Aeroporto Internacional de Manaus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Airport symbol comercial.png
Manaus
Aeroporto Internacional Eduardo Gomes
IATA: MAO - ICAO: SBEG
Características
Tipo Público
Administração INFRAERO
Serve Região de Manaus
Localização Brasil Manaus, Amazonas
Inauguração 26 de março de 1976 (40 anos)
Coordenadas 3° 02' 20" S 60° 02' 46" O
Altitude 80 m (262 ft)
Movimento de 2015
Passageiros 3 258 157 passageiros[1]
Carga 123 009 000 Kg[2]
Aéreo 48 433 pousos e decolagens[3]
Capacidade anual 18 200 000 passageiros[4]
Mapa
SBEG está localizado em: Brasil
SBEG
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
10 / 28 2 700 m (8 858 ft) Asfalto
Notas
Dados do DECEA[5]

O Aeroporto Internacional de Manaus — Eduardo Gomes (IATA: MAOICAO: SBEG) é um aeroporto internacional na cidade de Manaus, capital do Amazonas. É o maior aeroporto da Região Norte do Brasil e o terceiro mais movimentado do país em transporte de mercadorias, atrás apenas dos aeroportos de Guarulhos e Campinas, em São Paulo.[6][7][8][9]

Possui dois terminais de passageiros, um para atender a aviação regular e outro, a aviação regional. Também dispõe de um complexo de logística de carga, que foi implantado em três etapas, sendo o Terminal de Logística 1, inaugurado em 1976, o Terminal de Logística 2, em 1980 e o Terminal de Logística 3, em 2004.[10]

O aeroporto recebeu o nome de Eduardo Gomes em homenagem ao militar, aviador e político brasileiro. Em 2012, uma portaria da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC alterou e renovou a inscrição do aeródromo em seu cadastro. A partir de então, passou a denominar-se Aeroporto Internacional de Manaus - Eduardo Gomes.[11]

O aeroporto está localizado na Zona Oeste de Manaus, mais precisamente no bairro Tarumã, distante 14 km do Centro da cidade.[12]

História[editar | editar código-fonte]

Para a instalação de um complexo aeroportuário em Manaus, foi realizada uma avaliação econômica das diversas alternativas de localização do aeroporto que abrangeu não só os custos de construção, mas também os de operação, inclusive os custos de transporte terrestre dos passageiros entre a cidade e o aeroporto. Foi então escolhida a área localizada nas vizinhanças do igarapé Tarumã-Açú, onde atualmente se encontra o bairro Tarumã.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

1968 - Visando o desenvolvimento e uma maior integração da região amazônica, o Ministério da Aeronáutica constituiu um grupo de trabalho para estudar e propor uma solução para que o novo Aeroporto Internacional de Manaus atendesse os requisitos de aeronaves de diferentes portes, dentro das normas estabelecidas pelas entidades internacionais reguladoras. O grupo, criado em 1968, era responsável por todos os trabalhos de coordenação relacionados ao desenvolvimento do aeroporto.

1972 - O Decreto nº 70.319 de 23 de março de 1972 criou a Comissão Coordenadora do Projeto Aeroporto Internacional de Manaus, incumbida de coordenar todos os trabalhos relativos ao projeto e à construção do complexo aeroportuário. O Governo do Estado do Amazonas, por meio do Decreto nº 2399 de 1º de novembro de 1972, formalizou a doação à União de uma área de 8.025.618.3025 metros quadrados de terras devolutas do patrimônio estadual, para que nela fosse construído o aeroporto.

O aeroporto foi construído seguindo os mais avançados padrões da aviação civil da época. Por décadas permaneceu como um dos mais modernos complexos aeroportuários brasileiros. O terminal de passageiros 1, com estrutura em concreto armado, foi o primeiro do país a operar com pontes de embarque e desembarque de passageiros.

1976 - Em 26 de março de 1976, em cerimônia presidida pelo então presidente da República Ernesto Geisel, foi inaugurado o Aeroporto Internacional de Manaus – Eduardo Gomes, sob responsabilidade técnica, administrativa e operacional da Infraero. Foi o primeiro da Rede Infraero a ter pontes de embarque e todo sistema automatizado, fazendo com que se tornasse o mais moderno do país na época de sua inauguração.

Aeroporto Internacional de Manaus após modernização.

1985 - Para atender a demanda crescente da aviação regional, foi construído o Terminal de Passageiros 2, o “Eduardinho”, inaugurado em 12 de março de 1985. O novo terminal foi construído em uma área anexa ao Terminal de Passageiros 1. O Eduardinho dispõe de completa infraestrutura para atender os passageiros da aviação regional, fundamental para a integração da Região Amazônica.

