A Bela Adormecida (1959)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de A Bela Adormecida (filme))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Sleeping Beauty" redireciona para este artigo. Para o filme com Emily Browning, veja Sleeping Beauty (2011).
A Bela Adormecida
Sleeping Beauty
Estados Unidos
1959 •  cor •  75 min 
Direção
Produção Walt Disney
Roteiro Erdman Penner
História
Baseado em A Bela Adormecida, de Charles Perrault
Narração Marvin Miller
Elenco
Género animaçãofantasia[1]
Música George Bruns
Edição
  • Roy M. Brewer Jr.
  • Donald Halliday
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Productions
Distribuição Buena Vista Distribution
Lançamento EUA 29 de janeiro de 1959
BRA 6 de fevereiro de 1959[1]
Idioma inglês
Orçamento US$ 6 milhões[2]
Receita US$ 51,6 milhões[3]
Página no IMDb (em inglês)

A Bela Adormecida[1][4] (em inglês: Sleeping Beauty) é um filme norte-americano do gênero animação produzido pela Disney em 1959, e baseado no conto de fadas homônimo do autor Charles Perrault.[5] É o décimo-sexto longa-metragem de animação dos estúdios Disney e foi lançado nos cinemas em 29 de janeiro de 1959.[6] O filme foi dirigido por Les Clark, Eric Larson e Wolfgang Reitherman e produzido por Walt Disney.[7]

A Bela Adormecida foi um dos primeiros filmes ao usar todos os recursos do formato widescreen e foi o primeiro longa-metragem animado a ser filmado em bitola 70 mm.[8] Em 2019, o filme foi considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significativo" pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos e selecionado para preservação no National Film Registry.[9]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Na sua cerimônia de batismo, Aurora acaba sendo amaldiçoada por Malévola,[10] a cair num sono profundo — no seu décimo sexto aniversário — que só irá despertar-se do seu sono após um beijo de amor verdadeiro.[11] Para tentar ajudar que a maldição não se cumpra, as três boas fadas, Flora, Fauna e Primavera, acabam por criar Aurora como uma camponesa numa floresta.[1] Entretanto, Malévola acaba por descobrir sobre Aurora, o que levará a cumprir a sua maldição,[5] só restará ao príncipe Felipe afrontar Malévola e conseguir salvar a princesa.[12][4]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento da história[editar | editar código-fonte]

Após o sucesso crítico e comercial de Cinderela, o desenvolvimento de A Bela Adormecida começou no início de 1951.[16] Na época de Branca de Neve e os Sete Anões, muitas ideias de Walt Disney e seus animadores foram descartadas já que a tecnologia na época não permitida de serem feitas,[17] posteriormente algumas cenas foram utilizadas em A Bela Adormecida, Walt não pensava que seus animadores possuíam maestria suficiente para desenhar personagens masculinos de maneira verossímil.[18] Em meados de 1953, o diretor Wilfred Jackson tinha desenvolvido uma cena com Aurora e Felipe, entretanto, Walt Disney preferiu por adiar a produção, retomando somente em 1955.[19] Durante vários meses, Jackson, Ted Sears, e outros escritores do projeto, reescreveram o roteiro, que receberam uma resposta tépida de Walt Disney.[20] O nome dado à princesa pelos seus pais biológicos reais são "Aurora" (do latim, "alvorecer"), assim como no balé de Tchaikovsky. O nome é o mesmo na versão de Perrault, mas não como o nome da princesa.[21] Ela também é conhecida como Briar Rose ou Rosa, nome de camponesa, que é o título da versão alemã pelos Irmãos Grimm.[22] O nome do príncipe Phillip ou Felipe, foi o nome principesco mais reconhecível aos norte-americanos, o personagem foi inspirado em Filipe, Duque de Edimburgo.[23]

