Passaredo Linhas Aéreas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Passaredo)
Ir para: navegação, pesquisa
Passaredo Linhas Aéreas
IATA 2Z
ICAO PTB
Indicativo de chamada PASSAREDO
Fundada em 1995
Principais centros
de operações
Aeroporto de Ribeirão Preto - Leite Lopes
Outros centros
de operações
Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos
Aeroporto Internacional de Brasília
Frota 8
Destinos 17
Companhia
administradora
Grupo Passaredo
Sede Ribeirão Preto, SP  Brasil
Pessoas importantes
  • José Luiz Felicio Filho (Presidente)
Sítio oficial www.voepassaredo.com.br


A Passaredo Linhas Aéreas é uma empresa aérea brasileira com sede na cidade de Ribeirão Preto, estado de São Paulo. Concentra suas operações no aeroporto Dr. Leite Lopes, em Ribeirão Preto, e nos aeroportos Internacionais de Guarulhos e Brasília. A empresa realiza voos para mais de vinte cidades e, através de um sistema de codeshare com a Gol Linhas Aéreas, oferece possibilidades de conectividade para nove destinos regionais.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 3 julho de 1995 o presidente do Grupo Passaredo, empresa de transporte rodoviário de passageiros, José Luiz Felício, inaugurou a Passaredo Transportes Aéreos, com uma frota de aeronaves Embraer 120 Brasilia, ligando cidades como Ribeirão Preto, Goiânia, Brasília, São Paulo, Curitiba, São José dos Campos, Belo Horizonte e Vitória da Conquista. O negócio deu certo e logo trêsEmbraer 120 voavam na empresa, PP-PSA, PP-PSB, PP-PSC.

Em 1997, através de um pool de operadoras turísticas, a Passaredo introduziu em sua frota um Airbus A310-300,[2] com capacidade para 244 passageiros, sendo a primeira companhia aérea brasileira a operar este modelo de aeronave. Logo seguido de um segundo exemplar para operar em voos charter para o Nordeste e Caribe. A empresa também recebeu dois ATR-42-300, com a intenção de substituir os seus três EMBRAER 120 pelo modelo ATR, mas a crise monetária brasileira e a forte desvalorização do Real fez com que a empresa permanecesse com as três aeronavesEmbraer 120. Em meio ao péssimo cenário econômico brasileiro, no dia 4 de Abril de 2002, José Luiz Felício preservou o patrimônio da empresa, encerrando as operações para voltar em condições mais favoráveis no futuro.[3]

Em Março de 2004, após um período de estudos e preparação, já independente do Grupo Passaredo, José Luiz Felício Filho, mostrou o seu arrojo ao enfrentar a reabertura da empresa que ficou inoperante por dois anos e logo ressurgiu a Passaredo Linhas Aéreas com o PP-PSA. Posteriormente o PP-PSB entrou em rota e a companhia chegou até a Bahia de novo na rota Ribeirão Preto – Brasília – Barreiras – Salvador – Vitória da Conquista. Os planos deram certo, o Cmte. Felício comandava a empresa não só atrás da mesa como atrás do manche também. Para dar fôlego ao crescimento e atender ao Rio de Janeiro, arrendou da OceanAir o EMB120 PR-OAN e comprou nos EUA o PP-PSD,[4] apelidado de Batmóvel por suas cores pretas.

A vigorosa expansão chegou em 2008 com planos audaciosos que incluíram a compra de mais dois EMB120 de matrícula PT-SLD e PT-SLE, ambos ex-OceanAir, e a chegada dos dois primeiros jatos EMBRAER 145,[5] além de uma nova identidade visual, moderna e com cores diferentes do comum nos aeroportos.[6] No Brasil apenas a Rio Sul havia operado esse modelo de avião. Em 2009 com os novos ERJ-145, a Passaredo inaugurou novas rotas para o Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Palmas, Bauru, Marília, Barreiras, Presidente Prudente, Goiânia e Recife. Com isso a companhia mais que dobrou a oferta de assentos e se consolidou como segunda maior regional do Brasil. Em 2010 a companhia recebeu um exemplar da aeronave ERJ-135 para acelerar a renovação da frota, dando assim continuidade na expansão de sua malha. Em fevereiro de 2011 a Passaredo finalmente aposentou os últimos três EMB-120, mas deixou de voar para Marília, Bauru[7] e Presidente Prudente,[8] alegando que os ERJ-145 eram grandes demais para a demanda dessas rotas.