Ele dispõe de uma sala de embarque e uma sala de desembarque, sala vip e em seu saguão oferece aos usuários os seguintes serviços e produtos, como balcão de informações, serviços bancários, guarda-volumes, locadora de veículos, lanchonete, táxis especiais e banca de revista. A média diária de operações de voos é de 110, entre pousos e decolagens.

2004 - O Terminal de Logística 3 foi inaugurado em 14 de dezembro de 2004, com presença do presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, elevando a capacidade de armazenagem do aeroporto. Ao longo de sua existência o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes recebeu obras que proporcionaram melhorias em suas instalações, como recapeamento da pista de pouso, ampliação do pátio de estacionamento de aeronaves do Terminal de Passageiros 1, recuperação do pátio do Terminal de Logística e construção via de acesso para os Carros de Combate à Incêndio (CCI), modernização do saguão e adequação da infraestrutura para atendimento aos portadores de necessidades especiais.

Cabeceira 10, onde regularmente se iniciam as operações de pouso e decolagem.

2011 - Em novembro de 2011 foram iniciadas as obras de reforma, ampliação e modernização do Aeroporto Internacional de Manaus – Eduardo Gomes. Com as melhorias entregues, o aeroporto recebeu dois níveis operacionais, aumentando áreas de embarque, desembarque e saguão[13]

2015 - No dia 16 de janeiro de 2015, o Aeroporto Internacional de Manaus – Eduardo Gomes recebeu o certificado operacional concedido pela Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC. O objetivo da certificação é validar a capacidade do operador do aeródromo para executar os procedimentos constantes no Manual de Operações do Aeródromo, bem como a sua organização, visando à segurança operacional no sítio aeroportuário. Com a autorização, o aeroporto pode ser utilizado regularmente por quaisquer aeronaves compatíveis com o código de referência 4E ou inferior, permitidas as operações da aeronave Boeing 747-8F.[14]

2016 - Em 25 de janeiro de 2016, o Aeroporto Internacional de Manaus recebeu o primeiro Airbus A350 das Américas, operado pela empresa brasileira LATAM Airlines Brasil. Com capacidade para 350 passageiros, é a maior aeronave para transporte de passageiros em operação no aeroporto, que ainda recebe o Boeing 747-8F, a segunda maior aeronave cargueira do mundo.[15]

No mesmo ano, o aeroporto é eleito o melhor do país na categoria que reúne terminais com capacidade até 5 milhões de passageiros ao ano. No critério Satisfação Geral do Passageiro, o aeroporto conquistou a nota média de 4,24, em uma escala de 1 a 5.[16]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Terminal 1.

O sítio aeroportuário possui mais de 14 milhões de metros quadrados. Conta com pista única (10/28) para pousos e decolagens, com dimensões de 2700x45m largura, dois Terminais de Passageiros, além de três Terminais de Carga Aérea (TECA).

Terminal 1[editar | editar código-fonte]

O Terminal 1, inaugurado em 1976, é o mais antigo dos dois terminais de passageiros. Passou por uma severa reforma entre 2011 e 2015. Sua área foi totalmente ampliada, passou de 39,4 mil m² para 97,25 mil m². A capacidade aumentou de 6,4 para 18,2 milhões de passageiros por ano. O destaque da reforma é a divisão do aeroporto em dois níveis: o inferior para desembarque e o térreo para embarque, aumentando o meio fio disponível para a entrada ou saída de passageiros.

O Terminal possui 133 pontos comerciais, 87 balcões de check-in, 16 elevadores sociais, 13 escadas rolantes, 8 pontes de embarque/desembarque, sendo 3 móveis. São 2.670 vagas de estacionamento nos dois primeiros níveis, sendo 188 reservadas para idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais. Os elevadores, escadas rolantes e o piso tátil complementam o atendimento às normas de acessibilidade.

Vista aérea do Terminal 1.

Terminal 2[editar | editar código-fonte]

O Terminal 2, ou "Eduardinho", também passou por uma reforma entre 2013-2015. Teve sua área aumentada de 3.6 mil m² para 6,9 mil m². A capacidade também aumentou, de 540 mil para 2 milhões de passageiros por ano. O Aeroporto ganhou Sala VIP, fraldário, praça de alimentação, centro bancário e climatização. A sala de desembarque ganhou uma esteira rolante e o saguão de embarque/desembarque foi aumentado para 1031 m².

O Terminal 2 possui 235 vagas no estacionamento, e ganhou lojas de conveniência e locadoras de veículos.

