The Emancipation of Mimi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Emancipation of Mimi
Álbum de estúdio de Mariah Carey
Lançamento 30 de março de 2005 (2005-03-30)
Gravação 2004
Estúdio(s)
Gênero(s)
Duração 50:10
Formato(s)
Gravadora(s) Island Def Jam
Produção
Cronologia de Mariah Carey
The Remixes
(2003)
E=MC²
(2008)
Singles de The Emancipation of Mimi
  1. "It's Like That"
    Lançamento: 7 de janeiro de 2005 (2005-01-07)
  2. "We Belong Together"
    Lançamento: 29 de março de 2005 (2005-03-29)
  3. "Shake It Off"
    Lançamento: 12 de julho de 2005 (2005-07-12)
  4. "Get Your Number"
    Lançamento: 3 de outubro de 2005 (2005-10-03)
  5. "Don't Forget About Us"
    Lançamento: 12 de dezembro de 2005 (2005-12-12)
  6. "Fly Like a Bird"
    Lançamento: 13 de março de 2006 (2006-03-13)
  7. "Say Somethin'"
    Lançamento: 3 de abril de 2006 (2006-04-03)

The Emancipation of Mimi é o décimo álbum de estúdio da artista musical estadunidense Mariah Carey. O seu lançamento ocorreu em 30 de março de 2005, através da The Island Def Jam Music Group. Com a má recepção crítica e comercial de seus álbuns anteriores Glitter (2001) e Charmbracelet (2002), The Emancipation of Mimi foi considerado um álbum de "retorno" de Carey e tornou-se o seu lançamento com maior número de vendas nos Estados Unidos em uma década. Na gravação do álbum, a cantora trabalhou com diversos produtores, incluindo Snoop Dogg, Twista, Nelly, Pharrell Williams e James "Big Jim" Wright. Muitos deles aparecem como participação especial em algumas faixas.

Carey optou em usar sua personalidade alternativa e apelido Mimi no título do disco, revelando um lado mais íntimo da cantora, visto no tema declarativo do álbum, que fala sobre a emancipação dos contratempos pessoais e comerciais da artista. Embora tenha uma produção vocal similar ao seus trabalhos anteriores e baladas, o álbum incorpora estilos musicais derivados da música dance e estilos de andamento acelerado de acordo com seu motivo de comemoração. Tendo como sonoridade principal o R&B e o hip hop, ao contrário de seus álbuns anteriores, que eram mais derivados do R&B e de estilos musicais adultos, o álbum engloba uma variedade de interpolações de outros gêneros, como o soul e o gospel retrô da década de 70.

The Emancipation of Mimi recebeu análises positivas da mídia especializada, a qual prezou os vocais de Carey, qualificando-o como "o seu melhor em décadas". Alguns resenhadores também observaram que o projeto era uma melhoria de Charmbracelet. O disco alcançou sucesso internacional, listando-se entre os dez álbuns mais vendidos na Austrália, no Canadá, na Dinamarca, na França, na Grécia, no Japão e em outras três nações. Nos Estados Unidos, o álbum converteu-se no quinto da artista a liderar Billboard 200, debutando no topo da tabela com 404 mil unidades vendidas, sendo o melhor debute de Carey em território estadunidense até então. Foi certificado como platina sêxtupla pela Recording Industry Association of America (RIAA) e vendeu cerca de 18 milhões de cópias mundialmente até abril de 2008.

Foram lançados sete singles do álbum, alguns dos quais obtiveram êxito internacional. O primeiro, "It's Like That", tornou-se o single mais famoso de Carey em anos, listando-se entre as vinte canções mais executadas em diversos mercados. "We Belong Together" tornou-se uma das faixas mais conhecidas da artista, liderando a Billboard Hot 100 por 14 semanas não-consecutivas, tornando-se o single mais famoso da década de 2000 nos Estados Unidos. "Don't Forget About Us" também atingiu a liderança da tabela, sendo o décimo sétimo single de Carey a atingir tal feito. Outros singles lançados foram "Shake It Off", "Get Your Number", "Fly Like a Bird" e "Say Somethin'", sendo que a primeira citada alcançou o segundo posto na Billboard Hot 100. Como forma de divulgação do material, a artista se apresentou nos Grammy Awards de 2006, American Music Awards de 2005, MTV Movie Awards de 2005 e MTV Video Music Awards de 2005, bem como em programas televisivos. Adicionalmente, ela embarcou em sua sexta turnê, The Adventures of Mimi.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Concepção e contexto[editar | editar código-fonte]

"Eu trabalhei muito muito duro por muitos muitos anos, e eu nunca fiz uma pausa, e ano passado, eu tinha ficado muito exausta e não estava bem fisicamente e emocionalmente. Aprendi um pouco mais sobre trabalhar duro, mas também, como ser saudável e cuidar de mim, agora, em geral na minha vida eu estou num lugar muito bom, feliz."

— Carey em entrevista ao The San Diego Union-Tribune.[3]

Antes do lançamento de seu nono álbum de estúdio, Charmbracelet, Mariah Carey tinha experimentado um ano de problemas críticos, comerciais e pessoais, seguindo a má recepção de seu filme de estreia Glitter (2001) e sua hospitalização subsequente.[4] O filme foi muito criticado pelos críticos e ganhou menos de oito milhões de dólares nas bilheterias.[5][6] A trilha sonora para o filme foi ligeiramente melhor, gerando um único top dois nos Estados Unidos, e já vendeu mais de dois milhões de cópias em todo o mundo.[7] Carey fez uma aparição polêmica no Total Request Live, no qual distribuiu sorvete para os fãs e demonstrou comportamento "errático".[4][8] Depois de postar uma mensagem perturbadora em seu site oficial, a cantora se internou num hospital em Connecticut, citando um "colapso emocional e físico".[8] Após o fraco desempenho do filme e da trilha sonora, a Virgin Records comprou o contrato musical de Carey sem precedentes de 100 milhões de dólares. Pagaram-lhe 50 milhões de dólares para deixa a gravadora.[5] Mariah voou para Capri, na Itália, após sua hospitalização de duas semanas.[6] Durante a sua estadia de cinco meses, ela começou a escrever e produzir material para um novo álbum de estúdio, usando algumas das experiências que ela tinha passado nos últimos meses como temas para o material de álbuns.[8] Depois de assinar um contrato de gravação com a Island Records e iniciar sua própria editora, MonarC Entertainment, a cantora se preparavam sua libertação apelidade de "a volta", Charmbracelet.[6] Críticos consideraram o álbum tinha uma forte melhoria em relação a Glitter, mas não algo que se recapturasse sua fama em todo o mundo e restabelecesse a sua popularidade como na década de 1990. Muitos tomaram conhecimento dos vocais arejado e bem iluminados que Carey apresentou, e alegaram que ela não seria mais capaz de conseugir mesmo grau de talento vocal que tinha exibido no início de sua carreira. Três anos depois, com o lançamento de The Emancipation of Mimi, a popularidade crítica e comercial de Mariah subiu novamente; críticos chamaram de seu retorno verdadeiro, bem como uma emancipação de seus dois álbuns anteriores.[5]

Título[editar | editar código-fonte]

Depois de ter sofrido três anos de "censura" dos críticos, Carey planejou seu retorno á música.[5] Em 18 de novembro de 2004, ela postou em sua página oficial on-line, que o título do álbum seria The Emancipation of Mimi, que é derivado de seu apelido, "Mimi".[9] Ela comentou que o álbum seria lançado em março de 2005, e que queria explicar o seu nome, porque havia vazado para mídia, antes do previsto.[9] Enquanto a cantora gravava o álbum, o executivo da gravadora Island, L.A. Reid, aprendeu que as pessoas se referiam á cantora como "Mimi". Ele disse para Carey: "Eu sinto seu espírito nesse disco. Você deveria usar este nome no título, porque este é o seu lado divertido que as pessoas não veêm - o lado que pode rir com brincadeiras de diva, rir com brincadeiras de discriminação, rir de tudo que eles quiserem dizer sobre você e apenas viver a vida e aproveitá-la."[6] Carey explicou que Mimi é um "apelido muito pessoal" apenas usado por pessoas próximas á ela, e o título significava que ela estava deixando seus protetores de lado e convidando os fãs para ficarem mais perto dela.[6] Era "apenas uma daquelas pequenas coisas que eu guardei para mim, numa tentativa de ter alguma delimitação entre uma pessoa pública e uma vida privada."[10] Mais tarde, ela revelou que seria "detestável" intitular o álbum como The Emancipation of Mariah Carey.[6]

Desenvolvimento e gravação[editar | editar código-fonte]