Em dezembro de 1953, Jackson sofreu um ataque cardíaco, o que resultou em Eric Larson, dos Os Nove Anciões, assumir o seu cargo como diretor.[24] Em abril de 1954, A Bela Adormecida foi programado para ser lançado em fevereiro de 1957.[19] Devido aos atrasos na produção, o filme foi planejado para ser lançado no Natal de 1957, sendo novamente adiado para o Natal de 1958. Milt Kahl culpou Walt Disney, em relação aos atrasos.[25] Posteriormente, Walt tirou Larson como diretor do projeto, e ele substituiu Larson por Clyde Geronimi.[19][26] Alguns dos Os Nove Anciões, como Wolfgang Reitherman e Les Clark, entraram na produção.[27]

Direção de arte[editar | editar código-fonte]

Kay Nielsen — cujo tinha trabalho em esboços do filme Fantasia — foi um dos primeiro a trabalhar nos esboços de A Bela Adormecida em 1952.[28] O estilo artístico do filme surgiu quando John Hench observava as famosas tapeçarias de unicórnio localizadas no Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque.[29] Eyvind Earle o designer de produção inspirou-se no Renascimento francês, utilizando obras de Albrecht Dürer, Irmãos Limbourg, Pieter Bruegel, Nicolaas van Eyck, Sandro Botticelli, como referência. Outras obras incluíram a arte persa e ukiyo-e.[30] Earle saiu dos estúdios Disney em março de 1958, antes da conclusão de A Bela Adormecida.[31]

Animação[editar | editar código-fonte]

Antes da produção de A Bela Adormecida, eram feitas várias filmagens com atores reais servindo como referência para os animadores.[32] Helene Stanley foi usada como referência para Aurora.[33] Stanley também já tinga sido referência para Cinderela,[34] e posteriormente, em One Hundred and One Dalmatians como Anita.[34] O intérprete de Felipe foi o ator Ed. Kemmer.[35] A dubladora de Malévola, Eleanor Audley, também foi referência para a personagem para os animadores.[36]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

As canções em A Bela Adormecida foram compostas por Jack Lawrence e Sammy Fain.[37] Grande parte das canções foram baseadas no balé de Piotr Ilitch Tchaikovski, exceto "Once Upon a Dream".[38] Walter Schumann foi inicialmente previsto para ser o compositor da trilha sonora, mas deixou o projeto por diferenças criativas.[39] George Bruns foi sugerido para substituir Schumann pelo animador Ward Kimball.[40] Devido a uma greve dos músicos, a partitura musical foi gravada em Berlim, Alemanha, com a Orquestra Sinfónica de Berlim de 8 de setembro a 25 de novembro de 1958.[41][42] A trilha sonora foi regravada em várias línguas,[43] incluindo duas variedade linguísticas do português (brasileiro e europeu).[15][14]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Edição padrão[44]
N.º Título Duração
1. "Main Title/Once Upon a Dream/Prologue"   2:57
2. "Hail to the Princess Aurora"   1:57
3. "The Gifts of Beauty and Song/Maleficent Appears/True Love Conquers All"   5:38
4. "The Burning of the Spinning Wheels/The Fairies Plan"   4:32
5. "Maleficent's Frustration"   2:08
6. "A Cottage in the Woods"   3:27
7. "Do You Hear That?/I Wonder"   3:57
8. "An Unusual Prince/Once Upon a Dream (Reprise)"   3:29
9. "Magical House Cleaning/Blue or Pink"   2:47
10. "A Secret Revealed"   1:57
11. "Skumps (Drinking Song)/The Royal Argument"   4:09
12. "Prince Phillip Arrives/How to Tell Stefan"   2:26
13. "Aurora's Return/Maleficent's Evil Spell"   5:06
14. "Poor Aurora/Sleeping Beauty"   2:57
15. "Forbidden Mountain"   2:51
16. "A Fairy Tale Come True"   2:48
17. "Battle with the Forces of Evil"   5:11
18. "Awakening"   2:44
19. "Finale (Once Upon a Dream)"   1:43
Duração total:
60:03

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Lançamento original[editar | editar código-fonte]