Terminais de logística de carga[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto possui 3 terminais de carga aérea. O Terminal de Carga Aérea I (TECA I) foi inaugurado em 1976, juntamente com o Aeroporto, sendo destinado para movimentação de mercadorias produzidas na Zona Franca de Manaus; o Terminal de Carga Aérea II (TECA II), inaugurado em 1980, movimenta cargas de exportação e o Terminal de Carga Aérea III (TECA III) inaugurado em 2004, está dedicado ao movimento de carga de importação.

O terminal de cargas do aeroporto é o maior da rede Infraero e o terceiro mais movimentado do país.

O Teca de Manaus é o maior complexo de logística de carga da Rede Infraero. Anualmente, são processadas, em média, 150 mil toneladas de insumos no terminal manauara, considerando todas as operações de importação, exportação, internação e carga nacional.[17]

No ano de 2015, o Teca de Manaus foi responsável por mais de 40% do total de cargas movimentadas pela Infraero. Passaram pelo terminal 123.009 toneladas de carregamento: 25.852 t de cargas importadas e 2.645 t exportadas. A movimentação nacional foi de 94.512 t. Eletroeletrônicos, autopeças e metais preciosos estão entre os itens mais movimentados.[18]

O Teca possui 342 vagas no estacionamento.[19]

Companhias Aéreas e Destinos[editar | editar código-fonte]

Destinos Domésticos[editar | editar código-fonte]

Companhias Terminal Aeronaves Voos diretos ou com escala(s)[20][21][22]
Azul Brazilian Airlines logo.png 1 ATR 72

Embraer 190

Embraer 195

Airbus A330

GOL logo.svg 1 Boeing 737-700

Boeing 737-800

Latam-logo -v (Indigo).svg (Oneworld) 1 Airbus A320

Airbus A321

Boeing 767

MAP Linhas Aéreas logo.png 2 ATR-42

ATR-72

Total Linhas Aéreas logo.svg 2 ATR-42

Destinos Internacionais[editar | editar código-fonte]

Companhias Terminal Aeronaves Destinos
American Airlines.svg.png 1 Airbus A319

Boeing 737-800

Latam-logo -v (Indigo).svg (Oneworld) 1 Boeing 767 Estados Unidos Miami
GOL logo.svg 1 Boeing 737-800 Argentina Buenos Aires (Previsto para dezembro de 2016)[23][24]
Copa-airlines.jpg 1 Embraer 190

Boeing 737-700/800

Panamá Cidade do Panamá
InselAirAruba.jpg 1 Fokker 70

MD-83

Curaçao Willemstad
Avior airlines si va.svg 1 Boeing 737-200 Venezuela Barcelona

Movimento[editar | editar código-fonte]

Histórico do movimento operacional
Ano Passageiros

2005 Aumento1 508 022
2006 Aumento1 689 817
2007 Aumento2 080 342
2008 Baixa2 021 668
2009 Aumento2 300 022
2010 Aumento2 688 623
2011 Aumento3 016 921
2012 Aumento3 342 771
2013 Baixa3 077 077
2014 Aumento3 389 867
2015 Baixa3 258 157
Fonte:[25]

O aeroporto registrou aumento de 45% no fluxo de passageiros durante a Copa de 2014. No período de 6 a 25 de junho – período de movimentação da primeira fase da Copa – aproximadamente 260 mil pessoas passaram pelos terminais de passageiros do Aeroporto Internacional de Manaus/Eduardo Gomes (AM). Este número representa um aumento de 45% em relação ao mesmo período do ano passado, e o terminal manauara atendeu com tranquilidade a demanda do período.

Em média, foram 11 mil passageiros embarcando e desembarcando diariamente no Aeroporto de Manaus, equacionados em 200 voos diários ligando a capital manauara a diversos pontos do Brasil e do mundo.

O quantitativo de passageiros internacionais ganhou destaque nesse período. Aproximadamente 60 mil passageiros internacionais embarcaram e desembarcaram em Manaus, que representa um aumento de 500% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados cerca de 10 mil passageiros.

Os passageiros de destinos nacionais que passaram pelo Aeroporto de Manaus foram cerca de 200 mil pessoas, um aumento de 25% em relação ao mesmo período do ano passado (160 mil pessoas).