Durante os anos de 2008 até 2012 a empresa chegou a operar uma frota de 15 aeronave ERJ-145 e um ERJ-135,[9] inédito no Brasil. 

Hangar de Manutenção e Engenharia da Passaredo

No ano de 2014 a companhia aérea Passaredo, juntamente com a Avianca, foi considerada a mais segura do Brasil, em um ranking do site AirlineRatings.com, que avaliou 449 empresas de aviação segundo critérios de segurança. Obteve a classificação de sete estrelas, a nota máxima. No total, 149 companhias aéreas avaliadas obtiveram sete estrelas. Além disso, a equipe do site avalia o histórico operacional das companhias para escolher as líderes do ranking.[10]

Em março de 2015, a Passaredo lançou a primeira edição da Pass, revista de bordo distribuída gratuitamente aos clientes da companhia. Com periodicidade mensal e circulação na primeira quinzena de todo mês, a Pass promete matérias com conteúdos diversificados, abrangendo dicas culturais e gastronômicas, destinos turísticos, moda, beleza, esporte, saúde, negócios, entrevistas, além de informações sobre a companhia.[11] "A revista é mais uma plataforma de comunicação oferecida pela companhia para seus clientes e parceiros, além de oferecer ao mercado de anunciantes uma possibilidade de ativação de sua marca em mais de oitenta voos e em vinte aeroportos operados pela Passaredo", conta o Comandante Felício, presidente da Passaredo.

Em 3 de Julho de 2017, a empresa foi adquirida para Grupo da Viação Itapemirim.[12]

Em 11 de setembro de 2017, a Passaredo desfaz a venda para Itapemirim por descumprimento de contrato.

Dívidas[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2012, a Passaredo ingressou com pedido de Recuperação Judicial com o objetivo de viabilizar o pagamento do passivo gerado devido a diversos fatores que ocorreram neste período, e assim, conservar as suas atividades, nas quais já atuava há mais de dezessete anos. O alto preço do combustível, o atendimento das demandas regionais utilizando jatos e uma concorrência específica, momentânea e predatória vivida em sua base principal, neste último caso lê-se Webjet, que chegou a operar em Ribeirão Preto – principal hub da Passaredo – com Boeing 737 e tarifas a partir de R$ 9,90, foram alguns dos fatores ocorridos no passado e que motivaram esta ação.[13] As mudanças na estratégia da operação, que incluíram troca da frota de jatos por modernas aeronaves ATR 72 e a readequação da malha focada no transporte aéreo regional brasileiro, permitiram a reestruturação da empresa,[14] e a obtenção do IOSA (IATA Operational Safety Audity),[15] o mais importante certificado internacional de qualidade na área da aviação. A companhia continua normalmente com suas operações e segue expandindo seus voos por todo o Brasil, pronta para atender às demandas do setor aéreo regional. A Passaredo apresenta hoje uma performance saudável, viabilizando o caminho para o desenvolvimento dentro de um setor que é um importante pilar para a infraestrutura do Brasil.[16]

Durante o período de transição entre o jato da Embraer e os novos turbo hélices da ATR, empresa teve que reduzir seu quadro de funcionários e suspender alguns voos, devido a principalmente redução do número de aeronaves em operação. Em maio de 2013, a Passaredo Linhas Aéreas teve seu plano de recuperação judicial aprovado, conseguindo assim renegociar uma dívida superior a R$ 150 milhões. Após a reunião com os credores, foi acordada uma estratégia de reestruturação que visa sanar o passivo em até 15 anos. O plano é o primeiro aprovado para uma companhia aérea no Brasil desde a promulgação da nova Lei de Falências e está protocolado na 8ª Vara Civil de Ribeirão Preto.[17][18] Ao término de 2014, a dívida já havia sido reduzida para 90 milhões.[19] O processo de recuperação judicial da Passaredo deverá chegar ao fim em setembro de 2016, pelo menos é o que estima o vice-presidente executivo da companhia, o comandante Fernando Paes de Barros. Segundo ele, os resultados obtidos pela companhia nos últimos meses, com a reformulação do produto e o aumento de ocupação após o codeshare com a Tam, foram fatores cruciais para elevarem a receita da regional.[20]

