Processo Revolucionário em Curso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Cartaz de propaganda de 1975, de João Abel Manta.

O Processo Revolucionário em Curso – por vezes referido como "Período Revolucionário em Curso" ou, com mais frequência, apenas pela sigla PREC – designa, em sentido lato, o período de actividades revolucionárias, marcante na História de Portugal, decorrido durante a Revolução dos Cravos, iniciada com o golpe militar de 25 de Abril de 1974 e concluída com a aprovação da Constituição Portuguesa, em Abril de 1976[1] . O termo, no entanto, é frequentemente usado para aludir ao período crítico do Verão Quente de 1975, com o seu antes e o seu depois, que culmina com o Golpe Militar de 25 de Novembro[2] [3] [4] .

Num sentido mais restrito, designa a acção dos partidos, quadros militares e grupos de esquerda que, por entre efervescente agitação popular e alguma desordem[5] , conduziam o processo político do pós 25 de Abril «rumo ao socialismo». No processo estavam envolvidos militantes de uma vasta franja do espectro partidário de esquerda, desde o Partido Socialista (PS) aos mais radicais, como o e maoista MRPP. Entre eles, apesar da contenda ideológica, havia coesão cerrada em torno dos ideais de Abril e a convicção de que uma verdadeira justiça social seria instalada em Portugal.

A par das ocupações de terras[6] e casas abandonadas, da Reforma Agrária[7] [8] , de melhorias importantes como o estabelecimento do salário mínimo, o processo levaria ao desmantelamento de grupos económicos ligados ao regime deposto, entre os quais a CUF, à nacionalização de empresas consideradas de interesse público, na banca, seguros, transportes, comunicações, siderurgia, cimento, indústrias químicas, celulose. Fizeram-se «saneamentos» no aparelho do Estado e nos meios de comunicação, com vista a afastar elementos indesejáveis do velho regime, substituindo-os por elementos afectos às forças políticas dominantes. Houve-os de vários quadrantes, sendo voz corrente que o Partido Comunista Português (PCP) beneficiou em número (era um partido bem organizado), o que não se lhes pode censurar se tivermos em conta os números depois alcançados em cargos desses por outros partidos do poder.

O Caso República[9] (que culmina com a edição do jornal República de 19 de maio e com o seu encerramento até 18 de Julho) dará que falar[10] [11] [12] [13] : não será só pretexto para acusar o PCP de manipular a comissão de trabalhadores que ocupou as instalações do jornal República e expulsou o seu director, o socialista Raul Rêgo, como também será um excelente motivo para que os órgãos de informação internacionais se debruçassem de novo sobre a situação em Portugal[14] . Uma grande manifestação em frente da sede do jornal, em que participam os notáveis do PS, é organizada para dar voz ao caso. As instalações seriam depois recuperadas e usadas para o lançamento de um novo diário, A Luta [15] , que durante alguns anos se tornaria voz do Partido. É a partir deste caso que se eleva por seu lado a voz de Mário Soares que, em tons dramáticos, acusa o PCP, em suma os «comunistas» portugueses, de serem responsáveis pelo estado do país. O tema e o tom manter-se-iam por muito tempo em inúmeros discursos feitos por toda a parte. A esquerda portuguesa sairia profundamente debilitada deste controverso caso[16] .

No centro e norte do país, no Verão Quente, somavam-se entretanto os atentados bombistas[17] de grupos extremistas de direita (Exército de Libertação de Portugal [ELP], Movimento Democrático de Libertação de Portugal [MDLP],[18] Grupo Maria da Fonte) contra as sedes de partidos de esquerda. Assassinatos políticos seriam perpetrados com o envolvimento de elementos conservadores do clero[19] [20] [21] .

Os partidos não marxistas recentemente fundados, como o Centro Democrático Social (CDS) e o Partido Popular Democrático (PPD), fazem-se então ouvir por vozes mediáticas, secundadas na província pela Igreja Católica. Mais que nunca, é decididamente o Poder[22] que está em causa, estando por isso em causa também o papel de Portugal na Europa.[23] À esquerda, mais que nunca, paira o espectro do Chile de Pinochet. Ao centro e à direita receia-se uma ditadura bolchevique. Os EUA estão atentos:[24] o futuro de Portugal joga-se em três continentes e os interesses estratégicos americanos estão lá metidos[25] .

Já tinham dado um sinal do que poderia acontecer, fundeando no Tejo, em frente do Palácio de Belém, inícios de 1975, o porta-aviões USS Saratoga, durante a operação Locked Gate-75.[26] da NATO. É Henry Kissinger, cumprindo os desígnios de Nixon[27] , quem superintende nesse tipo de manobras[28] . Secretário de Estado norte-americano, teve um papel determinante no golpe militar que derrubou o Presidente Salvador Allende a 11 de Setembro de 1973[29] , dando todo o apoio a Augusto Pinochet, frustrando violentamente o projecto de estabelecimento de um regime socialista democrático no Chile[30] [31] .