Durante uma visita a um estúdio de gravação, Carey recebeu uma batida feita por The Legendary Traxster. Posteriormente, ela se encontrou com o rapper compatriota Twista durante os bastidores depois de um concerto. Quando Carey mencionou a pista, Twista disse a ela que a batida foi originalmente planejada para ele e que já havia composto a canção para a melodia. Eles decidiram colaborar na faixa, que mais tarde foi intitulada de "One and Only".[11] Nos meses seguintes, Carey compôs e co-produziu várias canções, incluindo "Say Somethin'" (com Snoop Dogg e The Neptunes), "To the Floor" (com Nelly) e "Fly Like a Bird" (com James "Big Jim" Wright).[12][13] Em novembro de 2004, ela sentiu que havia composto material bom o suficiente para The Emancipation of Mimi. Entretanto, depois de ouvir o trabalho, Reid sugeriu-lhe que composse alguns singles "fortes" para garantir o sucesso comercial do projeto. Baseada em na recomendação de Reid, Carey encontrou-se com Jermaine Dupri em Atlanta, Geórgia, para uma breve sessão de gravação, já que Reid sentiu que ela compôs alguns de seu melhores trabalhos com ele. Durante esta viagem de dois dias, Carey e Dupri compuseram e produziram "Shake It Off" e "Get Your Number", que foram lançadas como o terceiro e quarto singles do disco, respectivamente. Após essa sessão de gravação, "Shake It Off" foi brevemente escolhida como o primeiro single do projeto, substituindo "Stay the Night" e "Say Somethin'", que haviam sido escolhidas como o primeiro single do álbum. Carey depois voltou para Atlanta para uma segunda reunião com Dupri; eles, então, compuseram as duas últimas canções para o álbum: "We Belong Together" e "It's Like That".[14] Em uma entrevista à revista Billboard, a cantora descreveu seus sentimentos em relação a "We Belong Together" durante a sua fase de produção:

Carey e sua gestão, em seguida, decidiram lançar "It's Like That" — que foi descrita por Carey como o "retorno certo" — como o single inicial do álbum. A cantora prezou Dupri por ser "focado", e sentiu que, juntos, compuseram algumas de suas canções favoritas do álbum.[14] Ela disse à MTV: "O álbum não é sobre fazer os executivos mais velhos feliz por fazer [um disco como] 'derrube-a-casa', [com] baladas dramáticas, ou [algo] mergulhado nos dramas da mídia em relação à minha vida. O que eu tentei fazer foi manter as sessões muito escassas e sub-produzidas, como na música soul dos anos 70".[16] De acordo com Reid, Carey destinou-se ao álbum com um som mais polido do que em suas versões anteriores.[12] A cantora ficou chateada com a superprodução em muitos de seus discos anteriores, devido à inclusão de sinos e assobios, o que ela considerou "desnecessário". Ela optou por gravar a maior parte de The Emancipation of Mimi ao vivo, juntamente com a banda. Reid concordou com esta decisão e sentiu que os vocais ao vivo fizeram o álbum ser mais autêntico.[12]

Músicas[editar | editar código-fonte]

The Emancipation of Mimi foi o álbum mais expressivo de Carey até aquele momento, de acordo com a Fox News; isso significava sua liberdade criativa, já que ela havia sido oprimida pelas expectativas dos donos de gravadoras e produtores musicais no passado.[17] Eles notaram no álbum uma emancipação profissional e cultural na cantora ao longo de muitas canções da obra. Em uma entrevista com o Hartford Courant, Carey falou sobre a falta de restrição criativa do álbum, comentando o quanto sentiu isso ausente na produção de seu disco anterior, Charmbracelet.[18] O último álbum a abrigou a dividir sua popularidade, entre o público adulto presente nas rádios contemporâneas, precedido por seu declínio comercial com Glitter, no qual a cantora foi apresentada a melodias e sonoridades dos anos 80.[19][20] Enquanto apresentavam baladas semelhantes às de Charmbracelet, as músicas de The Emancipation of Mimi atraíram influência do R&B e do hip hop, e foram compostas em um ritmo acelerado.[21] De acordo com Dimitri Ehrlich, editor da revista Vibe, o álbum apresenta muitas facetas musicais:

Mimi mostra Carey em duas direções opostas. A maioria das faixas a encontra emparelhado com os produtores de hip hop mais quentes do momento; lá, ela exerce contenção e se acomoda no ritmo. Mas no resto, ela faz o que é mais natural para ela - citar o desejo de seu coração, talvez para apaziguar aqueles que não se importam muito com seus desvios em um território de rap mais raivoso.[21]

The Emancipation of Mimi explora vários gêneros; Greg Kot, do Chicago Tribune, sentiu que o álbum combina efetivamente "elementos de hip-hop e rhythm and blues em canções pop que atraem uma ampla gama de ouvintes".[22] Para além das baladas e faixas em andamento acelerado, The Emancipation of Mimi engloba uma variedade de interpolações de outros gêneros, como o soul e o gospel retrô da década de 70, evidente na faixa, "Fly Like a Bird".[23] Enquanto a maioria das faixas derivam em sua instrumentação de bandas ao vivo e instrumentos musicais, algumas das músicas andamento acelerado apresentam arranjos computadorizados e sintetizadores.[24] Estilisticamente, os críticos o consideram o álbum mais diversificado da discografia de Carey em anos, e um dos que mais destacou escolhas e técnicas diferentes de produção.[25]

Demonstração de 20 segundos do refrão final de "We Belong Together", O exemplo destaca o aclamado desempenho vocal de Carey durante todo o clímax, bem como a instrumentação derivada de estalos com os dedos, bateria e uma forte melodia de piano.[21]

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

"It's Like That" foi escrito e produzido por Carey e Jermaine Dupri. Possui palmas e assobios, bem como ad-libs e versos de Dupri e Fat Man Scoop. A linha de baixo da canção e a progressão de acordes estão alinhadas com as notas de piano e string.[26] Suas letras são arranjadas para retratar a cantora durante uma celebração: "Eu vim pra dar uma festa/Abra aquela Bacardi... Me sentindo tão quente e picante/Garoto, eu sei que você está me olhando".[26] Sal Cinquemani da Slant Magazine elogiou suas letras e batidas, e sentiu que a música prepara os ouvintes para o "tema" do álbum festa.[27] Liricamente, "We Belong Together" foi descrito como um "lamento de coração partido de amor";[21] possui estralos de dedo, bateria e uma melodia de piano.[21] Carey compôs a balada influenciada pelo gospel "Fly Like a Bird" com James Wright.[13][28] As letras são na forma de uma oração que transmite uma mensagem de amor incondicional por Deus.[28][29] A música apresenta uma gravação verbal do pastor de Carey, Clarence Keaton, que lê dois versos da Bíblia.[27] A cantora escreveu a quinta faixa do álbum "Say Somethin", que apresenta versos de rap de Snoop Dogg e foi produzido por The Neptunes. O escritor Dimitri Ehrlich da Vibe, descreveu-a como "uma esquisitice musical" e caracterizou a produção como "instrumentaçãoe mudanças melódicas estranhas, padrões de bateria agitados e um leque de sintetizadores".[21] Liricamente, a protagonista faz insinuações sexuais para um o namorado com a linha "Se vale a pena, faça algo de bom para mim".[21] Ao interpretar as letras no papel feminino, Cummings observou "uma mulher tímida que não precisa dizer nada para chamar a atenção de um homem".[26]

Carey escreveu "Mine Again" ao lado do produtor James Poyser. A balada tem notas de teclado eletrônico, um som de vinil rítmico e melodias de gêneros gospel e R&B.[21] "Stay the Night" foi produzido por Carey e Kanye West, e mostra um loop de piano, uma versão cover da canção de 1971, "Betcha by Golly, Wow" de Ramsey Lewis. Nas letras, a protagonista enfrenta o dilema de passar a noite com um ex-namorado, embora esteja em outro relacionamento.[26] "Get Your Number" mostra o gancho do single "Just an Illusion", de 1982, da banda britânica Imagination,[30] e deriva sua produção a partir de "sintetizadores dos anos 80" e instrumentos musicais computadorizados.[26][31] Lawrence Ferber do Windy City Times, descreveu "Shake It Off" como uma "abordagem divertida de amarga - e, mais especificamente, uma maçã podre", com letras como "Eu tenho que te sacudir / Apenas como um comercial da Calgon". Em uma entrevista para Ferber, Carey a descreveu como sua faixa favorita do The Emancipation of Mimi: "Shake It Off pode se aplicar a qualquer coisa. Quaisquer que sejam os dramas pessoais, coloque essa música e você perde a ansiedade ou a intensidade do momento". No momento, que eu ouvi essa música tinha acabado de sair de uma reunião estressante. Ao ouvi-la, Eu logo consegui me livrar daquilo"."[28] Jon Pareles do The New York Times, sentiu que o álbum segue uma fórmula que foi mais evidente em "Shake It Off": "Neste álbum, os versos ficaram em uma faixa estreita, os coros destacam-se mais, e nas extremidades de algumas músicas, Ms Carey dá a si mesma algumas de suas antigas notas altas como pano de fundo".[32]

Lançamento e promoção[editar | editar código-fonte]

Carey, ao lado do ex-diretor da Island Records, L.A. Reid em 2005, na festa de lançamento de The Emancipation of Mimi.