A distribuição de A Bela Adormecida foi feita pela Buena Vista Distribution,[7] a distribuidora lançou o filme inicialmente nos cinemas em bitola cinematográfica de 35 mm e 70 mm.[45][46] O filme teve sua estreia em Los Angeles, em 29 de janeiro de 1959.[47] Em seu lançamento original, a curta-metragem Grand Canyon (1958) era exibido antes de A Bela Adormecida.[48][49] O filme originalmente arrecadou 5,3 milhões de dólares.[50][51] O orçamento da produção do longa-metragem custou cerca de 6 milhões de dólares,[52] foi uma das produções mais caras na época para a Disney, em em relação às animações anteriores produzidas pelo o estúdio,[53] produções como Alice no País das Maravilhas (1951), Peter Pan (1953) e A Dama e o Vagabundo (1955), custaram entre 3 à 4 milhões de dólares.[54][55][56] Devido ao alto orçamento da produção, juntamente com o baixo lucro da bilheteria, resultou em uma perda anual para a Disney,[2][57] vindo lançar uma outra animação somente em 1961, com One Hundred and One Dalmatians.[58]

Relançamentos[editar | editar código-fonte]

A Bela Adormecida foi relançado nos cinemas em 1970, com película cinematográfica de 35 mm.[59] No relançamento conseguiu lucar 3,8 milhões de dólares.[60] Foi relançado novamente em maio de 1979, no Crest Theatre em Seattle, desta vez em bitola 70 mm.[61][62] Em seu relançamento em 1986,[63] o filme conseguiu lucrar cerca de 15 milhões de dólares nos Estados Unidos e Canadá.[64] Foi relançado pela última vez nos cinemas em 1995.[65] Com um lucro total de 51,6 milhões de dólares,[66] A Bela Adormecida tornou-se o segundo maior filme em bilheteria (após seus relançamentos) lançado em 1959, atrás de Ben-Hur.[67]

Home media[editar | editar código-fonte]

A Bela Adormecida foi lançado pela primeira vez em VHS, Betamax e LaserDisc em 14 de outubro de 1986, como parte da coleção Clássicos Disney.[68] No mesmo ano, o formato em VHS, vendeu cerca de um milhão de cópias.[69] Foi relançado em 16 de setembro de 1997, desta vez restaurado digitalmente em VHS e LaserDisc.[70] Em 2003, A Bela Adormecida foi restaurado e lançado em DVD como edição especial de 2 discos.[71][72] Em 2008, foi lançado uma versão em DVD e Blu-ray de 2 discos do filme, como parte da edição Platinum,[73] foi lançado nos Estados Unidos em 7 de outubro de 2008, e no Brasil foi lançado em 3 de outubro do mesmo ano.[74]

O filme foi lançado novamente em Blu-ray e DVD, como parte da edição diamante em 7 de outubro de 2014.[75] Em comemoração ao 60.º aniversário do filme, foi lançado em 24 de setembro de 2019, uma versão em Blu-ray e DVD em alta definição.[76]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta crítica[editar | editar código-fonte]

Bosley Crowther, em sua crítica para o The New York Times, afirmou que "as cores [do filme] são ricas, e as canções são bastantes exuberantes", porém Crowther criticou sua semelhança com Branca de Neve e os Sete Anões.[7] A revista Time afirmou em sua crítica que A Bela Adormecida é uma "infantilidade sentimental", tenta parecer ousado, mas acaba sendo o oposto e também que seu roteiro não é nada fiel ao original.[77] O extinto periódico Harrison's Reports, em sua crítica afirmou que o filme é duvidoso, além de também comparar com Branca de Neve e os Sete Anões, sentido que em A Bela Adormecida faltavam personagens mais carismáticos.[78] A Variety fez uma crítica positiva sobre a dublagem de Mary Costa e Bill Shirley no longa-metragem.[79] O The New York Daily News descreveu o filme como "encantador".[80]