Estava agora de olho vivo em Portugal. Receava que a Revolução dos Cravos conduzisse o país a um perigo idêntico e fazia os seus cálculos. Tinha já travado conhecimento com Mário Soares (encontro em Washington com Costa Gomes e Mário Soares a 18 de outubro de 1974), de quem desconfia e em quem julga ver o Kerenski da Europa.[32] Menos desconfiado é Frank Carlucci, o embaixador em Lisboa, futuro vice-director da CIA[33] no seu regresso aos EU, que sabe bem que Soares, the only game in town[34] é de confiança, um liberal astuto e alguém com grande ambição pelo poder.[35] As estratégias de interferência dos EU em Portugal são delineadas desde os primeiros momentos da revolução. Kissinger cedo estabelece «planos de emergência, ou contingência, para o caso de Portugal cair nas mãos dos comunistas». Esses planos passam pela ocupação militar dos Açores, com vista à manutenção da Base das Lages, considerada bastião norte-americano inalienável, hipótese essa deixada em aberto, para qualquer eventualidade, numa reunião que tem em Janeiro de 1975 com o secretário da Defesa James Schlesinger.[36]

A Fonte Luminosa, em Lisboa, é o primeiro local onde Soares consegue reunir uma imensa multidão[37] . O comício do PS na Praça Humberto Delgado no Porto, a 14 de agosto de 1975, em que Mário Soares e Salgado Zenha erguem clamores contra o perigo comunista (versão “tripeira” do comício “alfacinha” da Fonte Luminosa[38] de 19 de julho de 1975), é notícia mediática nos EU (CBS). Nas imagens vê-se um mar de gente na Praça Humberto Delgado. Ali mesmo ao lado e à mesma hora, numa praça contígua à Rua Sá da Bandeira, é atacada por manifestantes, a tiros de pistola e cocktails molotov, a sede do partido de esquerda União Democrática Popular (UDP). Imagens dos assaltos ao Consulado de Espanha da Rua do Salitre, na noite de 26 de setembro e, a 27, à embaixada da Praça de Espanha[39] durante uma manifestação da UDP, à mistura com outros manifestantes, em protesto pela execução de activistas bascos, é a primeira notícia a ir para o ar nos EU, na noite de 29 de Setembro. Coincide o que é dado a ver num caso e noutro, daí se concluindo que em Portugal há um perigo vermelho que se pode alastrar a Espanha, debilitada por uma economia ainda frágil e pelo estertor do regime franquista.[40]

A saída das forças militares do Regimento de Comandos da Amadora chefiadas por Jaime Neves[41] no dia 25 de Novembro de 1975 travará o processo[42] . O carismático líder da Revolução dos Cravos Otelo Saraiva de Carvalho, comandante do COPCON, que não deseja confrontos, cede. O PCP, que bem conhece os limites do seu poder, decide não intervir. Isolados, os outros partidos da esquerda manifestam-se, mas por pouco tempo. Cai o V Governo Provisório liderado por Vasco Gonçalves [43] . Instalam-se os moderados do Grupo dos Nove [44] [45] . Mudam-se os tempos e as vontades[46] : o PS e o PPD (PSD) passarão a governar ao centro e em alternância, durante décadas. Esvai-se a revolução, só ficam os ideais. Do PREC, é tudo o que se mantém vivo[47] .

O contexto da Revolução dos Cravos e do PREC[editar | editar código-fonte]

A situação interna e o contexto internacional[editar | editar código-fonte]

Marcelo Caetano, primeiro-ministro derrubado pelo 25 de Abril.

Quando eclodiu o golpe militar de abril, o mundo estava em plena recessão, como rescaldo do choque petrolífero de 1973[48] . Portugal ainda era um país relativamente atrasado, mal industrializado e de forte emigração [49] . Encontrava-se, no entanto, em fase de integração na comunidade dos países europeus ditos democráticos. Mau grado a persistência de um regime ditatorial[50] , os sinais de mudança eram visíveis em todos os sectores da vida portuguesa e sugeriam a possibilidade de uma ruptura política e social a breve trecho[51] . Por interesses estratégicos das grandes potências, tanto no quadro europeu como africano, Portugal era membro de pleno direito da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN)[52] [53] e da Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA).

Em 1973, num artigo muito do agrado dos simpatizantes do velho regime, a bem conhecida Time Magazine fala de um “milagre económico português”: taxas de crescimento anual de 5% ou mais, criação de indústrias de metalomecânica e petroquímica, de indústria pesada na construção naval, de movimentos accionistas e de investimentos estrangeiros com a instalação de multinacionais em Portugal[54] . Destaca a consolidação de uma classe média empresarial e “uma mudança do perfil da população”. A integração dos países mediterrânicos na família das democracias parlamentares europeias avançava sem mudanças violentas[55] . Portugal, apesar dos sobressaltos e da reviravolta política, não é excepção. A viragem democrática de países de regimes duros era então manifesta na Europa, tais como a da Grécia e de Espanha. Em muitos casos, afirmam os defensores do progresso económico pacífico, “as democracias nascem de sociedades ricas ou em enriquecimento”. A classe média ascendente, sentindo-se capacitada para o exercício do domínio do Estado, “por conveniência costuma reclamar a Liberdade[56] [57] .

