The Black Cauldron

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
The Black Cauldron
The Black Cauldron
Cartaz de lançamento original.
No Brasil O Caldeirão Mágico
Em Portugal Taran e o Caldeirão Mágico
 Estados Unidos
1985 •  cor •  80 min 
Género animação, aventura, fantasia sombria
Direção Ted Berman
Richard Rich
Produção Joe Hale
Produção executiva Ron Miller
História Ted Berman
Vance Gerry
Joe Hale
David Jonas
Roy Morita
Richard Rich
Art Stevens
Al Wilson
Peter Young
Baseado em As Crônicas de Prydain de
Lloyd Alexander
Narração John Huston
Elenco Grant Bardsley
Susan Sheridan
Freddie Jones
Nigel Hawthorne
John Byner
Arthur Malet
Phil Fondacaro
John Hurt
Música Elmer Bernstein
Edição James Melton
Jim Koford
Armetta Jackson
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Pictures[1]
Walt Disney Productions[2]
Silver Screen Partners II[1]
Distribuição Buena Vista Distribution[1]
Lançamento Estados Unidos 24 de julho de 1985
Brasil 19 de setembro de 1985[3]
Idioma inglês
Orçamento US$ 25-44 milhões[4][5]
Receita US$ 21.288.692[6]
(receita interna estadunidense)

The Black Cauldron (bra: O Caldeirão Mágico[3][7]; prt: Taran e o Caldeirão Mágico[8]) é um filme de animação estadunidense de 1985 dos gêneros aventura e fantasia produzido pela Walt Disney Productions em associação com a Silver Screen Partners II e lançado pela Walt Disney Pictures.[1] É vagamente baseado nos dois primeiros livros de As Crônicas de Prydain, de autoria de Lloyd Alexander, uma série de cinco romances que, por sua vez, são baseados na mitologia galesa.

Situado na terra mítica de Prydain durante o início da Idade Média, o filme conta a história de um místico caldeirão mágico desejado pelo temido Horned King que espera, assim que tomar sua posse, dominar o mundo com a ajuda de seus poderes sobrenaturais vindos do caldeirão. Contudo, um jovem chamado Taran, acompanhado da Princesa Eilonwy, de uma criatura chamada Gurgi, de sua porquinha Hen Wen e do simpático Sr. Flores Flama procuram impedir o vilão de alcançar o tão famigerado caldeirão.

Dirigido por Ted Berman e Richard Rich, que já haviam dirigido o filme de animação anterior da Disney The Fox and the Hound (1981), The Black Cauldron foi o primeiro filme de animação da Disney a ser gravado em Dolby Stereo. A Disney havia adquirido os direitos cinematográficos dos livros de Alexander em 1973, com a sua produção começando em 1980 tendo inicialmente sua previsão de estreia para o Natal de 1984. Durante a produção, o filme passou por um severo processo de edição, principalmente por conta de sua natureza sombria, que se mostrou perturbadora para as crianças durante uma exibição de teste. O recém-nomeado presidente do Walt Disney Studios, Jeffrey Katzenberg, ordenou que várias cenas fossem cortadas, temendo que o filme assustasse as crianças; como resultado, seu lançamento foi adiado para 1985. Apresenta as vozes de Grant Bardsley, Susan Sheridan, Freddie Jones, Nigel Hawthorne, Arthur Malet, John Byner, Phil Fondacaro e John Hurt; um prólogo é narrado pelo famoso ator e diretor John Huston.

Foi o primeiro filme de animação da Disney a receber uma "classificação PG" pela MPAA, bem como o primeiro filme do estúdio a utilizar imagens geradas por computador.[9] The Black Cauldron foi lançado nos cinemas norte-americanos pela Buena Vista Distribution (sob o selo da Walt Disney Pictures) em 24 de julho de 1985; se tornou um fracasso de bilheteria ao arrecadar US$ 21 milhões na América do Norte contra um orçamento relatado pela Disney de US$ 25 milhões, embora um dos produtores do filme alegou que o longa tenha custado mais de US$ 40 milhões. Considerando qualquer um dos dois valores, se tornou o filme de animação mais caro já feito na época. Seu prejuízo foi tão grande que colocou em risco o futuro do departamento de animação da Disney. Devido ao seu fracasso comercial, a Disney não lançou o filme em mídias domésticas até 1997. Com o passar dos anos, o filme ganhou seguidores cult.[10][11]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na terra de Prydain, um jovem garoto chamado Taran é um "guardador de porcos" que sonha ser um grande guerreiro na pequena fazenda do mago Caer Dallben. Dallben descobre que o seu inimigo Horned King[nota 1] está à procura de uma relíquia mística conhecida como Caldeirão Negro com o intuito de criar um exército invencível de guerreiros mortos-vivos para, dessa forma, dominar o mundo. Dallben teme, ainda, que Horned King consiga sequestrar sua porquinha Hen Wen, que possui poderes mágicos, para usá-la para localizar o caldeirão. Dallben ordena que Taran leve Hen Wen em segurança até um esconderijo na floresta. No caminho, entretanto, Taran acaba se descuidando da porquinha e a mesma acaba sendo raptada pelos servos de Horned King. O jovem rapaz segue-os até o castelo do vilão.

Durante o caminho, Taran acaba conhecendo o pequeno e importunado Gurgi, que se junta a Taran em sua busca. Ao chegar perto do castelo, Gurgi recomenda Taran a desistir do resgate da porquinha afirmando que o lugar é muito perigoso. Taran se nega a desistir e decide entrar no sombrio castelo sem a companhia de Gurgi; ele acaba encontrando Hen Wen, mas é logo descoberto. Contudo, Taran consegue libertar a porquinha jogando-a no lago que rodeia o castelo e a manda fugir. Antes de fazer qualquer esforço para tentar acompanhar a porquinha na fuga, Taran acaba sendo capturado e jogado num calabouço, enquanto que Hen Wen escapa ilesa do castelo e foge floresta adentro, não sendo mais vista.

