Carlos Germano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Germano
Informações pessoais
Nome completo Carlos Germano Schwambach Neto
Data de nasc. 14 de Agosto de 1970 (44 anos)
Local de nasc. Domingos Martins (ES),  Brasil
Altura 1,92 m
Canhoto
Informações profissionais
Clube atual Brasil Vasco da Gama
Posição Treinador de goleiros (ex-goleiro)
Clubes de juventude
19851990 Brasil Vasco da Gama
Clubes profissionais1
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
19911999
2000
2001
2002
2003
2004
2004
2005
2005
Brasil Vasco da Gama
Brasil Santos
Brasil Portuguesa
Brasil Botafogo
Brasil Paysandu
Brasil América-RJ
Brasil Vasco da Gama
Brasil Madureira
Portugal Penafiel
632 (0)
11 (0)
20 (0)
24 (0)
23 (0)
? (0)
? (0)
? (0)
? (0)
Seleção nacional
19952001 Brasil Brasil 9 (0)


1 Partidas e gols pelo clube profissional
contam apenas partidas das ligas nacionais,
atualizados até 2 de janeiro de 2011.


Carlos Germano Schwambach Neto, ou simplesmente Carlos Germano (Domingos Martins, 14 de Agosto de 1970) é um ex-futebolista brasileiro, tendo atuado na posição de goleiro. Após encerrar sua carreira de jogador, segue no futebol como treinador de goleiros. Trabalha atualmente no Vasco da Gama, onde é considerado um dos maiores ídolos da história do clube.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Goleiro seguro e de bastante regularidade, Carlos Germano foi revelado pelo Vasco da Gama, esteve no time profissional do clube de 1990 a 1999, tendo atuações destacadas no Campeonato Brasileiro de 1997, quando o clube cruzmaltino conquistou o tricampeonato e o jogador foi eleito o melhor goleiro da competição. Ainda pelo Vasco da Gama, foi o segundo jogador a vestir a camisa cruzmaltina mais vezes, em 632 jogos.[1]

Foi defendendo o Vasco da Gama que Carlos Germano atingiu a marca de 933 minutos sem sofrer gols, entre 24 de Novembro de 1991 e 27 de Setembro de 1992, ficando em 65º na lista da IFFHS.[2]

Após nove anos pelo Vasco da Gama, Carlos Germano deixou o clube por causa de um desentendimento com a diretoria do clube na hora da renovação do contrato.[3] O clube estava próximo de disputar o Campeonato Mundial de Clubes e o goleiro acabou ficando de fora da competição.

Não foi a primeira vez que Carlos Germano teve problemas para renovar o seu contrato. Antes do início do Campeonato Brasileiro de 1997, o jogador e a diretoria ficaram presos num impasse. Isso fez com que Carlos Germano não disputasse os primeiros jogos da campanha do título nacional. Na época o Flamengo surgiu como interessado na contratação do goleiro e o seu presidente Kléber Leite fez o depósito judicial na FERJ e tentou convencer Carlos Germano a assinar pelo rival. O jogador não aceitou a proposta e pouco tempo depois renovou o contrato com o Vasco da Gama.[1] Mais tarde, no final da carreira, comentando sobre aquela possibilidade de jogar pelo rubro-negro, o goleiro foi taxativo:

Cquote1.svg Em todos os outros clubes que atuei, com exceção do Penafiel, enfrentei o Vasco. Mas vestir rubro-negro nem pensar.[4] Cquote2.svg

Em 2000, enquanto o Vasco da Gama disputava o Campeonato Mundial, Carlos Germano, que já não era jogador do clube, acertou com o Santos, onde ficou por um ano. No início de 2001 o jogador transferiu-se para a Portuguesa de Desportos para mais um contrato de um ano.

Em 2002, voltou ao Rio de Janeiro, agora para jogar pelo Botafogo.[5] A passagem foi inglória e o Botafogo foi rebaixado para a Série B, mesmo assim Germano se destacou como um dos poucos jogadores que se salvaram daquela campanha desastrosa. Apesar da diretoria querer prorrogar o contrato de seis meses e manter o jogador por mais tempo, isso acabou não acontecendo pois as negociações para a renovação arrastaram-se por meses e Carlos Germano acabou aceitando uma proposta do Paysandu,[6] onde voltou a trabalhar com o zagueiro Tinho, seu antigo companheiro de equipe no Vasco da Gama.