Em agosto de 2017, a juíza Carina Roselino Biagi, da 8ª Vara Cível de Ribeirão Preto (SP), determinou o fim da recuperação judicial da Passaredo Transportes Aéreos.[21]

Novos Rumos[editar | editar código-fonte]

Com a venda da Passaredo Linhas Aéreas, para o Grupo Itapemirim, um dos maiores conglomerados de transporte rodoviário de cargas e passageiros do Brasil, que atua em 22 estados e conta com 1,2 mil ônibus. Novos horizontes serão abertos, pois o plano inicial dos novos gestores, consiste na aquisição de novas 20 aeronaves até 2018, além de ampliar de 20 para 80 os destinos aéreos no interior do país.[22] A Passaredo continuará sendo mantido pelo grupo atual, pois a venda para a Itapemirim não foi concretizada. “Diante do não cumprimento das condições precedentes estabelecidas em contrato, os compradores foram notificados pela Passaredo na data de hoje (…) sobre o encerramento formal do negócio”, informou a companhia Passaredo.[23]

Compartilhamento de código (code share) com a LATAM[editar | editar código-fonte]

No dia 1 de junho de 2015, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) autorizaram o acordo de compartilhamento de código (code share) entre a Passaredo e a LATAM, que havia sido assinado em dezembro de 2014. Este compartilhamento permite que a LATAM comercialize passagens aéreas com origem ou destino em dez localidades operadas pela Passaredo: Araguaína, Barreiras, Cascavel, Pampulha, Rondonópolis, Sinop, Três Lagoas, Uberaba e Vitória da Conquista.[24]

Compartilhamento de código (code share) com a GOL[editar | editar código-fonte]

A Passaredo Linhas Aéreas, começou a operar, a partir do dia 9 de março de 2017, voos em parceria com a Gol Linhas Aéreas. Os novos destinos atendidos, serão: Ribeirão Preto; São José do Rio Preto; Araguaina – TO; Barreiras e Vitória da Conquista, na Bahia, Sinop e Rondonópolis, no Mato Grosso; Cascavel no Paraná e Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul.[25]

Destinos[editar | editar código-fonte]

A Passaredo opera em 16 destinos no Brasil. São eles:

Município Aeroporto Cód. IATA Cód. ICAO Região
Tocantins Araguaína Aeroporto de Araguaína AUX SWGN Norte
Tocantins Palmas Aeroporto de Palmas PMW SBPM Norte
Distrito Federal (Brasil) Brasília Aeroporto Internacional de Brasília BSB SBBR Centro-Oeste
Goiás Goiânia Aeroporto Internacional de Goiânia GYN SBGO Centro-Oeste
Mato Grosso Rondonópolis Aeroporto de Rondonópolis ROO SBRD Centro-Oeste
Mato Grosso do Sul Três Lagoas Aeroporto de Três Lagoas TJL SBTG Centro-Oeste
Bahia Barreiras Aeroporto de Barreiras BRA SNBR Nordeste
Bahia Salvador Aeroporto Internacional de Salvador SSA SBSV Nordeste
Bahia Vitória da Conquista Aeroporto Pedro Otacílio Figueiredo VDC SBQV Nordeste
Minas Gerais Belo Horizonte Aeroporto da Pampulha PLU SBBH Sudeste
Minas Gerais Governador Valadares Aeroporto de Governador Valadares GVR SBGV Sudeste
Minas Gerais Ipatinga Aeroporto de Ipatinga IPN SBIP Sudeste
Minas Gerais Montes Claros Aeroporto Mário Ribeiro (Aguardando autorização) MOC SBMK Sudeste
Minas Gerais Uberlândia Aeroporto de Uberlândia (Sem data prevista) UDI SBUL Sudeste
Minas Gerais Varginha Aeroporto de Varginha (Sem data prevista) VAG SBVG Sudeste
Rio de Janeiro Rio de Janeiro Aeroporto Santos Dumont SDU SBRJ Sudeste
São Paulo Ribeirão Preto - Hub Aeroporto Leite Lopes RAO SBRP Sudeste
São Paulo São José do Rio Preto Aeroporto de São José do Rio Preto SJP SBSR Sudeste
São Paulo São Paulo Aeroporto de Guarulhos GRU SBGR Sudeste
Interior ATR 72-600 Passaredo
ATR 72 da Passaredo