Depois de se esgueirar pelas ruínas do castelo com o intuito de fugir, uma também prisioneira de Horned King chamada Princesa Eilonwy liberta Taran. Nas catacumbas abaixo do castelo, Taran e Eilonwy descobrem um antigo mausoléu onde repousa o corpo de um rei (que era o antigo dono do castelo, morto pelo vilão após este tomar posse do lugar); acima de seu túmulo está uma espada mágica, a qual Taran pega para si. O poder da espada permite que Taran lute eficazmente contra os capangas de Horned King. Taran e Eilonwy acabam libertando um outro prisioneiro, o senhor de meia-idade tocador de harpas Flores Flama.[nota 2] Os três escapam do castelo e se encontram com Gurgi. Quando Horned King descobre que Taran escapou, ele ordena seu ajudante Creeper[nota 3] a enviar comparsas para capturar Taran e os outros prisioneiros de uma vez por todas.

Seguindo uma trilha de pegadas deixada por Hen Wen, os quatro amigos descobrem o reino subterrâneo dos Elfies Folks, um grupo de pequeninos magos e fadas que revelam que a porquinha Hen Wen está sob sua proteção. Os minúsculos seres também afirmam saber onde está o famigerado Caldeirão Negro e Taran afirma que precisa encontrar o objeto e destruí-lo para neutralizar qualquer tentativa maléfica de Horned King. Eilonwy, Flores Flama e Gurgi se juntam a Taran na procura pelo caldeirão juntamente com o antipático Elfo Doli (braço direito do Rei dos Elfos) que é ordenado pelo seu Rei a levá-los para o Pântano de Morva enquanto que os outros Elfos ficam encarregados de levar a porquinha em segurança de volta para a fazenda de Caer Dallben. No tal pântano eles descobrem que o caldeirão está sob a guarda de três bruxas: Orddu, a líder do trio que é bastante gananciosa; Orgoch que possui uma enorme gula; e a Bruxa Orwen, que é mais benevolente e que se apaixona por Flores Flama à primeira vista.

Orddu concorda em dar o caldeirão em troca da espada mágica de Taran, o jovem rapaz concorda, embora ciente de que, perdendo sua espada, ele não terá mais chances de realizar seu antigo sonho de se tornar um valente guerreiro. Antes de desaparecerem, Orddu, Orwen, e Orgoch revelam que o caldeirão é indestrutível, e que seu poder só pode ser quebrado se alguém pular por livre e espontânea vontade dentro dele, contudo este alguém jamais retornará com vida. Depois das bruxas sumirem magicamente, nenhum dos amigos se encoraja a fazer tal tarefa; Elfo Doli, enfurecido com a situação, decide abandonar o grupo indo embora. Com isso, Taran descobre que trocou sua espada por nada e começa a se culpar pela situação, mas seus amigos o animam, principalmente Eilonwy. Eles são interrompidos pelos capangas de Horned King que os aprisionam novamente e também tomam o Caldeirão Negro para levar ao vilão. Gurgi, entretanto, consegue escapar, enquanto Taran, Eilonwy e Flores Flama são acorrentados.

Já com a posse do caldeirão, Horned King usa os poderes do objeto para criar um exército de mortos vivos para que eles enfim dominem o mundo sob a sua liderança. Gurgi corajosamente entra no castelo para salvar seus amigos. Quando a criatura os liberta, Taran decide se jogar no caldeirão para neutralizar seus poderes, mas Gurgi o impede pulando no caldeirão ele mesmo. Com isso, os mortos vivos começam a se enfraquecer por conta do poder do caldeirão ter sido neutralizado por Gurgi. Quando Horned King descobre Taran e seus amigos soltos, ele tenta jogar o rapaz dentro do caldeirão, mas o objeto começa a sugar tudo ao seu redor de forma desordenada. Taran consegue escapar se segurando em um degrau do castelo, enquanto que o vilão acaba sendo morto após ser tragado brutalmente para dentro do caldeirão. Após isso, o castelo começar a desmoronar através dos poderes do caldeirão, mas os três amigos conseguem escapar ilesos.

Taran se lamenta bastante pela morte de Gurgi, enquanto que as três bruxas reaparecem querendo o caldeirão de volta. Flores Flama resolve desafiar as três bruxas dizendo que só conseguirão o caldeirão de volta se trazerem Gurgi de volta e com vida; de princípio elas se negam, mas após ouvirem de Flores que elas não são poderosas e que não são capazes de nada, as bruxas decidem de forma relutante atender o pedido, retirando Gurgi de dentro do caldeirão com vida. Ao se abraçarem, Gurgi faz com que Taran e Eilonwy se beijem. Os quatro amigos, em seguida, retornam a terra de Prydain. Enquanto isso, o mago Caer Dallben e o Elfo Doli os observam através de uma visão num recipiente com água com ajuda dos poderes da porquinha Hen Wen já segura. Caer Dallben elogia Taran pela sua bravura, apesar do fato de o rapaz ser um mero "guardador de porcos".

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Grant Bardsley como Taran
  • Susan Sheridan como Princesa Eilonwy
  • Freddie Jones como Caer Dallben
  • Nigel Hawthorne como Flores Flama
  • Arthur Malet como Rei dos Elfos
  • John Byner como Gurgi e Elfo Doli
  • Phil Fondacaro como Creeper
  • John Hurt como Horned King
  • Eda Reiss Merin como Orddu
  • Adele Malis-Morey como Orwen
  • Billie Hayes como Orgoch
  • Wayne Allwine, James Almanzar, Fondacaro, Steve Hale, Jack Laing, Phil Nibbelink e Peter Renaday como os capangas de Horned King
  • John Huston como o narrador do prólogo do filme

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento e pré-produção[editar | editar código-fonte]

