal, Saint John, Canso, Chignecto, Dartmouth (1751), Lunenburg (1756) e Grand-Pré. Apesar da conquista britânica da Acadia em 1710, a Nova Escócia permaneceu ocupada principalmente pelos católicos acadianos e pelos Mi'kmaq, que confinaram as forças britânicas em Annapolis e Canso.

Os Mi'kmaq assinaram uma série de tratados com a Grã-Bretanha, começando depois da Guerra do Padre Rale (1725). Em 1725, os britânicos assinaram um tratado (ou "acordo") com os Mi'kmaq, mas as autoridades muitas vezes contestaram a definição dos direitos dos Mi'kmaq de caçar e pescar em suas terras.[14][15]

Monumento em Millbrook, perto de Truro. Homenageando Glooscap - uma figura lendária do povo Mi'kmaq, da Nova Escócia.
Esta igreja em Grand-Pré, comemora o início da expulsão Acadiana, onde os homens foram reunidos para ouvir o seu destino dos britânicos em 1755.

Uma geração depois, a Guerra do Padre Le Loutre começou quando Edward Cornwallis chegou para estabelecer Halifax com 13 barcos de transportes em 21 de junho de 1749.[16][17] Um Tribunal Geral, composto pelo governador e pelo conselho, era a mais alta corte da colônia na época.[18] Jonathan Belcher foi empossado como presidente do Supremo Tribunal da Nova Escócia em 21 de outubro de 1754.[18] A primeira assembleia legislativa em Halifax, sob o governo de Charles Lawrence, reuniu-se em 2 de outubro de 1758.[19] Durante a Guerra Franco-Indígena de 1754-63, os britânicos deportaram os acadianos e recrutaram agricultores da Nova Inglaterra para reassentar a colônia. O período de 75 anos de guerra terminou com os Tratados de Halifax entre os britânicos e os mi'kmaq (1761). Após a guerra, alguns acadianos foram autorizados a retornar e os britânicos fizeram tratados com os povos indígenas Mi'kmaq.

A Revolução Americana (1775-1783) teve um impacto significativo na formação da Nova Escócia. Inicialmente, a Nova Escócia – "a 14ª Colônia Americana", como alguns a chamavam – demonstrou ambivalência sobre se a colônia deveria se unir às colônias mais meridionais em seu desafio à Grã-Bretanha, e a rebelião na Batalha de Fort Cumberland (1776) e no Cerco de Saint John (1777). Ao longo da guerra, os corsários americanos devastaram a economia marítima capturando navios e saqueando quase todas as comunidades fora de Halifax. Esses ataques americanos alienaram muitos simpatizantes e neutros da Nova Escócia para apoiar os britânicos. No final da guerra, a Nova Escócia tinha equipado um número de corsários para atacar o transporte marítimo americano.[20] As forças militares britânicas sediadas em Halifax conseguiram impedir o apoio americano a rebeldes na Nova Escócia e impediram qualquer invasão da Nova Escócia. No entanto, a marinha britânica não conseguiu estabelecer a supremacia naval. Enquanto os britânicos capturaram muitos corsários americanos em batalhas como a Batalha Naval de Halifax (1782), muitos outros continuaram os ataques contra navios e assentamentos até os meses finais da guerra. A Marinha Real Britânica lutou para manter as linhas de suprimento britânicas, defendendo comboios de ataques americanos e franceses, como na batalha ferozmente combatida, a batalha naval em Cape Breton (1781).

Depois que as treze colônias e seus aliados franceses forçaram as forças britânicas a se renderem (1781), aproximadamente 33.000 lealistas (americanos que apoiavam o Rei) estabeleceram-se na Nova Escócia (14.000 no que se tornou Nova Brunswick) em terras concedidas pela Coroa como uma compensação por suas perdas. O êxodo lealista criou novas comunidades em toda a Nova Escócia, incluindo Shelburne, que brevemente se tornou um dos maiores assentamentos britânicos na América do Norte, e infundiu Nova Escócia com capital e habilidades adicionais. No entanto, a migração também causou tensões políticas entre os líderes lealistas e os líderes do atual assentamento dos agricultores da Nova Inglatera. O influxo lealista também empurrou mais de 2000 pessoas mi'kmaq, da Nova Escócia, para as margens, à medida que as concessões de terras fieis invadiam terras nativas mal definidas. Como parte da migração lealista, cerca de 3.000 lealistas negros chegaram, eles fundaram o maior assentamento de negros livres na América do Norte em Birchtown, perto de Shelburne. Muitas comunidades da Nova Escócia foram colonizadas por regimentos britânicos que lutaram na guerra.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Um sinal interpretativo ao longo da Heritage Trail no museu Birchtown da Black Loyalist Heritage Society.
Estátua de Joseph Howe, Province House, criada pelo famoso escultor de Quebec Louis-Philippe Hébert

Durante a Guerra de 1812, a contribuição da Nova Escócia para o esforço de guerra britânico envolveu comunidades comprando ou construindo vários navios privados para atacar navios norte-americanos.[21] Talvez o momento mais dramático na guerra pela Nova Escócia tenha ocorrido quando o HMS Shannon escoltou a fragata americana capturando o USS Chesapeake no Porto de Halifax (1813). Muitos dos prisioneiros americanos foram mantidos na Ilha Deadman, em Halifax.

