Number 1 to Infinity

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
#1 to Infinity
Título a ser usado para criar uma ligação interna é Number 1 to Infinity.
#1 to Infinity
Coletânea musical de Mariah Carey
Lançamento 15 de maio de 2015 (2015-05-15)
Gravação 1988—1999
Género(s)
Duração 79:39
Formato(s)
Editora(s)
Produção
Cronologia de Mariah Carey
Me. I Am Mariah...
The Elusive Chanteuse

(2014)
Caution
(2018)
Singles de #1 to Infinity
  1. "Infinity"
    Lançamento: 27 de abril de 2015 (2015-04-27)

#1 to Infinity é o quinto álbum de compilação da artista musical estadunidense Mariah Carey. O seu lançamento em mercado musical norte-americano ocorreu no dia 18 de maio de 2015, sob distribuição da editora discográfica Epic Records, marcando assim o seu primeiro lançamento com a editora, após ter assinado um contrato com a mesma em Março do mesmo ano. Este é também o segundo álbum de números um da artista, após #1's, lançado em 1998 sob distribuição da Columbia Records. Number 1 to Infinity consiste de dezanove faixas, das quais as primeiras dezoito conseguiram todas alcançar a posição de topo da tabela musical Billboard Hot 100, fazendo de Carey a artista a solo com o maior número de canções no primeiro posto dessa tabela, e a décima nona é uma nova composição, produzida apenas para o projecto.

Produção[editar | editar código-fonte]

Concepção e contexto[editar | editar código-fonte]

A carreira de Carey como cantora e compositora teve início em 1987, quando tornou-se vocalista de apoio da cantora Brenda K. Starr, a quem idolatrava. No ano seguinte, com apenas 17 anos de idade, a jovem conheceu o presidente da editora discográfica Columbia Records, Tommy Mottola, em uma festa na qual Starr entregou a ele uma gravação demo de Carey.[1][2] Pouco tempo após isto, Carey prontamente assinou um contrato discográfico com a editora. O seu álbum de estreia homónimo (1990) baseia-se em ré-gravações masterizadas de várias músicas que compostas por si durante os seus tempos de escola com o auxílio do colega Ben Margulies.[3] O primeiro single do disco, "Vision of Love", alcançou o primeiro posto da tabela musical dos Estados Unidos, bem como os restantes singles do disco. Ao longo da década de 1990, Carey foi posicionando mais canções no topo da tabela de singles dos EUA, acumulando treze números uns até Novembro de 1998. Foi nesse momento que os executivos da Columbia Records decidiram lançar um álbum de grandes êxitos. Contudo, devido a uma disputa entre a cantora e os executivos, pois ela queria incluir novo material e também as suas canções favoritas no projecto, e os executivos queriam apenas as obras mais bem sucedidas comercialmente nas tabelas musicais norte-americanas, este acabou por ser lançado e comercializado como um álbum de números uns, com a adição de cinco músicas inéditas.

"Heartbreaker" (1999), o primeiro single do sétimo trabalho de estúdio da artista, Rainbow (1999), com participação do rapper norte-americano Jay-Z, foi o décimo quarto e também o último tema de Carey a atingir o número um nos EUA na década de 1990. Carey foi a única artista da história da tabela a conseguir posicionar canções no topo em todos os anos de uma década, e tornou-se na artista feminina com a maior quantidade de canções nessa posição. Ao também alcançar o primeiro posto, "Thank God I Found You" (2000), com participação de Joe e 98 Degrees, marcou o décimo primeiro ano consecutivo da artista a liderar a tabela de singles. Quando "Touch My Body" (2008), o primeiro single do seu décimo primeiro projecto de estúdio, alcançou também o número um, Carey aumentou o seu recorde para dezoito canções, o que fez dela a artista feminina com a maior quantidade e a segunda no geral com a maior quantidade, perdendo apenas para os vinte singles da banda britânica The Beatles.

Nova gerência e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

"Eu não poderia estar mais emocionado por estar a trabalhar novamente com Mariah. Não há mesmo ninguém que sequer chega perto de Mariah quer como cantora tanto como compositora e, como o mundo inteiro sabe, o seu alcance vocal é lendário e verdadeiramente incomparável. A sua música é indelevelmente infundida na nossa cultura, e ela já quebrou tantos recordes nas tabelas [musicais] que agora está firmemente impregnada em livros de História. Com uma base de fãs feroz e leal que cobre cada canto do globo, eu não tenho nem sequer uma réstia de dúvida de que Mariah irá conseguir fazê-lo de novo."

