Francisco Pinto Balsemão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde maio de 2014) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Francisco Pinto Balsemão
Francisco Pinto Balsemão
Primeiro ministro de  Portugal
Mandato 9 de janeiro de 1981 - 9 de junho de 1983
Antecessor(a) Francisco Sá Carneiro (efetivo)
Diogo Freitas do Amaral (interino)
Sucessor(a) Mário Soares
Vida
Nome completo Francisco José Pereira Pinto Balsemão
Nascimento 1 de setembro de 1937 (77 anos)
Lisboa, Portugal
Dados pessoais
Alma mater Universidade de Lisboa
Cônjuge Mercedes "Tita" Balsemão
Partido PSD
Profissão Presidente do Conselho de Administração e chairman da Impresa

Francisco José Pereira Pinto Balsemão GCCGCIHGCLGOB (Lisboa, 1 de setembro de 1937) é um empresário português que foi primeiro-ministro de Portugal entre Janeiro de 1981 e Junho de 1983. Foi jornalista e dirigente político activo, até se dedicar à vida empresarial. É presidente e chief executive officer da holding Impresa e presidente do Conselho de Administração da SIC, a primeira estação de televisão privada em Portugal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Francisco José Pereira Pinto Balsemão nasceu a 1 de setembro de 1937 em Lisboa.[1]

Filho de Henrique Patrício Pinto Balsemão (Guarda, 9 de Setembro de 1897 - ?) e de sua mulher (Lisboa, 21 de Maio de 1922) D. Maria Adelaide van Zeller de Castro Pereira (Sintra, 11 de Agosto de 1897 - ?), neto paterno de D. Rodrigo Delfim Pereira[2] .

Ensino[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa[1] e frequentou o curso complementar de Ciências Político-Económicas da mesma faculdade.

Foi professor associado da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, entre 1987 e 2002.

Foi membro do Conselho Consultivo da Universidade de Lisboa (2007-2009), presidente do Conselho da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Maio 2009) e membro do Conselho Consultivo do ISEG (Instituto Superior de Economia e Gestão) desde Abril de 2010.

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Jornalista a partir de 1961, foi chefe de redacção da revista Mais Alto e secretariou a direcção do Diário Popular, até 1963, onde chegou a integrar o respectivo Conselho de Administração, entre 1965 e 1971.

Fundou o jornal Expresso em 1973, semanário de referência do qual foi o primeiro director, até 1980.

É presidente do Conselho Europeu de Editores (European Publishers Council) (1999) e membro não executivo do Conselho de Administração do Daily Mail and General Trust PLC (2002). Foi presidente do Conselho de Administração do EIM - European Institute for the Media (1990-1999) e do European Television and Film Forum (1999-2006), vice-presidente (1995-2003) da Fundação Journalistes en Europe e membro do Conselho Assessor da Revista Quaderns del Cac editada pelo Conselho do Audiovisual da Catalunha (Agosto de 2009).

Política[editar | editar código-fonte]

Francisco Pinto Balsemão, por Bottelho

Nos últimos anos do Estado Novo, foi deputado independente à Assembleia Nacional (1969-1973), representando a Ala Liberal,[1] juntamente com Sá Carneiro, Magalhães Mota, Mota Amaral, Miller Guerra, entre outros, que lutavam pela abertura do regime à democracia.

Após o 25 de Abril de 1974 foi um dos principais fundadores do Partido Popular Democrático (PPD),[1] actual PSD. Foi deputado eleito à Assembleia Constituinte, de 1975 a 1976 e seu vice-presidente, e à Assembleia da República, eleito em 1979, 1980 e 1985.

Ministro de Estado Adjunto do Primeiro-ministro no VI Governo Constitucional (1980-1981), após a morte em finais de 1980 de Francisco Sá Carneiro, Pinto Balsemão veio a ocupar o cargo de primeiro-ministro do VII Governo Constitucional (1981) e do VIII Governo Constitucional (1981-1983). Estes três os governos foram constituídos pela coligação entre o PSD, o Centro Democrático Social e o Partido Popular Monárquico.

Fundador e presidente do Conselho de Administração do Instituto para o Progresso Social e Democracia (de 1983 a 1986), presidente do Conselho Geral (de 1987 a 1989) sendo, desde 1998, presidente do Conselho Geral do Instituto Sá Carneiro.

É membro do Conselho de Estado (Julho 2005).

Membro da Comissão para a Revisão do Conceito Estratégico da Defesa Nacional (Junho 2012).

Funções públicas[editar | editar código-fonte]

Francisco Pinto Balsemão é presidente da holding Impresa, SGPS, SA, e presidente da SIC – Sociedade Independente de Comunicação, SA, detida a 100% pela Impresa. A Impresa é proprietária da holding Impresa Publishing que detém os seguintes títulos: Expresso, Courrier Internacional, Blitz, Exame, Exame Informática, Caras, Activa, Visão, TV Mais, Telenovelas, Jornal de Letras, Caras Decoração, etc. A Impresa detém ainda 100% da InfoPortugal e 75% do site Olhares. Na distribuidora VASP detém 33,33%, 22,35% na Agência Lusa e 15% na Nonius Soft (tecnologias de entretenimento para a indústria hoteleira).