Durante o século XIX, a Nova Escócia se tornou a primeira colônia na América do Norte Britânica e no Império Britânico a alcançar um governo responsável em janeiro-fevereiro de 1848 e se tornou autônoma por meio dos esforços de Joseph Howe.[22] A Nova Escócia estabeleceu um governo representativo em 1758, uma conquista mais tarde comemorada pela construção da Torre de Dingle em 1908.

Novo-escoceses lutaram na Guerra da Crimeia de 1853 a 1856.[23] O Monumento Welsford-Parker em Halifax é o segundo monumento de guerra mais antigo do Canadá (1860) e o único monumento da Guerra da Criméia na América do Norte. Comemora o cerco de 1854-55 de Sevastopol.

Monumento de Welsford-Parker, Halifax, Nova Escócia - o único monumento da Guerra da Crimeia na América do Norte.

Milhares de novo-escoceses lutaram na Guerra Civil Americana (1861-1865), principalmente em nome do Norte.[24] O Império Britânico (incluindo a Nova Escócia) declarou-se neutro no conflito. Como resultado, a Grã-Bretanha (e a Nova Escócia) continuaram a negociar com o sul e o norte. A economia da Nova Escócia cresceu durante a Guerra Civil.

Logo após a Guerra Civil Americana, o primeiro-ministro da Confederação Pró-Canadense, Charles Tupper, levou a Nova Escócia à Confederação Canadense em 1º de julho de 1867, juntamente com Nova Brunswick e a Província do Canadá. O Partido Anti-Confederação foi liderado por Joseph Howe. Quase três meses depois, na eleição de 18 de setembro de 1867, o Partido Anti-Confederação ganhou 18 dos 19 assentos federais e 36 dos 38 assentos na legislatura provincial.

A Nova Escócia tornou-se líder mundial na construção e posse de veleiros de madeira na segunda metade do século XIX. A Nova Escócia produziu construtores navais reconhecidos internacionalmente como Donald McKay e William Dawson Lawrence. A fama que a Nova Escócia conseguiu dos marinheiros foi assegurada quando Joshua Slocum se tornou o primeiro homem a navegar sozinho pelo mundo (1895). A atenção internacional continuou no século seguinte com as muitas vitórias em corridas de Bluenose. A Nova Escócia também foi o local de nascimento e lar de Samuel Cunard, um magnata inglês (nascido em Halifax na Nova Escócia) que fundou a Cunard Line, umas das maiores empresas náuticas do mundo.

Ao longo do século XIX, vários negócios desenvolvidos na Nova Escócia tornaram-se de importância pan-canadense e internacional: a Starr Manufacturing Company, primeira fabricante de patins no Canadá, o Scotiabank, a Cunard Line, a cervejaria Alexander Keith, a Morse's Tea Company, primeira empresa de chá no Canadá, entre outros. No início do século XX, a Sobey's foi estabelecida, assim como a Maritime Life.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Nova Escócia é a segunda menor província do Canadá em área, na frende somente da Ilha do Príncipe Eduardo. A área de terra da província é a península da Nova Escócia cercada pelo Oceano Atlântico, incluindo inúmeras baías e estuários. Nenhuma parte da Nova Escócia está a mais de 67 quilômetros do oceano.[25] A ilha Cape Breton, uma grande ilha ao nordeste do continente da Nova Escócia, também é parte da província, assim como a Ilha Sable, uma pequena ilha conhecida por seus naufrágios,[26] a aproximadamente 175 quilômetros ao sul da costa da província.

A Nova Escócia possui muitas formações de rocha contendo fósseis antigos, essas formações são particularmente abundantes nas margens da Baía de Fundy. Em Blue Beach, perto de Hantsport, estão as falésias de Fósseis de Joggins, que são um patrimônio mundial da UNESCO, lá foram encontrados fósseis de idade carbonífera em abundância. Em Wasson's Bluff, perto da cidade de Parrsboro, foram encontrados fósseis de idade triássica e jurássica.

A província possui aproximadamente 5400 lagos.[27]

Clima[editar | editar código-fonte]

Vista do Vale de Annapolis para o parque provincial Valleyview.

A Nova Escócia encontra-se na zona de clima meio-temperado. Uma vez que a província está quase cercada pelo mar, o clima está mais próximo do clima oceânico do que continental. Os extremos de temperatura do inverno e verão do clima continental são moderados pelo oceano.[28] No entanto, os invernos ainda são suficientemente frios para serem classificados como continentais, pois estão mais próximos do ponto de congelamento do que nas áreas interiores a oeste. O clima da Nova Escócia é em muitos aspectos, semelhante ao clima da costa central do mar Báltico no norte da Europa, apenas mais úmido e com mais neblina. As áreas que não estão na costa atlântica experimentam verões mais quentes e mais típicos das áreas do interior e mínimas de inverno um pouco mais frias.

Mapa da Nova Escócia.