L.A. Reid a dar as suas considerações sobre voltar a trabalhar com Carey.[4]

Em Maio de 2014, foi disponibilizado o décimo quarto trabalho de estúdio de Carey, intitulado Me. I Am Mariah... The Elusive Chanteuse. Vendendo apenas 117 mil unidades até Dezembro desse ano e tornando-se no primeiro disco da artista a não receber um certificado de vendas pela Recording Industry Association of America (RIAA), foi um enorme fracasso comercial, o que culminou na não-renovação do contrato discográfico da cantora com a Island Records, bem como com a empresa proprietária da mesma, a Def Jam Recordings.[5][6]

Em Março do ano seguinte, Carey assinou um contrato discográfico com a distribuidora fonográfica Epic Records, após revelar um desejo de voltar a se reunir ao executivo L.A. Reid e a Sony Music em geral. Reid, ex-presidente da Def Jam Recordings, foi o responsável por ajudar a renovar a imagem de Carey através do lançamento do seu décimo álbum de estúdio, The Emancipation of Mimi (2005). Além disso, Joey Arbagey, um colaborador nesse projecto, era naquele momento um executivo de A&R na Epic Records, e Doug Morris, que levou Carey para a Island Def Jam Group Recordings em 2003, era naquele momento o presidente da Sony Music.[5] Contudo, tal como o acontecido quando a cantora assinou o seu contrato discográfico no valor de USD 100 milhões com a Virgin Records no início da década de 2000, este novo contrato foi também estabelecido no meio de revoltas e tumultos. Foi revelado que a artista havia procurado outras editoras discográficas, contudo, a Sony Music foi a única que esteve disposta a assinar um contrato, muito mais pelo facto de Carey já ter assinado um contrato com a distribuidora no passado e também porque Reid era presidente. "A Sony foi a única oportunida disponível, e acabou por sair muito pior do que ela [Carey] esperava. Carey pediu um adiantamento de USD 3 milhões; não conseguiu", declarou um informante anónimo que trabalha na empresa.[5] Donald Passman, o gerente de Carey, não fez nenhum tipo de declarações acerca do assunto, bem como os publicistas Brian Sher e Stella Bulochnikov.[7]

"Bem, L.A. Reid é tudo [para mim]. Eu senti-me muito abandonada sem ele. Eu estava perdida. Eu não gostava de estar num sítio sem uma família. Você tem que ter pessoas que realmente se preocupam consigo como uma artista, isso vem em primeiro lugar e é o principal, e bem como uma pessoa. É isso que eu recebo dele. Eu estava tipo a me estrebuchar, a fazer um trabalho que eu estava ainda oruglhosa de fazer."

— Carey a expressar o desejo de se reuni a L.A. Reid em entrevista ao The New York Times.[8]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

A capa do álbum foi revelada a 12 de Abril de 2015 através do Twitter da cantora.[9] Essencialmente, é uma versão actualizada da capa usada para promover o álbum #1's, apresentando a artista com as suas duas mãos em cada anca usando um vestido curto preto que revela o seu decote.[10][11] A capa foi elogiada pela reanimação da sua imagem adoptada ao decorrer da década de 1990, com Carolyn Menyes do portal Music Times afirmando que a mesma conseguiu manter a artista minimalista e sensual ao mesmo tempo, contudo, foi criticada pelo uso excessivo de edição que fez com que a artista ficasse exageradamente magra e com expressão facial incomum.[12][13]

A data de lançamento do álbum foi revelada no dia seguinte, com data marcada para 18 de Maio do mesmo ano, coincidindo com o início dos concertos de Carey no Ceasar's Palace.[14] Number 1 to Infinity marca o lançamento de estreia da artista na editora Epic Records e ainda o primeiro lançamento da artista a ser distribuído pela Sony Music desde o álbum Rainbow em 1999.[15]

Estrutura musical e conteúdo[editar | editar código-fonte]

A canção de abertura de #1 to Infinity é "Vision of Love" (1990), o primeiro single lançado da carreira de Carey e o responsável por tê-la divulgado na indústria musical. Tirado do seu álbum de estreia auto-intitulado, recebeu aclamção crítica universal, sendo creditada como a pioneira e influenciadora principal da popularização do uso da técnica vocal melisma durante a década de 1990. Três outras canções desse álbum foram inclusas em #1 to Infinity: "Love Takes Time" (1990), "Someday" (1991) e "I Don't Wanna Cry" (1991). Estas duas últimas atingiram um sucesso significativo apenas na América do Norte, onde a primeira conseguiu alcançar a posição de topo nos Estados Unidos e Canadá e a segunda repetido esse feito nos EUA e posicionado-se na segunda colocação no Canadá, tendo sido por esse motivo excluídas da edição internacional da compilação. Contudo, a versão de "Someday" que se encontra presente na compilação é a cantada ao vivo na gravação do programa de televisão MTV Unplugged, que por sua vez foi inclusa no extended play (EP) ao vivo MTV Unplugged (1992). De seguida vem "Emotions" (1991), tirada do álbum de mesmo nome, e a versão cover de "I'll Be There" (1992), originalmente gravada e lançada em Agosto de 1970 pela banda The Jackson Five, que também foi cantada ao vivo durante a gravação de MTV Unplugged e inclusa no EP de mesmo nome. Duas canções de Music Box (1993) foram inclusas no alinhamento de faixas norte-americano: "Dreamlover" (1993), que liderou a tabela de singles por oito semanas consecutivas, e "Hero" (1993). Tal como acontecera em #1's, "Without You" (1994), versão cover da original gravada por Badfinger e inclusa em Music Box, foi apenas inclusa em versões internacionais de #1 to Infinity, tendo alcançado o primeiro posto da Nova Zelândia, Reino Unido e outros países europeus.[36][37] "All I Want for Christmas Is You", o primeiro single de Merry Christmas (1994), foi também apenas incluso em edições internacionais, tendo se tornando em um dos temas mais vendidos na Ásia por um artista não-japonês e foi também o mais vendido no Japão em 1994, comercialziando cerca de 1,1 milhão de unidades.[38] De Daydream (1995), foram inclusos três singles: "Fantasy", "One Sweet Day" e "Always Be My Baby". A versão de "Fantasy" inclusa em #1 to Infinity foi o remix com o rapper Ol' Dirty Bastard, visto que Carey tinha maior preferência por esta versão.