No website agregador de críticas Rotten Tomatoes, o filme detém uma porcentagem de 88 por cento, com uma classificação média de 8,2/10 com base em 40 avaliações.[11]

Indicações a prêmios[editar | editar código-fonte]

Na 32.ª edição do Óscar em 1960, o longa-metragem foi indicado na categoria de melhor trilha sonora.[81] Porém acabou perdendo para Porgy and Bess (1959).[82] No Grammy Awards de 1960, o filme foi indicado para melhor trilha sonora original,[83] perdendo novamente para Porgy and Bess.[82] Na primeira edição do Young Artist Award, em 1978, A Bela Adormecida foi indiciado para melhor musical infantil,[84] mas a animação japonesa Nutcracker Fantasy acabou vencendo.[84]

Reconhecimento da American Film Institute[editar | editar código-fonte]

A American Film Institute (AFI), uma organização independente sem fins lucrativos, criada nos Estados Unidos pela National Endowment for the Arts, lançou uma variedade de prêmios anuais e listas de filmes que reconhecem a excelência de produções cinematográficas.[85] Em 2003, a icônica vilã Malévola, foi inicada na lista do AFI dos 100 maiores heróis e vilões do cinema.[86] Três anos depois, o longa-metragem foi indicado a lista dos 25 maiores musicais do cinema.[87] Em 2008, o filme foi indicado a lista dos 10 melhores do AFI.[88]

Mídias[editar | editar código-fonte]

Parques temáticos[editar | editar código-fonte]

O Castelo da Bela Adormecida durante a comemoração dos 50 anos da Disneylândia.

A produção de A Bela Adormecida foi durante a construção da Disneylândia.[89] Para promover o filme, Imagineers intitulou o parque dê o "Castelo da Bela Adormecida".[90] O castelo nunca foi designado a sediar alguma atração, mas em abril de 1957, os visitantes podiam vistirar o interior do castelo.[91] A atração foi fechada em outubro de 2001 por motivos não especificados.[92] Em novembro de 2008, a Disney reabriu o castelo.[93]

Desde a sua abertura em 1992, a Disneyland Paris tem sua própria versão do Castelo da Bela Adormecida.[94] A Hong Kong Disneyland inaugurou em 2005, também um Castelo da Bela Adormecida.[95]

Musical[editar | editar código-fonte]

Um musical do filme intitulado Disney's Sleeping Beauty KIDS é apresentado por escolas e teatros infantis.[96] Com letras adicionais de Marcy Heisler e Bryan Louiselle, o espetáculo é composto por doze números musicais, incluindo as canções do filme.[97]

Filmes em live-action[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Maleficent e Maleficent: Mistress of Evil
Pôsteres dos dois filmes.

Em 2014, a Walt Disney Pictures produziu Maleficent, um filme norte-americano dos gêneros de aventura, drama e fantasia, dirigido por Robert Stromberg e com o roteiro escrito por Linda Woolverton.[98] Protagonizado por Angelina Jolie como a vilã homônima,[99] o filme baseado em A Bela Adormecida de 1959,[100] retrata a história a partir da perspectiva da antagonista, Malévola, que é considerada uma das mais icônicas e famosas vilãs da Disney.[101] O longa-metragem começou a ser filmado em junho de 2012,[102] sendo lançado nos Estados Unidos em 30 de maio de 2014.[103] O filme teve recepção mista dos críticos, com uma classificação de 49% no Rotten Tomatoes, com uma pontuação média de 5.7/10.[104] No Metacritic, o filme possui uma classificação de 56/100, com base em 32 críticas, indicando "críticas mistas ou médias".[105] Foi lançado, em 2019, uma sequência do longa-metragem intitulado Maleficent: Mistress of Evil.[106] Dirigido por Joachim Rønning e escrito por Linda Woolverton, e reescrito por Jez Butterworth.[107] As filmagens do filme começaram em 29 de maio de 2018, no Pinewood Studios, em Buckinghamshire, Inglaterra.[108][109] Sendo concluídas em 24 de agosto de 2018.[110]