A Nova Escócia está cercada por quatro grandes campos de água: o Golfo de São Lourenço ao norte, a Baía de Fundy a oeste, o Golfo do Maine ao sudoeste e Oceano Atlântico para o leste.[29]

Temperaturas médias, máximas e mínimas diárias para locais selecionados em Nova Escócia[30]
Local Julho Janeiro
Mínima Máxima Mínima Máxima
Halifax 14 °C 23 °C –8 °C 0 °C
Sydney 12 °C 23 °C –9 °C –1 °C
Kentville 14 °C 25 °C –10 °C –1 °C
Truro 13 °C 24 °C –12 °C –1 °C
Liverpool 14 °C 25 °C –9 °C 0 °C
Shelburne 12 °C 23 °C –8 °C 1 °C
Yarmouth 12 °C 21 °C –7 °C 1 °C

Demografia[editar | editar código-fonte]

População histórica da Nova Escócia
AnoPop.±%
1851276 854—    
1951642 584+132.1%
1956694 717+8.1%
1961737 007+6.1%
1966756 039+2.6%
1971788 965+4.4%
1976828 570+5.0%
1981847 442+2.3%
1986873 175+3.0%
1991899 942+3.1%
1996909 282+1.0%
2001908 007−0.1%
2006913 462+0.6%
2011921 727+0.9%
2016923 598+0.2%
Fonte: Statistics Canada[31][32]

De acordo com uma estimativa, a população da Nova Escócia era de 957.600 habitantes em 2017,[33] o que a torna a sétima província mais populosa do Canadá e a mais populosa entre as províncias marítimas. A densidade populacional é de aproximadamente 17,2 pessoas por quilômetro quadrado. De acordo com o censo canadense de 2016, cerca de 403 mil pessoas moram em Halifax (capital e maior cidade da província), 94 mil vivem em Cape Breton e 47 mil em Kings, estes são os três maiores municípios da Nova Escócia. Cerca de 60% da população da província vive em zonas rurais.[33]

Condados[editar | editar código-fonte]

A província da Nova Escócia tem um sistema histórico de 18 condados que originalmente haviam designado sistemas judiciais para administrar a governança local antes do estabelecimento de governos locais eleitos em 1879. Os condados históricos ainda continuam a existir, porém não como divisões administrativas e sim como divisões censitárias, como as utilizadas pela Statistics Canada para fins estatísticos na administração do censo canadense.[34] Os 18 condados são Annapolis, Antigonish, Cape Breton, Colchester, Cumberland, Digby, Guysborough, Halifax, Hants, Inverness, Kings, Lunenburg, Pictou, Queens, Richmond, Shelburne, Victoria e Yarmouth. A tabela abaixo ordena os maiores condados da província por população.[35]

Condado Sede População

(2016)

Área

(km²)

Halifax Halifax 403.390 5.495,71
Cape Breton Sydney 98.722 2.470,60
Kings Kentville 60.600 2.126,11
Colchester Truro 50.585 3.627,94
Lunenburg Lunenburg 47.126 2.909,90

Municípios[editar | editar código-fonte]

Principais municípios da Nova Escócia (não inclui municípios-satélite)
Halifax, com 403 mil habitantes, é a capital e maior município da Nova Escócia, e 14ª maior cidade do Canadá.
Porto de Louisbourg em Cape Breton, o segundo município mais populoso da Nova Escócia.
O município condado de Kings, é o terceiro maior município da Nova Escócia.

Ao contrário das províncias da Colúmbia Britânica, Ontário e Quebec, que possuem sistemas municipais de dois níveis, a Nova Escócia possui um sistema de municípios de nível único, incluindo quatro tipos de municípios: municípios regionais, municípios condado, municípios distritais e pequenas cidades.[36][37] Os municípios regionais podem incorporar a Lei do Governo Municipal (MGA) de 1998, que entrou em vigor em 1º de abril de 1999,[38] enquanto pequenas cidades, municípios distritais e municípios condado continuam como municípios sob a MGA.[39] A MGA concede aos conselhos municipais o poder de estabelecer estatutos para "saúde, bem-estar, segurança e proteção de pessoas" e "segurança e proteção de propriedade", além de alguns poderes expressos.[40]

Dos seus 50 municípios, a Nova Escócia tem 3 municípios regionais, 26 pequenas cidades, 9 municípios condado e 12 municípios distritais.[37] Halifax, a capital provincial, é incorporada como um município regional. É o maior município da Nova Escócia por população, com 403.131 habitantes a partir do censo de 2016 e o maior município por área terrestre, com 5.490,35 quilômetros quadrados.[41]

Municípios regionais[editar | editar código-fonte]

A Nova Escócia tem três municípios regionais. O maior município regional por população é Halifax, que é a capital e maior município da Nova Escócia. Os 403.131 residentes de Halifax representam 44% da população total da província. Halifax é também o maior município por área terrestre a 5.490,35 km2 (2.119,84 km²). O Município Regional de Queens é o menor município regional da Nova Escócia, tanto por população quanto por área de terra, com 10.307 habitantes e 2.392,63 quilômetros quadrados, respectivamente.[42]