As hipóteses de desenvolvimento de Portugal estavam no entanto dramaticamente condicionadas pelo seu isolamento político e pelos subestimados custos da guerra colonial[58] [59] [60] .

A ala liberal[editar | editar código-fonte]

Durante a Primavera Marcelista[61] não era previsível uma evolução por outra via[62] , defendida pelos deputados da Ala Liberal da Assembleia Nacional, uma geração de políticos adeptos da liberalização do regime do Estado Novo. Antes do 25 de abril, pontificavam na Ala Liberal Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão, Mota Amaral, Joaquim Magalhães Mota, Miller Guerra [63] .

Em 1970 [64] certas ideias desses "liberais" são apresentadas para a revisão constitucional: falam da abolição da censura, da liberdade de imprensa e de livre associação, da extinção dos tribunais plenários, das medidas de segurança sem termo certo que, aplicadas aos presos políticos, iam dar em prisão perpétua. Denunciam a prisão preventiva sem culpa formada. Reclamam a inclusão do direito ao trabalho e do direito à emigração na lista dos direitos fundamentais. Reclamam o reforço dos poderes da Assembleia Nacional, a modernização dos seus métodos de trabalho, a restauração do sufrágio universal para a eleição do Presidente da República, a proibição do veto presidencial às leis de revisão constitucional. O projecto da Ala Liberal significaria a substituição do regime ditatorial e autoritário do Estado Novo por uma democracia de modelo europeu ocidental[65] .

Entre 1970 e 1971, o número de detenções por motivos políticos volta entretanto a aumentar. A violência dos métodos usados na instrução dos processos é denunciada por apoiantes dos presos e isso chega à Assembleia Nacional pela voz de Francisco Sá Carneiro e de outros deputados . O recuo no terreno das liberdades significa uma travagem daquilo que a chamada Primavera Marcelista continha de promessa de renovação do regime. Contra isto se insurgem os deputados da Ala Liberal, que apresentam várias iniciativas legislativas ao longo do ano de 1972 [66] . Vendo frustradas as suas esperanças, abandonam a Assembleia. Sá Carneiro é o primeiro, em 1973, desabafando: "É o fim!".

Passam à oposição, exprimindo-se em artigos do jornal Expresso (fundado por Francisco Pinto Balsemão em Janeiro de 1973). A acção destes "liberais" terá desacreditado a experiência marcelista junto de largos sectores das classes médias portuguesas.

O fim da Primavera Marcelista[editar | editar código-fonte]

Marcelo Caetano já havia perdido o passo, condicionado pela fragilidade da sua base de apoio no seio do regime, denunciado pelo PCP, pela extrema esquerda e agora por um PS[67] marcado pela ainda forte impregnação marxista dos seus intelectuais mais jovens: Mário Sottomayor Cardia, António Reis (professor), Álvaro Guerra, Alberto Arons de Carvalho. Marcelo Caetano[68] estava ancorado na herança de Oliveira Salazar, cativo daqueles que não tinham uma solução para a mudança do regime [69] e incapacitado de dialogar com uma oposição que assumia declaradamente a tese do derrube violento da situação. Restava a Marcelo o seu círculo de amigos e admiradores, que em breve ascenderiam à ribalta nos partidos de direita surgidos nos meses que se seguiram ao dia 25, restava-lhe o respeito que o general António de Spínola[70] por ele demonstrava.

O peso da guerra colonial precipitou porém a mudança, que se fez por via armada, com a acção dos jovens capitães, seguida da Revolução dos Cravos.

Momentos críticos do PREC[editar | editar código-fonte]

Abril - Setembro de 1974[editar | editar código-fonte]

Cartaz da Maioria Silenciosa.

Tendo António de Spínola chegado à chefia do Estado em 1974 na sequência da Revolução dos Cravos, trava-se uma séria discussão entre este e os diversos partidos emergidos do 25 de Abril [71] , em particular no tocante à questão colonial: o Presidente da República aposta na construção de uma espécie de Commonwealth portuguesa (Portugal e o Futuro), enquanto alguns partidos, nomeadamente o PS e o PCP, se manifestam contra esta solução.

Contrariado, Spínola convoca para o dia 28 de setembro de 1974 uma manifestação, mobilizando a chamada Maioria silenciosa, segundo ele a maior parte da população, que segue as suas ideias[72] [73] . A fim de evitar que Spínola tome autoritariamente o poder, os partidos de esquerda, PS, PCP e os mais radicais, com o apoio de militares, levantam barricadas nos principais acessos a Lisboa, impedindo a chegada das camionetas dos manifestantes e frustrando os seus intentos. Spínola demite-se[74] . Sucede-lhe Francisco da Costa Gomes, que nomeia como chefe de Governo o coronel Vasco Gonçalves.

Outubro de 1974 - Fevereiro de 1975[editar | editar código-fonte]

Vasco Gonçalves toma medidas para avançar “rumo ao socialismo”. No entanto, a sua indecisão, a presença de diversos spinolistas[75] [76] [77] , impede o progresso de qualquer avanço nesse sentido.