The Emancipation of Mimi foi lançado pela The Island Def Jam Music Group para download e como um CD no México em 30 de março de 2005.[33] Em 4 de abril de 2005, o álbum foi lançado na Austrália e Nova Zelândia.[34][35] No Reino Unido, The Emancipation of Mimi foi distribuído pela Mercury Records.[36] No dia seguinte, o álbum foi disponibilizado no Canadá através do Universal Music Group.[37] Em 12 de abril de 2005, tornou-se disponível na França,[38] Japão,[39] e nos Estados Unidos,[40] e foi lançado em 11 de maio de 2005, na China.[41] Nas versões britânica e japonesa do álbum, "Sprung" e "Secret Love" foram incluídos como faixas bônus.[42]

Uma edição especial de The Emancipation of Mimi, intitulada Ultra Platinum Edition, foi lançada em 15 de novembro de 2005, para acompanhar a estréia do single, "Don't Forget About Us". O álbum foi lançado em duas versões. O primeiro foi um CD com quatro faixas bônus: "Don't Forget About Us" (co-escrito e co-produzido por Carey com Jermaine Dupri), o único single do álbum; "Makin' It Last All Night (What It Do)", com Dupri; o remix "We Belong Together", com os rappers americanos Styles P e Jadakiss; e uma nova versão do single de 2006, "So Lonely" (que originalmente apresenta Carey), no qual ela canta um verso adicional. A segunda versão do álbum foi um conjunto de edição limitada do CD e um DVD, que inclui os videoclipes dos singles de The Emancipation of Mimi, que então tinha sido lançado ("It's Like That", "We Belong Together", "Shake It Off", e "Get Your Number"), juntamente com o vídeo recentemente filmado para "Don't Forget About Us". O álbum se tornou o primeiro lançamento doméstico do vídeo de "Get Your Number", que já havia sido lançado apenas na Europa.[43]

Carey começou uma turnê promocional em apoio ao álbum, começando em 2 de abril de 2005 no Echo Awards.[44][45] Dois dias depois, ela cantou "It's Like That" no game show Wetten, dass..?.[46] No Reino Unido, a cantora filmou uma participação de duas partes no programa musical britânico Top of the Pops, apresentando os três primeiros singles do álbum.[46] Carey promoveu o lançamento do álbum nos Estados Unidos no Good Morning America com uma entrevista e um concerto ao ar livre de cinco partes.[47] Ocorrendo na Times Square atraindo a maior multidão para a praça desde a celebração da véspera de Ano Novo de 2004, o concerto contou com os três primeiros singles do álbum, além de "Fly Like a Bird" e Make It Happen" (1991).[48] Durante a semana seguinte, ela apresentou "We Belong Together" no BET Awards de 2005 , e apareceu no especial VH1 Save the Music, que foi transmitido ao vivo em 17 de abril.[49] Ao longo de maio, Carey apresentou "We Belong Together" no Late Show with David Letterman (5 de maio), The Tonight Show with Jay Leno (11 de maio), The Ellen DeGeneres Show (13 de maio) e o The Oprah Winfrey Show (24 de maio).[49][50]

Durante o MTV Video Music Awards de 2005, Carey se apresentou no National Hotel em South Beach.[51] Acompanhada por Dupri, ela cantou "Shake It Off" e a versão oficial do remix de "We Belong Together".[52] Ela era uma artista principal no Fashion Rocks, em Mônaco.[53][54] Em 15 de novembro, Carey cantou "Shake It Off" e seu recém lançado single do re-lançamento do álbum, "Don't Forget About Us", durante o intervalo do jogo de Ação de Graças entre o Detroit Lions e o Atlanta Falcons.[55][56] Em 22 de novembro, ela abriu o 33º American Music Awards com "Don't Forget About Us".[57] Dois meses depois, ela foi artista em destaque no Times Square Ball na véspera de Ano Novo em Nova York.[58] No Grammy Awards de 2006, em 8 de fevereiro, Carey retornou ao palco do Grammy pela primeira vez em dez anos, desde 1996.[59] Sua performance começou com um vídeo pré-gravado em que ela discutiu a importância de Deus e da religião, Na vida dela.[60] Ela então subiu ao palco e cantou uma versão abreviada de "We Belong Together", seguida por "Fly like a Bird".[61] O desempenho induziu a única salva de palmas de pé naquela noite,[62] e ganhou elogios da crítica.[63][64]

Singles[editar | editar código-fonte]

Carey performando "Fly Like a Bird" no Good Morning America

"It's Like That" foi lançado como o primeiro single do álbum em 7 de janeiro de 2005. Críticos previram que a música iria reacender a popularidade de Carey entre os telespectadores da MTV.[21][24] Tornou-se sua canção mais bem sucedida internacionalmente em anos, e atingiu o número dezesseis na Billboard Hot 100 dos EUA.[65][66][67]

"We Belong Together", o segundo single do projeto, se tornou um dos maiores sucessos da carreira de Carey.[68] Tornou-se seu décimo sexto maior sucesso comercial nos Estados Unidos, passando quatorze semanas no pico do Hot 100; a maior permanência de qualquer música durante os anos 2000.[69] Além de quebrar vários recordes da Nielsen BDS, a canção foi nomeada "canção da década de 2000" pela Billboard.[70][71] "We Belong Together" liderou as paradas de singles na Austrália, Nova Zelândia e Países Baixos, e alcançou um pico entre os cinco primeiros na Dinamarca, Espanha, Suíça e Reino Unido.[72][73]

"Shake It Off" foi o terceiro single lançado de The Emancipation of Mimi. Atingiu o número dois no Hot 100, sendo barrada da primeira posição pelo single anterior de Carey, "We Belong Together".[74] Tornou-se a primeira e única vez na história da Billboard que uma artista feminina ocupou os dois primeiros lugares do chart como artista solo.[74] Foi lançado como um Lado A duplo com "Get Your Number" no Reino Unido e na Austrália, onde alcançou o top 10.[75]

"Don't Forget About Us" foi o quarto lançamento do álbum e o primeiro do Ultra Platinum Edition.[76] A canção se tornou o décimo sétimo melhor desempenho de Carey nos EUA, equiparando-a com Elvis Presley como artista solo com maior número de singles em primeiro lugar (um recorde que ela superou em 2008 com "Touch My Body").[76] "Say Somethin' " foi lançado como o quinto single do álbum nos EUA, ao mesmo tempo em que "Fly Like a Bird" foi lançado como single promocional.[13] "Mine Again" não foi lançada como single, mas alcançou o 73º lugar na parada de Hot R&B/Hip-Hop da Billboard devido às vendas.[77]

Turnê[editar | editar código-fonte]

Carey se concentrou em fornecer um equilíbrio entre as músicas de seu repertório já existente e apresentar suas canções mais recentes e a persona de 'Mimi'. A foto mostra um cenário com o slogan da turnê, 'MIMI'.[78]

Dezesseis meses após o lançamento do álbum, Carey anunciou sua primeira turnê em três anos, chamada The Adventures of Mimi: The Voice, The Hits, The Tour, depois de um diário musical de "fãs centrados em Carey".[78][79] Começando em 22 de julho e terminando em 28 de outubro, a turnê teve quarenta apresentações, com trinta e dois nos EUA e Canadá, duas na África e seis no Japão.[80][81] A turnê contou com o amigo de longa data da cantora, Randy Jackson como diretor musical.[82][83] Em uma entrevista para a Associated Press, Carey descreveu a direção da turnê, bem como a música que ela iria performar:

Com esta turnê, eu vou estar trabalhando em alguns arranjos diferentes para algumas das músicas antigas, para dar um pouco mais de vida a elas. Isso não quer dizer que elas vão soar totalmente diferentes e enlouquecer ninguém ... Eu adoro re-cantar músicas para músicas diferentes. Eu realmente quero fazer uma turnê com essas novas músicas, assim como sucessos mais antigos. Essas novas músicas significam muito para mim, desta vez da minha vida tem sido tão maravilhoso para mim, e eu quero experimentar isso com meus fãs.[78]