Municípios rurais[editar | editar código-fonte]

Um município rural, na Nova Escócia, fornece o governo local para áreas rurais fora das cidades incorporadas. Os municípios rurais foram estabelecidos em 1879 e incluem municípios condado e municípios distritais. Os municípios distritais situam-se em condados históricos que foram anteriormente subdivididos em distritos, ao passo que os municípios condado estão dentro de condados históricos que não foram anteriormente subdivididos em distritos.[43]

Towns[editar | editar código-fonte]

Não existe uma tradução exata para a palavra town em português, no entanto, o termo town pode ser entendido como uma pequena-cidade que é maior que vilas, aldeias e municípios rurais, mas ainda sim é menor do que as cidades referidas em inglês como cities (que são cidades de maior porte). Em 2016, a Nova Escócia tinha 27 towns.[44] Este total foi reduzido para 26 devido à dissolução da pequena cidade de Parrsboro.[45] No censo de 2016, as 26 towns restantes tinham uma população acumulada de 97.495 habitantes.[44] As maiores e menores towns da Nova Escócia por população são Truro e Annapolis Royal, com 12.261 e 491 habitantes, respectivamente.[44] Essas duas pequenas cidades são também as maiores e menores por área terrestre da Nova Escócia, com 34,49 quilômetros quadrados e 2,04 quilômetros quadrados, respectivamente.[44]

10 maiores municípios da Nova Escócia
Posição Nome Tipo População

(2016)

Área

(km²)

Densidade

populacional

1 Halifax Município Regional 403.131 5.490,35 73,4/km2
2 Cape Breton Município Regional 94.285 2.430,06 38,8/km2
3 Kings Município Condado 47.404 2.094,05 22,6/km2
4 Colchester Município Condado 36.091 3.572,49 10,1/km2
5 Lunenburg Município Distrital 24.863 1.759,59 14,1/km2
6 East Hants Município Distrital 22.453 1.786,56 12,6/km2
7 Pictou Município Condado 20.692 2.797,25 7,4/km2
8 Cumberland Município Condado 19.402 4.255,04 4,6/km2
9 Annapolis Município Condado 18.252 3.178.21 5,7/km2
10 West Hants Município Distrital 15.368 1.244,09 12,4/km2

Etnias[editar | editar código-fonte]



Circle frame.svg

Etnias da Nova Escócia em 2011.[46]

  Europeus (91%)
  Negros (2.3%)
  Asiáticos (1.8%)
  Árabes (0.7%)
  Outros (0.5%)

De acordo com o censo canadense de 2006, o maior grupo étnico da Nova Escócia é o decendentes de escoceses (31,9%), seguido de ingleses (31,8%), irlandeses (21,6%), franceses (17,9%), alemães (11,3%), aborígines (5,3%), holandeses (4,1%), negros (2,8%), galeses (1,9%) italianos (1,5%) e escandinavos (1,4%). Cerca de 40,9% dos entrevistados identificaram sua etnia como "canadense".[47]

Línguas[editar | editar código-fonte]

O censo canadense de 2011 mostrou uma população de 921.727. Das 904.285 respostas singulares à questão do censo sobre a língua materna, as línguas mais comumente relatadas foram:

Posição Língua População Porcentagem
1 Inglês 836,085 92.46%
2 Francês 31,105 3.44%
3 Árabe 5,965 0.66%
4 Algonquiano 4,685 0.52%
Língua mi'kmaq 4,620 0.51%
5 Alemão 3,275 0.36%
6 Chinês 2,750 0.30%
Mandarim 905 0.10%
Cantonês 590 0.06%
7 Holandês 1,725 0.19%
8 Espanhol 1,545 0.17%
9 Gaélico canadense 1,275 0.14%
10 Tagalog 1,185 0.13%
10 Persa 1,185 0.13%
Porto de Peggys Cove

Os dados mostrados são para o número de respostas em um único idioma e a porcentagem do total de respostas em um único idioma.[48]

A Nova Escócia abriga a maior comunidade de língua gaélica escocesa fora da Escócia, com um pequeno número de falantes nativos no Condado de Pictou, Condado de Antigonish e Ilha Cape Breton, e o idioma é ensinado em várias escolas secundárias em toda a província.

Em 2018, o governo lançou uma nova placa de veículos na língua gaélica para aumentar a conscientização sobre o idioma e ajudar a financiar iniciativas de língua e cultura gaélica. Eles estimaram que havia 2.000 falantes de gaélico na província.[49]

Religião[editar | editar código-fonte]

Em 1871, as maiores denominações religiosas eram de protestantes, com 103.500 (27%); católicos romano com 102.000 (26%); batistas com 73.295 (19%); anglicanos com 55.124 (14%); metodistas com 40.748 (10%), luteranos com 4.958 (1,3%); e congregacionalistas com 2.538 (0,65%).[50]

Segundo o censo de 2001, as maiores denominações pelo número de adeptos foram a Igreja Católica Romana com 327.940 (37%); a Igreja Unida do Canadá, com 142.520 (17%); e a Igreja Anglicana do Canadá, com 120.315 (13%). Há também 8.505 (0,9%) muçulmanos de acordo com o censo de 2011.[51]

Economia[editar | editar código-fonte]

Barcos de pesca de lagosta em Yarmouth.