Referências

  1. a b c d A Bela Adormecida (em português) no AdoroCinema
  2. a b Thomas 1976, pp. 294–5.
  3. «Sleeping Beauty». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  4. a b A Bela Adormecida no SapoMag (Portugal)
  5. a b Kehr, Dave (13 de outubro de 2008). «O, Prince! How Clear You Are on Blu-ray». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2020 
  6. «Sleeping Beauty (1959) - Financial Information». The Numbers (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  7. a b c Crowther, Bosley (18 de fevereiro de 1959). «Screen: 'Sleeping Beauty'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2020 
  8. Times (17 de setembro de 1979). «Disney's 'Sleeping Beauty'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2020 
  9. Tartaglione, Nancy (11 de dezembro de 2019). «National Film Registry Adds 'Purple Rain', 'Clerks', 'Gaslight' & More; 'Boys Don't Cry' One Of Record 7 Pics From Female Helmers». Deadline (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  10. «La Belle au bois dormant» (em francês). AlloCine. Consultado em 2 de julho de 2020 
  11. a b «Sleeping Beauty Movie Reviews, Pictures», Flixster, Rotten Tomatoes (em inglês), consultado em 1 de julho de 2020 
  12. «'Sleeping Beauty' is an enchanting classic: 1959 review». nydailynews.com (em inglês). 28 de janeiro de 2016. Consultado em 2 de julho de 2020 
  13. a b c d e f g «A Bela Adormecida: Elenco, atores, equipe técnica, produção». AdoroCinema. Consultado em 6 de julho de 2020 
  14. a b c d e f «A Bela Adormerida / Sleeping Beauty Brazilian Portuguese Voice Cast». WILLDUBGURU (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  15. a b c d e f g h i j k «A Bela Adormecida / Sleeping Beauty European Portuguese Voice Cast». WILLDUBGURU (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  16. Rowney, Jo-Anne (29 de janeiro de 2019). «Sleeping Beauty facts on 60th anniversary - movie that nearly bankrupted Disney». mirror (em inglês). Consultado em 3 de julho de 2020 
  17. «A Bela Adormecida | Curiosidades dos bastidores da produção». O Camundongo. 5 de outubro de 2014. Consultado em 5 de julho de 2020 
  18. Robb, Brian (9 de dezembro de 2014). A Brief History of Walt Disney (em inglês). [S.l.]: Running Press. ISBN 978-0762454754. Consultado em 27 de outubro de 2015 
  19. a b c Barrier 1999, p. 554.
  20. Koenig 1997, p. 104.
  21. Anne Heiner, Heidi (1999). «Annotations for Sleeping Beauty» (em inglês). SurLaLune Fairy Tales. Consultado em 5 de julho de 2020 
  22. Ashliman, D. L. «Sleeping Beauty» (em inglês). Universidade de Pittsburgh. Consultado em 5 de julho de 2020 
  23. Rowney, Jo-Anne (29 de janeiro de 2019). «Sleeping Beauty's Prince Phillip was 'based on the Duke of Edinburgh'». Miirror (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020 
  24. «THE HOUSE OF MOUSE PROJECT - 'Sleeping Beauty'». The Jam Report (em inglês). 22 de abril de 2020. Consultado em 5 de julho de 2020 
  25. Gabler 2006, pp. 558–9.
  26. Gabler 2006, p. 560.
  27. «Wolfgang Reitherman, 75: Disney Animator Dies in Car Crash». Los Angeles Times (em inglês). 24 de maio de 1985. Consultado em 5 de julho de 2020 
  28. Barrier 1999, p. 555.
  29. Thomas 1997, pp. 104–5.
  30. Thomas 1997, p. 105.
  31. Barrier 1999, p. 558.
  32. Maltin 1987, p. 74.
  33. Fanning, Jim (2015). The Disney Book: A Celebration of the World of Disney (em inglês). [S.l.]: Penguin. p. 57. 200 páginas. ISBN 9781465495419 
  34. a b «Cinderella Character History». Disney Archives (em inglês). Cópia arquivada em 24 de junho de 2012 
  35. Maltin, Leonard. The Disney Films: 3rd Edition (em inglês). [S.l.: s.n.] p. 156. ISBN 0-7868-8137-2 
