Vandana Shiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vandana Shiva in 2007
Vandana Shiva
Nascimento 5 de novembro de 1952  (64 anos)
Dehra Dun, Uttar Pradesh (atual Uttarakhand), India
Nacionalidade Indiana
Ocupação Filósofa, ambientalista, autora, palestrante, ativista social, cientista
Prêmios Right Livelihood Award (1993)
Sydney Peace Prize (2010)
Fukuoka Asian Culture Prize (2012)
Religião Hindu
Página oficial
vandanashiva.com
Video-Statement (2014)

Vandana Shiva (em hindi: वंदना शिवा): nascida em 5 de novembro de 1952 é uma estudiosa indiana, física, ecofeminista e ativista ambiental e anti-globalização.

Ela é uma das líderes e membra da diretoria do Fórum Internacional sobre Globalização. É uma figura do movimento de solidariedade global conhecido como o movimento alter-globalização.[1] Tem defendido a sabedoria de muitas práticas tradicionais, como é evidente a partir de sua entrevista no livro Vedic Ecology (por Ranchor Prime) que se baseia na herança védica da Índia. É membra do comitê científico da Fundação IDEAS, grupo de reflexão do Partido Socialista espanhol. [2] Também é membra da Organização Internacional para uma Sociedade Participativa.[3] Recebeu o Livelihood Award em 1993, e vários outros prêmios.

Inicio da vida e Educação[editar | editar código-fonte]

Vandana Shiva 2007 Colônia, Alemanha

Vandana Shiva nasceu em Dehradun. Foi educada na Escola de St Mary em Nainital, e no Convento de Jesus e Maria, Dehradun. [4]

Shiva estudou física na Universidade Panjab em Chandigarh , formando-se como bacharel em ciência em 1972 e mestre em ciência em 1974.[5] Depois trabalhou brevemente no Bhabha Atomic Research Center antes de se mudar para o Canadá para cursar mestrado em Filosofia da Ciência na Universidade de Guelph (Ontário) em 1977, com uma tese intitulada "Mudanças no conceito de periodicidade da luz ". [5][6] Em 1978, recebeu seu PhD em filosofia na Universidade de Western Ontario, [7] com foco em filosofia da física. Sua dissertação foi intitulada "Variáveis ​​ocultas e localidade na teoria quântica", no qual ela discutiu as implicações matemáticas e filosóficas de teorias variáveis ​​ocultas que caem fora do âmbito do teorema de Bell. Mais tarde, ela passou a fazer pesquisa interdisciplinar em ciência, tecnologia e política ambiental no Indian Institute of Science e no Indian Institute of Management em Bangalore .


Carreira[editar | editar código-fonte]

Vandana Shiva tem escrito e falado extensivamente sobre avanços nas áreas de agricultura e alimentos. Os direitos de propriedade intelectual, biodiversidade, biotecnologia, bioética e engenharia genética estão entre os campos onde Shiva lutou através de campanhas ativistas. Ela tem ajudado organizações de base do Movimento Verde na África, Ásia, América Latina, Irlanda, Suíça e Áustria com campanhas contra os avanços no desenvolvimento agrícola através da engenharia genética.

Depois de passar três anos a pesquisar interdisciplinar no Instituto Indiano de Ciência e no Instituto Indiano de Gestão, em 1982 deixou a carreira acadêmica para criar a Fundação de Pesquisa para a Ciência, Tecnologia e Ecologia (RFSTE), uma organização de pesquisa de interesse público focada em questões ecológicas críticas dos nossos tempos. Isto levou à criação da Navdanya em 1991, um movimento nacional para proteger a diversidade e a integridade dos recursos vivos, especialmente as sementes nativas, a promoção da agricultura orgânica e do comércio justo. [8] Em 2004, Shiva começou Bija Vidyapeeth, um colégio internacional para a vida sustentável em Doon Valley, em colaboração com Schumacher College, U.K.

Na área dos direitos de propriedade intelectual e da biodiversidade, Shiva e sua equipe na Fundação de Pesquisa em Ciência, Tecnologia e Ecologia desafiaram a biopirataria de Neem, Basmati e Trigo. .