Março - Abril de 1975[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1975 surgem notícias da fundação de uma organização de extrema direita baseada em Espanha, ligada ao general Spínola, que teria como objectivo levar a cabo uma contra-revolução em Portugal. Vários jornais aludem a um golpe de estado planeado para Março[78] . Começa a circular o boato de uma suposta Matança da Páscoa. Todos os oficiais «conotados com a reacção» (i.e., com António de Spínola) seriam eliminados por sectores ligados ao PCP.

Dando crédito a este boato, militares spinolistas pegam em armas e tentam, a 11 de março de 1975, fazer um golpe de Estado. Spínola assume o comando do golpe mas este falha[79] . A «intentona reaccionária» (segundo a terminologia da época) é pretexto para que Vasco Gonçalves radicalize o Processo Revolucionário, apoiando-se no COPCON de Otelo Saraiva de Carvalho. Logo após este golpe falhado, os bancos são nacionalizados, bem como as seguradoras e, por arrasto, a “companhia dos tabacos”, a CUF, a Lisnave e outras grandes empresas[80] .

Em Março-Abril é negociado pelo Conselho da Revolução[81] e partidos políticos o Pacto MFA-Partidos. O pacto consagra «a continuação da revolução política, económica e social iniciada a 25 de abril de 1974, dentro do Pluralismo Político e da via socializante». Em grande medida imposto aos partidos, reserva para o Conselho da Revolução o papel central de direcção do país durante o período que se segue [82] .

A 25 de Abril de 1975 têm lugar eleições para a Assembleia Constituinte [83] . A esmagadora maioria da população portuguesa vota no PS – que se tinha tornado progressivamente mais liberal nas suas posições ou, como se diria anos mais tarde, tinha «enfiado o socialismo na gaveta» – e no PPD, actual PSD. O Partido Comunista Português vê-se assim com uma modesta representação na Assembleia Constituinte. Os diversos grupos marxistas surgidos com o 25 de abril (União Democrática Popular (UDP), Movimento de Esquerda Socialista (MES), Frente Socialista Popular (FSP), Liga Comunista Internacionalista (LCI), etc.) têm apenas votações residuais. O MRPP (Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses) é proibido de participar nas eleições.

Mural de 1975 alusivo ao 25 de Abril.
Mural do PRP (1975).

Maio - Setembro de 1975[editar | editar código-fonte]

Em consequência dos resultados das eleições e de visões diferentes quanto ao futuro do país entre os principais partidos (PS e PSD) e o primeiro-ministro, surge um conflito de legitimidade (a eleitoral, a dos partidos, e a revolucionária, a do MFA e Conselho da Revolução).

Logo no 1º de Maio isto torna-se manifesto no conflito aberto entre o PS[84] , opositor da unicidade sindical, e o PCP [85] , apoiado pelo Conselho da Revolução, defensor da existência de uma única central sindical.

Em Maio surge também o polémico Caso República. A já referida greve dos tipógrafos do jornal República, afectos à UDP, age contra a direcção, alinhada com o PS. Este caso servirá de pretexto ao PS para lançar um ataque ao PCP e ao governo de Vasco Gonçalves [86] [87] .

O Processo Revolucionário conduzido por Vasco Gonçalves é assim contrariado não só pelos “sectores reaccionários” da sociedade portuguesa (a Igreja Católica e alguns grupos saudosos do Estado Novo) mas também, embora não ainda abertamente, pelos principais partidos políticos (PS e PSD) [88] . Isto leva a uma escalada nas tomadas de posição de Vasco Gonçalves e do COPCON: a Revolução dos Cravos, afirmam, é legitimada por pretender implementar o socialismo democrático. O MFA, investido pela Aliança Povo/MFA, sente-se assim no direito de levar avante a revolução em curso, descartando-se da acção redutora dos partidos [89] [90] .

É o Verão Quente. As ocupações de casas, fábricas, latifúndios, etc., proliferam[91] . No Norte, sobretudo mini fundiário e sujeito a grande influência católica, surgem grupos de contra-revolução, como o Movimento Democrático de Libertação de Portugal (MDLP), o ELP (Exército de Libertação Português) e o intitulado Grupo Maria da Fonte. É grande a violência. Várias sedes partidárias do PCP e partidos de esquerda são vandalizadas no Norte e Centro. Em Lisboa, em contrapartida, é assaltado na noite de 26 de setembro o consulado de Espanha por elementos da extrema-esquerda conotados com a UDP, porventura infiltrados por elementos não identificados, a pretexto da repressão em Espanha de independentistas bascos. A embaixada é incendiada a 27 [92] . Imagens dos assaltos são destacadas nos EUA pela cadeia de televisão CBS.

Mural de apoio a Vasco Gonçalves.

Em Junho de 1975 a comissão política do Conselho da Revolução reúne para decidir o rumo a tomar. O resultado é o Plano de Acção Política [93] , que reafirma o objectivo da construção de uma sociedade socialista sem classes, que aceita a participação dos partidos políticos mas que também manifesta a intenção de reforçar a Aliança Povo/MFA através da ligação a organizações de base que deveriam ser o embrião de uma democracia directa, capaz de suplantar a acção manipuladora dos partidos. O plano, ambíguo, tenta agradar a facções contraditórias, entre as quais as que se situam à esquerda do PCP, que reclamam a “insurreição armada” de forças populares idependentes contra o terrorismo de direita e como resposta a uma provável guerra civil [94] desencadeada por conspiração estrangeira ou por interesses partidários.