Tendo sido lançados após 1999, "Heartbreaker", com participação de Jay-Z; "Thank God I Found You", com participação de Joe e 98 Degrees; "We Belong Together", "Don't Forget About Us" e "Touch My Body" são os números uns de Carey que não foram inclusos em #1's.[39] Pouco após anunciar o álbum, Carey revelou o desejo de incluir uma faixa inédita, pois sentia que ao não incluir novo material seria uma traição aos seus fãs. "Infinity" foi revelada como a única faixa inédita a ser inclusa em #1 to Infinity.[40][41]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

"Carey está se estripando em várias semanas de apresentações e promoção [para o álbum] agora, e há um monte de alegria para se obter a partir disso. Há notas que ela não consegue atingir sem a ajuda de vocalistas e faixas de apoio, exigências que são estranhas na melhor das hipóteses, silhuetas que não conseguem equiparar-se a aquelas que ela adopta nas suas capas de álbuns contemporâneos. Isso é tudo parte de um jogo, e seria ridículo da parte dela fingir qualquer outra coisa. Mas mesmo nos seus próprios pés, #1 to Infinity é um lembrete da habilidade incrível e apresentações que permitiram toda esta ostentação em primeiro lugar. Como um ponto de saída, é uma janela com vista a duas décadas e meia de música pop de alto calibre que apenas melhorou com o passar do tempo."

— O resenhista Jamieson Cox na sua análise de #1 to Infinity para a revista Time.[42]

Jamieson Cox, escrevendo para a revista Time, achou que #1 to Infinity "destaca a enorme capacidade atlética e a habilidade que impulsionaram os primeiros trabalhos de Carey. Ela levou canções muito simples — tanto em termos de arranjos como temática — de pop, gospel e R&B e transformou-as em feitos potentes, concedendo-lhes dinamismo e drama com uma voz que fazia malabarismo com peças como o poder, a clareza e a agilidade com facilidade." Sobre "Infinity", apontou que embora não tenha potencial para ser um êxito nas tabelas comerciais, é uma canção que demonstra o que Carey consegue fazer neste momento da sua carreira, tal como fez em "We Belong Together" (2005) e "Touch My Body" (2008).[42]

Joe Hopkins, para o portal Hit the Floor, escreveu: "Ao ouvir as faixas conecutivamente, não só o ouvinte é levado a uma montanha-russa de emoções, ele é também levado a um trajecto de nostalgia. Você se apercebe do impacto que Mariah certamente causou ao longo das décadas, e não apenas porque as suas canções já receberam versões inúmeras no The X Factor. É evidente que Mariah Carey certamente deixou uma impressão formidável na música, e continua sem afirmar que o seu legado irá durar eternamente, até ao infinito e mais além — e de maneira alguma isso significa que ela irá parar tão cedo!"[43] Pip Ellwood, para o Entertainment Focus, atribuiu à compilação a avaliação máxima de cinco estrelas, comentando: "#1 to Infinity é um lembrete atemporal do tamanho do sucesso e uma artista incrível que Carey é. [...] Embora nós sempre teremos espaço para as suas grandes baladas, os seus estilos R&B mais recentes pelos quais ela ganhou favorismo competem com os seus grandes êxitos rambém. Estamos cientes de que nos próximos anos, Carey irá adicionar mais uns quantos números um ao seu currículo, que poderiam estabelecer-lhe como a artista feminina mais bem-sucedida de todos os tempos."[44]

Por outro lado, Abigail Ecal, para a revista The Union, comentou que embora a intenção do álbum fosse de mostrar que Carey ainda continua forte na indústria musical, acabou saindo como uma prova fria e dura que a artista perdera o seu talento há muito tempo. Contudo, afirmou que além de "Infinity", o resto da compilação é realmente agradável, elogiando "We Belong Together" e "Don't Forget About Us" (2006), ambas canções do álbum The Emancipation of Mimi (2005), pela combinação de "tristeza com os seus vocais altos", que permitiu a criação de canções com significado. Segundo Ecal, em "Infinity", Carey perdeu as suas estribeiras em uma obra com letras horrendas que foram suficientes para ressaltar o facto de que ela perdeu a sua criatividade, mensagem inspiracional, e mais importante, os seus vocais.[45]

