Aeroporto de Ribeirão Preto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde maio de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ribeirão Preto
Aeroporto
Aeroporto Estadual Doutor Leite Lopes
IATA: RAO - ICAO: SBRP
Características
Tipo Público
Administração DAESP
Serve Ribeirão Preto
Localização Avenida Thomaz Alberto Whately, s/nº (Parque Coronel Quito Junqueira) - (Ribeirão Preto), São Paulo SP, Brasil
Inauguração Aeroclube
2 de abril de 1939
Altitude 560 m (1 837 ft)
Movimento de 2016
Passageiros Baixa922.756 passageiros
Carga Baixa908.133 toneladas
Aéreo Baixa37.227 aeronaves
Capacidade anual 480,000 passageiros
Website oficial Página oficial
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
1
18 / 36 2 100 m (6 890 ft) Asfalto

O Aeroporto Estadual de Ribeirão Preto - Doutor Leite Lopes é um aeroporto brasileiro localizado no município de Ribeirão Preto, na região nordeste do estado de São Paulo. Oferece apoio e infra-estrutura compatível com aeroportos de grandes centros. Opera em período integral e recebeu, em 2016, mais de 37 mil voos e 922 mil passageiros, tornando-se um dos aeroportos mais movimentados do Brasil,[1] inclusive, com movimento superior a diversas capitais brasileiras. O aeroporto é a sede e o hub da Passaredo, empresa aérea regional do Brasil. Atualmente, o Aeroporto Leite Lopes é o quarto maior do estado de São Paulo, sendo superado apenas por SP/Guarulhos, SP/Congonhas e Viracopos.

Conforme estudo divulgado pela empresa de Inteligência de Mercado Urban Systems, o Aeroporto Leite Lopes é o segundo terminal aeroportuário regional com maior potencial de desenvolvimento econômico no país, devido aos fatores como infraestrutura e localização, transporte de passageiros, transporte de cargas, hospedagem e varejo e educação. Foi criado o Índice de Qualidade Mercadológica (IQM), uma metodologia que leva em consideração aspectos como informações comerciais, urbanísticas, econômicas e infraestruturais dos impactos da atividade portuária na região estudada, objetivando aferir o desempenho de cada equipamento.[2]


História[editar | editar código-fonte]

Foi inaugurado no dia 2 de abril de 1939. A primeira ampliação da pista do Leite Lopes foi realizada na década de 1940. Para isso, foram utilizadas terras particulares que, como nunca foram pagas, deram origem a um processo judicial que é considerado hoje o processo sem solução mais antigo do país.

Em 1996, o aeroporto Leite Lopes passou por reforma e ampliação que contou com a cooperação da Prefeitura de Ribeirão Preto, do Ministério da Aeronáutica e do DAESP (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo). A pista de pouso foi ampliada de 1.800 para 2.100 metros. A de taxiamento foi de 730 para 2.100 metros. O novo pátio de estacionamento, com 27.600 metros quadrados, pode receber simultaneamente oito aeronaves Fokker F-100 (jato de porte médio, com capacidade para 108 passageiros) ou Boeing B-737. Para maior proteção e segurança às operações noturnas de pouso e decolagem foi instalada nova cabina de força, recuperado o sistema elétrico, feito o balizamento das pistas e implantada iluminação dos pátios.

Em 2006 houve uma nova reforma, na qual o Aeroporto Leite Lopes ganhou mais 15 metros na largura de sua pista (passando a 45 metros de largura), além de ter sido adicionado ao seu asfalto uma substância chamada polímero, usada também em todos os circuitos de Fórmula-1 que garante maior aderência entre a pista e os pneus. O tempo de paralisação do aeroporto para a reforma foi de 90 dias, durante os quais seus voos foram desviados para Araraquara e Franca, voltando ao funcionamento normal em 1 de setembro de 2006.

Entre 28 de Julho de 2008 e 21 de Julho de 2010, foram realizadas obras de ampliação e reforma do terminal de passageiros. Após a abertura da nova ala, a antiga foi fechada, remodelada e reaberta, juntando-se à nova. O terminal agora está com o dobro do tamanho original e com isso sobe a classe de Conforto de E para B. O terminal passou a contar com ar condicionado, esteiras para bagagem e melhores condições. Toda a reforma e ampliação foram realizadas com base no aumento da demanda (crescimento de 10% ao ano), e objetivando a futura internacionalização de cargas e passageiros. Com a conclusão deste projeto o novo terminal passou a ter 3.850m² de área construída, com pé direito de 6m e capacidade para atender 480 mil passageiros/ano. (No entanto, o terminal movimentou mais de 1 milhão de passageiros em 2013).

