Kratos (God of War)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Kratos
Kratos em God of War II
Série de jogos God of War
Mortal Kombat
Soul Calibur: Broken Destiny
Everybody's Golf 5
Primeiro jogo God of War
Temporadas God of War
God of War II
God of War III
Mortal Kombat 2011
Soul Calibur: Broken Destiny
Everybody's Golf 5
Designer Stig Asmussen
Dublador em inglês Terrence C. Carson
Informações pessoais
Sexo Masculino
Alinhamento Zeus(pai),Callisto(mãe),Deimos(irmão),

Hércules(Meio-Irmão),Calliope(filha),Lysandra(esposa), Orkos

Raça Semi-Deus
Espécie Humano
Terra natal Esparta
Afiliação Esparta, Olimpo, N/A
Habilidade especial Força e Resistência Sobre-Humana, Habilidoso Guerreiro ,Poderes Divinos, Poderes Titânicos.
Arma Espadas duplas curtas de alto alcance.
Estilo(s) de luta Força bruta, combate físico ou armado, ataques físicos ou com armas.

Kratos, The Ghost of Sparta (em português: Kratos, O Fantasma de Esparta e na mitologia grega: Cratos) é o personagem principal nos videojogos da saga God of War, iniciada no console PlayStation 2 e franquia da Sony. Kratos foi criado para substituir Pipo que ocupava o posto de mascote na empresa. Kratos se tornou oficialmente mascote devido a impopularidade do jogo Ape Escape de seu ex-mascote.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

God of War Ascension[editar | editar código-fonte]

Kratos é capturado e preso pelas três Fúrias. Pelo seu feito ele é torturado por elas e consegue um jeito de escapar. Depois de escapar ele luta com elas, sendo a última a mais perigosa. Kratos a derrota e ela num último esforço desperta o gigante cujo corpo é a prisão. Kratos luta com ele e com outra criatura originada de uma de suas mãos. Logo após derrotá-los, ele é imcumbido pelo filho de Ares com uma das fúrias, Orkos, a encontrar o Oráculo de Delfos, que poderia lhe ajudar a descobrir a verdade sobre seu passado. Kratos vai atras do Oráculo, passando pelo gigantesco titã Pithon, que é composto por várias cobras gigantescas, e lá dentro consegue o Raio de Zeus, que cobre suas lâminas com raios. Kratos encontra o Oráculo de Delphos, que está soterrado e à beira da morte devido aos estrondo provocados pela batalha contra a criatura enviada por Ares para impedi-lo de entrar no templo. O Oráculo diz a Kratos para reencontrar Orkos e recuperar a Pedra do Juramento. Kratos passa por vários desafios, conseguindo o Gelo de Poseidon, que cobre suas lâminas com gelo, e consegue chegar a Orkos. Ele lhe entrega a Pedra, mas diz a Kratos que não vai conseguir derrotar as Fúrias, pois elas tem o poder de criar ilusões, e ele nunca conseguiria suportar as ilusões criadas pelas Fúrias.

God of War Chains of Olympus[editar | editar código-fonte]

Kratos recebe uma mensagem dos Deuses pedindo para derrotar o Rei da Persa e seu Basilisco, e Kratos parte até a cidade de Atica para derrotá-los.

Após derrotar o Rei Persa e o Basilisco, O Sol cai do céu, Hélio começa a perder poder, porque foi raptado e levado ao mundo dos mortos pelo titã Atlas, e Morfeu, Deus dos Sonhos. Kratos escala o templo do deus do Sol, Atena pede que Kratos retorne Hélio ao céu, caso contrário, os deuses e os humanos não sobreviveriam.

Kratos leva Hélio ao céu, mas acaba caindo nos domínios de Hades, lá ele enfrenta Caronte e acaba caindo na prisão dele. Após algum tempo, Kratos sai da prisão e enfrenta Caronte, matando-o.