O PIB per capita da Nova Escócia em 2010 foi de $38.475, significativamente inferior ao PIB per capita médio nacional, que é de $47.605 e um pouco mais da metade da renda per capita da província mais rica do Canadá, que é Alberta. O crescimento do PIB ficou atrás do resto do país pelo menos nos últimos dez anos.[52]

A economia tradicionalmente baseada em recursos da Nova Escócia se diversificou nas últimas décadas. A ascensão da Nova Escócia como uma jurisdição viável na América do Norte, historicamente, foi impulsionada pela disponibilidade imediata de recursos naturais, especialmente os estoques de peixes. A pesca foi um pilar da economia desde o seu desenvolvimento como parte da Nova França no século XVII, no entanto, a pesca sofreu um declínio acentuado devido à sobrepesca no final do século XX. O colapso dos estoques de bacalhau e o fechamento deste setor resultaram em uma perda de aproximadamente 20.000 empregos em 1992.[53]

Outros setores da província também foram duramente atingidos, particularmente durante as duas últimas décadas: a mineração de carvão em Cape Breton e no norte da Nova Escócia praticamente cessou, e uma grande usina siderúrgica em Sydney fechou durante a década de 1990. Mais recentemente, o alto valor do dólar canadense em relação ao dólar dos Estados Unidos prejudicou a indústria florestal, levando ao fechamento de uma antiga fábrica de papel e celulose perto de Liverpool. A mineração, especialmente de gesso e sal e, em menor grau, de sílica, turfa e barita, também é um setor significativo.[54] Desde 1991, o petróleo e o gás tornaram-se uma parte importante da economia, embora a produção e as receitas estejam agora a diminuir.[52] A agricultura continua sendo um setor importante na província, particularmente no vale de Annapolis.

Milho crescendo em Grafton no vale de Annapolis em outubro de 2011.

O setor de defesa e o setor aeroespacial da Nova Escócia gera, aproximadamente $500 milhões em receitas e contribuem com cerca de $1,5 bilhão para a economia provincial a cada ano.[55] Até hoje, 40% dos ativos militares do Canadá residem na Nova Escócia.[55] A Nova Escócia possui a quarta maior indústria cinematográfica do Canadá, hospedando mais de 100 produções por ano, mais da metade das quais são produtos de produtores internacionais de cinema e televisão.[56] Em 2015, o governo da Nova Escócia eliminou os créditos fiscais para a produção cinematográfica na província, colocando em risco a indústria, dado que a maioria das outras jurisdições continuam a oferecer tais créditos.[57]

A indústria do turismo da Nova Escócia inclui mais de 6.500 empresas diretas, apoiando quase 40.000 empregos.[58] Duzentos mil passageiros de navios de cruzeiro de todo o mundo passam pelo porto de Halifax, todos os anos.[59] Essa indústria contribui com aproximadamente $1,3 bilhão anualmente para a economia.[60] A província também possui um setor de tecnologia da informação e comunicação (TIC) em rápido desenvolvimento, que consiste em mais de 500 empresas e emprega cerca de 15.000 pessoas.[61] Em 2006, o setor manufatureiro trouxe mais de $ 2,6 bilhões em PIB encadeado, a maior produção de qualquer setor industrial na Nova Escócia.[62] A empresa Michelin continua a ser, de longe, o maior empregador individual neste setor, operando três unidades de produção na província.

A partir de 2012, a renda familiar média na Nova Escócia foi de $67.910, abaixo da média nacional de $74.540,[63] em Halifax o número sobe para $80.490.[64]

Os barcos de pesca ficam completamente encalhados na maré baixa, ao longo das ricas áreas de pesca da Baía de Fundy, no Porto de Hall na Nova Escócia.

A província é a maior exportadora mundial de árvores de natal, lagosta, gipsita silvestres.[65] Seu valor de exportação de peixe excede $1 bilhão e os produtos de pesca são recebidos por 90 países em todo o mundo.[66] No entanto, as importações da província excedem em muito as exportações. Embora esses números fossem aproximadamente iguais de 1992 a 2004, desde então o déficit comercial aumentou. Em 2012, as exportações da Nova Escócia correspondiam a 12,1% do PIB provincial, enquanto as importações foram de 22,6%.[67]

Política[editar | editar código-fonte]

A Nova Escócia é ordenada por um governo parlamentar dentro da construção da monarquia constitucional; a monarquia na Nova Escócia é a base dos poderes executivo, legislativo e judiciário.[68] O chefe de estado é a rainha Elizabeth II, que também serve como chefe de estado de países da Commonwealth, de outras nove províncias do Canadá e do Reino Federal Canadense, e reside predominantemente no Reino Unido. Como tal, o representante da rainha, o tenente-governador da Nova Escócia, exerce a maioria dos deveres reais na Nova Escócia.

Halifax, sede do gorverno, capital províncial.