Ao todo, foram realizados 3,7 mil voos, incluindo voos regulares, fretados e executivos, além de táxis aéreos, helicópteros e voos militares durante o Mundial. Este número representa um aumento de 25% no número de operações de pousos e decolagens em relação ao mesmo período do ano passado. A quantidade de voos domésticos passou de 2,7 mil em 2013 para 3 mil no período de 6 a 25 de junho de 2014, um aumento de 15%. Já os voos internacionais aumentaram 50%: em 2013, foram realizados 350 e, em 2014, 700. Tudo isso justificado pela realização da Copa do Mundo em Manaus, que recebeu o último jogo no dia 25 de junho.[26]

Acidentes e incidentes[editar | editar código-fonte]

Voo Transbrasil 801[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Voo Transbrasil 801

Em 21 de março de 1989, um Boeing 707 cargueiro, operado pela empresa brasileira Transbrasil, realizava o voo 801 de Manaus para Guarulhos, na Grande São Paulo. Ao aproximar-se do Aeroporto Internacional de Guarulhos, a aeronave perdeu sustentação e caiu minutos antes do pouso. O acidente deixou 25 mortos, entre tripulantes e moradores.

Segundo apuração da época, atribuiu-se a causa do acidente a falha humana, a tripulação teria cometido um erro de cálculo e aberto os spoilers. A pista de pouso do aeroporto seria fechada ao meio-dia para manutenção e, com isso, a tripulação procurou acelerar os procedimentos para conseguir pousar antes do fechamento. Com isso, a aeronave foi perdendo altitude e sustentação e acabou por colidir com casas e um prédio baixo nas imediações do aeroporto, arrastando-se na área de um terreno ocupado por favelas do Jardim Ipanema. No momento da queda, a aeronave contava com aproximadamente quinze mil litros de combustível e incendiou-se imediatamente. Estava carregada com 26 toneladas de equipamentos eletrônicos provenientes da Zona Franca de Manaus, que ficaram totalmente destruídos.[27][28][29]

Voo Rico 4815[editar | editar código-fonte]

Um EMB 120 operado pela Air France, similar ao envolvido no acidente em Manaus.

Em 14 de maio de 2004, um Embraer EMB 120, popularmente conhecido como Brasília, operado pela empresa brasileira Rico Linhas Aéreas, caiu enquanto se preparava para pousar no Aeroporto Internacional de Manaus. Todos os 33 passageiros e tripulantes a bordo da aeronave morreram.

O Brasília havia partido de Manaus e seguido para Tefé. De lá prosseguiu para São Paulo de Olivença, foi para Tabatinga, retornou para Tefé para, em seguida, voltar à Manaus. O último contato do Voo 4815 com a torre do aeroporto de Manaus ocorreu por volta das 18:20 (UTC-4), quando o piloto avisou que pousaria dentro de 18 minutos. A aeronave foi localizada na madrugada do dia seguinte, 15 de maio, por um helicóptero da Aeronáutica a cerca de 16 km da cabeceira da pista do aeroporto.[30][31]

Voo Gol 1907[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Voo Gol 1907
Imagem computadorizada da colisão. O winglet esquerdo do Legacy cortou mais da metade da asa do Boeing 737.[32][33]

Em 29 de setembro de 2006, um Boeing 737-800, operado pela empresa brasileira Gol Linhas Aéreas Inteligentes, realizava o voo 1907 de Manaus para Rio de Janeiro, com escala técnica no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília. Enquanto sobrevoava o estado de Mato Grosso, colidiu no ar com um Embraer Legacy 600. Todos os 154 passageiros e tripulantes a bordo do Boeing 737 morreram após a aeronave se desintegrar no ar e cair sobre a Floresta Amazônica, enquanto o Legacy, apesar de ter sofrido danos graves na sua asa e estabilizador horizontal esquerdo, pousou em segurança com seus sete ocupantes não lesionados, na base Aérea do Cachimbo.[34]

Incidentes[editar | editar código-fonte]