Kratos começa uma longa viagem, chegando aos Campos Elíseos (Paraíso), onde encontra sua filha, Calliope (que pensava estar morta).

Kratos acaba encontrando a esposa de Hades, Perséfone, que o obriga a perder todas as suas armas e deixar de ser o Fantasma de Esparta, para ter parte de sua família de volta nos Campos Elíseos (que não era objetivo de Kratos até encontrar sua filha).

A felicidade de Kratos dura pouco, pois ele descobre que isso foi uma manobra de Perséfone, a verdadeira mentora do rapto de Hélio, disposta a destruir o Olimpo, o Inferno e Elíseos para se livrar do odioso cargo de Rainha do Inferno.

Disposto a sacrificar a si mesmo para salvar sua filha, Kratos destrói almas puras para se corromper e voltar ao inferno, onde mata Perséfone e condena Atlas a carregar o mundo nas costas.

God of War[editar | editar código-fonte]

Kratos a pedido dos deuses vai em missão impedir um ataque de uma criatura que estava aterrorizando os mares - A Hidra. Poseidon entrega a Kratos um fragmento de seu poder olímpico para auxiliá-lo a matar a criatura.

Em uma das passagens de Kratos pelos navios destruídos, ouve gritos abafados de mulheres na parte inferior do navio pedindo por ajuda. Infelizmente, a única passagem foi trancada pelo capitão do navio na esperança (em vão) de salvar as mulheres. Kratos então parte à procura do capitão, e ao encontrá-lo (apavorado) ele e sua tropa foram atacados por três cabeças de Hidra, sendo uma delas a cabeça original. Kratos assistindo a tudo, vê o capitão desistir de fugir entregando-se à morte certa e clamando o perdão dos deuses, mas com a chave da porta pendurada em seu pescoço. Antes de Kratos conseguir pegá-la, o Capitão é devorado inteiro pela Hidra. Na intenção de recuperar a chave, Kratos enfrenta primeiramente as duas cabeças secundárias e depois à cabeça principal, obtendo sucesso. Ao matá-la ele entra pela sua boca onde encontra o capitão desesperado deslizando pelo pescoço viscoso. Kratos o ajuda puxando-o pela chave. Agora a salvo, O Capitão agradece Kratos por vir salvá-lo. Kratos arranca a chave de seu pescoço e responde: - "Eu não voltei por você!" - empurrando o Capitão de volta a morte certa em direção ao esôfago da criatura. Kratos retorna a parte inferior onde as mulheres clamavam ajuda e ao abrir a porta, depara-se com uma carnificina e mata todos os seres que tinham causado tudo aquilo. Ele percebe que ninguém sobreviveu. O banho de sangue faz Kratos lembrar de seu passado. Após ter destruído a Hidra acreditou que seu castigo enfim havia acabado.