Em 1971, a Disney iniciou conversas com o escritor Lloyd Alexander para adquirir os direitos cinematográficos de sua coleção de livros As Crônicas de Prydain publicada entre os anos de 1964 a 1968 através de cinco volumes.[9] Com o acordo concretizado em 1973, a pré-produção do filme foi iniciada. O estúdio foi convencido a realizar o filme pelos animadores Ollie Johnston e Frank Thomas; Johnston chegou a declarar que, se tivesse sido feito corretamente, o filme poderia ser "tão bom quanto Branca de Neve".[12] Por causa das inúmeras histórias contidas nos cinco livros, e com mais de trinta personagens na série original, vários artistas e animadores trabalharam no desenvolvimento do filme ao longo da década de 1970.[13] Quando The Rescuers (1977) foi concluído, The Black Cauldron foi provisoriamente programado para ser lançado em 1980. O artista veterano Mel Shaw criou esboços conceituais complexos que o futuro presidente e CEO da Disney, Ron Miller, considerou avançados demais para os animadores novatos recém contratados pelo estúdio.[14]

Em agosto de 1978, o estúdio adiou a data de lançamento de The Black Cauldron para o Natal de 1984 devido à parcial incapacidade dos animadores animarem personagens humanos de maneira mais realista; sua data de lançamento original foi posteriormente assumida por The Fox and the Hound (que acabou sofrendo atrasos e só foi lançado em 1981).[15] Durante o desenvolvimento, o artista Vance Gerry foi selecionado para criar storyboards que delineariam o enredo, a ação e os locais. Tendo estabelecido os três personagens principais, Gerry adaptou o vilão Horned King em um viking barrigudo que tinha barba ruiva, temperamento explosivo e usava um capacete de aço com dois chifres grandes. Enquanto isso, o estúdio contratou a dramaturga inglesa Rosemary Anne Sisson porque desejava um roteirista britânico experiente para o filme.[16]

O animador John Musker foi o diretor inicial do filme, tendo o cargo sido oferecido pelo chefe de produção Tom Wilhite. Como diretor, Musker foi designado para expandir diversas sequências no primeiro ato, mas elas acabaram sendo consideradas cômicas demais.[17] Musker explicou: "[...] as pessoas mais velhas com quem eu trabalhava não gostaram de nenhuma das minhas ideias".[18] Quando a produção de The Fox and the Hound foi concluída, vários diretores de animação como Art Stevens, Richard Rich, Ted Berman e Dave Michener se envolveram em The Black Cauldron. Miller passou a achar que muitas pessoas estavam envolvidas no projeto, fazendo-o decidir que Stevens não era adequado para supervisionar o mesmo; ele então contatou Joe Hale, que era um artista de layout de longa data nos estúdios Disney, para atuar como produtor.[14][17][19]

Com Hale sendo produtor, a produção real de The Black Cauldron começou de fato em 1980.[13][20] Após descartar algumas artes visuais dos personagens concebidas por Tim Burton, Hale, junto com Rich e Berman, passaram a desejar um estilo para o filme semelhante ao empregado em A Bela Adormecida (1959). Os produtores convenceram o veterano Milt Kahl a retornar da aposentadoria para criar novos designs de personagens para Taran, Eilonwy, Flores Flama e os outros personagens principais. Hale e a equipe de história (incluindo os dois artistas de história David Jonas e Al Wilson que ele mesmo contratou) revisaram fortemente o filme, resumindo as histórias dos dois primeiros livros. Eles também fizeram algumas mudanças consideráveis, o que levou à saída de Sisson, à medida que ela desenvolvia diferenças criativas com Hale e os diretores.[21]

Os animadores John Musker e Ron Clements, também citando diferenças criativas, foram afastados do projeto e iniciaram o desenvolvimento de The Great Mouse Detective (1986).[22] Descontente com o estilo de Gerry para Horned King, Hale transformou o personagem em uma criatura magra vestindo um capuz com um rosto escuro lembrando um crânio e com olhos vermelhos brilhantes; o personagem foi então expandido para um vilão mais elaborado baseado em vários personagens dos livros originais.[13] Taran e Eilonwy eventualmente adquiriram elementos dos desenhos e trajes anteriores de personagens antigos da Disney; Eilonwy foi desenhada para se parecer com a Princesa Aurora, enquanto Taran teve seu design inspirado em Peter Pan.[21][23]

Seleção de elenco[editar | editar código-fonte]

De acordo com Musker, Gary Burghoff, que era famoso pelas suas participações no seriado M*A*S*H, fez o teste para dublar Gurgi. Ele tentou inúmeras iterações vocais, já que Ted Berman não tinha ideia de como o personagem deveria soar. Depois de três horas, os diretores ficaram entediados e Burghoff, que se recusou a sair, foi expulso do estúdio.[24] Em 1982, o artista imitador John Byner foi escalado para o papel.[25] Depois que Byner estudou o conceito de seu personagem, ele se sentiu inspirado a adicionar uma "inflexão infantil" ao criar a voz de Gurgi.[26]

Em janeiro de 1981, Hayley Mills afirmou que estava sendo considerada para a voz de Eilonwy.[27] Naquele mesmo ano, Mills apresentou um episódio do programa Disney's Wonderful World da NBC, no qual ela se encontrou com Hale e os diretores para discutir o papel.[28] O papel acabou indo para Susan Sheridan. De acordo com Sheridan, ela gravou a voz em três viagens distintas aos estúdios da Disney.[29] Em um especial do canal Disney Channel de 1983 intitulado Backstage at Disney, Hale afirmou que Jonathan Winters estava dando voz ao Rei dos Elfos.[30] No entanto, o papel acabou indo para Arthur Malet.