A participação direta dos membros reais e vice-reitores em qualquer uma dessas áreas de governança é limitada; na prática, seu uso dos poderes executivos é dirigido pelo Conselho Executivo, um comitê de ministros da Coroa responsável perante a Câmara dos Deputados unicameral, eleito, escolhido e chefiado pelo primeiro-ministro da Nova Escócia, o chefe do governo. Para garantir a estabilidade do governo, o tenente-governador geralmente nomeia como primeiro-ministro a pessoa que é o atual líder do partido político que pode obter a garantia de uma pluralidade no Parlamento. O líder do partido com a segunda maioria dos assentos geralmente se torna o líder da oposição e faz parte de um sistema parlamentar adversário destinado a manter o governo sob controle.[69]

Cada um dos 51 membros da Assembleia Legislativa no Parlamento é eleito por pluralidade de membro único em um distrito eleitoral. As eleições gerais devem ser convocadas pelo tenente-governador a conselho do primeiro-ministro, ou podem ser desencadeadas pelo governo perdendo um voto de confiança na Câmara.[70] Existem três partidos políticos dominantes na Nova Escócia: o Partido Liberal, o Novo Partido Democrático e o Partido Conservador Progressista. Os outros dois partidos registrados são o Partido Verde da Nova Escócia e o Partido Atlântico, nenhum dos quais tem assento no Parlamento.

A receita da província vem principalmente do imposto de renda pessoal e corporativo, embora os impostos sobre tabaco e álcool, sua participação na Atlantic Lottery Corporation e os royalties de petróleo e gás também sejam significativos. Em 2006-07, a província aprovou um orçamento de $6,9 bilhões, com um superávit projetado de $72 milhões. Os pagamentos federais de equalização representam $1,385 bilhão, ou 20,07% da receita provincial. A província participa do HST, um imposto sobre vendas combinado coletado pelo governo federal usando o sistema de impostos GST. (imposto sobre bens e serviços)

A Nova Escócia não tem mais cidades incorporadas, elas foram amalgamadas em Municípios Regionais em 1996.

Educação[editar | editar código-fonte]

O prédio da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Dalhousie.

O Ministro da Educação é responsável pela administração e prestação de serviços educacionais, conforme definido pela Lei de Educação e outras leis relacionadas a faculdades, universidades e escolas privadas.[71] Os poderes do Ministro e do Departamento de Educação são definidos pelos regulamentos ministeriais e limitados pelos regulamentos do Governador-em-Conselho.

Todas as crianças até a idade de 16 anos são legalmente obrigadas a frequentar a escola ou os pais precisam realizar a educação em casa.[72] O sistema educacional da Nova Escócia é dividido em oito regiões diferentes, incluindo: Tri-County (22 escolas), Annapolis Valley (42 escolas), South Shore (25 escolas), Chignecto-Central (67 escolas), Halifax (67 escolas), Strait (20 escolas) e Cape Breton-Victoria Regional Centre for Education (39 escolas).[73]

A Nova Escócia tem mais de 450 escolas públicas para crianças. O sistema público oferece o ensino primário até a 12ª série. Existem também escolas particulares na província. A educação pública é administrada por sete conselhos escolares regionais, responsáveis ​​principalmente pelo ensino de inglês e imersão em francês, e também em toda a província pelo Conseil Scolaire Acadien Provincial, que administra o ensino francês a estudantes cuja língua materna é o francês.

O sistema de colleges da Nova Escócia tem 13 campi ao redor da província. O sistema tem seu foco em treinamento e educação, foi criado em 1988, através da fusão das antigas escolas vocacionais da província.

Além de seu sistema de faculdades comunitárias, a província tem 10 universidades, incluindo a Universidade de Dalhousie, a Universidade King's College, a Universidade de Saint Mary, a Universidade Mount Saint Vincent, a Universidade NSCAD, a Universidade Acadia, a Universidade Sainte-Anne, a Universidade de Saint Francis Xavier, a Universidade de Cape Breton, e a Escola Atlântica de Teologia.