A turnê recebeu uma recepção em sua maioria mista dos críticos; enquanto os vocais da cantora foram considerados um destaque, os críticos sentiram que os excessos na digressão, como as freqüentes trocas de figurino e clipes pré-filmados, que distraíam o público.[84][84][85] Em Tunis, Carey tocou para 80.000 pessoas durante dois shows.[81] No meio da turnê, ela reservou um show de duas noites em Hong Kong, programado para depois de seus shows japoneses.[86] As apresentações foram canceladas depois que os ingressos foram colocados à venda; O então gerente da Carey, Benny Medina, disse que o cancelamento ocorreu porque o promotor do show se recusou a pagar a compensação acordada.[86] O promotor culpou as baixas vendas de ingressos (supostamente, apenas 4.000 ingressos foram vendidos) e as "exigências exageradas de Carey".[87] Medina depois contestou o número de vendas de ingressos do promotor, dizendo que 8.000 ingressos haviam sido vendidos. Ele disse que Carey teria se apresentado contanto que fosse compensada, independentemente da venda de ingressos.[87] Carey finalmente processou o promotor, alegando um milhão em danos pelo cancelamento abrupto do concerto.[88]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic 64/100[89]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 3 de 5 estrelas.[90]
Billboard (Favorável)[91]
Entertainment Weekly B[29]
The Guardian 4 de 5 estrelas.[92]
Los Angeles Times 2 de 4 estrelas.[93]
The New York Times (Favorável)[32]
Rolling Stone 2.5 de 5 estrelas.[94]
Stylus Magazine B−[31]
Slant Magazine 3.5 de 5 estrelas.[27]
USA Today 3.5 de 4 estrelas.[95]

The Emancipation of Mimi recebeu 64 de 100 (indicando "resenhas em sua maioria positivas") no Metacritic, um site que avalia as críticas profissionais dos críticos em uma pontuação numérica.[89] Stephen Thomas Erlewine do AllMusic, chamou o álbum de "peça altamente trabalhada de dance-pop" e "relativo retorno" para Carey, embora não seja tão "cativante" quanto ele achava que deveria ter sido. Erlewine expressou uma crítica comum ao álbum: a voz de Carey parecia "danificada" em comparação com seus "anos de glória" nos anos 90. Ele comentou que nas músicas com faixas como "Fly Like a Bird" e "I Wish You Knew", a voz de Carey soava "tão leve, fina, e danificada como em Charmbracelet".[90] Michael Paoletta da Billboard foi menos crítico com seus vocais, escrevendo que "enquanto sua voz perdeu um pouco do poder através dos anos, Mimi habilmente mostra seus tubos ainda consideráveis ​​com letras fortes e produção chic". Paoletta elogiou The Emancipation of Mimi como o melhor álbum de Carey desde Butterfly (1997).[91] Michael Dougall Bell do Calgary Sun, chamou a voz de Carey de "muito impressionante". Ele concluiu: "Enquanto Emancipation não pode enviar as ações de Carey ou estrelas de volta para onde antes era e onde essa voz merece ser, pelo menos ela não está despencando - ela é apenas nivelada".[96] O editor da Entertainment Weekly, Tom Sinclair, observou que quase todas as músicas "mostram as inegáveis ​​forças vocais de Carey". Revendo "Fly Like a Bird", Sinclair concluiu: "É tão comovente que resistiremos à tentação de ser grosseiro e interpretar a música como um apelo por vendas recordes. A ajuda de cima é sempre bem-vinda, mas Emancipation parece ser apenas pode fazer tudo bem por conta própria".[29]

Jennifer Vineyard da MTV News considerado que o título do álbum foi influenciado por Damita Jo de Janet Jackson, que também foi baseada em uma personalidade alternativa.[9] De acordo com Jenson Macey da BBC News, The Emancipation of Mimi foi o trabalho mais forte de Carey nos anos 2000; ele disse que o álbum "levou-a de volta ao topo da lista-A".[97] Caroline Sullivan do The Guardian deu ao álbum quatro estrelas em cinco, chamando-o de "legal, focado e urbano".[92] Jon Pareles do The New York Times, elogiou como Carey escreveu todo o material do álbum. Ele sentiu que o som do disco era novo e inovador: "em The Emancipation of Mimi, ela se disciplina em coerência, usando menos truques e soando mais convincente. Ela também descobre o que cantores menores podem dar certo: uma certa leveza que facilita seu senso constante de controle".[32] Cummings de PopMatters deu o álbum sete de dez estrelas, alegando que ele é a redenção de Carey das algemas de seus dois últimos lançamentos. Ele elogiou os singles do álbum, mas chamou algumas de suas músicas de "bregas" e "desnecessariamente superproduzidas".[26] Todd Burns, da Stylus Magazine, deu o álbum a B−, admirando sua variedade de batidas e tempos. Burns, no entanto, chamou algumas das produções de The Neptunes e Dupri de "mal aconselhadas".[31] Ele chamou alguns dos vocais de Carey "tensos, finos e arejados".[31] Embora considerando-a como uma melhoria em relação aos seus lançamentos anteriores na década, ele concluiu que "sofre com o fato de que os vocais dela se deterioraram - um simples fato dos estragos que sua voz sofreu nos últimos quinze anos".[31] Sal Cinquemani da Slant Magazine deu a The Emancipation of Mimi três e meia estrelas de cinco, chamando-a de "redenção". Ele elogiou sua variedade de batidas e sua produção.[27] A CBS News achou que o conteúdo do álbum era "mais forte" do que em Charmbracelet, e descreveu-o como uma mudança no plano de longo prazo de dominação pop de Carey, ao mesmo tempo em que exalava a "vibe nervosa de R&B que tornou o Destiny's Child um grande sucesso". Ele acrescentou que "Mariah voltou a cantar - enquanto ainda empurra os limites do bom gosto com ela mal há roupas".[5]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Publicação Reconhecimento Rank Ref.
Entertainment Weekly Os 100 melhores álbuns de 1983 a 2008
21
The New Classics: Music
21
NPR Os 150 melhores álbuns feitos por mulheres
143
Rolling Stone Os 50 melhores álbuns de 2005
43
Slant Os 10 melhores álbuns de 2005
9
Soul in Stereo Os 30 melhores álbuns de R&B dos anos 2000
3

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Carey cantando "We Belong Together" no Good Morning America

The Emancipation of Mimi se tornou o álbum mais vendido de Carey nos EUA desde Daydream (1995).[104] Em sua primeira semana de lançamento, ele estreou no número um na Billboard 200 com 404.000 cópias vendidas, as maiores vendas na primeira semana da carreira de Carey, até que E=MC² debutou com 463.000 em 2008.[105] Tornou-se seu quinto álbum número um no país e seu terceiro álbum a estrear no topo.[106] Ele permaneceu no top 10 por muitos meses antes de cair para o número onze em 28 de setembro de 2005.[107] O álbum permaneceu no top vinte por trinta e uma semanas consecutivas. Ele retornou ao top cinco após o lançamento do Ultra Platinum Edition, que ajudou o álbum a se recuperar para o número quatro, com vendas de 185.000 unidades.[108] The Emancipation of Mimi foi o álbum mais vendido nos EUA em 2005, com quase cinco milhões de unidades vendidas. Na última semana do ano, o álbum superou o The Massacre, de 50 Cent, lançado mais de seis semanas antes.[109] Foi o primeiro álbum de uma artista feminina a se tornar o álbum mais vendido do ano, em quase dez anos, desde Jagged Little Pill, de Alanis Morissette, em 1996.[110] Dez meses após o seu lançamento, o álbum foi certificado seis vezes platina pela RIAA, e atingiu a marca de 6 milhões de vendas nos EUA em 2013.[111]

The Emancipation of Mimi entrou na parada de álbuns da Austrália em 17 de abril de 2005, no número 13.[112] Durante a semana seguinte, atingiu o pico e passou uma semana no número seis. O álbum passou um total de quarenta e seis semanas no gráfico.[112] Foi certificado como platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA) – com mais de 70.000 unidades comercializadas – e terminou em número vinte e sete na Parada de Fim de Ano.[113][114] No Canadá, The Emancipation of Mimi estreou e alcançou o segundo lugar no Canadian Albums Chart, com vendas na primeira semana de 11.000 unidades.[106][115] O álbum foi certificado platina tripla pela Canadian Recording Industry Association (CRIA) pelas mais de 240.000 unidades comercializadas.[116][117] The Emancipation of Mimi debutou no número sete no UK Albums Chart na data de 6 de abril de 2005.[118] Em 23 de julho, quatorze semanas após sua estréia, o álbum mais uma vez atingiu a posição de número sete.[119] Após uma reentrada, o álbum passou um total combinado de quarenta e três semanas na lista de álbuns, sendo certificado como platina dupla pela British Phonographic Industry (BPI) pela comercialização de 600.000 cópias. Em maio de 2008, as vendas britânicas do álbum chegaram em 621.352 unidades.[120][121]