  36. Zuckerman, Esther (30 de maio de 2014). «Meet Eleanor Audley, the Original 'Maleficent'». The Atlantic (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  37. «Lawrence, Fain to Score "Beauty"». Billboard (em inglês). 19 de abril de 1952. Consultado em 27 de outubro de 2015 – via Google Books 
  38. Bohn, James (2017). Music In Disney's Animated Features: Snow White and the Seven Dwarfs to The Jungle Book (em inglês). [S.l.]: University Press of Mississippi. ISBN 978-1496812148 
  39. Bohn, James (2017). Music in Disney's Animated Features: Snow White and the Seven Dwarfs to The Jungle Book (em inglês). [S.l.]: Univ. Press of Mississippi. 288 páginas. ISBN 9781496812155 
  40. Reid, John Howard (2008). Hollywood Movie Musicals (em inglês). 16. [S.l.]: Lulu.com. p. 182. 272 páginas. ISBN 9781411697621 
  41. Giez, Didier (30 de setembro de 2011). Walt's People: Talking Disney with the Artists who Knew Him, Volume 11 (em inglês). [S.l.]: Xlibris. p. 306–11. ISBN 978-1465368409. Consultado em 27 de outubro de 2015 
  42. «11 Royal Facts You Might Not Know About Sleeping Beauty». D23 (em inglês). 24 de janeiro de 2019. Consultado em 6 de julho de 2020 
  43. Kaynak, Erdener; Herbig, Paul (2014). Handbook of Cross-Cultural Marketing (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 4. 392 páginas. ISBN 9781317957874 
  44. «Sleeping Beauty (Original Soundtrack) by Various Artists». Apple Music (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2020 
  45. Coate, Michael (8 de abril de 2010). «"Sleeping Beauty" 50th Anniversary». www.in70mm.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  46. Clements, Jonathan; McCarthy, Helen (2015). The Anime Encyclopedia, 3rd Revised Edition: A Century of Japanese Animation. [S.l.]: Stone Bridge Press. 1160 páginas. ISBN 1611729092 
  47. «Sleeping Beauty» (em inglês). American Film Institute Catalog. Consultado em 2 de julho de 2020 
  48. Galopim, Nuno (2 de novembro de 2008). «'Bela Adormecida' acorda 50 anos depois num DVD». Diário de Notícias. Consultado em 2 de julho de 2020 
  49. «Disney Readies Film About Grand Canyon». Deseret News (em inglês). 6 de janeiro de 1959. Consultado em 9 de maio de 2016 
  50. «All-Time Top Grossers». Variety (em inglês). 4 de janeiro de 1961. p. 49. Consultado em 3 de outubro de 2019 – via Internet Archive 
  51. Schickel, Richard (1968). The Disney Version: The Life, Times, Art and Commerce of Walt Disney (em inglês). Chicago: Simon & Schuster. p. 299. ISBN 1-5666-3158-0 
  52. Kehr, Dave (13 de outubro de 2008). «O, Prince! How Clear You Are on Blu-ray». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de julho de 2020 
  53. Barrier 1999, pp. 554–59.
  54. «Alice in Wonderland (1951) - Notes». Turner Classic Movies (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  55. «Peter Pan (1953) - Notes». Turner Classic Movies (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  56. «Lady and the Tramp». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 5 de janeiro de 2012 
  57. Norman, Floyd (18 de agosto de 2008). «Toon Tuesday: Here's to the real survivors» (em inglês). Jim Hill Media. Consultado em 2 de julho de 2020 
  58. Thompson, Howard (11 de fevereiro de 1961). «Disney Film on Dogs». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de julho de 2020 
  59. «Cinema Scene». Ludington Daily News (em inglês). 10 de julho de 1979. Consultado em 21 de abril de 2016 
  60. Thomas, Bob (16 de setembro de 1979). «'Beauty' napped at the box office». St. Petersburg Times. Associated Press (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2016 
  61. «'Sleeping Beauty' B.O. Strong In First Seattle Weekend». Daily Variety (em inglês). 9 de maio de 1979. p. 4 
  62. Gaul, Lou (20 de novembro de 1979). «Unappetizing Thanksgiving movie menu». Beaver County Times (em inglês). Consultado em 21 de abril de 2016 