Durante a noite, depois de beber e dormir com mulheres os sonhos novamente vêm perturbá-lo. Impaciente, ao clamar por Atena ele exige que os deuses entreguem- lhe sua recompensa, livrando-o de seus pesadelos que o atormentam. Atena pede paciência e que sua recompensa seria dada se ele realizasse uma última tarefa - destruir o Deus Ares. Atena alega que Ares estava ensandecido e que estava farto do progresso e soberania de sua cidade (Atenas), "Zeus - O Deus dos Deuses" decretou que nenhum deus deveria enfrentar outro. Sendo assim, Ares só podia ser derrotado por mãos mortais. Kratos vê então a possibilidade de se vingar do Deus da Guerra, Atena pede para que ele vá até sua cidade e que procure pelo Oráculo de Atenas. Ela lhe daria a informação de como derrotar Ares, então Kratos abandona os mares onde a Hidra apodrecia, e parte em destino a cidade de Atenas. Em sua passagem pela cidade Kratos encontra a Deusa "Afrodite - A Deusa da Beleza e do Amor". Ela alega que os deuses estão esperançosos com o progresso de Kratos e por esse motivo ele receberá uma nova habilidade, a capacidade de petrificar os seus oponentes, mas, para ter esse poder ele tem que merecer. Para isso, Kratos deve derrotar "A Rainha das Górgonas - A Medusa", o que logicamente ele consegue. Além de Afrodite, Kratos se encontra com o próprio Zeus. Zeus lhe entrega a capacidade de controlar os Raios. Após enfrentar Minotauros e Ciclopes e soldados de Ares, Kratos finalmente chega ao Templo do Oráculo. Ao chegar na porta do templo, Kratos encontra um velho homem cavando um túmulo. Curioso, Kratos pergunta por que ele cava apenas um túmulo já que tanta gente estava morrendo. O homem lhe diz que estava cavando o túmulo para Kratos, mas que ainda não tinha terminado ja que ele deveria tentar permanecer vivo até que terminasse de cavar. Kratos espantado o ignora julgando-o um velho louco e que não o entendia como poderia saber de sua morte. O velho lembra Kratos de que ele não é o único a servir os Deuses e o deixa em paz para terminar a cova. Kratos então entra no templo, onde salva o Oráculo de um ataque das Harpias. A Oráculo invade a mente de Kratos para saber se ele seria merecedor da informação. Ao ver tudo que Kratos fez em sua vida o Oráculo não compreende o motivo de Atenas o ter escolhido para salvar a cidade, mas mesmo assim, lhe diz que a única coisa que pode destruir um Deus é a Caixa de Pandora. Entretanto, por ser a arma mais poderosa que um mortal poderia ter, os deuses a haviam escondido muito bem. Ele diz que a viagem é perigosa cheia armadilhas e inimigos e que a caixa fica em um templo, em uma montanha depois do "Desert of Lost Souls" (Deserto das Almas Perdidas), localizada nas costas do último Titã vivo - Cronos - Deus dos Titãs, que foi condenado por Zeus, após a Titanomaquia, a ficar rastejando por toda a eternidade ou até que os redemoinhos do deserto conseguisse arrancar sua grossa carne de seus ossos. Ao abrir os portões, Kratos começa a buscar seu novo objetivo, a "Caixa de Pandora”. Kratos faz todo um percurso, enfrentando inimigos, até chegar ao portão que foi aberto pela Oráculo. Ao finalmente chegar ao deserto é conduzido pelo cantar hipnótico das Sirenes, onde o atravessa chegando até a trombeta, que atrai o gigante Cronos. Passa 3 dias escalando a montanha. Lá um morto-vivo condenado por Zeus, por ser o primeiro a tentar roubar a caixa, informa que não importa o quão bravo e corajoso o guerreiro fosse, a morte dentro deste templo era certa, e que se Kratos fosse sábio deveria dar meia volta e partir. Kratos o ignora, e vendo que o conselho não havia funcionado, o morto-vivo abre os portões do templo e logo iriam se ver, pois uma das harpias iria trazer a carcaça de Kratos para ser queimada