Na França, o álbum estreou em sua posição de pico de número quatro em 9 de abril de 2005.[122] O disco passou um total de cinquenta e uma semanas no quadro, e foi certificado como ouro pelo Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP), significando vendas de 100.000 exemplares.[123] Oito meses após o seu lançamento na Europa, a International Federation of the Phonographic Industry (IFPI) certificou The Emancipation of Mimi, com platina, o que significa vendas de mais de um milhão de unidades em todo o continente.[124] Na Ásia, mais precisamente em Hong Kong, foi premiado com o Prêmio de Disco de Ouro, que é emitido para os dez álbuns estrangeiros mais vendidos todos os anos.[125] The Emancipation of Mimi estreou no número dois no Japanese Albums Chart, e foi disco de platina certificado (250.000 unidades vendidas) pela Recording Industry Association of Japan (RIAJ).[126][127] No final de 2005, a IFPI relatou que The Emancipation of Mimi havia vendido 7,7 milhões de cópias globalmente, e foi o segundo álbum mais vendido do ano, depois do X&Y do Coldplay. Foi o álbum mais vendido por uma artista feminina solo.[128][129] Em outubro de 2011, The Emancipation of Mimi vendeu 10 milhões de cópias em todo o mundo.[130]

The Emancipation of Mimi foi classificado como o 52º melhor álbum de todos os tempos na lista 200 Melhores Álbuns de Todos os Tempos pela Billboard.[131]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

The Emancipation of Mimi recebeu muitos prêmios e indicações. Ganhou dez indicações ao Grammy Awards em 2006–07: oito em 2006 para o lançamento original (o mais recebido por Carey em um único ano) e dois em 2007 pelo relançamento Ultra Platinum Edition. Em 2006, Carey ganhou o Best Contemporary R&B Album por The Emancipation of Mimi, bem como Album of the Year (The Emancipation of Mimi), Record of the Year ("We Belong Together"), Song of the Year ("We Belong Together"), Best Female Pop Vocal Performance ("It's Like That"), and Best Traditional R&B Vocal Performance ("Mine Again").[132] Em 2007, "Don't Forget About Us" foi indicado para Best Female R&B Vocal Performance e Best R&B Song, não vencendo nenhum dos dois.[133]

The Emancipation of Mimi venceu o Soul Train Awards de Best R&B/Soul Album e Best Female R&B/Soul Album, e o Vibe Award de 2005 para Álbum do Ano.[134][135] A Rolling Stone classificou o álbum no número 43 em sua lista de 2005 dos melhores álbuns do ano,[136] e Entertainment Weekly classificou no número 21 em sua lista dos "Top 100 melhores álbuns dos últimos 25 anos".[137] "We Belong Together" ganhou um Teen Choice Award,[138] um World Music Award,[139] cinco Billboard Music Awards,[140][141] quatro Radio Music Awards,[142] e três Bambi Awards.[143] "Shake it Off" e "Don't Forget About Us" ganhou dois Bambis adicionais.[143] Depois que Carey recebeu o Bambi, o prêmio chamou a atenção da mídia depois que ele foi roubado do camarim da cantora.[144]

Lista das faixas[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "It's Like That"  
  • Dupri
  • Carey
  • Seal
3:23
2. "We Belong Together"  
  • Dupri
  • Carey
  • Seal
3:21
3. "Shake It Off"  
  • Dupri
  • Carey
  • Cox
3:52
4. "Mine Again"  
  • Poyser
  • Carey
4:01
5. "Say Somethin'" (com participação de Snoop Dogg)The Neptunes 3:44
6. "Stay the Night"  
  • West
  • Carey
3:57
7. "Get Your Number" (com participação de Jermaine Dupri)
3:15
8. "One and Only" (com participação de Twista)
  • The Legendary Traxster
  • Carey
3:14
9. "Circles"  
  • Carey
  • James Wright
  • Carey
  • Wright
3:30
10. "Your Girl"  
  • Carey
  • Scram Jones
  • Mark Shemer
  • Scram Jones
  • Carey
2:46
11. "I Wish You Knew"  
  • Carey
  • Wright
  • Carey
  • Wright
3:34
12. "To the Floor" (com participação de Nelly)
The Neptunes 3:27
13. "Joy Ride"  
  • Carey
  • Jeffery Grier
  • Young Genius
  • Carey
4:03
14. "Fly Like a Bird"  
  • Carey
  • Walker
  • Wright
  • Carey
  • Wright
3:52

Créditos

  • "It's Like That" com amostras de "Hollis Crew" de Run-DMC e "La Di Da Di" de Doug E. Fresh e MC Ricky D
  • "We Belong Together" com amostras de "If You Think You're Lonely Now" de Bobby Womack e "Stares and Whispers" de Renée Geyer
  • "Stay the Night" com amostras de "Betcha by Golly Wow!" e Ramsey Lewis e "Who's in the House" de The 45 King
  • "Get You Number" com amostras de "Just an Illusion" de Imagination e "Weak at the Knees" de Steve Arrington
  • "Your Girl" com amostras de "A Life with You" de Adeaze
  • "Sprung" com amostras de "Do it Again" de The New Birth
  • "Makin' It Last All Night (What It Do)" com amostras de "Freek'n You" by Jodeci
  • "We Belong Together" (Remix) com amostras de "Two Occasions" de The Deele e "If You Think You're Lonely Now" de Bobby Womack

Créditos[editar | editar código-fonte]

Créditos de The Emancipation of Mimi são adaptados das notas do álbum.[147]

  • Mariah Carey – produtora (faixas 1–4, 6–11, 13–14), produtora executiva, vocais (todas as faixas), vocais de fundo (faixas 1–3, 6, 8–11, 13–14)
  • Courtney Bradley – vocais de fundo (faixa 14)
  • Calvin Broadus – vocais (faixa 5)
  • Rick Brunermer – flauta (faixas 4, 9, 11), saxofone tenor (9, 11)
  • Jason Carson – engenheiro assistente de gravação (faixas 5, 12)
  • Dana Jon Chappelle – engenheira de gravação (faixas 4 a 6, 8 a 14)
  • Andrew Coleman – engenheiro de gravação (faixas 5, 12)
  • Bryan-Michael Cox – produtor (trilha 3)
  • Jeff Dieterie – trombone (faixas 4, 9, 11), trombone baixo (9, 11)
  • Darryl Dixon – saxofone alto (faixas 4, 9, 11)
  • Charley Drayton – bateria (faixas 4, 9, 11)
  • Jermaine Dupri – produtor (1–3, 7), mixagem de áudio (3, 7), vocais (1, 3, 7)
  • Manuel Farolfi – engenheiro assistente de gravação (faixas 6, 8–9, 14)
  • Jason Finkel – engenheiro assistente de gravação (faixas 4, 6, 9, 11, 14)
  • Isaac Freeman – vocais adicionais de rap (faixa 1)
  • Brian Frye – engenheiro de gravação (faixa 7)
  • Brian Garten – engenheiro de gravação (todas as faixas), mixagem de áudio
  • Cornell Haynes – vocais (faixa 12)
  • Loris Holland – teclados adicionais (faixas 9, 11, 14)
  • John Horesco – engenheiro de gravação (faixas 1–3, 7), mixagem de áudio
  • Chops Chifres – chifre (faixas 4, 9, 11)
  • Chade Hugo – produtor (faixas 5, 12)
  • Ken Duro Ifill – mixagem
  • Randy Jackson – baixo (faixas 4, 9, 11)
  • Jeffrey Lee Johnson – guitarra (faixas 4, 9, 11)
  • Rev. Dr. Clarence Keaton – voz falada (faixa 14)
  • Michael Leedy – engenheiro assistente de gravação (faixas 4, 6, 9, 11, 14)
  • Samuel "Legendary Traxster" Lindley – produtor (faixa 8)
  • Trey Lorenz – vocais de fundo (faixas 7, 11, 13-14)
  • Manny Marroquin – mixagem de áudio (faixa 6)
  • Carl Mitchell – vocais (faixa 8)
  • Mike Pierce – engenheiro de gravação (faixa 8)
  • James Phillips – produtor (faixa 7)
  • Jason Phillips – vocais
  • Herb Power – masterização
  • James Poyser – produtor, teclado (faixa 4)
  • LA Reid – produtor executivo
  • Joe Romano – flugelhorn, trompete (faixas 4, 9, 11)
  • Manuel Seal – produtor (faixas 1–2)
  • Ernesto Shaw – mixagem
  • Marc Shemer – produtor (faixa 10)
  • Dexter Simmons – mixagem
  • David Styles – vocais
  • Phil Tan – mixagem de áudio (faixas 1 a 5, 7, 9, 11 a 14)
  • Maryann Tatum – vocais de fundo (faixas 1, 9-11, 14)
  • Sherry Tatum – vocais de fundo (faixas 1, 9, 11, 14)
  • Pat Viala – mixagem de áudio (faixas 8, 10)
  • Jeff Villanueva – engenheiro
  • Kanye West – produtor (faixa 6)
  • Pharrell Williams – produtor, vocal adicional (faixas 5, 12)
  • James Wright – produtor (9, 11, 14), teclados (9, 11)