Companhias aéreas e destinos[editar | editar código-fonte]

Aeroporto Dr. Leite Lopes | Companhias Aéreas e Destinos Domésticos
Companhias Aeronaves Voos regulares vigentes[3]
Brasil Azul Brazilian Airlines logo.png ATR 72-600

Embraer 190

Embraer 195

Brasil Passaredo Linhas Aéreas logo.png ATR-72-500

ATR-72-600

Brasil TAM Airlines Logo.png Airbus A320

Airbus A319

Área de Atuação[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Leite Lopes dispõe de uma linha de ônibus coletivo, ligando-o diretamente a Rodoviária de Ribeirão Preto, a linha diametral é denominada de D 602 - Aeroporto.
Grande movimentação no Aeroporto Leite Lopes

O Aeroporto Leite Lopes é o único que possui voos regulares comerciais no nordeste paulista, atendendo prioritariamente a Região Metropolitana de Ribeirão Preto, tendo sua abrangência expandida até para outros estados, como a região sul de Minas Gerais,[4] impactando aproximadamente 4 milhões de habitantes, sendo que diversas cidades da Mesorregião de Ribeirão Preto são atendidas pelo referido, além de outras localidades, tais como: Araraquara, São Carlos, Passos e São Sebastião do Paraíso.

O Aeroporto Leite Lopes possui uma linha de ônibus coletivo ligando-o diretamente a Rodoviária de Ribeirão Preto, a linha diametral é denominada de D 602 - Aeroporto.[5] O Aeroporto Leite Lopes foi escolhido pela ANAC juntamente com 11 dos principais aeroportos brasileiros, a participar do projeto de segurança, o monitoramento será feito através de indicadores, como registros de acidentes, incidentes com lesões, condições de infraestrutura, posições incorretas de aviões, pessoas e veículos, entre outras ocorrências.[6]

Características[editar | editar código-fonte]

  • Latitude: 21º 08’ 11” S – Longitude: 47º 46’ 36” W
  • Indicação ICAO: SBRP – Horário de Funcionamento: H24
  • Código de Pista: 3 – Tipo de Operação: IFR não-precisão
  • Altitude: 549m/1.801 ft – Área Patrimonial (ha): 159 ha
  • Temperatura Média: 30,2 °C
  • Categoria Contra Incêndio disponível: 6
  • Distância da Capital (km): Aérea: 299 km – Rodoviária: 310 km
  • Distância até o Centro da Cidade: 5 km

Instalações[editar | editar código-fonte]

Terminal de Passageiros - Área de Desembarque e Embarque
Área de Check-in - Cias. Aéreas - RAO
Portões de embarque 1 a 3
Portões de embarque 1 a 3
Hangar de Manutenção e Engenharia da Passaredo, no aeroporto de Ribeirão Preto.
  • Terminal de Passageiros (m²): 5.000
  • Terminal de Cargas (m²): 9.231[7]
  • Estacionamento de Veículos – nº de vagas 840 – Tipo de Piso: Asfalto
  • Habilitado ao tráfego internacional de cargas[8]

Movimento[editar | editar código-fonte]

  • Designação da cabeceira: 18 – 36 – Cabeceira Predominante: 18
  • Declividade máxima: 0,44% – Declividade Efetiva: 020%
  • Tipo de piso: Asfalto – Resistência do Piso (PCN): 54/F/B/X/T
  • Recuo de 100 metros na Cab 36 – 200 metros Cab 18

Pista[editar | editar código-fonte]

  • Dimensões (m): 2.100 x 45
  • Ligação do pátio à pista de pouso – PRB (m): 1.700 x 23
  • Acesso à cabeceira 18 – PRA (m): 90 x 23
  • Acesso à cabeceira 36 – PRE (m): 90 x 23
  • Ligação da pista de pouso à PRD – PRD (m): 70 x 23
  • Tipo de Piso: Asfalto com Grooving
  • Distância da cabeceira mais próxima (m): 800
  • Aeronaves: Airbus A320, E195, E 190, ATR 72

Pátio[editar | editar código-fonte]

  • Dimensões (m): Pátio 1: 150 x 138 = 20.700 m² – Pátio 2: 150 x 120 = 18.000 m²
  • Capacidade de Aviões: 08 Airbus A320, 08 B 737/800, 13 ATR 72
  • Dist. da Borda ao Eixo da Pista (m): P1 – 220m P2 – 220m
  • Tipo de Piso: Concreto