Michael Smith, para o Renowned for Sound, elogiou a decisão da cantora de lançar um álbum de compilação como maneira de celebração dos seus 25 anos de carreira, o início dos concertos de residência em Las Vegas e a mudança de editora discográfica, marcando assim uma nova etapa da sua carreira. Fazendo uma análise mais dirigida ao conteúdo do álbum, declarou que faz "um óptimo trabalho em demonstrar as verdadeiras forças de Carey", contudo, apontou que o maior problema do disco é o valor da produção, que é questionado logo nas primeiras músicas, que revelam a idade do álbum e soam todas como se fossem a mesma coisa. "Isto só piora quando chegamos a 'We Belong Together', na qual o seu som R&B mais moderno e suave entra em choque com todas as baladas e canções de ritmo acelerado do início do disco. Embora não podesse ter sido evitado devido ao conceito do álbum, é um pouco ofensivo aos ouvidos." Sobre "Infinity", declarou que é uma afirmação de que a artista ainda terá mais uns anos bons na sua carreira, e acrescentou que é "uma maneira perfeita de encerrar o álbum, e possivelmente uma das canções mais apreciáveis da colecção". Smith concluiu a sua resenha atribuindo quatro estrelas a partir de um máximo de cinco.[46]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Na sua primeira semana de comercialização na Europa, #1 to Infinity estreou no 44.° posto da tabela musical de álbuns dos Países Baixos, no 78.° da tabela de álbuns da região belga de Valónia, e no 156.° na região de Flandres, marcando assim a pior estreia da sua carreira nessa região. Na Irlanda, estreou no número 52. A sua melhor estreia foi no Reino Unido, onde conseguiu aparecer na oitava posição da tabela de álbuns oficial e no topo da tabela de álbuns R&B, tornando-se na sua primeira estreia dentro das dez melhores posições da primeira em sete anos, desde E=MC² em 2008, que estreou no terceiro posto, conforme a publicação e 24 de Maio de 2015 da Official Charts Company.[47][48] Além disso, foi o oitavo álbum mais vendido daquela semana e o décimo sétimo com o maior número de vendas digitais.[49][50] No total, permaneceu na tabela do Reino Unido por cinco semanas. Em setembro de 2017 recebeu certificação de prata pela BPI pelas vendas de mais de 60 mil unidades, sendo seu primeiro álbum a conquistar tal feito no país desde Memoirs of an Imperfect Angel (2009). #1 to Infinity teve um desempenho similar na Austrália, onde atingiu o seu pico no número 18 da tabela de álbuns oficial e no número um da tabela de música urbana.

Na América do Norte alcançou o posto 29 nos Estados Unidos, segundo a publicação de 6 de Junho de 2015 da revista Billboard, tornando-se no seu vigésimo álbum a conseguir fazer uma entrada na tabela de álbuns oficial do seu país natal.[51] Além disso, alcançou o seu pico na segunda posição das tabelas de R&B e Hip-Hop e de apenas R&B.

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: #1 to Infinity (residência)
Carey em dos concertos da série #1 to Infinity.

A 15 de Janeiro de 2015, Carey fez uma aparição no The Ellen DeGeneres Show para anunciar que havia assinado um contrato para assumir residência no Coloseu do hotel Caesars Palace em Las Vegas, Nevada em Maio e Julho seguintes.[52] A confirmação da série de concertos de residência da artista fora confirmada pouco tempo após a cantora franco-canadiana Céline Dion ter anunciado que iria adiar as datas dos seus concertos de residência para que pudesse prestar assistência médica ao seu esposo, René Angélil, que batalhava com cancro da garganta.[53][54] "Eu tenho que acreditar que os fãs irão gostar disto porque eu irei cantar, algo que foi meio que inspirado pelo meu álbum #1's, e esta é agora a versão actualizada com os dezoito [singles números um]", afirmou a artista.[55]

Foi revelado a 13 de Abril de 2015 que "Infinity" seria lançada a 27 de Abril de 2015 como o único single de #1 to Infinity.[56] O seu vídeo musical foi filmado em meados de Maio do mesmo ano sob realização de Brett Ratner, com quem Carey não trabalhava desde "Heartbreaker" (1999).

Na noite de 17 de Maio, Carey fez uma interpretação ao vivo das canções "Vision of Love" (1990) e "Infinity" na cerimónia dos prémios de música Billboard, transmitida em directo da Arena MGM Grand Garden na cidade de Paradise, Nevada, marcando a primeira vez que a artista fazia alguma apresentação nessa cerimónia de entrega de prémios desde 1998.[57][58] O repórter Andrew Hampp, da revista Billboard, declarou que aquela foi uma das apresentações mais memoráveis da noite. Outras aparições promocionais por parte da cantora incluem uma outra interpretação de "Infinity" nos programas de televisão Jimmy Kimmel Live! e no matutino Live! with Kelly and Michael, para o qual Carey usou um vestido inspirado na personagem Aurora do filme A Bela Adormecida (1959), tendo feito a interpretação da canção no Disney World.[59][60]

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

O alinhamento de faixas para #1 to Infinity foi revelado na manhã de 13 de Abril de 2015 através de uma conferência de imprensa.[39] O álbum foi divulgado em três versões, cujo alinhamento de faixas varia consoante o território. A versão norte-americana contém dezanove canções e foi lançada também em disco de vinil, contudo, devido às limitações do formato, teve de ser dividido em dois discos, sendo que o primeiro é composto pelos primeiros dez temas, e o segundo pelos restantes. A versão internacional, divulgada na Europa e Austrália, apresenta as faixas "Without You", "Endless Love" (um dueto com Luther Vandross) e "Against All Odds" (com participação de Westlife), que são substitutas da versão acústica de "Someday", "I Don't Wanna Cry" e "Thank God I Found You" (com participação de Joe e 98 Degrees). "Thank God I Found You" também foi substituída por "All I Want for Christmas is You" na versão japonesa do álbum.