Animação[editar | editar código-fonte]

Inventado por David W. Spencer do departamento de câmeras estáticas do estúdio,[31] o processo de transferência de fotos de animação (APT) foi usado pela primeira vez em The Black Cauldron, que aprimoraria a tecnologia pela qual a animação bruta seria processada em celuloide. Primeiro, a animação seria fotografada em um filme litográfico de alto contraste e o negativo resultante seria copiado em folhas de plástico que transfeririam as linhas e as cores, o que eventualmente eliminaria o processo de tinta à mão.[32][33] No entanto, como a arte de linha transferida pelo APT desapareceria dos celuloides com o tempo, a maior parte da animação do filme foi feita usando o processo xerográfico, que era usado pela Disney desde o final dos anos 1950.[34] Spencer ganharia um Óscar técnico por ter criado esse processo, mas a evolução da animação digital logo tornaria o APT obsoleto.[31]

The Black Cauldron é notável por ser o primeiro longa-metragem de animação da Disney a incorporar imagens geradas por computador em sua animação para representar bolhas, uma canoa, a esfera de luz flutuante de Eilonwy e o próprio caldeirão.[35] Embora The Black Cauldron tenha sido lançado um ano antes de The Great Mouse Detective, ambos os filmes estiveram em produção simultaneamente por algum tempo e a computação gráfica do último foi feita primeiro. Quando o produtor Joe Hale soube do que estava sendo feito, as possibilidades o deixaram animado e ele fez a equipe de The Great Mouse Detective criar uma animação por computador para seu próprio filme. Para outros efeitos, o animador Don Paul usou imagens reais de névoas de gelo seco para criar o vapor e a fumaça que saíam do caldeirão.[36]

Revisão e edição[editar | editar código-fonte]

Pouco antes do lançamento teatral inicialmente planejado para 1984, uma exibição de teste para a versão preliminar de The Black Cauldron foi realizada no teatro privado da Disney em Burbank, Califórnia. Depois que o filme provou ser muito intenso e perturbador para as crianças na plateia, especialmente a sequência sombria do "nascimento dos mortos-vivos",[37] o recém-nomeado presidente da Disney, Jeffrey Katzenberg, ordenou que certas cenas de The Black Cauldron fossem removidas, como resultado da extensão e do medo de que sua natureza assustasse as crianças.[38]

Como os filmes de animação eram geralmente editados em formato de storyboard usando bobinas Leica (mais tarde conhecidas como "animatics", que são storyboards filmados sequencialmente e definidos como faixas de áudio temporárias), o produtor Joe Hale se opôs às exigências de Katzenberg. Katzenberg respondeu o protesto trazendo o filme para uma ilha de edição e editando o filme ele mesmo.[38] Informado por Hale sobre o que Katzenberg estava fazendo, o recém-nomeado CEO da Disney, Michael Eisner, telefonou para Katzenberg na sala de edição e o convenceu a parar; embora tenha parado a pedido de Eisner, Katzenberg insistiu que o filme fosse modificado, adiando o seu lançamento programado para o Natal de 1984 para julho de 1985 para que o filme pudesse ser retrabalhado.[38]

O filme foi finalmente cortado em doze minutos,[36] com várias cenas que permaneceram no filme sendo reescritas e reanimadas para dar continuidade.[38] Muitas das cenas excluídas envolveram interações prolongadas entre personagens, mas outras edições envolveram conteúdo violento, incluindo os mortos-vivos "nascidos do caldeirão" que compunham o exército de Horned King no ato final do filme. Apesar da maioria das cenas ter sido perfeitamente removida, outras tiveram muito trabalho para serem cortadas como trechos que retratavam violência física entre os personagens e a sequência dos mortos-vivos brutalmente matando os capangas humanos de Horned King após "nascerem" do caldeirão; esta última sequência originalmente era mais longa e detalhava os capangas derretendo da carne ao osso após serem atacados pelos mortos-vivos (o corte desta cena fica evidente no filme final devido a um trecho onde o áudio apresenta um lapso na trilha sonora). Outra cena que foi deletada incluía um trecho onde a Princesa Eilonwy aparecia parcialmente despida.[9]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

The Black Cauldron: Original Motion Picture Soundtrack
Trilha sonora de Elmer Bernstein
Lançamento 1985
Gênero(s) Orquestra
Duração 30:25
Gravadora(s) Varèse Sarabande
Produção George Korngold, Randy Thornton
Cronologia de Elmer Bernstein
Os Caça-Fantasmas
(1984)
Spies Like Us
(1985)
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas.[39]
Filmtracks 4 de 5 estrelas.

Diferentemente da maioria dos outros filmes animados da Disney, The Black Cauldron não contém músicas cantadas pelos personagens. A partitura foi composta e regida por Elmer Bernstein, que empregou o uso de Ondas Martenot para desenvolver o clima sombrio de Prydain. O compositor já havia usado o instrumento em Trading Places (1983) e Os Caça-Fantasmas (1984).[40]

Devido às edições de última hora, grande parte da trilha sonora de Bernstein ficou inutilizada do filme final.[40] Alguns trechos foram regravados para serem disponibilizados no álbum da trilha sonora do filme lançada pela Varèse Sarabande em 1985, com o compositor regendo a Orquestra Sinfônica de Utah.[40] O álbum logo saiu de circulação e muitas das faixas do filme não reapareceram comercialmente até que uma cópia pirata intitulada "Taran" fosse fornecida a lojas especializadas em trilhas sonoras em 1986.[40] A trilha do filme foi relançada em 2012 como parte da parceria da Intrada Records com a Walt Disney Records para lançar diversas trilhas sonoras de filmes da Disney.[41]

A trilha sonora foi muito bem recebida pelos críticos de música e hoje é considerada um dos melhores trabalhos feitos por Bernstein em um longa-metragem, apesar do fracasso do filme em si. Jason Ankeny do site de críticas AllMusic deu a trilha sonora uma avaliação positiva, afirmando que "os arranjos sombrios de Bernstein e melodias sinistras vividamente sublinham o mundo de fantasia retratada na tela, o resultado é um sucesso inegável".