Entre as restantes funções públicas que desempenhou, contam-se as de presidente do Conselho Consultivo do Banco Privado Português e membro do Conselho Assessor Internacional do Banco Santander Totta (2004).

É júri do Prémio Príncipe das Astúrias de Cooperação Internacional, do Consejo de Protectores da Fondación Carolina, do Conselho Geral da COTEC Portugal, do Conselho de Curadores da Fundação Luso-Brasileira, do Comité Executivo do Global Business Dialogue (1999-2002), vice-presidente da Fundação Jornalistes en Europe (1995-2003) e presidente do Conselho de Administração do European Institute for the Media (1990-1999).

É o único português com estatuto de membro permanente do Clube de Bilderberg e do seu Steering Committee.[3]

É presidente do Júri do Prémio Pessoa (1987), membro do Júri do Prémio Príncipe das Astúrias de Cooperação Internacional (1996), membro do Consejo de Protectores da Fondación Carolina (2001), membro do Conselho Geral da COTEC Portugal – Associação Empresarial para a Inovação (2003), membro do Conselho de Curadores da Fundação Luso-Brasileira (Abril 2004).

Membro (1999-2002) do comité executivo do Global Business Dialogue, membro não executivo (1980-2006) do Conselho de Administração da Celbi, presidente não executivo (1999-2007) da Allianz Portugal, presidente não executivo da Nec Portugal (1995-Julho 2010).

Distinções e prémios[editar | editar código-fonte]

Prémios
  • "Prémio Personalidade do Ano 1992", atribuído pela Associação de Imprensa Estrangeira (Julho de 1993)
  • "Prémio Empresário do Ano - 1993", atribuído pela Compaq (Janeiro de 1994)
  • "Prémio Nacional Manuel Pinto de Azevedo, Jr.", atribuído pelo O Primeiro de Janeiro, no ano das comemoração dos 130 anos deste jornal (Dezembro de 2000)
  • Prémio "Empresário do Ano 2001/2002" atribuído pelo Rotary Clube de Lisboa (Novembro de 2002)
  • "Prémio Carreira", atribuído pela ANJE (Associação Nacional de Jovens Empresários) (Maio de 2004)
  • "VII Premio de Periodismo Rafael Calvo Serer", atribuído pela Fundación Diario Madrid (Setembro de 2007)
  • "Prémio Arco-Íris" da Associação ILGA Portugal (2007)
  • "Prémio Personalidade do Ano no setor dos Média - 2007", atribuído pelo jornal Meios & Publicidade (Maio de 2008)
  • "Prémio Carreira de Jornalismo", atribuído pela Câmara Municipal de Portimão (Setembro de 2008)
  • "Prémio Empresário do Ano", atribuído pelo Rotary Club de Lisboa (Abril de 2011)
  • "Prémio Lifetime Achievement em Mercados Financeiros – Investor Relations and Governance Awards" atribuído pela empresa Deloitte (Julho de 2011)
  • "Prémio Prestígio Mercúrio", atribuído pela Confederação de Comércio e Serviços de Portugal e pela Escola de Comércio de Lisboa (Novembro de 2011)
  • "Prémio Mérito e Excelência", atribuído pela SIC/Caras, na XII Gala dos Globos de Ouro (Abril de 2012)
Doutoramentos honoris causa
Condecorações

Ordens honoríficas nacionais:[4]

Ordens honoríficas estrangeiras:[5]

Notas

  1. É referido o ano de 1984 por uma publicação emanada da mesma fonte (O Índice Alfabético do Anuário Ordens Honoríficas Portuguesas 1975-2007, Presidência da República, Junho 2008, p. 23.)

Referências

  1. a b c d Castilho, J. M. Tavares (2009). Biografia e carreira parlamentar de Francisco José Pereira Pinto Balsemão. (PDF) Os Deputados à Assembleia Nacional (1935-1974). Assembleia da República Portuguesa. Página visitada em 2014-05-21. Cópia arquivada em 2014-05-21.
  2. Le Sang de Louis XIV, Domingos de Araújo Afonso e Outros, Braga, 1961, Tome II, p. 38
  3. Bilderberg Meetings : Steering Committee Bilderberg Meetings (The Official Website). Página visitada em 2014-05-21. Cópia arquivada em 2014-05-21.
  4. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 2014-05-21. "Resultado da busca de "Francisco Pinto Balsemão". Presume-se que "Francisco Pinto Balsemão" e "Francisco José Pereira Pinto Balsemão" são a mesma pessoa."
  5. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 2014-05-21. "Resultado da busca de "Francisco Pinto Balsemão"."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Francisco Pinto Balsemão


Precedido por
Francisco Sá Carneiro (de facto)
Diogo Freitas do Amaral (interino)
Primeiro-ministro de Portugal
(VII e VIII Governos Constitucionais)
19811983
Sucedido por
Mário Soares
Precedido por
Francisco Sá Carneiro
Presidente do PSD
1981 - 1983
Sucedido por
Nuno Rodrigues dos Santos
Precedido por
Álvaro Monjardino
Ministro adjunto do primeiro-ministro
VI Governo Constitucional
Sucedido por
Fernando do Amaral
Precedido por
João Morais Leitão
Ministro dos Assuntos Sociais
VII Governo Constitucional
Sucedido por
Carlos Chaves de Macedo