MTV Unplugged (EP de Mariah Carey)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
MTV Unplugged
EP de Mariah Carey
Lançamento 2 de junho de 1992 (1992-06-02)
Gravação 16 de março de 1992 (1992-03-16),
Estúdio(s) Kaufman Astoria Studios
(Nova Iorque)
Gênero(s)
Duração 28:45
Formato(s)
Gravadora(s) Columbia Records
Produção
Cronologia de Mariah Carey
Emotions
(1991)
Music Box
(1993)
Singles de MTV Unplugged
  1. "I'll Be There"
    Lançamento: 26 de junho de 1992 (1992-06-26)
  2. "If It's Over"
    Lançamento: 28 de agosto de 1992 (1992-08-28)

MTV Unplugged é o primeiro extended play (EP) e álbum ao vivo da artista musical estadunidense Mariah Carey, lançado nos Estados Unidos em 2 de junho de 1992 pela editora discográfica Columbia Records. Após o sucesso dos dois álbuns anteriores de Carey, os críticos comentavam cada vez mais sobre sua falta de turnês e insubstância de apresentações televisivas, a Sony BMG organizou em 16 de março de 1992 um concerto no Astoria Studios Kaufman, Nova Iorque. O show, intitulado MTV Unplugged, foi exibido na MTV para ajudar a promover o projeto em qual a cantora estava trabalhando, Emotions, bem como para ajudar a evitar que os críticos a considerassem uma possível artista de estúdio. No entanto, após seu sucesso, o concerto foi lançado para o público em um extended play, acompanhado por um VHS intitulado MTV Unplugged +3.

Após seu lançamento, o EP recebeu opiniões positivas de críticos musicais, que elogiaram os vocais de Carey. Comercialmente, o disco foi bem sucedido, atingindo a terceira posição na Billboard 200, uma parada musical americana voltada à álbuns, e recebeu o certificado de disco de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA), vendendo mais de cinco milhões de cópias nos Estados Unidos. Além disso, o EP foi um forte sucesso em vários mercados internacionais, como Holanda e Nova Zelândia, onde alcançou a primeira posição nestes dois países e foi certificado como disco de platina duplo. MTV Unplugged ficou entre os cinco álbuns mais vendidos do Reino Unido neste ano, e entre os dez primeiros na Austrália e no Canadá.

"I'll Be There" foi escolhido como o primeiro single do álbum. Devido a repercussão das críticas recebidas, a canção foi lançada um mês antes do EP, tornando-se a sexta canção de Carey a atingir o topo da parada musical de êxitos nos Estados Unidos, e uma das poucas regravadas a conseguir este feito. Mundialmente, a canção foi bem sucedida, chegando ao topo das paradas de singles no Canadá, Holanda e Nova Zelândia, e ficando entre as cinco canções mais bem sucedidas na Irlanda e no Reino Unido naquele período. Depois de seu sucesso, "If It's Over", uma canção do álbum Emotions, foi lançada comercialmente devido ao seu sucesso no show e no EP. Até hoje já vendeu mais de 12 milhões mundialmente.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após o lançamento do segundo álbum de estúdio liberado por Carey, Emotions (1991), críticos musicais começaram a se perguntar se a cantora finalmente iria embarcar em uma turnê mundial, o que não aconteceu na promoção do seu auto-intitulado álbum de estréia.[1] Apesar da cantora ter feito várias aparições esporádicas em premiações, bem como apresentações em programa de televisão, os críticos começaram a acusar a intérprete de ser uma artista de estúdio, não sendo capaz de oferecer ou replicar a mesma qualidade vocal ao vivo, especialmente seu whistle register.[1] Durante várias entrevistas na televisão, a artista abordou as acusações, alegando que ela não fez turnê por medo das viagens longas e distantes, bem como a tensão em sua voz em executar suas canções consecutivamente. No entanto, na esperança de colocar todas as reivindicações de ser uma artista fabricada, Carey e Walter Afanasieff decidiram reservar uma aparição no MTV Unplugged, um programa de televisão exibido pela MTV.[1] O concerto teve o objetivo de mostrar artistas de nome, e apresentam-os desprovidos de equipamentos de estúdio. Embora seja ao vivo, o programa permite vários músicos e vocalistas de fundo, enquanto o show acústico é gravado.[2] Os problemas enfrentados pela intérprete foi o conteúdo, pois a cantora não sabia qual material apresentar em um show otimista. Quando ela escolheu suas canções do gênero soul, sendo estas mais poderosas, foi decidido que o conteúdo mais popular desse estilo seria concluído.[2] Dias antes de ocorrer a gravação, Carey e Afanasieff pensaram em acrescentar uma versão cover de uma música antiga, a fim de proporcionar algo diferente e inesperado. Eles escolheram "I'll Be There", uma canção que se tornou popular pelo grupo The Jackson 5 em 1970, ensaiando-a algumas vezes antes da noite do programa.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Kaufman Astoria Studios, local onde o concerto foi gravado