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Foi o último filme de animação da Disney a ser concluído no Animation Building original do Walt Disney Studios (então Walt Disney Productions) em Burbank, Califórnia.[42] Após a finalização de The Black Cauldron, o departamento de animação da empresa foi transferido para as instalações da Air Way nas proximidades de Glendale em dezembro de 1985 e, após a reestruturação corporativa, finalmente retornou ao estúdio de Burbank em meados da década de 1990 em novas instalações.[43]

The Black Cauldron se tornou o primeiro filme de animação da Disney a receber a censura "PG" (não recomendado para menores de 13 anos) pela Motion Picture Association of America.[44] O filme foi apresentado em Super Technirama 70 (o primeiro desde A Bela Adormecida) e som surround Dolby Stereo 70mm de seis trilhas.[45] Seu lançamento nos cinemas em 1985 foi acompanhado pelo curta-metragem de 1956 Chips Ahoy estrelado pelo Pato Donald.[46]

O filme foi relançado em 1990 em alguns países selecionados sob o título "Taran and the Magic Cauldron".[47][48]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

The Black Cauldron foi lançado comercialmente na América do Norte em 24 de julho de 1985.[6] Dois dias depois, o filme foi exibido no Radio City Music Hall em Nova York.[49] Embora a Disney tenha divulgado oficialmente que o filme teria custado US$ 25 milhões,[14] o gerente de produção Don Hahn[14] declarou em seu documentário Waking Sleeping Beauty de 2009 que The Black Cauldron teria custado US$ 44 milhões; foi o filme de animação mais caro já feito na época (considerando qualquer dos dois valores).[4][5]

O filme arrecadou US$ 21,3 milhões no mercado interno estadunidense,[6] o que significou um prejuízo enorme para a Walt Disney Productions a ponto de ameaçar o futuro do departamento de animação; o filme mais tarde ganharia a fama de "quase ter matado a Disney".[9] A animação conseguiu perder receita até mesmo para o canadense The Care Bears Movie (que arrecadou US$ 22,9 milhões no mercado interno), lançado alguns meses antes por um estúdio de animação muito menor do que a própria Disney: a Nelvana.[43] Contudo, na França, o filme foi muito bem recebido, sendo assistido por mais de 3 milhões de espectadores se tornando o quinto filme mais assistido nos cinemas franceses em 1985.[50]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

No site agregador de críticas cinematográficas Rotten Tomatoes, o filme obtém um índice de aprovação de 56% com base em 34 críticas, com pontuação média de 5,7/10; o consenso dos críticos do site diz: "Ambicioso, mas falho, The Black Cauldron é tecnicamente brilhante como sempre, mas carece dos personagens atraentes de outros clássicos de animação da Disney".[51] ​​No Metacritic, outro agregador de resenhas, filme tem a pontuação média ponderada de 59/100, com base em 16 críticos, indicando "críticas mistas ou médias".[52]

Roger Ebert, crítico de cinema do jornal Chicago Sun-Times, deu ao filme três estrelas e meia de quatro, elogiando o filme como "um conto estrondoso de espadas e feitiçaria, maldade e vingança, magia, coragem e sorte... E isso nos leva a uma jornada através de um reino de alguns dos personagens mais memoráveis ​​de qualquer filme recente da Disney"; ele notou o quão "envolvente" a história era e sentiu que "a chave do filme está na riqueza das caracterizações", considerando Horned King e Gurgi seus dois melhores personagens preferidos do filme.[53]

Charles Solomon, do Los Angeles Times, escreveu que a "trilha sonora altamente dimensional, com sua partitura de Elmer Bernstein e excelentes performances vocais, [o filme] é uma obra de arte tecnológica. Mas é o próprio trabalho de animação que se destaca, sendo com certeza um dos melhores trabalhos que o estúdio já produziu desde a morte de Walt Disney em 1966, o que deslumbra o espectador". Solomon opinou que se "seu roteiro e direção fossem iguais à animação, [The Black] Cauldron seria uma obra-prima comparada à Branca de Neve e Pinóquio, em vez do filme frustrante, bonito, emocionante e, em última análise, insatisfatório que ele se tornou".[54]

Walter Goodman, resenhando para o jornal The New York Times, elogiou a animação e o desempenho de John Hurt, mas acreditou que "[pessoas] com idade suficiente para recordar seu deleite com animações anteriores, sem dúvida polidas pela memória, não são, obviamente, o público a qual The Black Cauldron é direcionado. Nem, aparentemente, é direcionado a jovens que experimentaram técnicas de animação mais sofisticadas em filmes da série Star Wars".[49]

Muitos críticos afirmaram que o filme havia exagerado em seu aspecto "sombrio" e alegaram, principalmente, a "falta de magia" que são muito comuns nos filmes da Disney. A revista Time Out de Londres considerou The Black Cauldron "uma grande decepção", acrescentando que "o charme, a caracterização e o bom humor" encontrados nos trabalhos anteriores da Disney "estão infelizmente ausentes".[55] Charles Champlin, também crítico do jornal Los Angeles Times, escreveu que The Black Cauldron carece "da simplicidade e da clareza dos grandes contos de fadas, ou da maravilha infantil das histórias de Margery Sharp que inspiraram The Rescuers, a última animação de sucesso da Disney [...]".[56] Jeffrey Katzenberg, então presidente do Walt Disney Studios, também expressou descontentamento com o filme final, afirmando que alguns animadores também acreditaram que o filme não continha "o humor e a fantasia que eram tão fortes nos livros de Lloyd Alexander. A história foi uma oportunidade única na vida e foi de partir o coração ver um material tão maravilhoso sendo desperdiçado".[57]

Lloyd Alexander, o autor dos livros onde o filme foi baseado, teve uma reação mais complexa para o filme:[58]

Em primeiro lugar, devo dizer, não há nenhuma semelhança entre o filme e o livro. Dito isto, o filme em si, apenas como um filme, é um tanto agradável. Eu me diverti assistindo-o. O que eu espero é que quem vê o filme certamente possa apreciá-lo, mas eu também espero que as pessoas também leiam o livro. O livro é bem diferente. É muito poderoso, com uma história muito comovente, e eu acho que as pessoas iriam encontrar muito mais clareza e detalhes no livro.