Seu primeiro livro, Staying Alive (1988) ajudou a redefinir as percepções das mulheres do terceiro mundo. Em 1990, escreveu um relatório para a FAO sobre Mulheres e Agricultura intitulado: "A maioria dos agricultores na Índia são mulheres". Ela fundou a unidade de gênero no Centro Internacional de Desenvolvimento da Montanha (ICIMOD) em Katmandu e foi membro do conselho fundador da Organização de Desenvolvimento das Mulheres e do Meio Ambiente (WEDO).

Shiva também atuou como conselheira de governos na Índia e no exterior, além de organizações não-governamentais, incluindo o Fórum Internacional sobre Globalização, a Organização para o Meio Ambiente e Desenvolvimento das Mulheres e a Rede do Terceiro Mundo. Shiva preside a Comissão sobre o Futuro da Alimentação criada pela Região da Toscana em Itália e é membra do Comitê Científico que assessorou o ex-primeiro-ministro Zapatero da Espanha. Ela é conselheira do World Future Council. Shiva serve no comitês de agricultura biológica na Índia.[9]

Ativismo[editar | editar código-fonte]

Vandana Shiva passou grande parte de sua vida na defesa e celebração da biodiversidade e conhecimento indígena. Ela trabalhou para promover a biodiversidade na agricultura para aumentar a produtividade, a nutrição, os rendimentos dos agricultores e é por este trabalho que ela foi reconhecida como uma "heroína ambiental" pela revista Time em 2003. Seu trabalho na agricultura começou em 1984 após a violência em Punjab e o que ficou conhecido como Desastre de Bhopal. Seus estudos para a Universidade da ONU levaram à publicação de seu livro A Violência da Revolução Verde. [10]

Em uma entrevista para David Barsamian, Shiva argumenta que o pacote químico-sementes promovido pela agricultura da Revolução Verde esgotou o solo fértil, destruiu ecossistemas vivos e impactou negativamente a saúde das pessoas. Em seu trabalho, Shiva cita dados demonstrando que hoje existem mais de 1400 pesticidas que podem entrar no sistema alimentar em todo o mundo,[11] porque apenas 1% dos pesticidas pulverizados agem sobre a praga alvo. Vandana Shiva, ao lado de sua irmã, a Dra. Mira Shiva, argumentam que os custos de saúde aumentaram com o uso de pesticidas e fertilizantes. [12] [13] [14]

Sementes Livres[editar | editar código-fonte]

A ideia central do trabalho de Shiva é a de sementes livres, ou a rejeição de patentes corporativas sobre as sementes. Ela fez campanha contra a implementação do Acordo sobre Aspectos dos Direitos de Propriedade Intelectual Relacionados ao Comércio (TRIPs) de 1994, que amplia o escopo das patentes para incluir formas de vida. [15] Shiva chama o patenteamento da vida de "biopirataria", e tem lutado contra tentativas de patentes de várias plantas indígenas. Em 2005, Shiva ganhou uma batalha de 10 anos no Instituto Europeu de Patentes contra a biopirataria de Neem pelo Departamento de Agricultura dos EUA e pela corporação WR Grace. [16] Em 1998, a organização de Shiva, Navdanya, iniciou uma campanha contra a biopirataria do arroz Basmati pela corporação norte-americana RiceTec Inc. Em 2001, após intensa campanha, a RiceTec perdeu a maior parte de suas reivindicações de patente.

Arroz Dourado[editar | editar código-fonte]

Shiva se opõe firmemente ao arroz dourado, uma raça de arroz que foi geneticamente modificada para biossintetizar o beta-caroteno, um precursor da vitamina A. Foi desenvolvido para fins puramente humanitários, tem o potencial de prevenir "entre meio milhão e três milhões de crianças pobres por ano "de se tornarem cegas, e ajudaria a aliviar a deficiência de vitamina A sofrida por 250 milhões de pessoas nos países em desenvolvimento.[17] Shiva afirmou que as mulheres de Bengala cultivam e comem 150 verduras que podem fazer o mesmo. Foi apontado que "os nutricionistas da UNICEF duvidavam que fosse fisicamente possível obter suficiente vitamina A dos verdes que Shiva estava recomendando".[17] It was also pointed out that "nutritionists at UNICEF doubted it was physically possible to get enough vitamin A from the greens Shiva was recommending".[17] Patrick Moore (Ex-presidente do Greenpeace Canadá) escreve que a maioria destes 250 milhões de crianças não comem muito mais do que uma tigela de arroz por dia. [18] [19]