Auxílios operacionais[editar | editar código-fonte]

  • RDONAV – NDB RPR 330 21 08.56S/047.56W
  • Estação Meteorológica – Biruta Iluminada
  • Sinais de Eixo de Pista – Sinais Indicadores do Aeroporto
  • Sinais de Cabeceira de Pista – Sinais Indicadores de Pista
  • Sinais de Guia de Táxi – Farol Rotativo – Luzes de Táxi
  • Luzes de Pista – Luzes de Obstáculos
  • Luzes de Cabeceira – Iluminação de Pátio
  • Frequência do Rádio: – Frequência Torre: 118.00 MHz, Solo: 119,55 MHz, ATIS: 127,425
  • Circuito de Tráfego Aéreo: Padrão – Sala AIS

Abastecimento[editar | editar código-fonte]

Vista dos Hangares - Aeroporto Leite Lopes
  • BR Aviation: Avgas – JET
  • AIR BP: Avgas – JET

Serviços[editar | editar código-fonte]

  • Hangares: 11 – Cabine de Força (KF) – KC/KT
  • Restaurante – Lanchonete – Banca de Jornal
  • Locadora de Veículos – Telefone Público
  • Correios – Ônibus Urbano – Detector de metais – Raio-X
  • Sinalização Vertical no TPS
  • Área para publicidade – Veículos Contra Incêndio
  • Ponto de Táxi
  • Restituição de bagagem – Área de pré-embarque
  • Caixa Eletrônico: Bradesco, Santander, Banco do Brasil, Itaú, HSBC
  • Companhias Aéreas Regulares: Azul, Passaredo e TAM

Expansão[editar | editar código-fonte]

Histórico - Movimento
Ano Passageiros

2010 Aumento677.768
2011 Aumento1.114.415
2012 Baixa1.077.010
2013 Aumento1.096.285
2014 Baixa 1.079.430
2015 Aumento 1.109.809
2016 Baixa 922.756
Jun-17 Baixa 406.845[9]

Desde a década de 90, o Aeroporto Leite Lopes teve vários projetos de expansão, os quais, em sua maioria, nunca avançaram conforme planejado. No ano de 2008, o ex-prefeito Welson Gasparini e a Justiça assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) a fim de viabilizar o projeto, que possibilitou a ampliação do terminal de passageiros. Em 2011, outras adequações forem feitas, como aumento da oferta de carrinhos de bagagem para passageiros, de táxis e de policiamento, ampliação do estacionamento, instalação de aparelhos detectores raio-X e novo ônibus de passageiros para uso interno.[10]

O estacionamento do aeroporto Leite Lopes foi ampliado em 2013, passando de 200 para 400 vagas, totalizando acréscimo de 100%, com investimento da ordem de R$ 3,3 milhões. Além da ampliação do estacionamento, foram abertos editais para a concessão de uma locadora de veículos na área interna e externa do aeroporto, com valor de R$ 35 mil cada, bem como para a instalação de caixas eletrônicos, com custo mensal de R$ 6 mil.[11] O Aeroporto Leite Lopes dispõe de um caminhão de combate a incêndio modelo AP-2, entregue em setembro de 2012. O investimento foi da ordem de R$ 1,57 milhão.[12]

Desapropriações[editar | editar código-fonte]

Desde 2009, a Prefeitura de Ribeirão Preto vem erradicando núcleos de favelas no entorno do aeroporto, tais como as comunidades Itápolis, Adamantina e Favela da Mata. A partir do primeiro semestre de 2013, mais 372 famílias serão encaminhadas para apartamentos da CDHU, no conjunto Eugênio Mendes Lopes, região do Anel Viário Norte.[13]

Antigo Projeto de Ampliação[editar | editar código-fonte]

Com intuito de viabilizar a internacionalização do Aeroporto Leite Lopes, um mega projeto estimado em R$ 443 milhões está em curso. O mesmo contemplará diversos fatores com a devida regularização da área acrescida ao sítio aeroportuário, pois o mesmo está localizado dentro do perímetro urbano da cidade, muito próximo da Rodovia Anhanguera, além de estar envolvido por uma expressiva concentração de moradias no seu entorno, transformando as obras de adequação urbana numa complexa obra de infraestrutura de transportes.[14][15]

A fim de adequar e potencializar o aeroporto a demanda atual de passageiros e a aviação de carga internacional, estão previstos grandes conjuntos de obras de infraestrutura, tais como:

• Deslocamento da pista de pouso e decolagem em 500 metros no sentido da Av. Thomas Alberto Whately, ficando com 2.100 metros de área útil e 500 metros de área de escape,[nota 1] totalizando 2.600 metros. Custo da obra: R$ 48 milhões;

• Construção de um novo pátio de aeronaves, que em conjunto com o existente, terá capacidade de 17 aeronaves de grande porte. Custo da obra: R$ 30 milhões;

• Ampliação do terminal de passageiros, de 5 mil m² para 35 mil m². Esta intervenção, propiciará maior conforme, tornando-o um equipamento moderno, dispondo inclusive de fingers (pontes de embarque que conectam a aeronave ao terminal), numa edificação de dois andares. Custo da obra: R$ 100 milhões;

• Construção da passagem (túnel) inferior na avenida Thomaz Alberto Whatelly. Custo da obra: R$ 70 milhões;

• Desapropriações da área no entorno do aeroporto. Custo da intervenção: R$ 170 milhões;

• Adequação do sistema viário no entorno do aeroporto. Custo da obra: R$ 25 milhões.

Obs.: A divisão dos investimentos ficará a cargo do Governo Federal (R$ 178 milhões), Governo do Estado (R$ 240 milhões) e da Prefeitura Municipal (R$ 25 milhões).

Novo Projeto de Expansão - 2017[editar | editar código-fonte]

Ao invés de realizar uma mega intervenção de uma única vez no aeroporto Leite Lopes, a nova proposta do Governo Federal (Secretaria de Aviação Civil) é fatiar em fases as obras. Numa primeira etapa de ampliação, já em 2017, estão previstos investimentos na ordem de R$ 80 milhões, que consistirão na ampliação de 3,6 mil para 12 mil metros quadrados o terminal de passageiros e a recuperação da pista de ligação e do pátio de aeronaves. Estas obras permitirão que o aeroporto comece a operar voos de carga internacionais, mas com restrição.[16]

Aeroporto Internacional de Cargas[editar | editar código-fonte]

Construção do Terminal de Cargas no Aeroporto Leite Lopes, que será operado pela TEAD Brasil

O DAESP esta aguardando o término do estudo realizado pelo IPT sobre a curva de ruído no entorno do aeroporto, para iniciar o processo de internacionalização do aeródromo. Uma portaria do Comando da Aeronáutica datada de 30 de dezembro de 2002, assinada pelo então comandante Carlos de Almeida Baptista, o Aeroporto Leite Lopes já estaria "habilitado ao tráfego aéreo internacional de cargas",[17] sendo que a empresa privada TEAD do Brasil já estaria habilitada a operar o terminal de cargas.[18]

A Tead Brasil anunciou o início das operações no terminal de cargas para o mês de abril de 2014, o terminal ribeirãopretano será o primeiro construído no Estado de São Paulo, atendendo as exigências da Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária-, sendo que os aeroportos de Guarulhos e Viracopos receberam adequações posteriores às suas construções. O terminal situado no aeródromo contará com espaço climatizado, dispondo de 10 mil metros cúbicos, para operacionalizar produtos como vacinas, medicamentos, insumos e até mesmo tecido humano.[19] A previsão da TEAD do Brasil é gerar 1,2 mil empregos num primeiro momento com a efetiva implantação do Terminal Internacional de Cargas em Ribeirão Preto. A projeção do grupo é que ao final do primeiro ano de operações a empresa esteja realizando três voos semanais com aeronaves Boeing 767-300, transportando cerca de 120 toneladas de mercadorias por semana.[20][21]

O Aeroporto Internacional de Cargas será um indutor de desenvolvimento regional. Os setores mais beneficiados serão a indústria calçadista de Franca, os fabricantes de equipamentos tecnológicos de São Carlos e de Araraquara, e os de componentes médicos-odontológicos e implementos agrícolas instalados em Ribeirão Preto, Sertãozinho, Jaboticabal e Batatais.[22] O Ciesp estima que o terminal de cargas poderá movimentar US$ 1,4 bilhão/ano, após 5 anos do início da movimentação e operações comerciais.[23]

Apoio Regional
Trevão da cidade: Um importante modal rodoviário entre cidades da região, com o aeroporto Leite Lopes.