Em Julho, em nova tentativa de clarificar a situação, uma assembleia do MFA, incentivada por Vasco Gonçalves, elabora e aprova o Documento-Guia de Aliança Povo/MFA[95] , propondo como objectivo último da revolução «a instauração do poder popular» através da criação de uma hierarquia de associações e assembleias populares[96] .

A contestação dentro do próprio Conselho da Revolução ao governo de Vasco Gonçalves começa a organizar-se. Este promove a constituição de um directório (que incluirá, além dele próprio, o Presidente da República Costa Gomes e Otelo) que deverá concentrar a autoridade do Conselho da Revolução[97] . Em Agosto, os conselheiros defensores da via do pluralismo partidário organizam-se (Grupo dos Nove) e publicam um documento defendendo que os militares devem deixar nas mãos dos partidos políticos democraticamente eleitos a decisão quanto ao futuro político do país. Em consequência são suspensos do Conselho da Revolução pelo directório (apenas Otelo se opõe à suspensão). O documento dos Nove é entretanto discutido nas Forças Armadas, discussão que irá evidenciar uma grande divisão no dos militares e do CR e ainda minar a autoridade do governo.

Pintura mural de Otelo Saraiva de Carvalho.

Otelo, conotado com a extrema-esquerda do MFA, distancia-se definitivamente de Vasco Gonçalves a 20 de agosto [98] , chegando mesmo a proibi-lo de visitar as unidades militares da Região Militar de Lisboa e aconselhando-o a demitir-se. Perante a crise de autoridade do governo e considerado por ela responsável, Vasco Gonçalves (e o V Governo Provisório) é demitido. A sua recondução em cargos de relevo é recusada pelo MFA na assembleia de Tancos, em Setembro.

Setembro - Novembro de 1975[editar | editar código-fonte]

Em Setembro é formado o VI Governo Provisório com o Almirante Pinheiro de Azevedo como primeiro-ministro. No entanto a mudança de governo não consegue acalmar a situação, antes pelo contrário[99] . O Conselho da Revolução e o MFA estão divididos e a crise de autoridade agudiza-se. A 12 de Novembro uma grande manifestação de esquerda, convocada pelo sindicato da construção civil, cerca os deputados no interior do parlamento e impede-os de sair durante dois dias[100] . A 20, o Governo proclama estar em “greve” por falta de condições para governar. A 24, em Rio Maior, um levantamento de direita, mobilizando pequenos proprietários agrícolas ultra-conservadores [101] que se manifestam com violência, corta a Estrada Nacional nº 1 para norte, mas a reacção é de pouca dura, terminando durante a noite.

Mário Soares em 1988.

Para pôr fim à situação de impasse entre sectores militares opostos – de um lado a extrema esquerda, que procura apoio em Otelo, de outro os militares simpatizantes do PCP e de Vasco Gonçalves, de outro ainda os militares alinhados com o Grupo dos Nove, grupo de oficiais liderados por Melo Antunes [102] – seria necessário que algum deles avançasse. Os militares que apoiam o Grupo dos Nove toma a iniciativa, anunciando a expulsão de Otelo da posição de comandante da Região Militar de Lisboa e dando a entender que o COPCON seria dissolvido.

Álvaro Cunhal, líder do PCP.

A 25 de Novembro de 1975, sectores da esquerda radical (essencialmente pára-quedistas e polícia militar na Região Militar de Lisboa), alarmados com notícias que correm, levam a cabo uma tentativa de golpe de estado, que se mostra sem liderança clara. O Grupo dos Nove decide reagir, pondo em prática um plano militar de resposta liderado por António Ramalho Eanes [103] . O plano prevê, numa situação limite, a instalação de um governo alternativo no Porto e a hipótese de uma guerra civil, que poderia envolver interferência estrangeira.

O Presidente da República, Costa Gomes, consegue chamar a Belém os principais comandantes militares, incluindo Otelo, Rosa Coutinho (armada, tido como próximo do PCP), e os líderes do Grupo dos Nove (agora bastantes mais que nove) e concentrar assim em si a autoridade[104] [105] . O PCP retrai-se. O grupo de militares revoltosos, sem liderança nem outros apoios, rende-se sem grandes conflitos. A indefinição de responsabilidades neste “golpe” prevalece entretanto como um dos grandes mistérios da contra-revolução[106] , dando origem a interpretações polémicas.

Surgem sinais de entendimentos secretos, que hoje se confirmam, entre as grandes potências envolvidas na Guerra Fria visando a aniquilação de Otelo e dos grupos da esquerda mais radical [107] . Não saindo o PCP para a rua, a extrema-esquerda, que reclama insurreição popular, ficaria isolada[108] . Estava assim aberto o caminho para inverter a situação em Portugal, para que o país se mantivesse como fiel membro da NATO e para que tanto os EUA como a União Soviética ficassem de mãos livres para exercer os seus interesses no Atlântico Norte e nas colónias portuguesas em África [109] [110] [111] .