Shiva afirma que o Arroz Dourado é mais prejudicial do que benéfico em sua explicação do que ela chama de "embuste de Arroz Dourado": "Infelizmente, o arroz com vitamina A é uma farsa e trará mais controvérsia para a engenharia genética de plantas onde exercícios de relações públicas parecem ter substituído a ciência na promoção de tecnologia não testada, não provada e desnecessária ... Esta é uma receita para criar fome e desnutrição, não resolvê-la ". [20]

GM, Índia e suicídios[editar | editar código-fonte]

De acordo com Shiva, "Os preços de sementes em alta na Índia resultaram em muitos agricultores atolados em dívidas e se voltando para o suicídio". A criação de monopólios de sementes, a destruição de alternativas, a arrecadação de super lucro sob a forma de royalties e a crescente vulnerabilidade das monoculturas criaram um contexto de dívidas, suicídios e aflições agrárias. De acordo com dados do governo indiano, cerca de 75 por cento da dívida rural é devido aos insumos adquiridos. Shiva afirma que a dívida dos agricultores cresce à medida que os lucros das corporações GMO crescem. De acordo com Shiva, é nesse sentido sistêmico que as sementes GM são as do suicídio.

No entanto, os suicídios dos agricultores começaram a crescer antes da introdução das sementes GM, e o crescimento diminuiu quando as sementes GM foram introduzidas. O Instituto Internacional de Pesquisa em Políticas Alimentares(IFPRI) analisou duas vezes artigos acadêmicos e dados governamentais e concluiu a diminuição e que não havia evidências sobre o "ressurgimento" de suicídios de agricultores, a tecnologia de algodão GM tem sido muito eficaz na Índia e houve muitas outras para os suicídios. [21][22][23]

Shiva respondeu a essas afirmações de que seus críticos haviam reduzido a questão aos algodões GM e ignorado a questão dos monopólios de sementes e que os números de suicídio eram das estatísticas governamentais dos registros do National Bureau of Crime. [24]

Ecofeminismo[editar | editar código-fonte]

Vandana Shiva desempenha um papel importante no movimento ecofeminista global. De acordo com seu artigo de 2004 Empowering Women [25] , Shiva sugere que uma abordagem mais sustentável e produtiva para a agricultura pode ser alcançada através de restabelecer o sistema de agricultura na Índia que é mais centrado nas mulheres envolvidas. Ela defende a "lógica patriarcal da exclusão", afirmando que um sistema centrado na mulher mudaria o sistema atual de uma maneira extremamente positiva. Ela acredita que a destruição ecológica e as catástrofes industriais ameaçam a vida cotidiana e a manutenção desses problemas se tornou responsabilidade das mulheres. [26]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O jornalista investigativo Michael Spectre, em um artigo publicado em The New Yorker, em 25 de agosto de 2014, intitulado "Seeds of Doubt" ,[7], levantou preocupações sobre várias reivindicações de Shiva a respeito de OGMs. Em 1999, dez mil pessoas morreram e milhões foram deixados sem casa quando um ciclone atingiu o estado costeiro de Orissa, na Índia. Quando o governo dos EUA despachou grãos e soja para ajudar a alimentar as vítimas desesperadas, Shiva realizou uma conferência de imprensa em Nova Deli e disse que a doação era a prova de que "os Estados Unidos tem usado as vítimas de Orissa como cobaias" para produtos geneticamente modificados, embora ela não fez menção ao fato de que aqueles os mesmos produtos são aprovados e consumidos nos Estados Unidos. Ela também escreveu para a agência de ajuda internacional Oxfam para dizer que ela esperava que não estivessem planejando enviar alimentos geneticamente modificados para alimentar os sobreviventes famintos."[7] Shiva respondeu [27] ao artigo de Michael Specter, publicando uma seção em sua página na web em parte de que ela declarou: "Para o registro, desde que eu processei Monsanto em 1999 por seus testes de algodão Bt ilegal na Índia, recebo ameaças de morte e o cerco contra mim nos últimos dois anos[..] é um sinal de que a indignação global contra o controle sobre nossas sementes e alimentos, pela Monsanto através de OGMs, está causando o pânico da indústria biotecnológica ". "[7] Specter respondeu publicando uma carta no New Yorker. [28]