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Região Certificação Vendas
Austrália (ARIA)[185] Platina 70,000^
Brasil (Pro-Música Brasil)[186] Ouro 50,000*
Canadá (Music Canada)[187] 3× Platina 300,000^
Estados Unidos (RIAA)[188] 6× Platina 6,100,000[189]
França (SNEP)[190] Ouro 169,200[191]
Hong Kong (IFPI Hong Kong Group)[192] Ouro 10,000*
Japão (RIAJ)[193] Platina 259,275[178]
Nova Zelândia (RMNZ)[194] Platina 15,000^
Reino Unido (BPI)[195] 2× Platina 621,352[120]
Resumo
Europa (IFPI)[196] Platina 1,000,000*

*números de vendas baseados somente em certificação
^números de distribuições baseados somente em certificação

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato Gravadora
México[197] 30 de março de 2005 CD, download digital Island
Portugal[198] 31 de março de 2005 CD, download digital
Nova Zelândia[199] 1 de abril de 2005
Japão[200] 12 de abril de 2005
Austrália[201] 4 de abril de 2005 Universal
Nova Zelândia[202] Island
Brasil[203] Universal
Reino Unido[204] Mercury
Canadá[205] 5 de abril de 2005 Universal
Estados Unidos[206] 12 de abril de 2005 Island
França[207]
China[208] 11 de maio de 2005