O PS colabora até Março de 1975 com o PCP e com a extrema-esquerda. Procura assim maximizar o seu papel na revolução e nas eleições para a Assembleia Constituinte, que seriam realizadas em Abril de 1975. É de Julho-Agosto de 1974 a célebre palavra de ordem «Partido socialista, partido marxista!». Na sua Declaração de Princípios e Programa do Partido Socialista, divulgados em 1973[112] , o PS declarava como objectivos a "edificação em Portugal de uma sociedade sem classes", considerando-se herdeiro de toda uma tradição de “luta das classes trabalhadoras pelo socialismo", reclamando uma democracia directa de co-gestão, fundada em conselhos operários e destacando a excelência "das revoluções chinesa, jugoslava, cubana e vietnamita".

Cedo mudaria o PS de figura. Meses depois, Mário Soares afirmaria ser necessário "meter o socialismo na gaveta", desfazendo a ilusão de que o Partido Socialista tivesse intenções de contribuir para levar por diante a mudança revolucionária a que o país assistia desde a Revolução dos Cravos.

Cronologias[editar | editar código-fonte]

O cinema durante o PREC

O cinema do PREC[editar | editar código-fonte]

O PREC na televisão[editar | editar código-fonte]

A Revolução dos Cravos foi amplamente noticiada por várias televisões estrangeiras. As que mais cobertura deram aos acontecimentos foram as cadeias de televisão alemãs (ARD e ZDF) e, no final do PREC, com o Verão Quente, a norte-americana CBS.