Após um ano pelo clube de Belém, Carlos Germano voltou mais uma vez ao Rio de Janeiro. O jogador aceitou disputar o Campeonato Carioca pelo rubro carioca. Porém no mesmo ano surgiu a oportunidade de regressar ao clube que o revelou, o Vasco da Gama. Carlos Germano assinou então um contrato para a disputa do Campeonato Brasileiro pelo clube da colina. Entretanto esta passagem pelo Vasco da Gama foi muito mais curta do que a primeira e no fim de seis meses o goleiro mudou de clube mais uma vez, agora seguindo para o Madureira.

Em 2005, o goleiro teve a oportunidade de defender um clube estrangeiro quando assinou o Penafiel de Portugal. O goleiro tinha um contrato até a o fim da temporada de 2006, porém o mesmo foi rescindido no fim de 2005[7] e Carlos Germano regressou ao Brasil.

Sem nenhuma oferta para continuar a carreira de goleiro, Carlos Germano treinou por alguns meses no Vasco da Gama para manter a forma.[8] Em 2007, ele formou-se como técnico de futebol e surgiu uma proposta do Joinville Esporte Clube para exercer a função de treinador de goleiros na temporada de 2008.[9] Carlos Germano encerrava oficialmente a carreira de 17 anos como goleiro e iniciava uma nova carreira, agora como treinador de goleiros.

Na mesma temporada regressou ao Vasco, assumindo o cargo de treinador de goleiros.[10]

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Pela seleção nacional do Brasil, Carlos Germano foi sempre convocado nas categorias inferiores. Conquistou em 1988 Campeonato Sul-Americano de Sub-20, pela seleção da categoria. Pela seleção principal disputou nove jogos, foi campeão da Copa América de 1997 e esteve presente na disputa da Copa do Mundo de 1998, quando a seleção terminou em segundo lugar.

Política[editar | editar código-fonte]

Na eleições municipais de 2012, Germano concorreu a vereador da cidade de Cachoeiras de Macacu pelo PMDB, porém não foi eleito.[11]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Clubes[editar | editar código-fonte]

Brasil Vasco da Gama


Carreira internacional[editar | editar código-fonte]

Brasil Seleção Brasileira

Copa do Mundo: Vice-Campeão Mundial em 1998 na França

Conquistas pessoais[editar | editar código-fonte]

Títulos como treinador de goleiros[editar | editar código-fonte]

Brasil Vasco da Gama

Referências

  1. a b ACHEI! Germano: 'Falta jogo de despedida' (20 de Novembro de 2007). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  2. The World's 390 Top Division Goalkeeper of all time with the longest Time without conceding a Goal (30 de Janeiro de 2008). Página visitada em 7 de Fevereiro de 2008.
  3. Ex-Vasco, Carlos Germano procura um clube. Universo Online (14 de Novembro de 2006). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  4. Netvasco: Ídolo vascaíno Carlos Germano conta como esnobou o Flamengo em 1997. Netvasco.com.br. Página visitada em 1 de agosto de 2008.
  5. Carlos Germano acerta com o Botafogo. Globoesporte.globo.com (25 de Junho de 2002). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  6. Paysandu contrata goleiro Carlos Germano. Globoesporte.globo.com (21 de Abril de 2003). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  7. Carlos Germano rescinde contrato com Penafiel. Globoesporte.globo.com (17 de Dezembro de 2005). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  8. Goleiro mantém a sua forma no Vasco. Necnet.net (9 de Fevereiro de 2006). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  9. Carlos Germano é anunciado como preparador de goleiros do Joinville. Supervasco.com (6 de Dezembro de 2007). Página visitada em 27 de Dezembro de 2007.
  10. Marcio Iannacca (7 de Agosto de 2008). Carlos Germano volta ao Vasco. Supervasco.com. Página visitada em 10 de Agosto de 2008.
  11. UOL Apuração 1o.turno

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.