14-bis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Santos-Dumont 14-bis)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de 14-bis, veja 14-bis (desambiguação).
Oiseau de Proie
Avião
14-bis
Descrição
Tipo / Missão Avião experimental
País de origem  Brasil  França
Fabricante Alberto Santos Dumont
Quantidade produzida 1
Primeiro voo em 23 de outubro de 1906 (112 anos)
Tripulação 1 – piloto
Especificações
Dimensões
Comprimento 10 m (32,8 ft)
Envergadura 12 m (39,4 ft)
Altura 4,8 m (15,7 ft)
Peso(s)
Peso vazio 160 kg (353 lb)
Propulsão
Potência (por motor) 50 hp (37,3 kW)
Performance
Velocidade máxima 30,8 km/h (16,6 kn)
Notas
Destruído em 14 de abril de 1907 (112 anos)[1]

O 14-bis, também conhecido como Oiseau de Proie (francês para “ave de rapina”),[2] foi um avião construído pelo inventor brasileiro Alberto Santos Dumont que em 12 de novembro de 1906 conquistou o Prêmio Archdeacon e o Prêmio do Aeroclube da França ao realizar um voo de 220 metros em Paris.[3]

História[editar | editar código-fonte]

O voo do Oiseau de Proie III na capa do Le Petit Journal de 25 de novembro de 1906.

O 14-bis era inicialmente constituído por um aeroplano unido ao balão 14, em testes feitos por Santos Dumont em meados de 1906 – daí o nome "14-bis", isto é, o "14 de novo". A função do balão era reduzir o peso efetivo do aeroplano e facilitar a decolagem. O aeróstato, porém, gerava muito arrasto e não permitia ao avião desenvolver velocidade.

O primeiro teste do 14-bis foi feito em 19 de julho de 1906, conectado ao balão n.º 14. Em 23 de agosto, o 14-bis foi finalmente testado sem estar acoplado ao balão. Após uma primeira corrida sem decolar, na segunda tentativa o aeroplano elevou-se do chão e voou. Entretanto a sua estabilidade não agradou a Santos Dumont, que mesmo assim declarou-se satisfeito.[4]

No dia 3 de setembro de 1906 foi instalado o motor náutico Antoinette de 50 cavalos-vapor no lugar do de 24 até então utilizado. Transformou o 14-bis assim no Oiseau de Proie, com o qual obteve um salto de 11 metros em 13 de setembro de 1906; infelizmente o pouso brusco danificou a estrutura e o motor do avião e quebrou as duas rodas, interrompendo os testes.

Voo histórico[editar | editar código-fonte]

Santos-Dumont fez novas modificações no avião: envernizou a seda das asas para aumentar a sustentação, retirou a roda traseira, por atrapalhar a decolagem, e cortou a estrutura portadora da hélice. Em 23 de outubro de 1906, no campo de Bagatelle, Paris, o Oiseau de Proie II, após várias tentativas, percorreu sessenta metros em sete segundos, a uma altura de aproximadamente dois metros, perante mais de mil espectadores. Esteve presente a Comissão Oficial do Aeroclube da França, entidade reconhecida internacionalmente e autorizada a homologar qualquer evento significante, tanto no campo dos aeróstatos como no dos "mais pesado que o ar". Novamente, porém, o pouso brusco danificou as rodas do avião. O 14-bis ainda não era totalmente controlável.[5]

Monólito que registra o voo de Santos-Dumont no Campo de Bagatelle em 12 de novembro de 1906.

Em 12 de novembro do mesmo ano, com o avião Oiseau de Proie III, provido de ailerons rudimentares para ajudar na direção, percorreu 220 metros em 21,5 segundos, estabelecendo o recorde[6][7] de distância da época.[8] O feito foi registrado pelo Aeroclube da França em um monumento, preservado no campo de Bagatelle.[9]

Último voo[editar | editar código-fonte]

Em 14 de abril de 1907 o 14 bis realizou seu último voo. Após tentativas frustradas de estabilizar a aeronave, Santos-Dumont perdeu o controle e bateu contra o chão. Ao invés de reparar o avião, Santos-Dumont preferiu canibalizar as peças do protótipo em outros projetos – seu motor equipou os projetos 15, 16 e 18, e as hélices e as rodas também foram aproveitadas em outros aparelhos.[1]

Réplicas[editar | editar código-fonte]

Réplicas do avião foram construídas com base nas plantas originais[1]. Uma delas, construída pelo empresário Alan Calassa em 2004, está no Museu do Ar da Força Aérea Portuguesa[10]

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre 14-bis

Referências

  1. a b c «O 14-Bis ainda existe?». Consultado em 15 de julho de 2019. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2019 
  2. Bruce, Stuart E. Mechanical Flight Flight, 20 February 1909, p.108
  3. «10 Milestone Flights». Air and Space Magazine 
  4. Hoffman 2003, pp. 238-39.
  5. Hoffman 2003, pp. 242-43.
  6. O inventor Alberto Santos Dumont Aviação Paulista - acessado em 26 de maio de 2019
  7. Guia Curso Básico de Desenho - Aviões Ed.01 Livro da On Line Editora no Google Books - acessado em 26 de maio de 2019
  8. «Como Santos Dumont inventou o avião» (PDF) 3 ed. , Sociedade brasileira de Física, Revista Brasileira de Ensino de Física, 31 (3605), 2009 .
  9. Assumpção, Maurício Torres (2014). A história do Brasil pelas ruas de Paris. Rio de Janeiro: Casa da Palavra. p. 496. ISBN 978-85-7734-485-7 
  10. «"Réplica do 14-Bis é exposta em museu de Portugal"». fab.mil.br 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hoffman, Paul (2003). Asas da Loucura – A extraordinária vida de Santos-Dumont. [S.l.: s.n.] ISBN 85-7302-592-1 .

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aeronáutica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.