na fogueira. Diversos desafios existem dentro do templo, como enfrentar um gigante Minotauro com uma armadura de aço, mas também tem suas recompensas como a Grande Lâmina de "Artemis - A Deusa da Caça" e O Exercito de Espiritos de "Hades - O Deus do mundo inferior". Após muito sacrifício, finalmente Kratos, encontra a Caixa de Pandora. Porém, quando está levando a caixa para fora do templo, lá de Atenas, os olhos atentos de Ares percebem o plano de Kratos. Ares arremessa uma estaca de pedra de Atenas e acerta em cheio Kratos no alto da montanha acima de Cronos, enquanto Kratos agoniza com a estaca perfurada em seu peito, as Harpias em ordem de Ares roubam a Caixa. Tendo a vista escurecendo, Kratos percebe que seu esforço foi em vão. Kratos vai parar no Tártaro (inferno), que é apresentado como uma queda infinita e com uma infinidade de plataformas compostas por espinhos, ossos pontiagudos e aparelhos cortantes. Durante a queda interminável, Kratos consegue se segurar na perna de um homem, que se segura em uma plataforma. Kratos sobe no corpo do homem. O Capitão assustado grita: "Você de novo?!". Novamente Kratos o deixa cair e segue para tentar escapar do Tártaro. Ele sobe diversas plataformas e passa por vários desafios, até chegar ao fim sem ter mais nenhuma plataforma pra subir. Então um bloco de pedra preso por uma corda desce. Ele sobe na corda e acaba saindo na cova onde o homem velho estava, cavando na frente no templo do Oráculo. Kratos entra no templo agora semi-destruído e ao final dele se depara com Ares, insultando a cidade de sua irmã (Atena) e ameaçando tomar o posto do pai (Zeus)com a Caixa de Pandora. Ares percebe que Kratos estava ali e se surpreende por ele ter escapado do inferno, e pergunta zombando a Zeus se ele seria a única arma que o pai do Olimpo conseguiu para derrotá-lo. Farto de insultos, Kratos usa seus poderes de controlar os raios dado por Zeus e atinge a corrente que amarra a Caixa, fazendo-a cair na beira do mar. Finalmente, após muito tempo a Caixa de Pandora é aberta, a energia que flui dela faz Kratos se tornar tão gigante quanto Ares. Ares não se assuta, pois mesmo Kratos sendo de seu tamanho ele ainda era apenas um mortal. Os dois iniciam um combate final eletrizante, porém quando Ares é ferido e percebe que a vitória não será tão fácil, pretende destruir Kratos de outra forma - psicologicamente. Ares transporta Kratos para o momento em que ele iria entrar no templo, onde sua mulher e filha se escondiam do ataque que ele mesmo criara. Neste momento, Kratos tem que defender sua mulher e filha dos outros Kratos que surgem para matá-las. Após derrotar todos os Kratos, ele volta à batalha contra Ares. Perdendo todas as chances os Deuses mandam um último presente para Kratos, Blade of the Gods(laminas dos deuses) e ele observa que há uma espada de pedra nas mãos de uma estátua, ele a pega e mata Ares. Após matar Ares, Kratos pede a Atena que livre sua mente das visões. Afinal, ele tinha servido os deuses, e a deusa fala que os deuses perdoaram seus pecados, mas não apagariam suas visões, porque nem mesmo os deuses poderiam apagar tanta crueldade que Kratos fez. Kratos, sem esperanças, compreende que sua única saída é a morte. Então sobe até a montanha mais alta de toda a Grécia, o Monte Olimpo, mas ninguém sabia que lá era o Monte Olimpo, e se joga lá de cima e cai no mar. Mas antes que ele morresse, os deuses o salvam e o levam para o alto da montanha novamente, e afirmam que alguém que tinha feito tantas coisas boas como Kratos não poderia morrer daquela forma, e como a vaga de deus da guerra estava livre, transformaram Kratos no novo deus da guerra. Athena lhe dá suas Blades of Athenas devido Kratos ter perdido a Blade of Chaos na luta contra Áres.