Há também mais de 90 faculdades comerciais privadas registradas na Nova Escócia.[74]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Population and dwelling counts, for Canada, provinces and territories, 2016 census». Statcan.gc.ca. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  2. «Population and dwelling counts, for Canada, provinces and territories, 2011 and 2006 censuses». Statcan.gc.ca. 24 de janeiro de 2012. Consultado em 3 de abril de 2012 
  3. «Sub-national HDI - Area Database - Global Data Lab». hdi.globaldatalab.org (em inglês). Consultado em 21 de julho de 2018 
  4. «The Legal Context of Canada's Official Languages». University of Ottawa. Consultado em 7 de outubro de 2016. Arquivado do original em 21 de dezembro de 2016 
  5. «"Population and dwelling counts, for Canada, provinces and territories, 2016 census"». Statistics Canada. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  6. Scottish Settlement. Novascotia.com. Retrieved on July 12, 2013.
  7. Nova Scotia: The Royal Charter of 1621 to Sir William Alexander. Toronto: University of Toronto Press (Reprinted from the Transactions of the Royal Canadian Institute, Vol. XIV, Part 1). 1922 
  8. «Info Sheet – The Mi'kmaq» (PDF). museum.novascotia.ca 
  9. Morton, Desmond (30 de novembro de 1999). Canada: A Millennium Portrait. [S.l.]: Dundurn. p. 19. ISBN 978-1-4597-1085-6 
  10. Nova Scotia Archives – An Acadian Parish Remembered Arquivado em 16 de janeiro de 2013 no Wayback Machine.. Gov.ns.ca (1 December 2009). Retrieved 12 July 2013.
  11. As outras províncias eram Nova Brunswick e a Província do Canadá (que se tornaram as províncias separadas de Quebec e Ontário).
  12. John G. Reid. "An International Region of the Northeast: Rise and Decline, 1635–1762". In Buckner, Campbell and Frank (eds) The Acadiensis Reader: Volume 1. Third Edition. 1998. p. 31
  13. Until 1784, New Brunswick administratively formed part of Nova Scotia.
  14. [1]
  15. [2]
  16. Grenier, John. The Far Reaches of Empire. War in Nova Scotia, 1710–1760. Norman: U of Oklahoma P, 2008
  17. Thomas Beamish Akins History of Halifax, Brookhouse Press. 1895. (2002 edition). p 7
  18. a b "Timeline History of the Nova Scotia Supreme Court" Arquivado em 17 de outubro de 2013 no Wayback Machine.
  19. Statutes at Large of Nova Scotia, Volume 1, 1758–1804.
  20. Roger Marsters (2004). Bold Privateers: Terror, Plunder and Profit on Canada's Atlantic Coast, pp. 87–89.
  21. John Boileau. Half-hearted Enemies: Nova Scotia, New England and the War of 1812. Halifax: Formac Publishing. 2005. p. 53
  22. Beck, J. Murray. (1983) Joseph Howe: The Briton Becomes Canadian 1848–1873. (v.2). Kingston & Montreal: McGill-Queen's University Press. ISBN 0-7735-0388-9
  23. Paul R. Magocsi; Multicultural History Society of Ontario (1999). Encyclopedia of Canada's Peoples. [S.l.]: University of Toronto Press. p. 165. ISBN 978-0-8020-2938-6 
  24. Marquis, Greg. In Armageddon's Shadow: The Civil War and Canada's Maritime Provinces. McGill-Queen's University Press. 1998.
  25. O Canada. [S.l.]: Ticknor & Fields. 1993 
  26. Maritime Museum of the Atlantic Sable Island Lifesaving and Ship Wrecks Info Sheet Arquivado em 31 de outubro de 2012, no Wayback Machine.. Museum.gov.ns.ca (July 27, 1999). Retrieved on 2013-07-12.
  27. «Gaspe, Canada». Princess Explorations Café (Powered by The New York Times). 2016 
  28. «The Climate of Nova Scotia». The Climates of Canada. Environment Canada. Consultado em 7 de junho de 2015. Arquivado do original em 19 de abril de 2010 
  29. «The Climate of Nova Scotia». The Climates of Canada. Environment Canada. Consultado em 7 de junho de 2015. Arquivado do original em 19 de abril de 2010 
  30. «National Climate Data and Information Archive». Environment Canada. Consultado em 24 de outubro de 2015 
  31. «Nova Scotia—Canada's population clock». Statcan.gc.ca. 18 de novembro de 2010. Consultado em 29 de agosto de 2011. Arquivado do original em 17 de agosto de 2011 
  32. Grenier, Éric (8 de fevereiro de 2017). «Census 2016: Canada's population surpasses 35 million». CBC News. Consultado em 8 de fevereiro de 2017. The four Atlantic provinces recorded the lowest growth in the country 
  33. a b «Nova Scotia Statistics». www.novascotia.ca. Consultado em 19 de julho de 2019 
  34. «The Establishment of Elective Rural Municipal Government in Nova Scotia» (PDF). Government of Nova Scotia: Department of Municipal Affairs. pp. 1, 2. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  35. «Population and dwelling count highlight tables, 2016 Census». Statistics Canada. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 8 de fevereiro de 2017 
  36. Gonzalo Pineros (2015). «Upper Tier and Lower Tier Municipality Integration to Collaboratively Address Population Growth, Aging Infrastructure and Climate Change» (PDF). Universidade McMaster. p. 7. Consultado em 28 de dezembro de 2016. The Canadian provinces of Ontario, Quebec and British Columbia have two-tier municipality systems. 