Aeronaves[editar | editar código-fonte]

A Passaredo opera com aeronaves ATR-72, nas versões 500 e 600. Foram encomendadas um total de vinte unidades, das quais dez compras firmes e dez como opção de compra. A companhia encerrou 2014 com nove aeronaves e no primeiro trimestre de 2015, foram incorporadas mais duas aeronaves, totalizando onze unidades.[26]

No dia 1 de junho de 2015, foi apresentado o 12º avião da empresa, um ATR-72-500, nomeado de Curió, sob o prefixo PP-PTM.[27] Em julho de 2015, a empresa recebeu seu 13º avião, o PP-PTO nomeado de Araponga. Em agosto recebeu o PP-PTN, a 14ª aeronave, e até o final de 2015, receberá sua 15ª aeronave.[20]

Frota atual[editar | editar código-fonte]

Em Novembro de 2017 a frota da empresa era composta por 9 aeronaves.

A intenção da empresa a partir de 2018 é trabalhar somente com modelos ATR 72-500, será integrada na frota as matrículas PP-PDN, PP-PDO, PP-PDL até o final de 2017.

ATR 72-600 da Passaredo.
Matrícula Modelo Nº de série Ano f.f. Nome/Imagem
PP-PDN ATR 72-500
PP-PDL ATR-72-500
PP-PDO ATR-72-500
PR-PDI ATR-72-600 1059 2012 Pica-Pau [28]
PP-PTM ATR-72-500 798 2008 Curió [29]
PP-PTN ATR-72-500 832 2008 Jaçanã [30]
PP-PTO ATR-72-500 837 2008 Araponga [31]
PP-PTP ATR-72-500 865 2009 Tuiuiu [32]
PP-PTQ ATR-72-500 874 2009 Quero-Quero [33]

Frota anterior[editar | editar código-fonte]

Fontes:
Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB)[34][nota 1]
Planespotters (Historic Fleet)[35]

Embraer 120 Brasília
Embraer ERJ-145 nas cores da Passaredo.
Aeronaves Quantidade Anos de operação Matrícula
Airbus A310-320 2 1997-1999 PP-PSD [36]
PP-PSE [37]
ATR-42-320 2 1998-1999 PP-PSF [38]
PP-PSG [39]
ATR-72-500 3 2012-2016 PR-PDE

PR-PDH

PR-PDK

ATR-72-600 1 2012-2016 PR-PDB
Embraer EMB-120 8 1995-2011 PP-PSA [40]
PP-PSB [41]
PP-PSC[42]
PR-PSD [43]
PR-OAN [44]
PT-SLD [45]
PT-SLE [46]
PT-WGE [47]
Embraer ERJ-135LR 1 2010-2011 PT-TJA [48]
Embraer ERJ-145 15 2008-2012 PR-PSF [49]
PR-PSG [50]
PT-PSS [51]
PR-PSJ [52]
PR-PSH [53]
PR-PSI [54]
PR-PSK [55]
PR-PSL [56]
PR-PSM [57]
PR-PSN [58]
PR-PSO [59]
PR-PSP [60]
PR-PSQ [61]
PR-PSR [62]
PR-PST [63]

