Renault R.S.16

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Renault R.S.16
Palmer Bahrain 2016.jpg
Visão Geral
Produção 2016
Fabricante Renault
Modelo
Carroceria Monoposto de corrida
Designer Bob Bell
Nick Chester (Diretor Técnico)
Ficha técnica
Motor Renault R.E.16 1.6 V6 Turbo híbrido
Transmissão Renault 8 marchas + 1 reverso semiautomáticos
Dimensões
Comprimento 5.088 mm
Entre-eixos 1.450 mm (Dianteiro)
1.400 mm (Traseiro)
Largura 1.800 mm
Altura 950 mm
Peso 702 kg
Cronologia
Renault R31
Renault R.S.17

O Renault R.S.16 é o carro da equipe Renault que foi utilizado na Temporada de Fórmula 1 de 2016. Esse é o primeiro carro da equipe desde sua volta a categoria, que se deu através da compra da equipe Lotus F1. O lançamento do carro foi feito no dia 3 de Fevereiro e contava com uma pintura predominantemente preta e tinha alguns detalhes em amarelo[1], bem diferente das cores utilizadas nas suas outras passagens pela categoria, porém esta pintura só foi usada durante os testes de pré-temporada. No dia 16 de março, um dia antes de começar os treinos livres para a primeira etapa da temporada, na Austrália, a equipe então resolveu revelar sua pintura definitiva, que passou a ser fosca, predominantemente amarela, com detalhes em preto e dourado. O carro está sendo pilotado por dois filhos de ex-pilotos, o inglês Jolyon Palmer, filho de Jonathan Palmer, e o dinamarquês Kevin Magnussen, filho de Jan Magnussen.[2]

Houve muita especulação sobre quem seria o piloto parceiro de Jolyon Palmer na equipe. O diretor da antiga equipe Lotus garantiu a presença do inglês e do venezuelano Pastor Maldonado como pilotos da equipe francesa em 2016[3], porém, no início de janeiro saíram alguns boatos de que por problemas com seu patrocinador, a PDVSA, Maldonado estaria perdendo sua vaga para Kevin Magnussen[4]. E foi o que aconteceu, no dia 01 de fevereiro o próprio piloto confirmou que não ficaria na equipe e que estaria fora do 'grid' de 2016,[5] deixando assim a vaga aberta. No dia do lançamento da pintura definitiva do carro, a equipe confirmou Magnussen como piloto da equipe.[1]

A equipe pretende ser uma das potências da categoria em alguns anos e por isso a Renault vai investir entre 800 milhões e 1 bilhão de Reais, um orçamento que poucas equipes do grid possuem, mas mesmo com esse enorme investimento, a equipe não espera um avanço muito instantâneo e sim que ele venha com o decorrer dos anos.[6]

Pré-temporada[7][editar | editar código-fonte]

O Renault R.S.16 durante os testes da pré-temporada em Barcelona.

Quem não acompanhou a sequência dos acontecimentos no fim do ano passado pode pensar: “A Renault voltou à F1 com equipe própria, dispõe de grandes recursos tecnológicos e financeiros. Logo voltará a ser grande”. O raciocínio é mesmo esse. Mas faltou incluir quando a Renault voltará a lutar pelas vitórias. Uma coisa é certa: não será este ano, a não ser numa condição muito especial, rara na F1.

O modelo R.S.16 de Kevin Magnussen e do estreante Jolyon Palmer, é basicamente o carro da Lotus do ano passado, agora equipado com unidade motriz Renault em vez de Mercedes, bem como com todo conjunto traseiro, câmbio e suspensão, concebidos a toque de caixa para as características e dimensões da unidade Renault.

O monoposto francês é uma colcha de retalhos. Não poderia ser diferente para quem assumiu a sede da Lotus, em Enstone, Inglaterra, que já foi da Renault até o fim de 2011, pouco antes do Natal. A Renault ter um carro pronto para a pré-temporada foi já uma demonstração do que sua estrutura técnica e poder de investimento é capaz de fazer.

Agora, não dá para esperar muito do R.S.16 nas primeiras provas do ano. Além disso, o competente Frederic Vasseur, novo diretor da equipe, já adiantou que o foco da Renault é a temporada do ano que vem, quando a mudança importante do regulamento lhe dará a chance de colocar sua infraestrutura para produzir um projeto capaz de lutar pelo pódio, no primeiro ano das novas regras.

Desempenho[editar | editar código-fonte]

A Renault retornou à F1 com equipe própria ao comprar o espólio da Lotus. Apesar da crise financeira dos proprietários anteriores, a montadora pega um projeto com certo grau de evolução. Além disso, conta com experiência prévia na categoria para montar um carro competitivo para o pelotão intermediário.

Estatística[editar | editar código-fonte]

Dinamarca Kevin Magnussen X Reino Unido Jolyon Palmer
7 Pontos 1
0 Vitórias 0
0 Pole Positions 0
0 Volta Rápida 0
0 Pódios 0
4 Abandonos 5
0 Não Largou 1

Resultados na Temporada[editar | editar código-fonte]

Pos Piloto Nu. AUS
Austrália
BHR
Bahrein
CHN
China
RUS
Rússia
ESP
Espanha
MON
Mónaco
CAN
Canadá
EUR
União Europeia
AUT
Áustria
GBR
Reino Unido
HUN
Hungria
ALE
Alemanha
BEL
Bélgica
ITA
Itália
SIN
Singapura
MAL
Malásia
JAP
Japão
EUA
Estados Unidos
MEX
México
BRA
Brasil
UAE
=Emirados Árabes Unidos
Pts Pts da Equipe Pos da Equipe
16 Dinamarca Kevin Magnussen 20 12 11 17 7 15 Ret 16 14 14 17† 15 16 Ret 17 10 Ret 14 12 17 14 Ret 7 8
18 Reino Unido Jolyon Palmer 30 11 NL 22 13 13 Ret Ret 15 12 Ret 12 19 15 Ret 15 10 12 13 14 Ret 17 1

Referências