God of War: Ghost of Sparta[editar | editar código-fonte]

Mesmo depois de ter se tornado o deus da guerra, Kratos continua assombrado pelas visões do seu passado mortal, Kratos decide(contra o parecer da deusa Atena) explorar seu passado e viaja para o Templo de Poseidon, localizado dentro da cidade de Atlântida . Apesar de Poseidon enviar o monstro marinho Scylla, na tentativa de parar Kratos de chegar a Atlântida, Kratos encontra a cidade e depois de uma série de escaramuças mata Scylla. Kratos finalmente localiza sua mãe doente, Calisto, que tenta revelar a identidade de seu pai. Quando Calisto é repentinamente transformada em um monstro horrível, Kratos é forçado a lutar contra ela, e antes de morrer, Calisto suplica a Kratos a procurar seu irmão Deimos( que foi sequestrado pelo deus Ares anos atrás e torturado pelo deus da morte Thanatos, pois os deuses achavam que Deimos destruiria o olimpo, pois haviam tido uma visão que um grande guerreiro o faria) em Esparta. Antes da partida de Atlântida, Kratos encontra o titã Thera e o liberta, o que provoca a erupção de um vulcão e, posteriormente, destrói a cidade.

Depois de uma batalha com Erinys , filha de Thanatos, Kratos chega em Esparta e testemunha um grupo de espartanos derrubando uma estátua de Ares, com a intenção de substituí-lo com uma imagem de Kratos. Depois de matar o leão Piraeus nas prisões espartanas e ter um encontro com o espírito de si mesmo e tendo uma pequena luta no Templo de Ares, Kratos descobre que ele deve retornar à Atlântida afundada e agora localizar o domínio da morte. Antes de sair, um espartano fiel a Kratos fornece a ele suas armas antigas usadas durante os dias de capitão do exército espartano.

Entrando no domínio da morte, o espartano finalmente localiza seu irmão Deimos preso e o liberta.Enfurecido porque Kratos não o resgatou mais cedo e afirmando que ele nunca vai perdoar Kratos, Deimos ataca o anti-herói, mas o deus Thanatos, responsável pela tortura de Deimos intervém. Thanatos leva Deimos contra a sua vontade a Encosta do Suicídio (o local da tentativa de suicídio de Kratos), onde ele salva seu irmão da queda de sua morte. Deimos, grato, ajuda-o na luta contra o deus.Thanatos mata Deimos mas é destruído, por sua vez, por Kratos. Kratos coloca Deimos em seu túmulo (deixando as Armas de Esparta para marcar seu túmulo), e é avisado pelo enigmático Coveiro, uma vez que o ajudou a não alienar os deuses, infelizmente, afirmando que Kratos tornou-se "a morte ... o Destruidor de Mundos ".

Athena implora por perdão (ofertando sua divindade,mesmo reconhecendo Kratos como o seu irmão) para não revelar a verdade, mas Kratos ignora-a, retornando para o Olimpo prometendo que "os deuses irão pagar por isso." e Com Isso Kratos Ganha A God Armor (Armadura de um Deus)

God of War II[editar | editar código-fonte]

A história continua.

Kratos, como novo deus da Guerra, auxilia Esparta em prejuízo das demais cidades que adoram outros deuses, Atena lhe adverte para as consequências de seus atos, mas Kratos a ignora. Após Kratos descer do Olimpo para ajudar seus guerreiros espartanos a destruir a cidade de Rodes (onde se encontrava uma das sete maravilhas do mundo antigo, o Colosso de Rodes), Zeus, transformado em pássaro e sem escolhas, retira um pouco do poder de Kratos e o deposita em uma estátua gigante (o Colosso de Rodes), como punição por Kratos haver desobedecido a Atena. Kratos, com muita raiva e acreditando ser Atena a responsável, vai em busca de derrotar o Colosso para provar para os Deuses do Olimpo de que ele merece ser um deus. Nisso, Zeus, num aparente gesto de generosidade, oferece a Kratos uma incrível arma usada na guerra contra os titãs, The Blade Of Olimpus (A Espada do Olimpo). Somente com ela Kratos conseguiria derrotar o Colosso. Este, ao ser derrotado pelo Espartano, a mão de Rodes cai em cima de Kratos, quebrando sua Armadura de Deus. Então, Kratos muito fraco e percebendo que, ao depositar o que restava de seus poderes divinos na arma Sagrada do Olimpo havia retirado toda a sua divindade, é surpreendido por Zeus, revela que fora ele quem jogou os poderes do guerreiro ao Colosso e o mata com a Blade of Olimpus dizendo que o ciclo terminaria ali... Então após Zeus matar todos os outros guerreiros e ir embora com a Blade of Olimpus, mãos infernais levam o corpo de Kratos para as profundezas do inferno. Então Kratos ainda "meio morto" começa a ter alucinações, de várias pessoas dizendo para ele resistir. É Gaia, a mãe dos Titãs, que fala para Kratos se vingar dos deuses por eles, encontrando as 3 Sisters of Fate (Irmãs do Destino) e revertendo o passado. Nisso, Gaia cura Kratos, que sobe de volta para onde Zeus o matara, e de pronto encontra um de seus guerreiros vivo e diz para eles irem se preparando para a guerra, logo aparece Pégasus o cavalo alado.

