Freestyle (gênero musical)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Janeiro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Freestyle
Origens estilísticas Tipo de Dance Music que combina elementos de Electro, Disco, Hip Hop, e diversas formas de Música Latina.
Contexto cultural Início da década de 1980, cidade de Nova York e Miami,Estados Unidos
Instrumentos típicos Roland TR-808, 909 e similaresbongos maracas etc. e bassline criada a partir da utilização da caixa de ritmos Roland TR-303,404 e similares samples de audio (MPC) e sintetizador
Popularidade Popular inicialmente nos bairros pobres latinos da cidade de Nova York e posteriormente em Miami e países da América Latina como Porto Rico, República Dominicana e Brasil , com vários hits nacionais na década de 1980 e início de da década de 1990. A popularidade diminuiu em 1992, mas o hit manteve-se com grandes concertos em clubes americanos e voltou as boas com os fãs no mundo inteiro.
Formas derivadas Latin Freestyle, Electro Freestyle, Funk melody
Subgêneros
Bass, Hi-NRG, Electro Funk, Dub, Club, Euro House

O Freestyle, nome em inglês que significa estilo livre, é um gênero musical nascido nos Estados Unidos nos anos 1980. A principal característica desse tipo de música é a mistura de outros estilos como Club, Dance Music, Blues, House Music, entre outros.

Nascimento[editar | editar código-fonte]

O gênero nasceu no final dos anos 1970, com a decadência da Disco Music, DJ's das rádios assim como os cidadãos da comunidade latina que foram os principis responsáveis por trazer o "Disco" as rádios e clubes americanos, se viram tristes e aborrecidos com o rumo que tudo tomou. Nos últimos anos, o "universo Disco", principalmente as discotecas, havia se tornado um universo de drogas e sexo desregrado e sua imagem pública ia de mau a pior. O lendário Studio 54 ditava as regras tornando-se o foco principal e sua decadência contribuiu para que os DJ's das rádios se distanciassem cada vez mais do estilo. Com isso as rádios que antes tinham programação voltada ao estilo demandavam novas atrações, e a partir daí os produtores musicais tinham como objetivo desenvolver esse novo estilo. No início dos anos 80 vários grupos surgiram do New Wave de instrumentos convencionais e evoluíram para os modernos instrumentos eletrônicos. As baterias eletrônicas assim como os sintetizadores se popularizaram no início dos anos 80 e se tornaram uma febre tão grande que continuam sendo usados como base instrumental até hoje para vários gêneros. Desses grupos podemos destacar os pioneiros do Kraftwerk, grupo alemão de música experimental queinvestiu na música eletrônica desde os anos 70 se tornando um ícone. Não demorou e a música logo virou febre, muitos dançarinos criaram formas diferentes e assimétricas para dançá-las, estes mais tarde ficaram conhecidos como “B. Boys” (uma forma abreviada do nome Breaker Boy). Começaram a surgir inúmeros estilos de dança de rua como o Street Jam e suas variações. A mistura de batidas instrumentais e sons eletrônicos era febre, dos que se destacaram na era dos Jams, sem dúvida o maior foi Pretty Tony. Um passo importante na evolução do freestyle foi a implantação das músicas cantadas, os famosos Raps. Uma nova música começara a surgir, um som chamado de Bass, e que mais tarde foi apelidado por muitos de Miami Bass, associação feita com a cidade de maior produção do estilo. O freestyle que nasceu da fusão de ritmos começou a se fragmentar em subestilos, tanto instrumentais quanto cantados.

Evolução[editar | editar código-fonte]