  37. a b «Nova Scotia Annual Report of Municipal Statistics for the fiscal year ended March 31, 2015» (PDF). Department of Municipal Affairs. 2015. 12 páginas. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  38. «Municipal History Highlights». Province of Nova Scotia Department of Municipal Affairs. 8 de outubro de 2015. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  39. «Municipal Government Act» (PDF). Office of the Legislative Counsel, Nova Scotia House of Assembly. 19 de junho de 2012. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  40. «Assessment of the Municipal Acts of the Provinces and Territories» (PDF). Federation of Canadian Municipalities. Abril de 2004. p. 30. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  41. «Population and dwelling counts, for Canada, provinces and territories, and census subdivisions (municipalities), 2016 and 2011 censuses – 100% data (Nova Scotia)». Statistics Canada. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  42. «Population and dwelling counts, for Canada, provinces and territories, and census subdivisions (municipalities), 2016 and 2011 censuses – 100% data (Nova Scotia)». Statistics Canada. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  43. «The Establishment of Elective Rural Municipal Government in Nova Scotia» (PDF). Government of Nova Scotia: Department of Municipal Affairs. pp. 1, 2. Consultado em 27 de dezembro de 2016 
  44. a b c d «Population and dwelling counts, for Canada, provinces and territories, and census subdivisions (municipalities), 2016 and 2011 censuses – 100% data (Nova Scotia)». Statistics Canada. 8 de fevereiro de 2017. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 
  45. «Decision 2016 NSUARB 100 – M07110». Nova Scotia Utility and Review Board. 15 de junho de 2016. Consultado em 18 de janeiro de 2017 
  46. «Archived copy». Consultado em 3 de março de 2017. Cópia arquivada em 4 de março de 2017 , Community Profiles from the 2011 Census, Statistics Canada - Province/Territory
  47. Statistics Canada (janeiro de 2005). «Population by selected ethnic origins, by province and territory (2006 Census) (Nova Scotia)». Consultado em 9 de julho de 2015 
  48. Detailed Mother Tongue (186), Knowledge of Official Languages (5), Age Groups (17A) and Sex (3) (2011 Census)
  49. «Nova Scotia unveils Gaelic licence plate, as it seeks to expand language». Atlantic CTV News. The Canadian Press. 1 de maio de 2018. Consultado em 2 de maio de 2018 
  50. A history and geography of Nova Scotia by John Burgess Calkin: p. 88
  51. «Religions in Canada». 2.statcan.ca. Consultado em 6 de outubro de 2010 
  52. a b Province of Nova Scotia
  53. Fish in Crisis. «The Starving Ocean». Consultado em 26 de abril de 2007 
  54. Province of Nova Scotia, "Summary of Nova Scotia Mineral Production, 1994 and 1995" Arquivado em 15 de outubro de 2009 no Wayback Machine.
  55. a b Nova Scotia Business Inc. Defence, Security & Aerospace. Retrieved 10 October 2008.
  56. Nova Scotia Film Development Corporation Production Statistics for the 12 Month Period Ended March 31, 2008. Retrieved 10 October 2008. [ligação inativa]
  57. «N.S. film, TV jobs in rapid decline since elimination of film tax credit: NDP». CTV Atlantic. 11 de novembro de 2015 
  58. Tourism Industry Association of Nova Scotia. Tourism Summit 2008. Retrieved 10 October 2008.
  59. «Going Global, Staying Local: A Partnership Strategy for Export Development» (PDF). Government of Nova Scotia. Consultado em 10 de outubro de 2008 
  60. Nova Scotia Business Inc. «Key Facts». Consultado em 16 de abril de 2010. Arquivado do original em 16 de maio de 2006 
  61. Trade Team Nova Scotia. «Information and Communications Technology». Consultado em 16 de abril de 2010. Arquivado do original em 6 de julho de 2011 
  62. Invest in Canada. «Nova Scotia» (PDF). Consultado em 16 de abril de 2010. Arquivado do original (PDF) em 3 de julho de 2010 
  63. «Median total income, by family type, by province and territory». Statistics Canada. 2012. Consultado em 11 de setembro de 2014 
  64. «Median total income, by family type, by census metropolitan area». Statistics Canada. 2012. Consultado em 11 de setembro de 2014 
  65. Tower Software. «The Nova Scotian Economy». Consultado em 16 de abril de 2010. Arquivado do original em 31 de maio de 2010 
  66. Trade Team Nova Scotia. «Fisheries & Aquaculture». Consultado em 16 de abril de 2010. Arquivado do original em 6 de junho de 2009 
  67. Nova Scotia's Merchandise Trade with the World [3] Arquivado em 16 de fevereiro de 2016 no Wayback Machine..
  68. Canadian Heritage (fevereiro de 2009). Canadian Heritage Portfolio (PDF) 2nd ed. [S.l.]: Queen's Printer for Canada. pp. 3–4. ISBN 978-1-100-11529-0. Consultado em 23 de maio de 2011. Arquivado do original (PDF) em 11 de junho de 2011 
  69. Library of Parliament. «The Opposition in a Parliamentary System». Queen's Printer for Canada. Consultado em 23 de maio de 2011. Arquivado do original em 25 de novembro de 2010 
  70. Dawson, R. MacGregor; Dawson, WF (1989). Ward, Norman, ed. Democratic Government in Canada. [S.l.]: University of Toronto Press. pp. 16–17, 59–60, 66. ISBN 978-0-8020-6703-6 
  71. Government of Nova Scotia (1996). «Education Act». Consultado em 26 de abril de 2007 
  72. https://novascotiaimmigration.com/live-here/education/
  73. https://www.ednet.ns.ca/docs/directoryofpublicschools.pdf
  74. «Registered Colleges for 2010–2011». Province of Nova Scotia. 2010. Consultado em 26 de julho de 2010. Arquivado do original em 13 de abril de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]