Mídia doméstica[editar | editar código-fonte]

O fracasso de The Black Cauldron desencorajou a Disney a disponibilizar o filme em formatos home video por mais de uma década após seu lançamento nos cinemas.[38] Seu primeiro lançamento numa mídia doméstica ocorreu em 1997 no Reino Unido, onde o filme foi disponibilizado no formato VHS; em 4 de agosto do ano seguinte, o filme foi lançado também em VHS nos Estados Unidos. Tais lançamentos, ambos como parte da linha Walt Disney Masterpiece Collection, só ocorreram graças a diversos apelos de fãs cult.[14] Para esse lançamento, o filme foi recortado no formato pan e scan.[14]

Em 2000, o filme foi lançado pela primeira vez em DVD com transferência widescreen não anamórfica 2.20:1, como parte da linha Walt Disney Gold Classic Collection; os bônus que incluíam o disco foram uma galeria de desenhos conceituais, um jogo interativo chamado "The Quest for the Black Cauldron" e o curta-metragem do Pato Donald de 1952, Trick or Treat. Em 2008, a Disney anunciou o lançamento de uma edição especial em DVD do filme, que seria lançada no ano seguinte, mas posteriormente foi reanunciada como uma "edição comemorativa do 25º aniversário" a ser lançada em 2010; tal lançamento ocorreu em 14 de setembro de 2010 nos Estados Unidos e no Reino Unido. Esse segundo lançamento em DVD continha a transferência widescreen anamórfica 2,35:1 original, um novo jogo interativo intitulado "Witch's Challenge", uma cena excluída inacabada e todos os recursos do lançamento do DVD de 2000.[59]

Em novembro de 2019, o filme foi disponibilizado em 4K na plataforma Disney+.[60] Em 4 de maio de 2021, o filme foi lançado em Blu-ray exclusivamente pelo Disney Movie Club.[61]

Outras mídias e legado[editar | editar código-fonte]

Videogames[editar | editar código-fonte]

Um jogo de videogame homônimo foi desenvolvido por Al Lowe da Sierra On-Line e lançado em 1986. Compatível com as plataformas Amiga, Apples II e IIGS, Atari ST, MS-DOS e Tandy 1000, o jogo possui elementos bastante semelhantes com o título anterior da Sierra King's Quest. Junto com The Dark Crystal, continua sendo um dos poucos jogos de aventura da Sierra baseado em filmes.[62]

O jogo de construção de cidade Disney Magic Kingdoms lançado em 2016 inclui os personagens Taran, Eilonwy, Flores Flama, Gurgi e Horned King como personagens jogáveis, além de cenários baseados no castelo de Horned King e no reino dos Elfies, bem como alguns estabelecimentos e decorações baseadas em The Black Cauldron.[63][64]

Em outras mídias[editar | editar código-fonte]

Assim como outros personagens dos vários filmes de animação lançados pela Disney, os personagens de The Black Cauldron têm aparições recorrentes na série de televisão House of Mouse. Durante o episódio "House of Magic", Margarida usa o Caldeirão Negro para um show de mágica, embora obtenha resultados desastrosos.[65]

O enredo de The Black Cauldron é um dos focos principais no filme antológico lançado diretamente em vídeo Once Upon a Halloween de 2005, que mostra diversas cenas de The Black Cauldron através de flashbacks. No referido filme também é mencionado que um dos caldeirões que pertencia às Bruxas de Morva é agora propriedade da Rainha Má (de Branca de Neve e os Sete Anões).

Junto com outros personagens oriundos da Walt Disney Animation Studios, os personagens principais do filme tiveram participações especiais no curta-metragem Once Upon a Studio de 2023.[66]

Parques temáticos[editar | editar código-fonte]

Versões fantasiadas dos personagens do filme fizeram aparições ocasionais nos Parques e Resorts da Disney, principalmente na Fantasyland.

Em 1986, o restaurante Lancer's Inn, no Walt Disney World, foi renomeado para Gurgi's Munchies and Crunchies. No entanto, em 1993 ele foi fechado para ser remodelado se tornando outra atração no parque.

Em 11 de julho de 1986, a Disneylândia de Tóquio inaugurou o Cinderella Castle Mystery Tour, uma atração na qual Horned King fazia uma aparição, funcionando até 2006.[67][68][69] Para comemorar a inauguração da atração, um evento especial que incluiu uma peça de teatro foi apresentado no Palco do Pátio do Castelo da Cinderela durante catorze dias, que apresentava Mickey Mouse, Pato Donald e Pateta, acompanhados da Princesa Aurora, Príncipe Phillip e Malévola de A Bela Adormecida; nessa peça que se seguiu nos dias de abertura, numa cena que retratava uma batalha contra as forças de Malévola por Pateta, Donald, Phillip e Aurora, Creeper realizou uma aparição especial na peça junto com outros vilões da Disney.[70]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

O personagem Gurgi foi supostamente a inspiração para a interpretação do personagem Gollum por Andy Serkis nos filmes da franquia O Senhor dos Anéis.[71]

Eventuais projetos[editar | editar código-fonte]

Em 2016, a Walt Disney Pictures readquiriu os direitos cinematográficos de As Crônicas de Prydain, no qual o longa-metragem de animação The Black Cauldron foi baseado, com a intenção de adaptar a série de livros em uma série de longas-metragens em live-action. O projeto estava em desenvolvimento inicial no Walt Disney Studios, sem nenhum diretor, produtor ou roteirista contratado. Entretanto, não houve mais relatos sobre o andamento do projeto.[72]

Notas e referências

Notas

  1. "Rei de Chifres" na dublagem brasileira, "Rei Chifres" na dublagem portuguesa
  2. Na dublagem original em inglês "Fflewddur Fflam"
  3. "Nojentinho" na dublagem brasileira, "Arrepio" na dublagem portuguesa