A televisão alemã, em particular a ARD, foi a que mais filmou, tendo reunido documentação muito completa dos principais eventos políticos e históricos da época. Ao que parece, a maior parte dessa documentação está perdida, não constando em arquivos. O repórter de televisão estrangeiro então mais activo foi o alemão Horst Hano, correspondente da ARD para a Península Ibérica, que daria, depois dos finais de 1975, importante cobertura às mudanças políticas em Espanha, onde abriu uma delegação (Madrid).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. O processo constitucional e a estabilidade do regime – Artigo de Carlos Gaspar, Análise Social, vol. XXV (105-106), 1990 (1.°, 2.°), 9-29
  2. O 25 de Novembro por Álvaro Cunhal
  3. O 'mistério' do 25 de Novembro de 1975 - Artigo de José Manuel Barroso (Opinião, Diário de Notícias)
  4. PREC (definição, os partidos e o 25 de Novembro] em CITI
  5. Do 11 de Março ao 25 de Novembro de 1975 – Artigo em Portugal-Tchat
  6. As ocupações e a estrutura agrária: ensaio estatístico – Artigo de M a r i a J o ã o C o s t a M a c e d o, Análise Social, vol XIX (77-78-79), 1983-3.° 4.° 5.° 683-691
  7. Lei da Reforma Agrária
  8. A ORGANIZAÇÃO DOS TRABALHADORES AGRÍCOLAS NA REFORMA AGRÁRIA: O CASO DE BALEIZÃO no CEAS no Centro de Documentação 25 de Abril, Universidade de Coimbra
  9. O Caso República, artigo de Pedro Miguel Guinote, Rui Miguel Faias e Mário Rui Nicolau, 1997
  10. O Caso República – Artigo
  11. Fotos (Iconografia)
  12. Entrevista de Otelo Saraiva de Carvalho, comandante do COPCON na altura em que se deu o Caso República (Documentos em Eu Sou)
  13. Quando um jornal se torna o protagonista da luta política – Artigo de João Mesquita no Jornal de Notícias de 19 de maio de 2005
  14. A 'cruzada branca' contra 'comunistas e seus lacaios' – Artigo de Fernando Madaíl no Diário de Notícias de 17 Agosto 2005
  15. PS rompe de vez com o gonçalvismo – artigo de João Mesquita no Jornal de Notícias de 19 de Maio de 2005
  16. O CASO DO JORNAL REPÚBLICA - Análise da Imprensa da Época
  17. 30 anos do PREC: O Norte a ferro e fogo – Artigo de Manuel Catarino do Correio da Manhã
  18. MDLP - ELP, artigo de Fernando Mandail publicado no Diário de Notícias de 04/08/2008, citado no Jornal de Notícias
  19. Padre Max em Restos de Colecção
  20. Porque mataram o Padre Max – Artigo de José Carlos Pereira no Diário de Felgueiras, 3 de Abril de 2011
  21. O cónego Melo e o padre Max em Horta do Zorate
  22. capítulo 7 e resumo da tese Os Estados Unidos da América e a Democracia Portuguesa. As Relações Luso-Americanas na Transição para a Democracia em Portugal, Tiago Moreira de Sá, ISCTE, 2008
  23. A CEE e o PREC, artigo de Francisco Castro
  24. PORTUGAL: Western Europe's First Communist Country?, (Time, 11 de Agosto 1975)
  25. Portugal Classificado de Nuno Simas – blogue com referência ao livro com o mesmo título (análise de documentos secretos dos EUA)
  26. USS SARATOGA CV 60 (ver ano 1975), em U.S. Carriers Ships (USS) history and deployments
  27. “We’re going to give Allende the hook” em Nixon Tapes.org
  28. Chile and the United States: Declassified Documents Relating to the Military Coup, September 11, 1973 – Artigo de Peter Kornbluh em National Security Archive Electronic Briefing Book No. 8, George Washington University
  29. Inquiry into 1973 death of Chile's Salvador Allende – Notícia da BBC e outras, 27 de Janeiro 2011
  30. A esquerda chilena se une e marcha rumo ao Socialismo do século XXI – Artido de Yamila Blanco em Fundação Lauro Campos
  31. Artigo de Isabel Gorjão Santos no jornal Público de 10 de Novembro de 2010
  32. Costa Gomes quis sossegar os EUA, cit. artigo do Diário de Notícias de 01/08/2005
  33. As manobras secretas de Washington no PREC artigo de Maria Inácia Rezola
  34. The Strange Career of Frank Carlucci, artigo de Francis Schor em CounterPunch, de 01/02/2002
  35. Memórias de um PS Desconhecido, Rui Mateus, Lisboa, Dom Quixote (ver Contos Proibidos - passagens do livro)
  36. EUA tinham planos para invadir os Açores em 1975 – artigo de Nuno Simas no jornal Público de 22 de Novembro de 2010
  37. Comício de Mário Soares na Fonte Luminosa (Lisboa, 19 de 1975)
  38. Discurso de Mário Soares no comício do PS na Fonte Luminosa, em Lisboa, julho de 1975, em O Portal da História
  39. Espanha quis invadir Portugal em 1975, artigo em Área Militar, 03/11/2008
  40. Govan, Fiona (2008-11-03). Gen Franco wanted to declare war on Portugal. Telegraph.co.uk. Página visitada em 2010-01-20. (em inglês)
  41. Jaime Neves promovido a general, artigo de Luisa Meireles e Rosa Pedroso Lima no Jornal Expresso de 03/04/2009
  42. 25 de NOVEMBRO- QUANTOS GOLPES AFINAL? – Artigo de Maria Manuela Cruzeiro no Centro de Documentação 25 de Abril
  43. Entrevista a Vasco Gonçalves de Maria Manuela Cruzeiro, Editorial Notícias e Círculo de Leitores
  44. 25 de Novembro e o Grupo dos Nove – Artigo em Núcleo de Estudos 25 de Abril, 25 de Novembro de 2010
  45. "Grupo dos Nove queria que eu assumisse a Presidência" – Entrevista a Otelo Saraiva de Carvalho no Diário de Notícias de 21 de Novembro de 2010
  46. O 25 de Novembro de 75 em A Nossa História
  47. Os três tempos simbólicos da relação entre as forças armadas e a sociedade portuguesa – Ensaio de Boaventura Sousa Santos na sua página pessoal
  48. Anatomia da influência na sociedade dos Estados. Do choque petrolífero ao golpe de Pinochet – Artigo de José Adelino Maltez em Maltez.info
  49. O atraso económico e a emigração - Iconografia na pág. da EBSFC
  50. Salazarismo – Texto de Danny Dauto em Scribd
  51. Morte de Salazar, SEDES, MRPP e Convergência Monárquicaem Maltez.info
  52. NATO