Kratos monta em Pégasus e voa em direção ao templo das Sisters of Fate. Na metade do caminho, Kratos é derrubado por um inimigo que voava em um grifo, então Kratos recupera o equilíbrio e voa para dentro de uma caverna, a caverna de Tifão, Titã dos Ventos. E quando Kratos desce de Pégasus a mao direita de Tifão cai em cima de Pégasus, então Gaia diz a Kratos que nao tem força suficiente para liberar o cavalo alado e vai até a mão esquerda de Tifão, e encontra acorrentado Prometeu, imortal destinado a ser consumido todos os dias por um pássaro por ter roubado o fogo do Olimpo e dado aos mortais. Prometeu pede para que Kratos mate ele na fogueira que estava ali em baixo, mas ao tentar arrebentar as correntes, Prometeu fica pendurado pelo pescoço sobre o fogo do Olimpo. Kratos vai em busca do Titã Tifão que diz não querer ajudar Kratos, mas mesmo assim Kratos pula no olho de Tifão e arranca um arco mágico, The Tiphon's Bane. Então ele usa o arco para arrebentar a corrente que segurava Prometeu, que cai no fogo do Olimpo e finalmente morre. As cinzas de Prometeu dão a Kratos um novo poder, The Rage of the Titans (A Raiva dos Titãs). Kratos volta na mão direita de Tifão e com "A Raiva dos Titãs" Kratos libera Pégasus e voa novamente em direção ao templo das irmãs do destino.

Mas não só Kratos desejava ver as irmãs. No templo (ilha), o espartano encontra Teseu, que matou o Minotauro de Creta, Perseu, outro herói Grego e Ícaro, que na tentativa de deter Kratos se joga com ele em direção ao Submundo. Porém o que ocorre é que Ícaro acaba perdendo suas asas para Kratos, que estabiliza-se a ponto de evitar o inferno mas não um reencontro com Atlas, a quem (no jogo Chains of Olympus) aprisionara no tormento de carregar o mundo em suas costas. Porém agora Kratos estava com Gaia e os Titãs, e Atlas logo se lembra da poderosa arma (Blade of Olimpus) que Zeus usou para vence-los, por isso "emerge" Kratos de volta à superfície e o ajuda cedendo-lhe a magia "Atlas Quake", uma magia mortal capaz de causar terremotos devastadores, matando facilmente seus inimigos.

Depois de progredir um pouco em sua jornada, alcançando o "The Palace of The Fates" (Palácio dos Destinos, onde residem as irmãs do tempo), Kratos descobre que Esparta fora arrasada por Zeus e por isso perde as esperanças, acreditando que jamais venceria Zeus. Porém, motivado por Gaia, segue seu caminho e enfim encontra as irmãs do tempo, uma a uma. Primeiramente, surge de seu trono Lahkesis, arrogante, garante que Kratos não conseguirá alterar seu destino. Após um primeiro confronto, surge Atropos, a segunda irmã, que leva o herói ao final do primeiro game, quando Kratos está prestes a usar a espada do "Temple of Oracle" para derrotar Ares. Na tentativa de destruir a espada, e assim a última chance de Kratos de destruir o deus da guerra, Atropos é facilmente derrotada, o mesmo ocorre com Lahkesis.