  • Em 14 de julho de 2006, um Boeing 707 cargueiro da Skymaster executou um pouso de emergência no aeroporto. Após sobrevoar a cidade por mais de uma hora, a torre de controle confirmou que o trem-de-pouso dianteiro não havia descido. A aterrissagem “de nariz” foi bem sucedida e o avião permaneceu por cerca de 4 horas na pista até que a carga embarcada fosse removida e o trem-de-pouso abaixado, possibilitando sua retirada da pista.[35]
  • Em 26 de março de 2009, fragmentos de um dos motores de uma aeronave cargueira modelo DC 10, de empresa colombiana, que partiu do Aeroporto Internacional de Manaus, em direção a Bogotá, na Colômbia, caíram sobre a Zona Norte de Manaus, atingindo pelo menos 16 casas. Ninguém ficou ferido.[36]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.infraero.gov.br/images/stories/Estatistica/anuario/anuario_2015.docx
  2. https://www.infraero.gov.br/cargo/index.php/2016-04-12-12-07-49/movimentacao-das-cargas/item/download/803_e1aac3a27a9219f8361f2820100d217d
  3. http://www.infraero.gov.br/images/stories/Estatistica/anuario/anuario_2015.docx
  4. http://www4.infraero.gov.br/aeroportos/aeroporto-internacional-de-manaus-eduardo-gomes/sobre-o-aeroporto/caracteristicas/
  5. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Arquivado desde o original (PDF) em 1 de outubro de 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  6. «Complexo Aeroportuário». www.infraero.gov.br. Consultado em 2016-05-10. 
  7. http://www4.infraero.gov.br/aeroportos/aeroporto-internacional-de-manaus-eduardo-gomes/sobre-o-aeroporto/caracteristicas/
  8. «Estatísticas». www.infraero.gov.br. Consultado em 2016-05-11. 
  9. https://www.infraero.gov.br/cargo/index.php/2016-04-12-12-07-49/movimentacao-das-cargas
  10. «Aeroporto Internacional de Manaus - Eduardo Gomes». www.infraero.gov.br. Consultado em 2016-05-11. 
  11. http://www.anac.gov.br/assuntos/legislacao/legislacao-1/portarias/portarias-2012/portaria-no-1425-sia-de-16-07-2012/@@display-file/arquivo_norma/PA2012-1425.pdf
  12. https://goo.gl/maps/9T6sQZ1kQHx
  13. http://www.aviacao.gov.br/noticias/2011/12/copy320_of_titulo-da-noticia-entre-35-e-90-caracteres-com-espaco
  14. http://www4.infraero.gov.br/aeroportos/aeroporto-internacional-de-manaus-eduardo-gomes/sobre-o-aeroporto/historico/
  15. http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/tam-realiza-primeiro-voo-com-a350-xwb_2494.html
  16. http://www.aviacao.gov.br/noticias/2016/07/aeroporto-de-manaus-e-eleito-o-melhor-na-categoria-ate-5-milhoes-de-passageiros
  17. «27/8 - Terminal de cargas do Aeroporto de Manaus ganha novo sistema de armazenamento». www.infraero.gov.br. Consultado em 2016-05-10. 
  18. https://www.infraero.gov.br/cargo/index.php/2016-04-12-12-07-49/movimentacao-das-cargas
  19. http://www.infraero.gov.br/index.php/br/imprensa/noticias/6163-83-terminal-de-cargas-de-manaus-informatiza-pesagem-e-registra-ganho-operacional-de-30.html
  20. ANAC. «Voos autorizados vigentes». HOTRAN. Consultado em 01/10/2016. 
  21. https://www.infraero.gov.br/voos/index.aspx
  22. https://pt.flightaware.com/live/airport/SBEG/departures
  23. http://www.amazonas.am.gov.br/2016/09/reducao-do-icms-sobre-querosene-de-aeronaves-feita-pelo-governo-fara-manaus-ter-voo-inedito-para-buenos-aires-retomar-voo-para-rio-branco-e-ampliar-frequencia-para-fortaleza/
  24. http://www.visitamazonastour.com/anac-libera-voo-semanal-da-gol-entre-manaus-e-buenos-aires/
  25. Estatística dos aeroportos da rede Infraero
  26. http://www.infraero.com.br/index.php/fr/presse/nouvelles/5808-276-infraero-divulga-balanco-de-movimento-de-passageiros-em-manaus-durante-a-copa-.html
  27. «Memória: acidentes de empresas aéreas no Brasil». O Globo. Consultado em 11 de outubro de 2015. 
  28. «Transbrasil voo 801». Desastres Aéreos. Consultado em 11 de outubro de 2015. 
  29. «Cargueiro caiu sobre favela de SP em 89». Folha de S. Paulo. Consultado em 11 de outubro de 2015. 
  30. http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u94278.shtml
  31. http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u94288.shtml
  32. «Final Report» (PDF). CENIPA. 8 de dezembro de 2008. Arquivado desde o original (PDF) em 4 de junho de 2011. Consultado em 11 de junho de 2009. 
  33. MELO FILHO, S. (2 de outubro de 2006). «Gol 737-800 x Legacy 600 Hypothetical Collision Configuration». Associação dos Engenheiros do ITA – WikITA. Consultado em 18 de agosto de 2013. 
  34. http://www.cenipa.aer.mil.br/cenipa/paginas/relatorios/pdf/PR_GTD_N600XL_29_09_06.pdf
  35. http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,acidente-leve-fecha-aeroporto-em-manaus,20060714p28684
  36. http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1059262-5598,00-PARTE+DA+TURBINA+DE+AVIAO+CAI+E+DANIFICA+CASAS+EM+MANAUS.html

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aeroporto Internacional de Manaus