Referências

  1. a b c d «The Black Cauldron». American Film Institute. Consultado em 22 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2016 
  2. Hughes, William (17 de março de 2016). «Disney Animation might be returning to the series that nearly killed it 30 years ago». The A.V. Club. Consultado em 3 de abril de 2017. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2019 
  3. a b «O Caldeirão Mágico». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 20 de março de 2020 
  4. a b Hahn, Don (Director) (2010). Waking Sleeping Beauty (Documentary film). Burbank, CA: Stone Circle Pictures/Walt Disney Studios Motion Pictures. Em cena em 16:08. Black Cauldron cost $44 million to make and made less than half that at the box office. 
  5. a b Hartlaub, Peter (26 de março de 2010). «Review: 'Waking Sleeping Beauty'». SFGate. Consultado em 7 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 20 de abril de 2013 
  6. a b c «The Black Cauldron (1985)». Box Office Mojo. Consultado em 23 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2020 
  7. «O Caldeirão Mágico». Brasil: CinePlayers. Consultado em 20 de março de 2020 
  8. «Taran e o Caldeirão Mágico». Portugal: SapoMag. Consultado em 20 de março de 2020 
  9. a b c d Kois, Dan (19 de outubro de 2010). «Revisiting The Black Cauldron, the Movie That Almost Killed Disney Animation». Slate. Consultado em 6 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2012 
  10. Rico, Elizabeth (27 de fevereiro de 2014). «How 'The Black Cauldron' Became a Cult Classic» 
  11. 22 Animated Cult Classics Worth Checking Out - MovieWeb
  12. «Ollie Johnston - an interview, part 1.» (entrevista) (em norueguês). Jo Jürgens. 1996. Consultado em 4 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2014 
  13. a b c «Black Cauldron, The (film)». Disney D23. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2015 
  14. a b c d e f Hill, Jim (9 de fevereiro de 2006). «"The Black Cauldron" : What went wrong». Jim Hill Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2019 
  15. Harmetz, Aljean (10 de agosto de 1978). «Disney Incubating New Artists». The New York Times. p. C10. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 27 de setembro de 2018 
  16. Hulett 2014, p. 46.
  17. a b Hulett 2014, pp. 47–48.
  18. Flores, Terry (2 de dezembro de 2016). «Disney Animation Veterans Ride the CG Tide With 'Moana'». Variety. Consultado em 4 de março de 2022. Cópia arquivada em 5 de março de 2022 
  19. «The Black Cauldron: Producer Joe Hale talks munchings and crunchings…». Animated Views (entrevista). Jérémie Noyer. 17 de setembro de 2010. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 27 de junho de 2016 
  20. Blowen, Michael (3 de agosto de 1985). «'Black Cauldron' A Brew Of Vintage Disney Animation». The Boston Globe. Consultado em 20 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 7 de abril de 2019 – via Chicago Tribune 
  21. a b Hulett 2014, p. 48.
  22. «John and Ron Mention 'The Unmentionable'». Animation (entrevista). Michael Mallory. 7 de setembro de 2012. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 13 de maio de 2016 
  23. Deja, Andreas (9 de fevereiro de 2013). «Milt Kahl's Black Cauldron». Deja View. Consultado em 12 de maio de 2016. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2016 – via Blogger 
  24. Kroyer, Bill; Sito, Tom (2019). «John Musker Interview». In: Diamond, Ron. On Animation: The Director's Perspective Volume 1. [S.l.]: CRC Press. p. 14. ISBN 978-1-138-06707-3 
  25. Hopkins, Tom (5 de fevereiro de 1982). «Cable's 'Bizarre' is so crazy even its star is surprised». Dayton Daily News. Consultado em 9 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2022 – via Newspapers.com  Verifique o valor de |url-access=subscription (ajuda)
  26. Ebsen, Buddy (narrator) (4 de maio de 1985). «Voice Actors». Disney Family Album. Episódio 12. Em cena em 22:57. Disney Channel. Consultado em 9 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 7 de outubro de 2021 – via YouTube 
  27. Scott, Vernon (17 de janeiro de 1981). «Millions to see Mills; Hayley kid no more». The News. Paterson, New Jersey. Consultado em 9 de agosto de 2022 – via Newspapers.com  Verifique o valor de |url-access=subscription (ajuda)
  28. Mills, Hayley (host) (26 de abril de 1981). «Disney Animation: The Illusion of Life». Disney's Wonderful World. Temporada 27. Episódio 21. NBC. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2022 – via YouTube 
  29. Sheridan, Susan (2002). «Voice Overs». SusanSheridan.com. Consultado em 9 de agosto de 2022. Arquivado do original em 10 de dezembro de 2013 
  30. Culhane, John (host) (1983). Backstage at Disney. Disney Channel. Consultado em 9 de agosto de 2022 – via Internet Archive 
  31. a b «Animation photo transfer process». Disney D23. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2015 
  32. Solomon, Charles (7 de março de 1984). «Animation Takes a Giant Step». Los Angeles Times. Part VI, p. 2. Consultado em 9 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2022 – via Newspapers.com  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  33. «The Black Cauldron». Disney.go.com. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2007 
  34. «The Black Cauldron». 24 de abril de 2008. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 6 de julho de 2008 
  35. Maltin, Leonard (1995). The Disney Films 3rd ed. [S.l.]: Hyperion Books. p. 286. ISBN 0-7868-8137-2 
  36. a b «Cauldron of Chaos, PART 3 - Ink and Paint Club: Memories of the House of Mouse». MichaelPereza. 9 de setembro de 2010. Consultado em 20 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2012 – via Blogspot 
  37. Alter, Ethan (18 de março de 2016). «Disney Will Stir 'The Black Cauldron' Again, Rebooting 'Prydain Chronicles' as Live-Action Franchise». Yahoo! Entertainment. Consultado em 6 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2020 