  63. Thomas, Bob (11 de abril de 1986). «A Renaissance: Animated films are enjoying a surprise». Evening Independent (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2016 
  64. «Sleeping Beauty 1986 Re-release». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  65. «9 Things You Didn't Know About Sleeping Beauty». Oh My Disney (em inglês). 13 de junho de 2015. Consultado em 2 de julho de 2020 
  66. «Sleeping Beauty». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  67. «Movies: Top 5 Box Office Hits, 1939 to 1988». www.ldsfilm.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  68. Hunt, Dennis (4 de agosto de 1986). «Disney 'Sleeping Beauty' To Go Out With $29.95 Tag». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  69. Yarrow, Andrew L. (22 de fevereiro de 1988). «Video Cassettes Pushing Books Off Shelves». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 2 de julho de 2020 
  70. «Sleeping Beauty (Fully Restored Limited Edition) (Walt Disney's Masterpiece) [VHS]». www.amazon.com. ASIN 6304401132. Consultado em 2 de julho de 2020. Cópia arquivada em 20 de junho de 2016 
  71. Germain, David (13 de setembro de 2003). «Disney's grand 1959 animated 'Sleeping Beauty' released on DVD». Eugene Register-Guard. Associated Press (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2016 
  72. King, Susan (13 de setembro de 2003). «Disney dusts off 'Sleeping Beauty'». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  73. Dreuth, Josh (17 de agosto de 2007). «Disney Announces Four Classics for 2008». blu-ray.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  74. «"Bela Adormecida" edição Platinum». OutraCoisa. 15 de setembro de 2008. Consultado em 2 de julho de 2020 
  75. «Sleeping Beauty Blu-ray Release Date October 7, 2014 (Diamond Edition)». blu-ray.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  76. Newsdesk, Laughing Place Disney (26 de agosto de 2019). «"101 Dalmatians," "Sleeping Beauty" Released as Part of The Walt Disney Signature Collection Blu-rays in September». LaughingPlace.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  77. «Cinema: The New Pictures, Mar. 2, 1959» 9 ed. Time (em inglês). 73: 68. 2 de março de 1959. ISSN 0040-781X. Consultado em 1 de julho de 2020 
  78. «Sleeping Beauty». Harrison's Reports (em inglês). 41 5 ed. 31 de janeiro de 1959. p. 18. 237 páginas. Consultado em 1 de julho de 2020 
  79. «'Sleeping Beauty' Top-notch Disney cartoon job». Variety (em inglês). 213 8 ed. Nova Iorque. 21 de janeiro de 1959. p. 6. 88 páginas 
  80. Cameron, Kate (18 de fevereiro de 1959). «Walt Disney's Latest A Four Star 'Beauty'». Newspapers.com (em inglês). The New York Daily News. p. C15. Consultado em 1 de julho de 2020 
  81. «The 32nd Academy Awards (1960) Nominees and Winners» (em inglês). Oscars. Consultado em 2 de julho de 2020 
  82. a b «Awards for Porgy and Bess». Turner Classic Movies (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2020 
  83. Hollis, Tim (2006). Mouse Tracks: The Story of Walt Disney Records (em inglês). Jackson: Univ. Press of Mississippi. p. 1989. 221 páginas. ISBN 1617034339 
  84. a b «1st Annual Youth In Film Awards». YoungArtistAwards.org (em inglês). Consultado em 31 de março de 2011. Cópia arquivada em 14 de abril de 2015 
  85. «History of AFI» (em inglês). afi.com. Consultado em 12 de abril de 2011. Cópia arquivada em 30 de Abril de 2011 
  86. «AFI's 100 Years...100 Heroes & Villains Nominees» (PDF) (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2016. Arquivado do original (PDF) em 13 de março de 2011 
  87. «AFI's Greatest Movie Musicals Nominees» (PDF) (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2013 
