Mauro Galvão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mauro Galvão
Informações pessoais
Nome completo Mauro Geraldo Galvão
Data de nasc. 19 de dezembro de 1961 (52 anos)
Local de nasc. Porto Alegre (RS),  Brasil
Nacionalidade  brasileiro
Altura 1,80 m
Informações profissionais
Período em atividade Como Jogador: 1979-2002 (23 anos)
Como Treinador: 2003-2005 (2 anos)
Clube atual Aposentado
Posição Ex-Zagueiro e Técnico
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19791986
19861987
19871990
19901996
19961997
19972000
20012002
Brasil Internacional
Brasil Bangu
Brasil Botafogo
Suíça Lugano
Brasil Grêmio
Brasil Vasco da Gama
Brasil Grêmio
00396 000(6)
00022 000(0)
00034 000(0)
00202 00(22)
00023 000(5)
00063 000(6)
00004 000(0)
Seleção nacional
19861990 Brasil Brasil 00026 000(0)
Times que treinou
2003
2004
2005
Brasil Vasco da Gama
Brasil Botafogo
Brasil Náutico
0000030
0000019
0000003
Medalhas
Jogos Olímpicos
Prata Los Angeles 1984 Competição de equipe

Mauro Geraldo Galvão, mais conhecido como Mauro Galvão (Porto Alegre, 19 de dezembro de 1961), é um ex-futebolista e técnico brasileiro que atuava como zagueiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Começou a carreira no Internacional e, com apenas 18 anos, ajudou o clube a conquistar de forma invicta o Campeonato Brasileiro de 1979. Pelo Internacional foi ainda tetracampeão gaúcho (1981-1984) e, juntamente com todo o elenco do clube, mas com a camisa da Seleção Brasileira, conquistou a medalha de prata nas Olimpíadas de 1984. Curiosamente, na sua infância Mauro Galvão fora torcedor do Grêmio, principal adversário do Internacional.

Após sete anos a serviço do Internacional Mauro Galvão transferiu-se para o Bangu, aceitando o convite de Paulo César Carpegiani para um projeto para a conquista do Campeonato Brasileiro de 1985. Apesar do ambicioso projeto e com o grande investimento do clube carioca, a equipe não alcançou o título ficando com o segundo lugar depois de disputar a final contra o Coritiba.

Mas o ano de 1986 não foi apenas de tristeza para Mauro Galvão que foi pela primeira vez chamado para o elenco principal da Seleção Brasileira e fez parte do grupo chamado para a disputa da Copa do Mundo daquele ano.

Em 1987 Mauro Galvão transferiu-se para o Botafogo, ao lado de Marinho e Paulinho Criciúma. Na verdade, eles quase foram para o Fluminense, que pagaria por eles os 35 milhões de cruzados que o Botafogo iria pagar ao rival pelo passe de Jandir. Mas quando a diretoria do Botafogo ficou sabendo dessas intenções desistiu de comprar o passe de Jandir e trouxe os três jogadores do Bangu.[1] Em General Severiano, Mauro Galvão ajudou o clube carioca a conquistar contra o Flamengo o Campeonato Carioca de 1989 após 21 anos sem títulos.

Três anos atuando pelo Botafogo valeram a Mauro Galvão uma vaga na Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo da Itália em 1990. Mauro Galvão foi um dos três jogadores escolhidos por Sebastião Lazaroni para formar a defesa brasileira num esquema tático que não agradou aos torcedores.

Cquote1.svg

A seleção jogava com três zagueiros, mas não com um líbero. Os três não saiam para jogar porque a função era cobrir os laterais, liberados para atacar sempre. Faltou explicar melhor à opinião pública.

Cquote2.svg
Mauro Galvão[2]

A seleção foi eliminada pela Argentina ainda nas oitavas-de-final, mas Mauro Galvão terminou a Copa do Mundo com boas atuações que renderam-lhe uma proposta do Lugano, da Suíça.

Mauro Galvão passou seis anos na Suíça até que em 1996 aceitou a proposta do seu clube de coração, Grêmio, e retornou ao Brasil. Para maior felicidade de Mauro Galvão, o Grêmio conquistou o Campeonato Brasileiro de 1996 e a Copa do Brasil de 1997.