O jornalista Keith Kloor, em um artigo publicado na Discover em 23 de outubro de 2014, intitulado "O rico fascínio de uma campeã camponesa", revelou que Shiva cobra US $ 40.000 por aula, além de um bilhete aéreo de classe executiva de Nova Deli. Kloor escreve: "Ela é freqüentemente anunciada como um "incansável defensora dos pobres ", alguém que corajosamente tomou seu lugar entre os camponeses da Índia. Note-se, entretanto, que esta campeã dos oprimidos não vive exatamente o estilo de vida de um camponês ". [29]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Chattergee, D.K. (2011). Encyclopedia of Global Justice, A-I Vol. 1. [S.l.: s.n.] Consultado em 21 de abril de 2017 
  2. «Vandana Shiva-WOMAN OF ACTION». Consultado em 21 de abril de 2017 
  3. International Organization for a Participatory Society – Interim Committee
  4. Joy Palmer, David Cooper, Peter Blaze Corcoran: Fifty Key Thinkers on the Environment. Routledge, 2002, , p. 313
  5. a b Benjamin F. Shearer, Barbara S. Shearer: Notable Women in the Physical Sciences: A Biographical Dictionary. Greenwood Press, 1997, p. 364
  6. Vandana Shiva (1977). Changes in the concept of periodicity of light (M.A. Thesis (microfiche)). Canadian Theses Division, National Library, Ottawa 
  7. a b c d «Vandana Shiva's Crusade Against Genetically Modified Crops - The New Yorker». The New Yorker. Consultado em 21 de abril de 2017 }}
  8. «Navdanya Indian agricultural project». Encyclopædia Britannica. Consultado em 21 de abril de 2017 
  9. «Vandana Shiva: Environmental Activist». Manthan Samvaad. Consultado em 21 de abril de 2017 |date=n.d.}}
  10. Father of the Green Revolution - He Helped Feed the World! ja "Determining the Number Norman Borlaug - The Green Revolution".
  11. «India Together: Monocultures of the mind: Write the editors - 01 April 2003». Indiatogether.org. Consultado em 21 de abril de 2017 }}
  12. «To Spray or Not to Spray: Pesticides, Banana Exports, and Food Safety» (PDF). Elibrary.worldbank.org\accessdate=20 January 2015 
  13. Jeyaratnam J (1990). «Acute pesticide poisoning: a major global health problem.». World Health Stat Q. 43 (3): 139–44. PMID 2238694 
  14. «Vandana & Mira Shiva on Corporate Malpractice in India and its Devastating Impact on Health». Democracy Now!. Consultado em 21 de abril de 2017 }}
  15. «Interview with Vandana Shiva - The Role of Patents in the Rise of Globalization / Global Eyes / In Motion Magazine». Inmotionmagazine.com. Consultado em 21 de abril de 2017 }}
  16. «BBC NEWS - Science/Nature - India wins landmark patent battle». News.bbc.co.uk. Consultado em 21 de abril de 2017 }}
  17. a b c Dr. Strangelunch Or: Why we should learn to stop worrying and love genetically modified food, The Reason, Ronald Bailey.
  18. By opposing Golden Rice, Greenpeace defies its own values – and harms children, The Globe and Mail, 15 October 2013.
  19. No, Zac Goldsmith, golden rice is not 'evil GM'. It saves people's lives, Dr. Adrian Dubock, The Guardian, 4 November 2013.
  20. «THE "GOLDEN RICE" HOAX -When Public Relations replaces Science». Online.sfsu.edu. 29 June 2000. Consultado em 21 de abril de 2017  line feed character character in |accessdate= at position 19 (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)
  21. Dr. Vandana Shiva: Empowering Women 10 June 2004 by WordPress.com
  22. Shiva, Vandana (1993). Ecofeminism. [S.l.]: Zed Books 
  23. «Seeds of Truth – A response to The New Yorker | Dr Vandana Shiva». vandanashiva.com. Consultado em 21 de abril de 2017 }}
  24. «New Yorker editor David Remnick responds to Vandana Shiva criticism of Michael Specter's profile | Genetic Literacy Project». Genetic Literacy Project (em inglês). 2 de setembro de 2014 
  25. «The Rich Allure of a Peasant Champion». Collide-a-Scape. Consultado em 21 de abril de 2017 }}

Links Externos[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Vandana Shiva
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vandana Shiva