A apresentação de Carey foi gravada em 16 de março de 1992, no estúdio Kaufman Astoria em Queens, Nova Iorque.[3] O projeto contou com um número total de dez pessoas para a filmagem e gravação, dentre eles, músicos e vocalistas de fundo. Dirigido por Larry Jordan, que trabalhou anteriormente com a cantora no vídeo da canção "Someday".[3] Dana Jon Chapelle foi escolhido como o técnico de som, tendo trabalhado com Carey em seus dois últimos álbuns de estúdio.[3] Na introdução, a cantora apresentou um número improvisado de a cappella gospel, elevando o coro da canção liderado por David Cole. O show começou com a canção "Emotions", a intérprete entrou no estúdio vestida com uma jaqueta preta, calça e botas.[3] Depois da canção, a artista apresenta a banda e a equipe; a sua esquerda havia uma fila de quatro cantores com Belinda Whitney Barnett, Cecilia Hobbs-Gardner, Garvey Wince e Corcos Laura, enquanto San Shea tocava o cravo e o harmônio.[3] A seção de ritmos era liderada por Gigi Conway no tambor, Randy Jackson no baixo, Vernon Black na guitarra, e com Sammy Figueroa e Ren Klyc nos instrumentos de percussão. Além disso, Carey tinha dez cantores no palco, liderados por Trey Lorenz e Patrique McMillan.[3] A próxima música do repertório foi "If It's Over", uma colaboração com Carole King. Walter Afanasieff substituiu Cole no piano, durante o qual em um conjunto de cinco músicos do sexo masculino foi trazido ao palco.[4] Eles foram os saxofonista barítono Lew Delgado; o tenor Lenny Pickett; alto George Young; o trompetista Earl Gardner; e o trombonista Steve Turre.[4] Eles estiveram presentes durante a apresentação ao vivo da cantora no Saturday Night Live alguns meses antes. Quando a artista apresentou o canção, ela disse: "Essa próxima canção eu escrevi com uma das minhas ídolas, Carole King", começando logo após, o desempenho.[4] Para "Someday", Cole voltou ao palco, substituindo Afanasieff no teclado.[5] Durante a canção, a intérprete muitas vezes colocou o dedo indicador sobre a orelha esquerda, especialmente durante a utilização do whistle register.[5] Ela explicou mais tarde para o público que essa canção a ajuda a ouvir-se com precisão, algo necessário para executar corretamente uma nota mais alta.[5] Mais uma vez, quando Carey começou "Vision of Love", seu primeiro single da carreira, Afansieff trocou de posição com Cole.[6] A apresentação variou muito da versão de estúdio, porque a chave era mais baixa e continham apenas vozes utilizadas de uma forma a cappella, sem instrumentação pesada.[6] Antes de começar a quinta canção do repertório, "Make It Happen" (1992), Afanasieff dividiu o órgão com Cole, tocando baixo enquanto o último tratava dos agudos.[6] Depois que a faixa começou, o apoio "empilhou seus vocais" sobre os de Carey, de acordo com o autor Chris Nickson, isso permitiu que a canção atingisse uma "sensação mais crente".[6] Ele sentiu que a canção ficou superior a versão de estúdio, devido ao seu desempenho despojado e os vocais:

Demonstração de 25 segundos de "I'll Be There", canção originalmente cantada por pelo grupo Jackson 5, e foi interpretada por Carey, sendo mais tarde lançada como single.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Logo após concluir "Make It Happen", a cantora ansiosamente apresentou a última música do repertório, "I'll Be There". A forma como a música foi arranjada, a intérprete assumiu liderança de Michael Jackson, enquanto Trey Lorenz cantou a segunda liderança, originalmente cantada por Jermaine Jackson.[7] Depois de executar e cantar ao lado de um arranjo muito simples e instrumentais mínimos, os cantores de apoio começaram a cantarolar a melodia de "Can't Let Go", levando a artista a apresentar "outra canção final" para o show.[7] Vários dias depois do concerto, Carey conversou com Melinda Newman da Billboard, falando sobre a experiência de gravar o programa, bem como sua opinião sobre ele a partir de uma perspectiva criativa.[7] Ela disse: "Unplugged me ensinou muito sobre mim porque eu tende a ser excessivamente crítica com tudo o que faço e torná-lo um pouco perfeito, porque eu sou perfeccionista. Eu sempre vou passar por cima de uma matéria-prima, e agora eu cheguei ao ponto onde eu entendo que a matéria-prima é geralmente melhor."[7]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Originalmente, a MTV teria planejado exibir o show várias vezes, e era normal para as sessões do MTV Unplugged irem ao ar cerca de seis vezes durante o mês de lançamento, antes de serem arquivadas.[8] A versão da cantora foi recebida com aclamação da crítica e popularidade prolongada, isso fez com que a obra fosse mostrada com mais frequência do que a habitual.[8] Fãs de todo os Estados Unidos fizeram várias solicitações para o concerto ser exibido na televisão, e até o final de abril de 1992, o episódio da artista no MTV Unplugged foi ao ar três vezes mais do que um episódio médio iria. O concerto tornou-se um grande êxito, esse feito resultou na tentativa dos funcionários da Sony usarem de alguma forma como um álbum. No entanto, Carey e Afansieff já estavam a avançar em um novo álbum definido provisoriamente para ser liberado em 1993.[8] Assim sendo, a Sony decidiu lançá-lo como um EP, vendendo por um preço reduzido devido ao seu tamanho menor.[8]

Vídeo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: MTV Unplugged +3

Após o sucesso da liderança do primeiro single do EP "I'll Be There", a Sony optou por não só lançar o EP, mas um pacote com o acompanhamento de um VHS; um vídeo efetivo do concerto intitulado MTV Unplugged +3.[8] Além de conter as sete canções apresentadas no Kaufman Astoria Studios, ele armazenou três vídeos musicais, "Can't Let Go", "Make It Happen", e uma rara versão remix do video de "Emotions".[8] O vídeo atingiu o topo da parada de vídeos da Billboard e foi disco de platina pela RIAA, denotando vendas de mais de 100 mil unidades nos Estados Unidos.[9]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 3 de 5 estrelas.[10]
Entertainment Weekly (Favorável)[11]
The New York Times (Favorável)[12]
St. Petersburg Times (Favorável)[13]

MTV Unplugged recebeu revisões geralmente positivas dos críticos de música, onde a regravação de "I'll Be There" foi enaltecida. O editor Shawn M. Haney do portal Allmusic deu para o álbum três de cinco estrelas, elogiando os vocais da cantora, bem como a regravação da música do grupo Jackson 5.[10] Haney escreveu: "Aos poucos, o poder e a estima desses contos erguem a novas alturas e permanecem em um auge de tirar o fôlego, como no momento do desempenho de 'I'll Be There', música encantadora primeiramente cantada por Jackson 5."[10] Escrevendo para o St. Petersburg Times, Sabrina Miller chamou Carey de "artista" e escreveu: "Programas como o MTV Unplugged mostra um talento igual ao dela com um ponto de exclamação."[13] O jornalista e escritor Jon Pareles, do The New York Times marcou o desempenho como "fodido" e afirmou que o cover de Carey em "I'll Be There" "solta fogos de artifício".[12] Um escritor do Entertainment Weekly chamou a obra de "turnê de força vocal", e escreveu "além de seus tubos de tirar o fôlego, ela desenvolveu uma presença de palco".[11] Além disso, ele sentiu que o desempenho da intérprete em "I'll Be There" foi "matador" e concluiu sua revisão com escrevendo: "No processo, esta rara aparição pública nos lembrou que havia uma excelente artista dentro daquele vestido de festa".[11]

Singles[editar | editar código-fonte]

Após ser feita a decisão de um lançamento do show em EP, a Sony decidiu lançar a versão ao vivo de Carey de "I'll Be There" como o único single, devido ao seu sucesso de crítica.[8] A canção estreou no número treze na Billboard Hot 100, tornando-se maior estreia da cantora no gráfico no momento.[8] Após quatro semanas, a canção liderou as paradas, tornando-se a sexto canção da artista a atingir este número nos Estados Unidos, passando duas semanas lá.[14] Seu sucesso em todo o mundo foi forte, chegando ao número um nas paradas de singles no Canadá, na Holanda, e Nova Zelândia, e chegou a número dois e três no Reino Unido e Irlanda, respectivamente.[15][16][17][18][19] "I'll Be There" foi disco de ouro por ambas Australian Recording Industry Association e Recording Industry Association of New Zealand, com embarques denotando de 35,000 e 7,500 unidades da canção em seus respectivos países.[20][21] Depois de seu sucesso, "If It's Over", uma canção do segundo álbum de estúdio de Carey, Emotions, foi lançado devido ao sucesso do show e EP. Foi dado uma versão muito limitada, e apenas estreou no gráfico da Holanda, chegando ao número 80.[22]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