Referências

  1. C, K. «The Emancipation of Mimi». Billboard. Consultado em 24 de fevereiro de 2011. Carey's emancipation is drenched in hip-hop and old-school R&B ballads 
  2. Rashbaum, Alyssa. «New Releases: Mariah Carey, Garbage, Mudvayne, Millencolin, Slipknot & More». MTV. Consultado em 24 de fevereiro de 2011. Mariah Carey's eighth studio album is a predominantly pop and R&B effort. The album is tinged with hip-hop inflections 
  3. «The 'Glitter' May Be Gone, But Mariah Carey Is Coming Back Strong». The San Diego Union-Tribune. Platinum Equity. 29 de novembro de 2002. Consultado em 13 de junho de 2011 
  4. a b Anderson, Joan (6 de Fevereiro de 2006). «Carey, On!». The Boston Globe. The New York Times Company. Consultado em 13 de Maio de 2011 
  5. a b c d e Meyer, Andre (13 de dezembro de 2005). «Carey On». CBC News. Canadian Broadcasting Corporation. Consultado em 24 de fevereiro de 2011 
  6. a b c d e f «Bands A–Z: Mariah Carey». MTV. Viacom. Consultado em 24 de fevereiro de 2011 
  7. Philips, Chuck (23 de janeiro de 2002). «EMI To Drop Mariah Carey, Sources Say». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 19 de julho de 2011 
  8. a b c «Mariah Carey Released After Breakdown». The Free Lance–Star. The Free Lance–Star Publishing Company. 9 de agosto de 2001. Consultado em 15 de junho de 2011 
  9. a b c Vineyard, Jennifer (18 de novembro de 2004). «Janet Has Damita Jo, Madonna Has Esther – Now, Mariah Has 'Mimi'». MTV News. Viacom. Consultado em 24 de fevereiro de 2011 
  10. Walls, Jeanette (24 de novembro de 2004). «Mariah? Now it's 'Mimi'». MSNBC. NBCUniversal. Consultado em 8 de abril de 2011 
  11. Williams, Houston (12 de abril de 2005). «Mariah Carey: Make It Happen» (em inglês). AllHipHop. AHH Holdings. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  12. a b c Gardner, Elysa (28 de maio de 2005). «Carey 'Really Happy for the First Time'». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  13. a b c Ferguson, Tom. «Mariah Carey: Say Somethin'». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  14. a b Vineyard, Jennifer (18 de maio de 2006). «Road To The Grammys: The Story Behind Mariah Carey's 'We Belong Together'» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  15. Martens, Todd (7 de janeiro de 2006). «Race For Record Of The Year, A Close Call». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  16. «Bands A–Z: Mariah Carey» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  17. Friedman, Roger. «Mariah Prepares 'The Emancipation of Mimi'». Fox News. News Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  18. «New on Disc». Hartford Courant. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  19. Paoletta, Michael. «Reviews and Previews». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  20. Erlewine, Stephen Thomas. «Glitter». AllMusic. Rovi Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  21. a b c d e f g h i Ehrlich, Dimitri. «Revolutions». Vibe. Consultado em 27 de junho de 2019 
  22. «Grammys Dig West, Carey». Chicago Tribune. Tony W. Hunter. Consultado em 27 de junho de 2019 
  23. Katz, Larry. «Music; Carey Tries to Break Free of past With 'Emancipation'». Boston Herald. Consultado em 27 de junho de 2019 
  24. a b Cummings, Jozen. «Mariah Carey: The Emancipation of Mimi». PopMatters. Consultado em 27 de junho de 2019 
  25. «Single Her Out; Mariah's Up-Beat and Record-Setting». New York Post. Consultado em 27 de junho de 2019 
  26. a b c d e f «Mariah Carey: The Emancipation of Mimi < Reviews». PopMatters. Consultado em 27 de junho de 2019 
  27. a b c d Cinquemani, Sal. «Mariah Carey: The Emancipation Of Mimi». Slant Magazine. Consultado em 27 de junho de 2019 
  28. a b c «Mariah: Free At Last». Windy City Times. Windy City Media Group. Consultado em 27 de junho de 2019 
  29. a b c «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de junho de 2019 
  30. Walters, Barry. «Mariah Carey: The Emancipation of Mimi». Rolling Stone. Consultado em 27 de junho de 2019 
  31. a b c d e Burns, Todd. «Mariah Carey: The Emancipation of Mimi». Stylus. Consultado em 27 de junho de 2019 
  32. a b c «Reaching for Stratosphere in a Diminished World». The New York Times. Arthur Ochs Sulzberger, Jr. Consultado em 27 de junho de 2019 
  33. «The Emancipation of Mimi – Mariah Carey» (em Spanish). iTunes Store Mexico. Apple. Consultado em 27 de junho de 2019 
  34. «The Emancipation of Mimi – Mariah Carey». iTunes Store Australia. Apple. Consultado em 27 de junho de 2019 
  35. «The Emancipation of Mimi – Mariah Carey». iTunes Store New Zealand. Apple. Consultado em 27 de junho de 2019 
  36. «The Emancipation of Mimi». Amazon.com (United Kingdom). Consultado em 27 de junho de 2019 
  37. «The Emancipation of Mimi». Amazon Canada. Consultado em 27 de junho de 2019 
  38. «The Emancipation of Mimi» (em French). Amazon France. Consultado em 27 de junho de 2019 
  39. «The Emancipation of Mimi» (em Japanese). Amazon Japan. Consultado em 27 de junho de 2019 
  40. «The Emancipation of Mimi». Amazon United States. Consultado em 27 de junho de 2019 
  41. «The Emancipation of Mimi» (em Chinese). Amazon China. Consultado em 27 de junho de 2019 
  42. a b c Erlewine, Stephen Thomas. «The Emancipation of Mimi: UK Bonus Track». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  43. «Mariah Carey Emancipating Mimi Again, With Bonus Tracks». MTV News. Viacom. Consultado em 27 de junho de 2019 
  44. «Robbie Wins Top Award in Germany». CBS News. CBS. Consultado em 27 de junho de 2019 
  45. «Celebrity Circuit». CBC News. CBS. Consultado em 27 de junho de 2019 
  46. a b «Last Minute Problems Dog Up CBS 'Early Show' Debut – Mariah Carey Fans Get the Silent Treatment». New York Post. Consultado em 27 de junho de 2019 
  47. «The Return of the Voice on 'GMA'». ABC News. The Walt Disney Company. Consultado em 27 de junho de 2019 
  48. Ogunnaike, Lola. «An Emancipated Mariah Attempts a Comeback». Record-Journal. New York Times News Service. Consultado em 27 de junho de 2019 
  49. a b «Mariah Carey's Sixteenth #1 Single – Shares Parthenon with The Beatles and Elvis Presley!». Business Wire. Berkshire Hathaway. Consultado em 27 de junho de 2019 
  50. «TV Today». The Philadelphia Inquirer. Philadelphia Media Holdings. Consultado em 27 de junho de 2019 
  51. «The Killers – Miami Hotels Play Host To MTV VMA Performances». Contactmusic.com. Consultado em 27 de junho de 2019 
  52. Slezak, Michael. «The Video Music Awards». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de junho de 2019 
  53. Fresco, Adam. «Pregnant Heiress Robbed of Jewels». The Sunday Times. Consultado em 27 de junho de 2019 
  54. «Mariah Carey Left Devastated After the Theft of Gold Record». Spotlight. BBC. Consultado em 27 de junho de 2019 
  55. «Garcia Still No. 1, Even on Bench». Chicago Tribune. Consultado em 27 de junho de 2019 
  56. «Mariah Carey to Perform at Thanksgiving Halftime Show». USA Today. Consultado em 27 de junho de 2019 
  57. «Mariah Carey, Destiny's Child, Score AMAs». MSNBC. NBCUniversal. Consultado em 27 de junho de 2019 
  58. «Ring in the Year – With 70 Year Olds». MSNBC. NBCUniversal. Consultado em 27 de junho de 2019 
  59. Glaister, Dan. «Triumphant U2 Steals Carey's Grammy Glory». The Guardian. Consultado em 27 de junho de 2019 
  60. Susman, Gary. «Dance To The Music». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de junho de 2019 
  61. «Mariah And Kanye Win, But In The End U2 – And Curveballs – Rule Grammy Night». MTV News. Viacom. Consultado em 27 de junho de 2019 
  62. «Mariah Carey, Meet U2, Kelly; Comeback Stalled as U2 Takes five Grammys Canadians Come Up Empty-handed at Awards Show». Toronto Star. Consultado em 27 de junho de 2019 
  63. «Few Big Surprises, Except One: The Music Dominated». The New York Times. Consultado em 27 de junho de 2019 
  64. «Mariah: She Was Almost On Fire (Fi-ah)». Fox News. News Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  65. «Mariah Carey Album & Song Chart History». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  66. «Top 40 Official UK Singles Archive». UK Singles Chart. The Official Charts Company. Consultado em 27 de junho de 2019 
  67. «Mariah Carey – It's Like That» (em French). French Singles Chart. Hung Medien. Consultado em 27 de junho de 2019 
  68. Anderson, Joan. «For Carey, The Glory Is Gone But The Glitter Lives On». Boston Globe. Richard H. Gilman. Consultado em 27 de junho de 2019 
  69. Cinquemani, Sal. «2005: Year in Music». Slant Magazine. Consultado em 27 de junho de 2019 
  70. «Ask Billboard: Katy Perry, Christina Aguilera, Lady Gaga». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  71. «Best of the 2000s: Hot 100 Songs». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  72. «Mariah Carey – We Belong Together» (em French). French Singles Chart. Hung Medien. Consultado em 27 de junho de 2019 
  73. «Top 40 Official UK Singles Archive». UK Singles Chart. The Official Charts Company. Consultado em 27 de junho de 2019 
  74. a b Mayfield, Geoff. «Carey Sweeps». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  75. «Mariah Carey – Get Your Number». ARIA Charts. Hung Medien. Consultado em 27 de junho de 2019 
  76. a b «Mariah Carey's "Don't Forget About Us" Hits #1». Universal Music Group. Vivendi. Consultado em 27 de junho de 2019 
  77. «Mariah Carey: Chart History». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  78. a b c «Mariah Carey Taps 'Idol's' Randy Jackson to Retool 'Adventures of Mimi' Tour». Fox News. News Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  79. Smith, Dane. «Mariah Carey Readies First Tour in Three Years». Rolling Stone. Consultado em 27 de junho de 2019 
  80. Vineyard, Jennifer. «Mariah Carey Plots Mimi's Touring Adventure». MTV News. Viacom. Consultado em 27 de junho de 2019 
  81. a b «'Comeback' Succeeded For Carey In Tunis». Mariahcarey.com. Consultado em 27 de junho de 2019 
  82. Dratler, David. «Carey, Jackson Spice Up Old Hits». TimesDaily. Tennessee Valley Printing. Consultado em 27 de junho de 2019 
  83. Roura, Phil. «Carey Set for August». Daily News. Consultado em 27 de junho de 2019 
  84. a b «Mariah Carey Tour Kickoff: The Voice Outshines Costume Changes, Video Clips». MTV News. Viacom. Consultado em 27 de junho de 2019 
  85. «Mimi Hits the Garden, Just Like That». Newsday. Cablevision. Consultado em 27 de junho de 2019 
  86. a b «Mariah Carey's Hong Kong Concert Called Off». Fox News. News Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  87. a b «People – International Herald Tribune». The New York Times. Arthur Ochs Sulzberger, Jr. Consultado em 27 de junho de 2019 
  88. «Mariah Sues, Tries to Aid Mongolians». E!. NBCUniversal. Consultado em 27 de junho de 2019 
  89. a b «The Emancipation of Mimi – Mariah Carey». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 27 de junho de 2019 
  90. a b «The Emancipation of Mimi > Overview». AllMusic. Rovi Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  91. a b Paoletta, Michael. «Essential Reviews». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  92. a b Sullivan, Caroline. «Mariah Carey, The Emancipation of Mimi». The Guardian. Consultado em 27 de junho de 2019 
  93. Nichols, Natalie. «Meet the New Carey, Same as Old Carey». Los Angeles Times. Eddy Hartenstein. Consultado em 27 de junho de 2019 
  94. Walters, Barry. «The Emancipation of Mimi». Rolling Stone. Consultado em 27 de junho de 2019 
  95. Gardner, Elysa. «Mariah rebounds, Garbage is sweet, Will Smith gets lost». USA Today. Consultado em 27 de junho de 2019 
  96. Bell, Mike. «The Emancipation of Mimi: Carey Catches Her Own All». Calgary Sun. Quebecor. Consultado em 27 de junho de 2019 
  97. «The Fall and Rise of Mariah Carey». BBC News. BBC. Consultado em 27 de junho de 2019 
  98. https://www.stereogum.com/10586/ews_100_best_albums_from_1983_to_2008/franchises/list/
  99. https://ew.com/article/2007/06/18/new-classics-music/
  100. https://www.npr.org/2018/04/09/600116052/turning-the-tables-the-150-greatest-albums-made-by-women-as-chosen-by-you
  101. http://www.rocklistmusic.co.uk/rolling.htm
  102. https://www.slantmagazine.com/features/article/2005-year-in-music/P2
  103. http://www.soulinstereo.com/2017/08/ranking-the-30-best-rb-albums-of-the-2000s.html
  104. «Ask Billboard: Madonna vs. Whitney ... vs. Mariah». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  105. «Mariah Debuts At No. 1 After Monster First Week». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  106. a b «Mariah Carey > Charts & Awards > Billboard Albums». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 27 de junho de 2019 