Ainda no final dos anos 70, a Disco Music havia se tornado "politicamante incorreta" e passou a ser ignorado pelas massas que levaram ao seu sucesso; os DJ's das rádios e a comunidade latina como um todo. Enquanto o cenário musical norte-americano estava desfalcado, na Europa o clima era o oposto. Um grupo de jovens músicos alemães fundado por Florian Schneider e Ralf Hütter desbravou um árduo caminho no objetivo de consolidar sua música. Os jovens já vinham realizando um brilhante trabalho no campo da música experimental desde o início dos anos 70, mas ganharam notoridade internacional ao trazerem as primeiras faixas com as lendárias "vozes robotizadas"(vocoder) ainda na metade dos anos 70. Poucos sabem, mas muito dos avanços no campo musical se deram graças ao Kraftwerk e outros grupos contemporâneos que investiram num método de produção musical muito novo que tinha muitas limitações, graças a eles, as grandes empresas de instrumentos eletrônicos animaram-se em produzir equipamentos com melhores respostas e mais fáceis de serem manuseados. Se a Alemanha deu grande contribuição à ascensão da música eletrônica no mundo, o mesmo pode-se dizer da Inglaterra, país precursor do movimento New Wave responsável pelo câmbio instrumental de muitas bandas. Dentre as mais famosas podemos destacar Ultravox, New Order e Depeche Mode, esta última tem como peculiaridade seu talentoso tecladista e compositor, Vince Clarke. Além de ser conhecido como um dos grandes nomes do Depeche Mode, Clarke fundou outros grupos tão bem sucedidos quanto o primeiro, estes foram: Yazoo,The Assembly e Erasure. Nâo é nenhum exagero dizer que essas bandas influenciaram diretamente os produtores responsáveis por criar o gênero substituto do Disco. Um passo importantíssimo na história da música eletrônica foi o grande empenho desses grupos em produzir músicas integralmente com as novas tecnologias da época, a partir desse esforço surgia a Electro Music. Electro foi um dos estilos pioneiros dentro da música eletrônica, se caracterizava principalmente pelas modernas drum machines além dos vocoders que davam a aparência robotizada nas faixas, este tipo de tecnologia já não era mais tão novo pois foi muito difundido pelo grupo Kraftwerk ainda nos anos 70, mas nem por isso se tornou desinteressante, muito pelo contrário, a música eletrônica ganhou várias vertentes de diferentes estilos graças a esse instrumento que mesmo nos dias de hoje não perdeu seu brilho. Em 1982 um ex-membro de gangue nova yorquino preferiu trocar a vida arriscada nas ruas pelas produções musicais. O jovem Afrika Bambaataa em parceria com os rapers do Soul Sonic Force gravaram uma música com o grupo Planet Patrol e o produtror Arthur Baker. Planet Rock é considerada por muitos como o marco zero do Freestyle, na verdade a canção lançou um novo gênero que viria a ser conhecido como Hip Hop, mas as influências do Electro estavam impregnadas nela. A prova cabal do envolvimento do recém-nascido Hip Hop e o mundialmente famoso Electro está explícito em Planet Rock; a música tem os marcantes vocoders, a drum machine e principalmente, foi toda composta sob a faixa original do Kraftwerk Trans Europe Express. A música foi um sucesso internacional e pôs Bambaataa num lugar privilegiado como precursor do movimento Hip Hop. Um fato curioso é que nem durante o lançamento e nem posteriormente os produtores de Planet Rock creditaram a música extraída do Kraftwerk ao legítimos criadores. Em 1983, um grande passo foi dado a favor do novo gênero que viria a dominar as pistas e e sepultar de vez o Disco, pela gravadora Emergency Record's foi produzida a música que seria a primeira a receber o nome "Dance Music", esta era a "Let The Music Play", interpretada pela cantora Shannon e produzida por Chris Barbosa e Mark Liggett. Com Shannon e Barbosa trabalhando juntos, eles conseguiram unir a fórmula que fez a Disco estourar; uniram o rítmo latino envolvente com o talentoso vocal negro, como resultado o sucesso foi iminente. Muitas das músicas que compunham o até então novo cenário da Dance Music herdaram elementos que foram febre nas discotecas; entre eles as batidas compassadas em quatro tempos de quatro batidas(a imortal 4x4 que é marca registrada da música eletrônica hoje), porém a música eletrônica foi muito além se consolidando também com o Synthpop, que se tornou o estilo de maior sucesso nos Estados Unidos entre os anos 80 e 90, as bandas de New Wave abraçaram o Synth e o transformaram numa das músicas industriais mais tocadas no mundo.