Versão norte-americana[39]
N.º TítuloLetraMúsicaProdutor(es) Duração
1. "Vision of Love"  Mariah Carey; Ben MarguliesM. Carey; B. MarguliesRhett Lawrence; Narada Michael Walden 3:29
2. "Love Takes Time"  M. Carey; B. MarguliesM. Carey; B. MarguliesWalter Afanasieff 3:49
3. "Someday" (ao vivo no MTV Unplugged)M. Carey; B. Margulies Ric Wake 4:08
4. "I Don't Wanna Cry"  M. Carey; N. M. WaldenM. Carey; N. M. WaldenN. M. Walden 4:48
5. "Emotions"  M. CareyM. Carey; David Cole; Robert ClivillésM. Carey; D. Cole; R. Clivillés 4:08
6. "I'll Be There" (com participação de Trey Lorenz)Hal Davis; Berry Gordy; Willie Hutch; Bob WestH. Davis; B. Gordy; W. Hutch; B. WestM. Carey; W. Afanasieff 4:24
7. "Dreamlover"  M. CareyM. Carey; Dave HallM. Carey; Jam Hall; W. Afanasieff 3:53
8. "Hero"  M. CareyM. Carey; W. AfanasieffM. Carey; W. Afanasieff 4:17
9. "Fantasy (Bad Boy Remix)" (com participação de Ol' Dirty Bastard)M. Carey; Chris Frantz; Tina WeymouthM. Carey; D. Hall; C. Frantz; T. Weymouth; Adrian Belew; Steven StanleyM. Carey; Jam Hall; Sean "Puff Diddy" Combs 4:53
10. "One Sweet Day" (com participação de Boyz II Men)M. Carey; Michael McCary; Nathan Morris; Wanya Morris; Shawn StockmanM. Carey; W. AfanasieffM. Carey; W. Afanasieff 4:41
11. "Always Be My Baby"  M. CareyM. Carey; Jermaine Dupri; FManuel Seal, Jr.M. Carey; J. Dupri; M. Seal, Jr. 4:18
12. "Honey"  M. CareyM. Carey; S. Combs; Kamaal Fareed; Steven "Stevie J." Jordan; Stephen Hague; Bobby Robinson; Ronald Larkins; Larry Price; Malcolm McLarenM. Carey; Puff Diddy; Stevie J; The Ummah 4:59
13. "My All"  M. CareyM. Carey; W. AfanasieffM. Carey; W. Afanasieff 3:51
14. "Heartbreaker" (com participação de Jay-Z)M. Carey; Shawn CarterM. Carey; N. M. Walden; Shirley Ellison; Lincoln Chase; Jeffrey CohenM. Carey; DJ Clue 4:46
15. "Thank God I Found You" (com participação de Joe e 98 Degrees)M. Carey; James "Jimmy Jam" Harris III; Terry Steven LewisM. Carey; J. Harris III; T. LewisM. Carey; T. Lewis 4:17
16. "We Belong Together"  M. Carey; J. Dupri; M. Seal, Jr.; Johntá AustinM. Carey; Kenneth Edmonds; Darnell Bristol; Bobby Womack; Patrick Moten; Sandra SullyM. Carey; J. Dupri; M. Seal, Jr. 3:22
17. "Don't Forget About Us"  M. Carey; J. Dupri; J. Austin; Bryan-Michael CoxM. Carey; J. Dupri; B. CoxM. Carey; J. Dupri; M. Seal, Jr. 3:53
18. "Touch My Body"  M. CareyM. Carey; Terius Nash; Crystal Johnson; Christopher StewartM. Carey; Tricky Stewart 3:27
19. "Infinity"  M. CareyM. Carey; Eric Hudson; Priscilla Renea; Taylor Parks; Ilsey JuberM. Carey; E. Hudson 3:58
Duração total:
75:21


Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Região Certificação Vendas
Reino Unido (BPI)[83] Prata 60,000^

^números de vendas baseados somente na certificação

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato Gravadora Ref
Alemanha 15 de maio de 2015 (2015-05-15) Sony [84]
Reino Unido Download digital [85]
França 18 de maio de 2015 (2015-05-18)
  • CD
  • download digital
[86]
Espanha Download digital [87]
Reino Unido CD [88]
Estados Unidos
  • CD
  • download digital
[89]
Itália 19 de maio de 2015 (2015-05-19) Sony [90][91]
Espanha CD [92]
Austrália 22 de maio de 2015 (2015-05-22)
  • CD
  • download digital
[93][94]
Estados Unidos 28 de agosto de 2015 (2015-08-28) Vinil
  • Epic
  • Columbia
  • Legacy
[95]