  53. Background Note: Portugal (US Department of State)
  54. “Desenvolvimento monopolista em Portugal (fase 1968-73): estruturas fundamentais”, Américo Ramos dos Santos, Análise Social, vol. XIII (49), 1977-1.°, 69-95
  55. IDENTIDADES IDEOLÓGICAS E PARTIDÁRIAS NA EUROPA: Portugal, Espanha e Grécia em perspectiva comparativa, André Freire, em Scielo
  56. Dos mitos e lendas do surgimento do PREC – Artigo de Miguel Castelo Branco em Alameda Digital
  57. Europe’s troubled peace, 1945-2000 de Tom Buchanan (Google books)
  58. A QUESTÃO COLONIAL em Apontamentos
  59. Custos da guerra – Artigo de Rosário Simões em Guerra Colonial
  60. Portugal vai pagar factura da Guerra Colonial até 2020 – Semanário SOL, 23 de Abril, 2011
  61. A PRIMAVERA MARCELISTA: REFORMISMO POLÍTICO NÃO SUSTENTADO em Apontamentos
  62. Primavera Marcelista num texto de Cunha Simões
  63. Ala Liberal em Escavar em Ruínas
  64. Anuário 1970 de José Adelino Maltez
  65. Ala liberal, o desencanto do reformismo – Artigo de António de Araújo em [://www.scielo.oces.mctes.pt/ Scielo]
  66. Authoritarian Regimes and Democratic Semioppositions: The end of the Portuguese dictatorship (1968-1974) in comparative perspective – Artigo de Tiago Fernandes na pág. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
  67. PS - Partido Socialista (1973) – na pág. de José Adelino Maltez
  68. Sobre Marcelo Caetano – Biografia na Escola Secundária de Camões
  69. Thomaz e Caetano: duas visões da política além fronteiras na pág. do Centro de Investigação e Análise em Relações Internacionais
  70. António Sebastião Ribeiro de Spínola (1910-1996) em Dicionário da História do Estado Novo (Fernando Rosas, J.M. Brandão de Brito) em Associação 25 de Abril
  71. MOV.CAPITÃES / MFA - CONSPIRAÇÃO / Acção Gen. Spínola em Associação 25 de Abril
  72. O 28 de Setembro em CITI
  73. Spínola, Cavaco e a manifestação silenciosa em Fio de Prumo
  74. PORTUGAL: The Fall of a Hero-General – Time Magazine, 14 de outubro 1974
  75. The Portuguese revolution: stae and class in the transition to democracy de Ronald H. Chilcote (Gogle books, The April 25 Coup, pág. 98 a 105)
  76. Carta de Otelo a Vasco Gonçalves entre os militares do MFA e os interesses estratégicos dos EUA
  77. A interferência estrangeira: uma revolução desprotegida – entrevista com Vasco Gonçalves por Maria Manuela Cruzeiro
  78. Cronologia de 1 a 31 de Março em "Cronologia pulsar da revolução" (Centro de Documentação 25 de Abril, Universidade de Coimbra)
  79. Trabalhadores derrotam golpe e levam revolução à economia (Jornal Avante)
  80. Breve experiência de socialismo em Portugal: o sector das empresas estatais – Artigo de Eric N. Baklanoff na Análise Social, vol. xxxi (138), 1996 (4.°)
  81. Conselho da Revolução na Associação dos Amigos da Torre do Tombo
  82. Artigo de Rui Ochôa no semanário Expresso
  83. A Nova Constituição, Eleição de Eanes e o Governo PS – Artigo de José Adelino Maltez
  84. Anuário de 1975 na pág. de José Adelino Maltez
  85. Sobre a manifestação pela unicidade sindical. Nota da Comissão Política do Comité Central do PCP
  86. PREC: Cronologia do Ano de 1975 (22 a 31 de maio) em Abril de Novo
  87. Os dias loucos do PREC (de 11.3.75 a 25.11.75) em Smizdat na democracia portuguesa
  88. Relembrar o 25 de Novembro, 35 anos depois – Artigo de Luís Pedro Mateus em O Centro Social
  89. Video: Debate Mário Soares/Álvaro Cunhal (RTP, 6 de Novembro 1975)
  90. Cunhal e Soares – Os «inimigos íntimos» em Caminhos da Memória
  91. COMO VI E VIVI O 25 DE NOVEMBRO em Escavar em Ruínas
  92. 25 de Abril: O assalto à embaixada espanhola e o impacto da revolução no ambiente em Espanha – Artigo no semanário Expresso de 20 de Abril de 2009
  93. Nota (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas)
  94. Manifesto do PRP-BR
  95. A crise do Estado e a Aliança Povo/MFA em 1974-1975 – Artigo de Boaventura de Sousa Santos na pág. da Associação 25 de Abril
  96. 5.ª DIVISÃO DEFINE ALIANÇA POVO-FA no Centro de Documentação 25 de Abril
  97. Julho de 1975 no Centro de Documentação 25 de Abril
  98. Carta de Otelo a Vasco Gonçalves
  99. Cunhal, o PCP e o Verão Quente – Nota de Nuno Simas em Portugal Classificado
  100. O cerco da Constituinte e o PCP – Artigo de Raquel Varela em 5 DIAS.net
  101. Memórias do 25 de Novembro: A «moca» de Rio Maior
  102. "Grupo dos Nove queria que eu assumisse a Presidência" – Entrevista com Otelo Saraiva de Carvalho de João Marcelino no jornal Diário de notícias de 21 de Novembro 2010
  103. A Nova Constituição, Eleição de Eanes e o Governo PS – Artigo de José Adelino Maltez
  104. Artigos de José Manuel Barroso no jornal Diário de Notícias (21 de Novembro e 5 de dezembro de 2006)
  105. COSTA GOMES - O ANTI-HERÓI do 25 DE ABRIL – Comunicação de Maria Manuela Cruzeiro no Centro de Documentação 25 de Abril)
  106. Biografia de Costa Gomes na pág. de José Adelino Maltez
  107. Faz hoje 35 anos 25 de Novembro. E se tivesse sido ao contrário?
  108. Notícia de Miguel Sousa Pinto na RTP, 9 de Novembro 2008
  109. Gerald Ford autorizou operações da CIA em Portugal e Angola – Artigo em Enciclopédia
  110. Portugal no contexto dos interesses dos EUA e da Europa, em relação a África – Artigo do coronel Luís Saraiva na Revista Militar
  111. A DESCOLONIZAÇÃO PORTUGUESA CONTADA POR MÁRIO SOARES – Entrevista em História e Ciência
  112. Fundação (1973) – princípios sumários (A transformação da Acção Socialista Portuguesa em Partido Socialista)
  113. Canby, Vincent. Review of "Scenes From the Class Struggle in Portugal (1977)". The New York Times. Página visitada em 2010-01-20. (em inglês)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ilustrações