Principais produtores[editar | editar código-fonte]

Estes são os maiores produtores de todos os tempos do gênero.


tony garcia[editar | editar código-fonte]

Conhecido também pelo seu pseudônimo Dr. Edit, é um produtor de Freestyle e Miami Bass porto-riquenho radicado em Nova York. Produziu sucessos como Just like the wind e Another night, este último que integrou a trilha sonora da novela Vamp, da Rede Globo. Entretanto, sua produção de maior sucesso comercial foi com a cantora nova-iorquina Lil Suzy, Take me in your arms, que chegou a posição #62 na Billboard Hot 100, em 1992.

Tony Butler, o Pretty Tony[editar | editar código-fonte]

Músico atuante em Miami, no estado da Flórida, Pretty Tony é o maior nome quando se fala de Street Jam. Sua característica principal são seus arranjos eletrônicos pesados. Tony se consolidou ao lançar o lendário grupo de mesmo nome do movimento: o Freestyle. Suas principais produções com as inovadoras vozes robotizadas foram Don’t Stop The Rock, It’s Automatic e The Party Has Begun. Além do eterno mito Freestyle, Butler lançou os maiores sucessos da inesquecível Trinere. Entre eles, podemos citar How Can We Be Wrong, They’re Playing Our Song, I’ll Be All You Ever Need, etc. Além de produzir raridades destes artistas, Tony também gravou suas próprias músicas com a mesma qualidade, um exemplo é sua música Jam the Box. Tony Butler investiu ainda em produções de outros nomes lendários do street jam como o imortal Newcleus.

Tolga Katas[editar | editar código-fonte]

Tolga Katas é outro grande exemplo de gênio do freestyle. Cada produtor tem um ponto forte que o diferencia dos outros, o de Tolga são os arranjos. Pioneiro no estilo, Tolga lançou seus primeiros sucessos em 1987: Leave It All Behind e Loving Fool. Um grande produtor trabalha com grandes intérpretes, e com esse pensamento, Katas ainda em 1987 produziu o primeiro álbum de um promissor estreante: O álbum “Party Your Body” de Stevie B Com o estouro da música de trabalho, Tolga Katas e Stevie B iniciaram uma longa e duradoura parceria, que culminou com a produção de vários sucessos como Spring Love, Dreaming of Love, Funky Melody, I wanna Be The One, entre outros. Tolga e Stevie produziram juntos também Pump Up The Party com o nome “Hassam”. Ele lançou sucessos como Sending All My Love e If You Could Be Mine da banda Linear, esta cujo vocalista trabalhou fazendo back in vocal do grande Stevie B. Trabalhou também com Coro, que fez participações nos shows do Stevie fazendo back in vocal e dançando. Outro intérprete que não pode ser esquecido é Ray Guell. Juntos, Tolga e Ray lançaram vários álbuns como Inspiration e Givin’ Up, mas sem dúvida os álbuns que ficaram mais conhecidos foram You Took My Heart e Just Another Lover, este último se tornou a bandeira de Ray Guell que se tornou nome forte do “Latin Freestyle”.

  • Tolga ainda ficou conhecido por produzir nomes como o inesquecível G.T. do hit Take My Hand e I Need You. Além de G.T., Tolga tem entre seus produzidos Tony Marino com One love, Brandon com Destiny e Cherokee com No More Tears, No More Lies.
  • Tolga vive em Burbank, Califórnia, onde tem sua gravadora independente, a “En2go”.

Stevie B[editar | editar código-fonte]

Além de ser o maior intérprete do Freestyle/Melody é também um ótimo produtor musical. Entre suas produções podemos citar o hit “Pretty Girls” do Miami Crew Jam que tem como membro o próprio Stevie participando nos vocais. Também gravou e produziu no fim dos anos 80 ao lado de Tolga Katas a música Pump Up The Party com o nome de Hassan. Stevie B participou da produção de várias músicas de Tolga como Leave It All Behind, mas se destacou com o hit Paradise intrepretado por Korell (No Brasil se tornou febre e chegou a fazer parte da trilha sonora da novela “A viagem” da Rede Globo).