Depois de acabar com as duas primeiras irmãs, Kratos se depara com a terceira: Um monstro disforme com muitos seios e braços mortais. Dela, o espartano ganha um aviso: se ele persistisse com suas ações, destruiria todo o existente. Kratos não dá ouvidos a Clotho (nome da terceira irmã) e acaba por elimina-la também. Ao acabar com as três irmãs do tempo, Kratos passa a ter poder sobre este, possibilitando que ele volte ao exato momento em que Zeus o matava para tomar-lhe a espada (Blade of Olimpus) e iniciar um cronfronto mortal: o deus dos deuses fora desafiado.

Após muito lutar, Zeus lança uma tempestade de raios sobre Kratos, que finge entregar-se, mas aproveitando-se de um descuido da divindade, contra golpeia brutalmente e prepara-se para desferir o golpe final com a sagrada espada. Nesse momento surge Atena, que para proteger seu pai lança-se entre ele e Kratos, que não pode evitar de impala-la e assim matar mais uma divindade, enquanto Zeus fugia, ainda vivo.

Antes de morrer, Atena explica que fez aquilo pois se Zeus caísse, também todo o Olimpo cairia e seria este o fim dos deuses. Também disse que o pai que Kratos nunca conhecera era Zeus e que este temia que, assim como fizera com Cronos, Kratos tomasse seu lugar no Monte Olimpo.

Furioso por ter matado a única divindade pela qual nutria algum carinho e em posse da arma mais poderosa do universo (Blade of Olimpus), Kratos parte com os titãs rumo ao Olimpo para pôr fim à era dos deuses.

God of War III[editar | editar código-fonte]

A história segue o final de “God of War 2”, com Kratos partindo com os titãs rumo ao Olimpo para destruí-lo. No topo da montanha, Zeus, Poseidon, Hades, Hermes e Helio se preparam para a batalha. Kratos segue seu caminho passando pelo braço direito de Gaia, quando um Leviatã (guerreiro de Poseidon, parte cavalo, parte lagosta e uma imagem de Poseidon feita de água), aparece e começa a atacá-lo. Depois de Kratos batalhar e vencer (matar) um dos vários Leviatãs, o próprio Poseidon em sua forma aquática aparece para dar continuidade na batalha. Kratos enfraquece-o e tira-lhe de dentro de sua "armadura aquática", conseguindo torturar e por fim matar Poseidon, gerando uma inundação enorme que engole o mundo em água, fazendo com que apenas se pudesse ver o topo das montanhas que ali ficavam, formando pequenas partes (ilhas).

Seguindo seu caminho, Kratos e Gaia chegam ao topo do Monte Olimpo e encontram Zeus. Depois de uma conversa entre pai e filho, seguida de uma batalha, acabam sendo derrubados do Monte Olimpo. Ao começar a cair no abismo, Gaia tenta se agarrar ao cume de uma forma que dificulta à Kratos se segurar nela. Gaia então lhe diz que não pode ajudá-lo, explicando que se o ajudar, ambos irão cair. Fala que a guerra dos Titãs com os Deuses é mais importante que a vingança de Kratos, e que ele não passa de um mísero peão nesta luta. Após esse breve diálogo, realmente ele não consegue se manter e cai do Monte Olimpo enquanto Gaia continua tentando se segurar. Durante a queda, Kratos e a Blade of Olympus (Espada do Olimpo) são separados, com Kratos caindo no rio Estige. Ele nada até a margem, mas conforme vai se aproximando da borda, as almas do submundo tiram suas forças e deixam as Athenas Blades (Lâminas de Atena) completamente inutilizáveis.