Em 1997 aceitou um novo desafio e transferiu-se para o Vasco da Gama, conquistando no mesmo ano o seu terceiro título do Campeonato Brasileiro. Permaneceu no Vasco no ano seguinte para dar continuidade ao projeto do centenário do clube que visava a conquista da Libertadores de 1998 e da consequente disputa da Taça Interclubes. O objetivo inicial foi alcançado e Mauro Galvão como capitão da equipe levantou pela primeira vez na sua carreira a taça de campeão da Libertadores da América, mas na disputa da Taça Interclubes o Vasco foi derrotado pelo Real Madrid, e deixou escapar o título inédito.

O sucesso no Vasco fez Mauro Galvão permanecer no clube até o fim da temporada de 2000, onde ainda conquistou os títulos do Torneio Rio-São Paulo em 1999 e do Campeonato Brasileiro em 2000. No início da temporada de 2001, ele retornou ao Grêmio para encerrar a carreira e ainda conquistou o Campeonato Gaúcho de Futebol de 2001 e a Copa do Brasil de 2001.

Em 2002, aos 40 anos de idade, após a disputa de mais uma Taça Libertadores, Mauro Galvão decidiu encerrar a sua vitoriosa carreira.

Como técnico[editar | editar código-fonte]

Um ano após encerrar a carreira de jogador, Mauro Galvão foi convidado pelo Vasco da Gama para ser o treinador principal da equipe. O desafio foi aceito e iniciou-se então a carreira de treinador.

Após um curto período como treinador principal, ele assumiu o cargo de assistente de treinador no próprio Vasco até o início da temporada de 2004 quando foi contratado pelo Botafogo para ser treinador, onde também já tinha atuado como jogador na década de 1980.

No início de 2005, ele assumiu o Náutico onde permaneceu por seis meses.

Como diretor-executivo de futebol[editar | editar código-fonte]

Mauro Galvão começou a carreira de diretor-executivo de futebol no Grêmio. No dia 6 de janeiro, ele assinou contrato e foi apresentado à imprensa e à torcida.[3] Ele chegou para substituir Rodrigo Caetano. Novo no cargo, Galvão relatou que acompanharia o grupo profissional e, posteriormente, as categorias de base do clube.

Demitido do tricolor no decorrer da temporada, o ex-zagueiro acertou com o Vitória para comandar a gestão de futebol de 2010. Porém, seis meses depois, não agradando aos dirigentes do clube, foi demitido.

No dia 8 de dezembro de 2010, Mauro Galvão foi anunciado como o novo superintendente de esportes do Avaí,[4] [5] com a missão de montar o elenco do time para a busca do tricampeonato estadual e das disputas da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro.[6] Após não ter alcançado os objetivos do clube, foi anunciado o desligamento de Mauro Galvão do Avaí no dia 24 de agosto de 2011.[7]

Livro[editar | editar código-fonte]

Em 1998, Mauro Galvão lançou a sua biografia intitulada "Mauro Capitão Galvão - Lições de Vida, Lições de Futebol",[8] que mostra imagens, histórias, estatísticas e curiosidades da sua carreira até aquele ano. Uma das curiosidades sobre a carreira de Mauro Galvão é que ele é o jogador que conquistou dois campeonatos brasileiros com o maior intervalo de tempo entre ambos, 17 anos. O primeiro em 1979, pelo Internacional, e o segundo em 1996, pelo Grêmio.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Internacional
Botafogo
Lugano
Grêmio
Vasco da Gama
Seleção Brasileira

Individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Bota 3 x Flu 0", Placar número 923, 12/2/1988, Editora Abril, pág. 7
  2. Placar número 1156, outubro de 1999
  3. Mauro Galvão foi apresentado.
  4. ClicRBS - Mauro Galvão é o novo superintendente de esportes do Avaí
  5. ClicRBS - Mauro Galvão: "serei o elo entre a diretoria do Avaí e o vestiário"
  6. Avaí FC - Mauro Galvão é o novo superintendente de esportes
  7. Avaí FC - NOTA OFICIAL
  8. Ricardo, Hélio. Mauro Capitão Galvão: Lições de Vida, Lições de Futebol. Brasil: Editora Gryphus, 1998. 186 p. ISBN 8585469749
Precedido por
Heron Ferreira
Pernambuco Técnico do Náutico
2005
Sucedido por
Roberto Cavalo