Mickey Garcia[editar | editar código-fonte]

Mickey é fundador e presidente da lendária gravadora “Mic Mac Record’s. Para demonstrar a grandeza dessa marca é preciso apenas mencionar alguns dos nomes que foram lançados por ela, que pelo jeito não são poucos, entre eles os maiores foram Johnny O, Cynthia, Tiana, Nyasia, Dominica, Clear Touch, Rios Sisters, entre outros. Ele mostrou ser um talentoso produtor e não viveu apenas a sombra de seu irmão Tony com quem realizou grandes trabalhos musicais.(Tony Garcia esteve presente em muitas das melhores produções da gravadora de Mickey como por exemplo na produção das músicas de Johnny O, Cynthia, Tiana entre outros).

Alguns artistas do movimento[editar | editar código-fonte]

Ascensão do estilo[editar | editar código-fonte]

O estilo cresceu muito desde o seu nascimento, porém, o período de maior sucesso foi com certeza entre o final dos anos 80 e início dos anos 90 quando surgiram grandes nomes do estilo, cada um com sua peculiaridade, tornando o estilo diversificado e cada vez mais único. Adaptações musicais do começo dos anos 90 Muitos elementos surgiram com o início dos anos 90, a mudança principal foi o câmbio do disco LP pelo CD.

Outro fator interessante na evolução do Freestyle foi como o estilo cresceu e se espalhou pelo mundo. O Brasil foi de todos os países o que mais acolheu o estilo e suas vertentes. Prova disso foram os inúmeros e ilústres astros da terra do "tio San" que desembarcaram para se apresentar aqui. Entre eles podemos citar Noel(que recentemente voltou ao nosso país), Trinere, Voice In The Fashion, Stevie B. que se apaixonou e nunca mais abandonou nosso país, sempre voltava e se casou com uma brasileira, Paula B.

Tony Garcia também veio ao Brasil junto com seus dois cantores de maior sucesso: Reinald-O.(intérprete de "Another Night") e N.V.(Intérprete de "Just Like The Wind"). Rolam uns boatos que foi a partir dessa apresentação deles no Brasil que surgiu o "Funk Melody". Dizem que Tony durande um show ouviu as pessoas chamando seu som de "Funk Melody", ele gostou muito e resolveu usar o nome em suas canções, verdade ou não, é fato que muitas das músicas dele ganharam pelo menos uma versão com o nome "Funky Melody" Como Funk Melody o Freestyle ganhou mais espaço aqui, e dominou as rádios até a metade dos anos 90.

Adaptações musicais do início dos anos 90[editar | editar código-fonte]

Muitos elementos surgiram com o início dos anos 90, a mudança principal foi o câmbio do disco LP pelo CD.

É fato que coisas mudam com o tempo e com esse pensamento muitos dos astros passaram a variar de um estilo tradicional para estilos mais variados de Freestyle. O estilo já não era mais apenas uma forma peculiar musical, os fãs se tornavam cada vez mais exigentes quanto ao som e isso foi a chave para a criação de novos estilos dentro do gênero. Esse foi o caso do "House" que antes, era apenas variações pequenas de inrstumental, mas nomes como Tony Garcia e George Lamond mudaram isso lançando estilos de formulação totalmente singular, como o "Acid House" e "Progressive House".

A nacionalização do estilo americano[editar | editar código-fonte]

O Funk Melody surgiu com o apoio de grandes DJ's amantes do Freestyle que resolveram criar suas próprias produções. Sem dúvidas o maior contribuidor do Funk Melody no Brasil foi o DJ Marlboro Dentre suas produões, Marlboro é o criador do "Tony Garcia Megamix" que foi uma inovação tecnológica para os DJ's brasileiros da época.

Não demorou muito e começaram a surgir as primeiras versões nacionais dos sucessos do Freestyle. Esse foi o nascimento dos Mc' brasileiros, criando letras românticas sob a base dos sucessos internacionais, artistas como Mc Marcinho apareceram. Não demorou e o estilo ganhou suas consagradas duplas que alavancaram o Funk carioca não apenas no Rio de Janeiro mas no Brasil todo. Entre eles podemos citar Vinícius e Andinho, Márcio e Goró, Suel & Amaro. O novo movimento romântico do Funk Melody se expandiu por todo o Brasil revelando lindas versões envolventes como "Coisa do Amor" versão do sucesso "Give me a reason" que explodiu no anos 90 na voz de Buffy.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas
Bibliografia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]