Notas de rodapé

  1. «Mariah Carey». Rolling Stone (em inglês). Penske Business Media, LLC. Consultado em 13 de Abril de 2012 
  2. «Mariah Carey: Biography». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 13 de Abril de 2012 
  3. Nickson 1998, p. 50
  4. Hampp, Andrew (13 de Abril de 2015). «Mariah Carey Announces Release Date, Tracklist For '#1 To Infinity'». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 27 de Abril de 2015. I couldn't be more thrilled to be back together again with Mariah," says Reid in a statement. "There is really no one who comes close to Mariah as both a songwriter and a singer, and as the world knows, her vocal range is legendary and truly incomparable. Her music is indelibly etched into our culture, and she's shattered so many chart records that she's now firmly entrenched in the history books. With a fierce and loyal fan base that covers every corner of the globe, I have no doubt Mariah will do it again. 
  5. a b c Halperin, Shirley; Hampp, Andrew (30 de Janeiro de 2015). «The Inside Story of How Mariah Carey and L.A. Reid Reunited (at a Fraction of Her Former $80 Million Deal)». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 27 de Abril de 2015 
  6. D., Annie (13 de Abril de 2015). «Mariah Carey Prepares For A 'Career Comeback' With All-New Management Team». International Business Times (em inglês). Newsweek Media Group. Consultado em 13 de Abril de 2015 
  7. Aswad, Jem (9 de Abril de 2015). «Mariah Carey Confirms New Management, Publicist». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 27 de Abril de 2015 
  8. «Q&A: Mariah Carey, at home in Las Vegas, explains it all: 'This is just the beginning'». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. 14 de Maio de 2015. Consultado em 9 de Junho de 2015 
  9. «Mariah Carey Reveals Cover Art for '#1 To Infinity' Album». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). 12 de Abril de 2015. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  10. «Mariah Carey reveals the artwork to greatest hits album '#1 To Infinity'». New Music Express (em inglês). TI Media Limited. 13 de Abril de 2015. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  11. Heath, Olivia (13 de Abril de 2015). «Mariah Carey looks stunning on artwork for #1 To Infinity album». Reveal (em inglês). Consultado em 27 de Abril de 2015 
  12. «Mariah Carey Announces New Album '#1 To Infinity' (Artwork)». HipHop-N-More (em inglês). 13 de Abril de 2015. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  13. Menyes, Carolyn (13 de Abril de 2015). «Mariah Carey Hits Album '#1 to Infinity' Gets Release Date, Tracklist & Skinny Artwork». Music Times (em inglês). Music Times, LLC. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  14. «Mariah Carey unveils greatest hits album #1 To Infinity tracklisting, artwork» (em inglês). The Official UK Charts Company. 13 de Abril de 2015. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  15. McIntyre, Hugh (13 de Abril de 2015). «Mariah Carey Announces New Number Ones Collection '#1 To Infinity'». Forbes (em inglês). Forbes Media LLC. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  16. «'#1 to Infinity' von Mariah Carey» (em alemão). iTunes (Apple, Inc.). 15 de Maio de 2015. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  17. «#1 to Infinity by Mariah Carey» (em inglês). iTunes (Apple, Inc.). 15 de Maio de 2015. Consultado em 23 de Maio de 2015 
  18. «#1 to Infinity: Mariah Carey» (em alemão). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  19. «#1 to Infinity: Mariah Carey» (em inglês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  20. «#1 to Infinity: Mariah Carey» (em espanhol). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  21. «Mariah Carey: #1 to Infinity» (em inglês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  22. «#1 to Infinity: Mariah Carey» (em francês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  23. «#1 to Infinity: Mariah Carey» (em inglês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  24. «#1 to Infinity: Mariah Carey» (em italiano). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  25. «Mariah Carey: #1 to Infinity» (em japonês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  26. «Mariah Carey: #1 to Infinity» (em japonês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  27. «#1 to Infinity by Mariah Carey» (em inglês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  28. «#1 to Infinity by Mariah Carey» (em inglês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  29. «#1 To Infinity: Mariah Carey» (em italiano). Amazon.com, Inc. 6 de Maio de 2015. Consultado em 23 de Maio de 2015 