  88. «AFI's 10 Top 10 Nominees» (PDF) (em inglês). Consultado em 19 de agosto de 2016. Arquivado do original (PDF) em 16 de julho de 2011 
  89. «The history of Disneyland: How Walt Disney created the 'Happiest Place on Earth'». HistoryExtra (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  90. «Disneyland's Sleeping Beauty Castle reappears with vibrant colors and pixie dust». Los Angeles Times (em inglês). 18 de maio de 2019. Consultado em 1 de julho de 2020 
  91. Curator, The (20 de junho de 2017). «Autographed Sleeping Beauty Castle Walkthrough Guide (1957)». DISNEY COLLECTOR ARCHIVES (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  92. «Sleeping Beauty Castle at Disneyland». AllEars.Net (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  93. «Sleeping Beauty Castle Walkthrough - Fantasyland - Disneyland Park California». www.wdwinfo.com (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  94. «La Tanière du Dragon». DLP Guide - Disneyland Paris at the click of a mouse! (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  95. Bradsher, Keith (8 de setembro de 2005). «It's a small park: Hong Kong Disneyland faces overcrowding». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2020 
  96. «Young Players to present Disney's Sleeping Beauty Kids». Arkansas Online (em inglês). 28 de abril de 2019. Consultado em 1 de julho de 2020 
  97. «Disney's Sleeping Beauty, KIDS (July)». m.bpt.me (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  98. Wigler, Josh. «Angelina Jolie Is 'Maleficent' In First Official Photo». MTV News (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  99. «"EXCLUSIVE: Angelina Jolie to Star as Disney's Greatest Villain Maleficent!".». mannythemovieguy.com. 12 de maio de 2009. Consultado em 25 de julho de 2014. Arquivado do original em 1 de julho de 2014 
  100. Dargis, Manohla (29 de maio de 2014). «Dumped by Her Prince, So Watch Out». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2020 
  101. «Ashridge is the Enchanted Forest in Maleficent». National Trust (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  102. Mcconnell, Donna (20 de junho de 2012). «She looks Maleficent! Angelina Jolie gets constant touch-ups to her villainous costume as she starts shooting new Disney movie». Mail Online (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  103. Patten, Dominic (18 de setembro de 2013). «Disney Shifts 'Maleficent', 'Good Dinosaur' & 'Finding Dory' Release Dates». Deadline Hollywood (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2013 
  104. «Maleficent (2014)» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 29 de maio de 2014 
  105. «Maleficent» (em inglês). Metacritic. Consultado em 29 de maio de 2014 
  106. Dargis, Manohla (17 de outubro de 2019). «'Maleficent: Mistress of Evil' Review: Sleep, Sleep, My Lovelies». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de julho de 2020 
  107. «Maleficent: Mistress of Evil Cast and Crew - Cast Photos and Info». Fandango (em inglês). Consultado em 1 de julho de 2020 
  108. Trent, John F. (29 de maio de 2018). «Disney Announces Maleficent II Begins Production with Star-Studded Cast List». Bounding Into Comics. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  109. Chitwood, Adam (29 de maio de 2018). «Filming Begins on 'Maleficent II' as Cast and Synopsis Revealed». Collider. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  110. Bonomolo, Cameron (26 de agosto de 2018). «'Maleficent 2' Wraps Production». Comicbook.com. Consultado em 16 de agosto de 2019 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
A Dama e o Vagabundo
Lista de filmes de animação da Disney
1950
Sucedido por
One Hundred and One Dalmatians