  107. «Disturbed, Bon Jovi Rule The Chart». Consultado em 27 de junho de 2019 
  108. «Madonna's New Album Rules Pop Chart». China Daily. China Daily Group. Consultado em 27 de junho de 2019 
  109. «Carey Caps '05 By Capping Fiddy». E!. NBCUniversal. Consultado em 27 de junho de 2019 
  110. Susman, Gary. «Mariah Carey Has the Year's Top-selling CD». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de junho de 2019 
  111. «Miley Cyrus Twerks Her Way to ... 9th Place?». Consultado em 27 de junho de 2019 
  112. a b «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi». ARIA Charts. Hung Medien. Consultado em 27 de junho de 2019 
  113. «ARIA Charts – Accreditations – 2005 Albums». ARIA Charts. Australian Recording Industry Association. Consultado em 27 de junho de 2019 
  114. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2005». ARIA Charts. Australian Recording Industry Association. Consultado em 27 de junho de 2019 
  115. Williams, John. «Carey, Arden Can't Beat 50 On Canadian Chart». Jam!. CANOE. Consultado em 27 de junho de 2019 
  116. «CRIA Gold and Platinum Certifications: November 2005». Canadian Recording Industry Association. Consultado em 27 de junho de 2019 
  117. «Mariah Carey's Certifications for Canada.pdf» (PDF). Canadian Recording Industry Association. Consultado em 27 de junho de 2019 
  118. «Top 40 Official UK Albums Archive». UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 27 de junho de 2019 
  119. «Top 40 Official UK Albums Archive». UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 27 de junho de 2019 
  120. a b «Kooks Top Albums Chart». Music Week. United Business Media. Consultado em 27 de junho de 2019 
  121. «Certified Awards Search». British Phonographic Industry. Consultado em 27 de junho de 2019 
  122. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em French). French Albums Chart. Hung Medien. Consultado em 27 de junho de 2019 
  123. «Certifications Albums Or – année 2005» (em French). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 27 de junho de 2019 
  124. «November 2005 – Platinum Europe Awards». International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 27 de junho de 2019 
  125. «Record Sales in Hong Kong Awards 2005». International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 27 de junho de 2019 
  126. «Profile of Mariah Carey» (em Japanese). Oricon. Consultado em 27 de junho de 2019 
  127. «July 2005 List of Certified and Gold Work». Recording Industry Association of Japan. Consultado em 27 de junho de 2019 
  128. «Top 50 Global Best Selling Albums for 2005» (PDF). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 27 de junho de 2019 
  129. «Coldplay Top 2005's Global Charts». BBC News. BB. Consultado em 27 de junho de 2019 
  130. «The Business of Justin Bieber». Hollywood Reporter. Consultado em 27 de junho de 2019 
  131. «Greatest of All Time Billboard 200 Albums». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2019 
  132. Gundersen, Edna. «Carey, West, Legend Lead The Grammy pack». USA Today. Consultado em 27 de junho de 2019 
  133. «Past Winners Search». National Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 27 de junho de 2019 
  134. Silverman, Stephen M. «Mariah Carey Triumphs At Vibe Awards». People. Consultado em 27 de junho de 2019 
  135. «Mariah Carey Wins at the Soul Train Awards». The Star. Asia News Network. Consultado em 27 de junho de 2019 
  136. «The Top 50 Records of 2005». Rolling Stone. Consultado em 27 de junho de 2019 
  137. «The 100 Best Albums From 1983 To 2008». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de junho de 2019 
  138. «Teen Choice Awards». BBC News. BBC. Consultado em 27 de junho de 2019 
  139. Rodgers, Larry. «And In The Best Guess Category...». The Arizona Republic. Consultado em 27 de junho de 2019 
  140. Mitchell, Tom. «Billboard Music Awards Doled Out In L.A.». Pittsburgh Tribune-Review. Richard Mellon Scaife. Consultado em 27 de junho de 2019 
  141. «Greenday Wins At Billboard Awards». BBC News. BBC. Consultado em 27 de junho de 2019 
  142. Hall, Sarah. «Mariah's Cinematic Comeback». E!. NBCUniversal. Consultado em 27 de junho de 2019 
  143. a b «Mariah Carey Career Achievement Awards». Mariahcarey.com. Consultado em 27 de junho de 2019 
  144. «Mariah Carey – Thief Steals Carey's Gold Record». Contactmusic.com. Consultado em 27 de junho de 2019 
  145. a b Erlewine, Stephen Thomas. «The Emancipation of Mimi: Japan Bonus Track». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 24 de Janeiro de 2013 
  146. Erlewine, Stephen Thomas. «The Emancipation of Mimi: Bonus Tracks/DVD». AllMusic. Rovi Corporation. Consultado em 24 de Janeiro de 2013 
  147. The Emancipation of Mimi (Ultra Platinum Edition) (CD liner). Europe / India: Island / Universal Music. 2005. pp. 5–14. LC00407 
  148. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Media Control Charts)» (em inglês). Media Control Charts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  149. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  150. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Ö3 Austria Top 40)» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  151. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Ultratop 50)» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  152. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Ultratop 40)» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  153. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Canadian Albums Chart)» (em inglês). Canadian Albums Chart. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  154. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Tracklisten)» (em inglês). Tracklisten. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  155. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Productores de Música de España)» (em inglês). Productores de Música de España. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  156. Whitmire, Margo (20 de abril de 2005). «Carey's Comeback Album Opens At No. 1». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media 
  157. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Top R&B/Hip-Hop Albums)» (em inglês). Top R&B/Hip-Hop Albums. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  158. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Top Pop Catalog Albums)» (em inglês). Top Pop Catalog Albums. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  159. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  160. «Hits of The World: Greece». Billboard. 117 (19): 62. 7 de maio de 2005. ISSN 0006-2510. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  161. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Irish Recorded Music Association)» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  162. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Federazione Industria Musicale Italiana)» (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  163. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Oricon)» (em inglês). Oricon. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  164. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Recording Industry Association of New Zealand)» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  165. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (MegaCharts)» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  166. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Związek Producentów Audio Video)» (em inglês). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  167. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Associação Fonográfica Portuguesa)». Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  168. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (UK Albums Chart)» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  169. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  170. «Mariah Carey – The Emancipation of Mimi (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  171. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2005» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  172. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Urban Albums 2005» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  173. «Rapports Annuels 2005 – Albums» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  174. «2004 YEAR END CHARTS» (em inglês). Billboard 200. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  175. «R&B/Hip-Hop Albums - Year-End 2005» (em inglês). Top R&B/Hip-Hop Albums. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  176. «Jaaroverzichten 2005 Albums» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  177. «Classement Albums – Année 2005» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 9 de agosto de 2014. Arquivado do original em 10 de julho de 2011 
  178. a b «Year-End Album Rank» (em inglês). Oricon. Consultado em 9 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2006 
  179. «UK Year-end Albums 2005» (PDF) (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  180. «Swiss Year-End Charts – 2005» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  181. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 50 Urban Albums 2006» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  182. «2006 YEAR END CHARTS» (em inglês). Billboard 200. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  183. «R&B/Hip-Hop Albums - Year-End 2006» (em inglês). Top R&B/Hip-Hop Albums. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  184. «Best of the 2000s Billboard 200 Albums» (em inglês). Billboard 200. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  185. «ARIA Charts – Accreditations – 2005 Albums». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de junho de 2017 
  186. «Certificações (Brasil) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 8 de junho de 2017 
  187. «Certificações (Canadá) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em inglês). Music Canada. Consultado em 8 de junho de 2017 
  188. «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de junho de 2017  Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Album, e clique em SEARCH.
  189. «Ask Billboard: Mariah Carey's Career Sales, Ariana Grande Fun Facts & More». Billboard. Consultado em 8 de junho de 2017 
  190. «Certificações (França) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 8 de junho de 2017 
  191. «Les Albums Certifications – Or» (em French). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 8 de junho de 2017 
  192. «IFPIHK Gold Disc Award − 2005». Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Hong Kong) 
  193. «Certificações (Japão) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em japonês). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 8 de junho de 2017 
  194. «Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 8 de junho de 2017 
  195. «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Mariah Carey – The Emancipation of Mimi» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 8 de junho de 2017 
  196. «IFPI Platinum Europe Awards – 2005» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 8 de junho de 2017 
  197. «iTunes - Música - The Emancipation of Mimi by Mariah Carey» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  198. «CAREY, MARIAH - THE EMANCIPATION OF MIMI» (em inglês). CDGO. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  199. «bol.com | The Emancipation of Mimi» (em inglês). Bol.com. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  200. «Emancipation Of Mimi: Mariah Carey» (em inglês). HMV Online. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  201. «Mariah Carey Store - The Emancipation of Mimi (International Jewel)» (em inglês). Getmusic. Consultado em 9 de agosto de 2014. Arquivado do original em 10 de agosto de 2014 
  202. «iTunes Store - Music - The Emancipation of Mimi by Mariah Carey» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  203. «iTunes Store - Música - The Emancipation of Mimi de Mariah Carey» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  204. «The Emancipation of Mimi by Mariah Carey: Amazon.co.uk: Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  205. «The Emancipation of Mimi: Amazon.ca: Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  206. «Amazon.com: The Emancipation of Mimi: Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  207. «The Emancipation of Mimi: Britney Spears: Amazon.fr: Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 9 de agosto de 2014 
  208. «玛丽亚•凯莉:我心无羁(CD): Amazon.cn: Music» (em inglês). Amazon. Consultado em 9 de agosto de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]