O MTV Unplugged estreou no número oito na Billboard 200, durante a semana de 20 de junho de 1992.[8] Em sua terceira semana, o álbum chegou ao número três.[14] No total, o álbum permaneceu no top-vinte por catorze semanas, e no gráfico por cinquenta e sete (fazendo uma reentrada). O MTV Unplugged foi certificado quatro vezes como Platina pela Recording Industry Association of America (RIAA), denotando a comercialização de dois milhões de cópias em todo o país.[9] Até novembro de 2018, a Nielsen SoundScan estimou que as vendas reais do álbum estão em 2,8 milhões nos Estados Unidos.[23] Em 20 de junho de 1992, O MTV Unplugged entrou no Canadian RPM Singles Chart no número trinta e sete, chegando ao número seis cinco semanas depois.[24][25] Durante a semana de 22 de novembro de 1992, o álbum passou sua última semana no gráfico, saindo no número oitenta e sete depois de passar vinte e quatro semanas na parada de álbuns.[26] Até o momento, o álbum foi certificado como Platina pela Canadian Recording Industry Association (CRIA), denotando a comercialização de 70.000 unidades em todo o país.[27] Na Austrália, o álbum estreou no número trinta e quatro na ARIA Charts , durante a semana que terminou em 12 de julho de 1992.[28] Semanas depois, atingiu o número sete, onde permaneceu por quatro semanas consecutivas, e um total de vinte e cinco semanas no top 50,[28] e trinta e três semanas no top 100.[28] O álbum foi certificado Platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA), denotando remessas de 70.000 cópias.[29][20]

Fora dos Estados Unidos, o álbum teve sucesso em vários mercados europeus. Na Áustria, o MTV Unplugged entrou na parada de álbuns no número trinta e nove, chegando ao número vinte e um e passando um total de dez semanas no gráfico.[30] Na França, o álbum atingiu o número 22, e foi certificado como ouro duplo pelo Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP), com vendas estimadas de 144.000 cópias.[31] Nos Países Baixos, o PE entrou no MegaCharts no número 65 durante a semana de 20 de junho de 1992.[16] Ele finalmente chegou ao número um, permanecendo lá por três semanas consecutivas, e um total de 116 semanas em o gráfico.[32] A Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeurs van beeld- en geluidsdragers (NVPI) certificou o álbum como platina-dupla, denotando vendas de 200.000 unidades em todo o país.[33] MTV Unplugged entrou na New Zealand Albums Chart no número quatro durante a semana de 2 de agosto de 1992.[34] Depois de passar três semanas no número um, e um total de dezenove no gráfico, o álbum foi certificado como platina-dupla pela Recording Industry Association of New Zealand (RIANZ).[21] No Swiss Albums Chart, datado de 13 de setembro de 1992, o álbum alcançou seu pico de número dezenove.[35] Depois de apenas cinco semanas nos gráficos dentro do país, foi certificado ouro pela International Federation of the Phonographic Industry (IFPI).[36] No Reino Unido, o álbum estreou e atingiu o número três na UK Albums Chart, durante a semana de 18 de julho de 1992.[37] Depois de passar dez semanas no chart, o álbum foi certificado como Ouro pelo British Phonographic Industry (BPI), denotando a comercialização de 100.000 unidades.[38]

Créditos de colaboração[editar | editar código-fonte]

Créditos de MTV Unplugged adaptados do site Allmusic.[39]

Faixas[editar | editar código-fonte]

MTV Unplugged – Edição Padrão
N.º TítuloCompositor(es)Produtores Duração
1. "Emotions"  
  • Carey
  • Cole
  • Clivillés
4:00
2. "If It's Over"  
  • Carey
  • King
3:48
3. "Someday"  
  • Carey
  • Ben Margulies
  • Carey
  • Margulies
3:57
4. "Vision of Love"  
  • Carey
  • Margulies
Carey 3:36
5. "Make It Happen"  
  • Carey
  • Cole
  • Carey
  • Clivillés
4:16
6. "I'll Be There" (com participação de Trey Lorenz)
  • Carey
  • Afanasieff
4:42
7. "Can't Let Go"  
  • Carey
  • Carey
  • Afanasieff
4:35

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]