  30. «'#1 to Infinity' di Mariah Carey» (em italiano). iTunes (Apple, Inc.). 19 de Maio de 2015. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  31. «#1 To Infinity: Mariah Carey (CD)» (em espanhol). Amazon.com, Inc. 19 de Maio de 2015. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  32. «#1 To Infinity by Mariah Carey, R&B, CD» (em inglês). Sanity Music Stores Pty Ltd. 22 de Maio de 2015. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  33. «'#1 to Infinity' by Mariah Carey» (em inglês). iTunes (Apple, Inc.). 22 de Maio de 2015. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  34. «Mariah Carey: #1 to Infinity (Vinyl)» (em inglês). Amazon.com, Inc. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  35. «Mariah Carey: #1 To Infinity Vinyl Pre-Order Release Date 8/28» (em inglês). MariahCarey.com (Lotion, LLC.). 13 de Abril de 2015. Consultado em 13 de Abril de 2015 
  36. Myers, Justin (14 de Fevereiro de 2014). «Official Charts Flashback 1994: Mariah Carey – Without You» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 6 de Maio de 2015 
  37. «Mariah Carey – Without You (Song)» (em inglês). Recorded Music New Zealand via Hung Medien. Consultado em 3 de Setembro de 2015 
  38. «The World's Number-Two Music Market Is No Afterthought». Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). 5 de Agosto de 1995. Consultado em 12 de Setembro de 2010 
  39. a b c «Mariah Carey reveals tracklisting to greatest hits album '#1 To Infinity'». New Music Express (em inglês). TI Media Limited. 14 de Abril de 2015. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  40. Davidson, Amy (27 de Abril de 2015). «Mariah Carey is back with brand new single 'Infinity'». Digital Spy (em inglês). The Hearst UK Entertainment Network. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  41. Stern, Bradley (16 de Janeiro de 2015). «Mariah Carey Is Re-Releasing '#1's' Compilation Album With New Music». idolator (em inglês). Hive Media Group. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  42. a b Cox, Jamieson (20 de Maio de 2015). «Review: Mariah Carey Collects All of Her Hits on #1 to Infinity». TIME (em inglês). Time, Inc. Consultado em 9 de Junho de 2015 
  43. Hopkins, Joe (26 de Maio de 2015). «Mariah Carey – #1 to Infinity | Album Review». Hit the Floor Magazine (em inglês). The Hit the Floor Network. Consultado em 9 de Junho de 2015 
  44. Elwood, Pip (16 de Maio de 2015). «Mariah Carey – #1 To Infinity album review». Entertainment Focus (em inglês). Consultado em 9 de Junho de 2015 
  45. Ecal, Abigail (29 de Maio de 2015). «Music Review: Mariah Carey's "Number 1 to Infinity"». The Union (em inglês). Consultado em 9 de Junho de 2015 
  46. Smith, Michael (28 de Maio de 2015). «Album Review: Mariah Carey – #1 to Infinity». Renowned for Sound (em inglês). Consultado em 9 de Junho de 2015 
  47. Copsey, Rob (24 de Maio de 2015). «Brandon Flowers' album has The Desired Effect on the Official Albums Chart» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 24 de Maio de 2015 
  48. Sexton, Paul (25 de Maio de 2014). «Brandon Flowers Blooms on U.K. Albums Chart With 'The Desired Effect'». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 26 de Maio de 2014 
  49. «Official Albums Sales Chart Top 100: 24 May 2015 - 30 May 2015» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 24 de Maio de 2015. Cópia arquivada em 24 de maio de 2015 
  50. «Official Album Downloads Chart Top 100: 24 May 2015 - 30 May 2015» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 24 de Maio de 2015. Cópia arquivada em 24 de maio de 2015 
  51. Caulfield, Keith (30 de Maio de 2015). «Billboard 200 Chart Moves: Foo Fighters Get 'Letterman' Sales Boost & More». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 1 de Junho de 2015 
  52. McIntyre, Hugh (9 de Janeiro de 2015). «Mariah Carey May Be The Next Pop Star To Get A Vegas Residency». Forbes (em inglês). Forbes Media LLC. Consultado em 27 de Abril de 2015 
  53. Duke, Alan (14 de Agosto de 2014). «Celine Dion cancels shows as husband fights cancer» (em inglês). Cable News Network. Turner Broadcasting System, Inc. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  54. Etan, Vlessing (6 de Dezembro de 2014). «Celine Dion Has New Manager as Rene Angelil Steps Down». The Hollywood Reporter (em inglês). Prometheus Global Media, LLC. Consultado em 27 de Dezembro de 2015 
  55. «Mariah Carey Announces Caesars Palace Residency». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). 15 de Janeiro de 2015. Consultado em 13 de Abril de 2015 
  56. «Infinity — Single by Mariah Carey» (em inglês). iTunes (Apple, Inc.). Consultado em 27 de Abril de 2015 
  57. Strecker, Eric (5 de Maio de 2015). «Mariah Carey to Perform at 2015 Billboard Music Awards». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 11 de Maio de 2015 