Referências

  1. «GOL inicia parceria com a Passaredo para voos regionais» 
  2. Avioes e Musicas. «Primeiro Airbus A310 no Brasil» 
  3. Avioes E Musicas. «Retomada das operações» 
  4. Avioes e Musicas. «Expansão da frota» 
  5. Aero Jornal. «Primeiro Embraer 145 da Passaredo» 
  6. Vitrine Publicitária. «Nova Identidade visual da Passaredo» 
  7. Contato Radar. «Passaredo deixa de voar para Bauru» ]
  8. Portal do Ruas. «Passaredo deixa de voar para Presidente Prudente» 
  9. Aviação Paulista. «Passaredo Primeiro Operadora do Embraer 135 no Brasil» 
  10. Globo.com. «Passaredo é considerada Empresa aérea mais segura do Brasil» 
  11. PortalCanaMix. «Nova revista de bordo da Passaredo» 
  12. Linhas Aéreas é vendida para Grupo da Viação Itapemirim|autor= Diário do Transporte
  13. Hiper Noticias. «Fatores que contribuíram para crise na Passaredo» 
  14. Passaredo deve sair da recuperação judicial em 2016|autor= Pan Rotas
  15. Globo.com. «Passaredo Obtem IOSA» 
  16. Recuperação Passaredo|autor= Globo.com
  17. G1.com.br (3 de maio de 2013). «Credores da Passaredo acatam plano para sanar dívida de R$ 150 milhões». Consultado em 5 de maio de 2013 
  18. Jornal A Cidade (3 de maio de 2013). «Credor aprova recuperação da companhia aérea Passaredo». Consultado em 5 de maio de 2013 
  19. Jornal da Cidade. «Reestruturação da Passaredo» 
  20. a b Panrotas. «Passaredo deve sair da recuperação judicial em 2016» 
  21. Estadão Conteúdo. «Justiça determina fim da recuperação judicial da Passaredo». Consultado em 12 de setembro de 2017 
  22. Leonardo Santos - Revide. «Itapemirim anuncia controle da Passaredo». Consultado em 3 de julho de 2017 
  23. Da Redação - Veja. «Venda da Passaredo para grupo rodoviário Itapemirim é desfeita». Consultado em 12 de setembro de 2017 
  24. «Autorizado código compartilhado (code share) entre a TAM e a Passaredo». NwesAvia. 1 de junho de 2015 
  25. «Passaredo começa parceria com a Gol em voos regionais». ACidadeON. 4 de fevereiro de 2017. Consultado em 4 de abril de 2017 
  26. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome A_Cidade_1
  27. aeroentusiasta.com.br. «Frota da Passaredo Linhas Aéreas» 
  28. PR-PDI
  29. PP-PTM
  30. PP-PTN
  31. PP-PTO
  32. PP-PTP
  33. PP-PTQ
  34. «Registro Aeronáutico Brasileiro - Consulta». ANAC 
  35. «Passaredo Transportes Aereos» (em inglês). Seção Historic Fleet 
  36. «PP-PSD»  Vendida à Region Air, de Singapura, em 19 de dezembro de 2000
  37. «PP-PSE»  Vendida à Yemen Airways em setembro de 1999. Aeronave perdida no acidente do Voo Yemenia 626 em 30 de junho de 2009
  38. «PP-PSF»  Devolvida à Avions de Transport Régional em julho de 2000
  39. «PP-PSG»  Vendida à Santa Bárbara Airlines em 31 de agosto de 1999
  40. PP-PSA
  41. PP-PSB
  42. (NAS CORES ORIGIAIS DA FÁBRICA)
  43. PR-PSD
  44. PR-OAN
  45. PT-SLD
  46. PT-SLE
  47. PT-WGE
  48. «PT-TJA»  Vendida à Airlink ( posteriormente incorporada à South African Express) em 25 de novembro de 2011
  49. PR-PSF
  50. «PR-PSG»  Devolvida à ECC Leasing Company, da Irlanda, em 17 de fevereiro de 2015
  51. PT-PSS
  52. PR-PSJ
  53. «PR-PSH»  Transferida à Solenta Aviation da África do Sul, em 17 de setembro de 2012
  54. «PR-PSI»  Transferida à Solenta Aviation da África do Sul, em 28 de fevereiro de 2013
  55. «PR-PSK»  Transferida à Trans States Airlines, dos Estados Unidos, em 2 de abril de 2013
  56. «PR-PSL»  Transferida à Trans States Airlines, dos Estados Unidos, em 22 de fevereiro de 2013
  57. «PR-PSM»  Transferida à Trans States Airlines, dos Estados Unidos, em 7 de março de 2013
  58. «PR-PSN»  Transferida à Trans States Airlines, dos Estados Unidos, em 8 de abril de 2013
  59. «PR-PSO»  Transferida à Trans States Airlines, dos Estados Unidos, em 7 de março de 2013
  60. «PR-PSP»  Transferida à Trans States Airlines, dos Estados Unidos, em 9 de abril de 2013
  61. «PR-PSQ»  Transferida à Punto Azul, da Guiné Equatorial, em 18 de março de 2013
  62. «PR-PSR»  Transferida à Punto Azul, da África do Sul, em 13 de maio de 2013
  63. «PR-PST»  Transferida à General Electric Capital Aviation Services (GECAS em 14 de fevereiro de 2013

Notas

  1. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome RAB

Ligações externas[editar | editar código-fonte]