  38. a b c d e Stewart 2005, pp. 68–70.
  39. Avaliação da AllMusic
  40. a b c d «Filmtracks: The Black Cauldron (Elmer Bernstein)». Filmtracks. 12 de maio de 2012. Consultado em 26 de maio de 2012. Cópia arquivada em 17 de maio de 2012 
  41. «Intrada Records: The Black Cauldron». Intrada Records. Consultado em 26 de maio de 2012. Cópia arquivada em 5 de junho de 2012 
  42. Crew Picture The Balck Cauldron [sic]. Upload to Creative Talent Network blog.
  43. a b Hahn, Don (Director) (2010). Waking Sleeping Beauty (Documentary film). Burbank, CA: Stone Circle Pictures/Walt Disney Studios Motion Pictures 
  44. Hill, Jim (10 de setembro de 2010). «Why For did Disney's "The Black Cauldron" fail to connect with audiences back in 1985?». Jim Hill Media. Consultado em 12 de maio de 2016. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2018 
  45. Diehl, Bill (15 de junho de 1985). «Disney Pictures back to basics with fully-animated feature». Ottawa Citizen. p. C6. Consultado em 12 de maio de 2016. Cópia arquivada em 13 de julho de 2022 – via Google News Archive 
  46. «The Black Cauldron newspaper ad». St. Louis Post-Dispatch. 21 de julho de 1985. p. 8C. Consultado em 21 de março de 2021. Cópia arquivada em 22 de junho de 2021 – via Newspapers.com  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  47. Cowan, Ron (12 de janeiro de 1990). «Disney test-markets film in Salem». Statesman Journal. p. B1. Consultado em 1 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 22 de junho de 2021 – via Newspapers.com 
  48. «Starts Wednesday! Walt Disney Classic...Taran and the Magic Cauldron». The Bulletin. 20 de março de 1990. p. A-2. Consultado em 24 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2022 – via Google Books 
  49. a b Goodman, Walter (24 de julho de 1985). «Screen: Disney's 'Black Cauldron'». The New York Times. p. C5. Consultado em 22 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 24 de maio de 2015 
  50. JP. «The Black Cauldron (1985)- JPBox-Office». jpbox-office.com. Consultado em 1 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2013 
  51. «The Black Cauldron». Rotten Tomatoes 
  52. «The Black Cauldron: Reviews». Metacritic. Consultado em 28 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2022 
  53. Ebert, Roger (24 de julho de 1985). «The Black Cauldron Movie Review». Chicago Sun-Times. Consultado em 11 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2016 – via RogerEbert.com 
  54. Solomon, Charles (27 de julho de 1985). «'CAULDRON' A Treat for Kidvid-Sore Eyes». Los Angeles Times. Part V, p. 2. Consultado em 13 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 22 de junho de 2021 – via Newspapers.com  publicação de acesso livre - leitura gratuita
  55. Peretta, Don (2008). «The Black Cauldron». In: Pym, John. Time Out Film Guide 2009 17th ed. [S.l.]: Time Out Group Ltd. p. 104. ISBN 978-1846701009 
  56. Champlin, Charles (25 de julho de 1985). «'Cauldron': Words Away from the Pot of Gold». Los Angeles Times. Part V, pp. 1, 3. Consultado em 13 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2022  Verifique o valor de |url-access=limited (ajuda)
  57. Johnston, Ollie; Thomas, Frank (7 de outubro de 1993). The Disney Villain. New York: Hyperion Books. p. 173. ISBN 1-56282-792-8 
  58. Alexander, Lloyd (26 de janeiro de 1999). «Lloyd Alexander Interview Transcript». Scholastic. Consultado em 27 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2012 
  59. «The Black Cauldron 25th Anniversary DVD Review». DVDDizzy. Consultado em 20 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 26 de abril de 2012 
  60. Bevil, Dewayne (11 de setembro de 2020). «Disney Plus review: 'Black Cauldron' stirs up trouble». orlandosentinel.com. Consultado em 20 de abril de 2021. Cópia arquivada em 20 de abril de 2021 
  61. Disney's BLACK CAULDRON Blu-ray FINALLY Announced! | CARTOON NEWS (em inglês), consultado em 20 de abril de 2021, cópia arquivada em 20 de abril de 2021 
  62. Lee, Newton; Madej, Krystina (26 de abril de 2012). Disney Stories: Getting to Digital (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 978-1-4614-2101-6. Consultado em 24 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 13 de julho de 2022 
  63. Disney Magic Kingdoms (Gameloft) (6 de outubro de 2023). «Update 75: The Black Cauldron | Event Walkthrough». YouTube 
  64. Disney Magic Kingdoms (Gameloft) (6 de outubro de 2023). «PATCH NOTES – UPDATE 75 The Black Cauldron». disney-magic-kingdoms.com 
  65. «House of Magic». House of Mouse. Temporada 3. Episódio 16. 2 de setembro de 2002. ABC 
  66. Reif, Alex (16 de outubro de 2023). «Disney's "Once Upon a Studio" – List of Characters in Order of Appearance». Laughing Place 
  67. «Cinderella Castle Mystery Tour - Fantasyland - Tokyo Disneyland - Joe's Tokyo Disney Resort Photo Site». Jtcent.com. Consultado em 2 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2016 
  68. «Cinderella Castle Mystery Tour: 20 Terrifying Years (1986–2006) - 1971 Collective». Cópia arquivada em 17 de agosto de 2015 
  69. «A Great Mystery… - Parkeology». 13 de janeiro de 2011. Consultado em 10 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 8 de agosto de 2020 
  70. Defunctland: The History of Disney's Scariest Attraction, Cinderella Castle Mystery Tour. 25 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2021 – via YouTube 
  71. Most Underrated Movies of All Time|Work + Money
  72. McNary, Dave (17 de março de 2016). «'Chronicles of Prydain' Movie in the Works at Disney (EXCLUSIVE)». Variety (em inglês). Consultado em 25 de agosto de 2023 
Precedido por
The Fox and the Hound
Lista de filmes da Disney
1985
Sucedido por
The Great Mouse Detective