  58. «Mariah Carey to perform at Billboard Music Awards for first time in 17 years». New York Daily News (em inglês). tronc, Inc. 5 de Maio de 2015. Consultado em 11 de Maio de 2015 
  59. «Watch Mariah Carey Perform 'Vision of Love' and 'Infinity' on 'Jimmy Kimmel Live'» (vídeo). Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). 19 de Maio de 2015. Consultado em 8 de Agosto de 2015 
  60. «Mariah Carey performs 'Vision of Love' & 'Infinity' at Disneyland» (em inglês). Rap-Up. 22 de Maio de 2015. Consultado em 5 de Agosto de 2015 
  61. «#1 to Infinity» (em japonês). CD Japan (Neowing). 24 de Junho de 2015. Consultado em 4 de Setembro de 2015 
  62. Mariah Carey – %231 to Infinity (em inglês). Australiancharts.com. Hung Medien. Consultado em May 30, 2015.
  63. «ARIA Australian Top 50 Urban Albums». Australian Recording Industry Association. Consultado em 9 de julho de 2019 
  64. Mariah Carey – %231 to Infinity (em holandês). Ultratop.be. Hung Medien. Consultado em May 29, 2015.
  65. Mariah Carey – %231 to Infinity (em francês). Ultratop.be. Hung Medien. Consultado em May 29, 2015.
  66. South Korea GAON Albums Chart (em coreano). Na página, selecione "2015" e, em seguida, "2015.05.17~2015.05.23" para obter a tabela correspondente. Korean Charts. GAON. Consultado em May 27, 2015.
  67. South Korea GAON International Albums Chart (em coreano). Na página, selecione "2015" e, em seguida, "2015.05.17~2015.05.23" para obter a tabela correspondente. Korean Charts. GAON. Consultado em May 27, 2015.
  68. 2015-05-2 Top 40 Scottish Albums Archive | Official Charts (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em June 30, 2015.
  69. Mariah Carey Album & Song Chart History (em inglês). Billboard 200 para Mariah Carey. Prometheus Global Media. Consultado em May 28, 2015.
  70. Mariah Carey Album & Song Chart History (em inglês). Billboard Top R&B/Hip Hop Albums para Mariah Carey. Prometheus Global Media. Consultado em May 28, 2015.
  71. Mariah Carey – %231 to Infinity (em inglês). Spanishcharts.com. Hung Medien. Consultado em May 27, 2015.
  72. Mariah Carey – %231 to Infinity (em francês). Lescharts.com. Hung Medien. Consultado em June 1, 2015.
  73. Archívum – Slágerlisták – MAHASZ – Magyar Hangfelvétel-kiadók Szövetsége (em húngaro). Mahasz.hu. LightMedia. Consultado em May 28, 2015.
  74. GFK Chart-Track (em inglês). Chart-Track.co.uk. GFK Chart-Track. IRMA. Consultado em May 22, 2015.
  75. Mariah Carey – %231 to Infinity (em inglês). Italiancharts.com. Hung Medien. Consultado em May 28, 2015.
  76. Oricon Top 50 Albums (em japonês). Oricon. Consultado em July 2, 2015.
  77. Mariah Carey – %231 to Infinity (em inglês). Charts.org.nz. Hung Medien. Consultado em June 5, 2015.
  78. Mariah Carey – %231 to Infinity (em holandês). Dutchcharts.nl. Hung Medien. Consultado em May 22, 2015.
  79. Mariah Carey | Artist | Official Charts (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em May 24, 2015.
  80. Official Rock & Metal Albums Chart Top 40 (em inglês). Official Charts Company. The Official Charts Company. Consultado em May 24, 2015.
  81. Mariah Carey – %231 to Infinity (em inglês). Swisscharts.com. Hung Medien. Consultado em May 27, 2015.
  82. «Top R&B/Hip-Hop Albums- Year-end Chart». Billboard (em inglês). Billboard-Hollywood Reporter Media Group (Eldridge Industries). Consultado em 9 de Dezembro de 2015 
  83. «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Mariah Carey – Number 1 to Infinity» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 8 de junho de 2017 
  84. «iTunes Musik – '#1 to Infinity' von Mariah Carey». iTunes Store (em German). Consultado em 8 de junho de 2017 
  85. «iTunes Music – #1 to Infinity by Mariah Carey». iTunes Store. Consultado em 8 de junho de 2017 
  86. «iTunes Musique – '#1 to Infinity' par Mariah Carey». iTunes Store (em French). Consultado em 8 de junho de 2017 
  87. «iTunes Música – '#1 to Infinity' de Mariah Carey». iTunes Store (em Spanish). Consultado em 8 de junho de 2017 
  88. «#1 To Infinity by Mariah Carey: Amazon.co.uk: Music». Amazon.com. Consultado em 8 de junho de 2017 
  89. «iTunes Music – '#1 to Infinity' by Mariah Carey». iTunes Store. Consultado em 8 de junho de 2017 
  90. «#1 To Infinity: Mariah Carey: Amazon.it: Musica». Amazon.com. Consultado em 8 de junho de 2017 
  91. «iTunes Musica – '#1 to Infinity' di Mariah Carey». iTunes Store (em Italian). Consultado em 8 de junho de 2017 
  92. «#1 To Infinity: Mariah Carey: Amazon.es». Amazon.com. Consultado em 8 de junho de 2017 
  93. «#1 To Infinity by Mariah Carey, R&B, CD». Sanity. Consultado em 8 de junho de 2017 
  94. «iTunes Music – '#1 to Infinity' by Mariah Carey». iTunes Store. Consultado em 8 de junho de 2017 
  95. «Mariah Carey: #1 To Infinity Vinyl Pre-Order Release Date 8/28». Mariahcarey.com. Consultado em 8 de junho de 2017