Está em curso a criação de um movimento que pressionará os governos estadual e federal para iniciar as obras de internacionalização do Aeroporto Leite Lopes. O movimento ganhará apoio de empresários e políticos da região de Ribeirão Preto. Objetivando fortalecer o movimento, o aeroporto pode até receber o nome alternativo de “Alta Mogiana”. As entidades que já declaram apoio são: a Associação de Advogados de Ribeirão, Sindicato dos Empregados do Comércio, Representantes do setor calçadista de Franca, ACIRP - Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, Sindicato da Indústria da Construção Civil e Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).[24]

As boas relações políticas do prefeito Duarte Nogueira com o governador Geraldo Alckmin, ambos filiados ao PSDB, proporcionarão, teoricamente, grande oportunidade de realização da obra. São também naturais da cidade os peemedebistas Léo Oliveira (deputado estadual) e Baleia Rossi (deputado federal), que possuem ótima ligação com o presidente Michel Temer.[25]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O que é área de escape? É uma área simétrica ao longo do prolongamento do eixo de uma pista e adjacente ao final da faixa de pista, adotada com o objetivo primário de reduzir o risco de danos a uma aeronave que, eventualmente, tenha ultrapassado os limites físicos da pista durante o pouso ou nos casos de desistência de uma decolagem.

Referências

  1. DAESP. «Estatísticas – Aeroporto Leite Lopes 2016». Consultado em 27 de maio de 2017 
  2. G1.com.br. «Maioria dos aeroportos com mais potencial fica na região Sudeste». Consultado em 18 de setembro de 2014 
  3. ANAC. «Voos autorizados vigentes». HOTRAN. Consultado em 18 de julho de 2015 
  4. DERSA. «RAO INTERNACIONAL». Consultado em 28 de maio de 2017 
  5. Nosso Ritmo Ribeirão. «Ponto a Ponto - Portal Ribeirão». Consultado em 27 de maio de 2017 
  6. Panrotas. «Anac cria projeto para monitorar segurança nos aeroportos». Consultado em 11 de fevereiro de 2013 
  7. Araripe Castilho - Folha de S.Paulo. «Leite Lopes vai superar 30 aeroportos, prevê empresa». Consultado em 19 de novembro de 2016 
  8. Claudio Schapochnik - PANROTAS. «Ribeirão (SP) quer internacionalização do aeroporto». Consultado em 19 de novembro de 2016 
  9. «Estatísticas 2017». Consultado em 16 de junho de 2017 
  10. Jornal A Cidade. «Planejamento ignora novo aeroporto para Ribeirão Preto». Consultado em 16 de abril de 2011 
  11. EPTV. «Ampliação de estacionamento do Leite Lopes custou R$ 3,3 mi». Consultado em 30 de janeiro de 2012 
  12. «Alckmin entrega novo caminhão contra incêndio ao Aeroporto de Ribeirão Preto». Consultado em 22 de setembro de 2012 
  13. «Prefeita anuncia a mudança de 372 famílias para apartamentos da CDHU; medida antecede ampliação da pista do Leite Lopes». Consultado em 30 de janeiro de 2013 
  14. Jornal a Cidade. «Após eleição, Estado e União selam acordo por aeroporto». Consultado em 09 de novembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  15. G1.com.br. «Aviação Civil aprova projetos de ampliação do Leite Lopes em Ribeirão». Consultado em 08 de novembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  16. Rodolfo Tiengo - G1.com.br. «União prevê obra de R$ 80 milhões no aeroporto de Ribeirão Preto em 2017». Consultado em 19 de novembro de 2016 
  17. Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto. «Aeroporto Internacional de Cargas - Leite Lopes de Ribeirão Preto». Consultado em 20 de dezembro de 2008 
  18. Tead do Brasil. «Aeroporto Internacional Leite Lopes - Ribeirão Preto». Consultado em 20 de dezembro de 2008 
  19. Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto. «Terminal Internacional de Cargas começa a operar no mês de abril em Ribeirão Preto». Consultado em 25 de novembro de 2013 
  20. Jornal A Cidade. «Tead prevê até 3 voos semanais no Leite Lopes». Consultado em 27 de outubro de 2010 
  21. Jornal A Cidade. «Tead Brasil assina contrato para construção de terminal no aeroporto». Consultado em 21 de junho de 2012 
  22. Jornal A Cidade. «Aeroporto Leite Lopes atrairá mais empresas». Consultado em 29 de setembro de 2010 
  23. Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto. «Terminal de cargas do aeroporto Leite Lopes pode movimentar U$ 1 bi ao ano». Consultado em 19 de setembro de 2013 
  24. Jornal A Cidade. «Pressão por internacionalização do Leite Lopes, agora, será regional». Consultado em 14 de novembro de 2015 
  25. Revide. «Deputados se reúnem com presidente por internacionalização do Leite Lopes». Consultado em 14 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]