Emergindo do rio, o espírito de Atena vêm ao encontro do espartano e lhe dá as Blades of Exile (Lâminas do Exílio), em troca de sua confiança. Mais tarde, Kratos recupera a Blade of Olympus (Espada do Olimpo) e com Atena mais uma vez para guiá-lo, sai em busca da Flame of Olympus (Chama do Olimpo), da qual Atena disse que era de onde os Olimpianos tiravam a força deles. Emergindo do submundo, depois de matar Hades e roubar sua alma; e conseqüentemente liberando todas as almas que o submundo guardava; Kratos encontra Gaia, a causadora de sua queda, ainda tentando voltar à guerra no Monte Olimpo. Com raiva por ela negar sua vingança contra Zeus, Kratos corta-lhe a mão fora, fazendo-a cair. Durante o caminho, Kratos elimina Hélio, que em consequência de sua morte, acaba fazendo com que a lua ficasse na frente do Sol, causando um eclipse permanente e envolvendo o mundo numa chuva e escuridão eterna. Após uma longa jornada, ele descobre que a Flame of Olympus (Chama do Olimpo) estava guardando a Caixa de Pandora, que continuou a existir depois do seu encontro com Ares. Seu conteúdo é dito ainda ser capaz de matar um deus, Atena explica para ele que a unica maneira de extrair a Flame of Olympus (Chama do Olimpo) é achar Pandora, que é a chave para extrair a Chama e possibilitar que a caixa seja aberta novamente. Mais a frente ele derrota Hermes, cuja morte libera uma praga que envolve todo o resto da humanidade que sobreviveu as inundações e a outras calamidades. Seu próximo encontro é com seu irmão, Hércules. Ele o mata para adquirir os Nemean Cestus (Cestos de Neméia).Kratos encontra a deusa Afrodite, e ela pede que Kratos isse para sua cama para iniciar um ato sexual,logo revela a localização de Hefesto

Quando Hefesto descobre os planos de Kratos de encontrar Pandora, ele sugere que Kratos vá para o Tártaro em busca da Omphalos Stone, para que Hefesto pudesse criar uma arma digna de um Deus da Guerra. Sendo que na verdade sua real intenção era matar Kratos para que ele não chegasse a encontrar Pandora, mas Kratos não sabia que em sua ida até lá, teria de encontrar com Cronos, e matá-lo, sem comentar o fato de que a pedra estava dentro do próprio titã. Depois de matar Cronos, e entregar a pedra a Hefesto, assim, Kratos recebe a Nemesis Whip (Chicote de Nemesis), e Hefesto tenta matá-lo logo após dar a arma, numa tentativa de salvar Pandora, sua "filha". Kratos anda por diversos lugares(chegando a fazer sexo com Afrodite), indo e voltando por vários locais, viajando pelas Chains of Balance, correntes que ligam o Monte Olimpo e o submundo. Acaba encontrando Pandora dentro do Labirinto (construção de Dédalo sob influência Zeus que fez com que ele construí-se esse labirinto para guardar Pandora lá dentro, como se fosse um objeto a ser ocultado e excluído de todo o mundo).

Depois de se libertar do Labirinto, junto com Pandora, Kratos desce ao submundo para quebrar as Chains of Balance e possibilitar que ele suba novamente ao Olimpo e traga o Labirinto para lá. Kratos e Pandora se encontram em um salão, onde esta a Caixa de Pandora. Lá, eles encontram Zeus. Kratos o ataca. Depois de Kratos derrubar Zeus, Pandora sacrifica-se para abrir a Caixa de Pandora contra a vontade do herói, que a esta hora não queria perder Pandora, vista como uma esperança de reinstituir a família que ele havia perdido. Ele abre a caixa, só para descobrir que ela está vazia. Furioso, Kratos reencontra Zeus em um local nas proximidades, onde novamente se envolvem em uma batalha. No meio da contenta, Gaia emerge e, furiosa, decide esmagar ambos, pois considerava que Kratos tinha traído os titãs. Para evitar seu ataque, eles pulam dentro de Gaia através de um buraco perto de seu pescoço. Dentro de Gaia, Kratos e Zeus começam a batalha final. Terminando com Kratos transpassando tanto Zeus quanto o coração de Gaia com a Blade of Olympus (Espada do Olimpo), destruindo a Titã com Zeus junto. Aparentemente morto, Zeus libera seu espírito para atacar Kratos, deixando-o desarmado. O espírito de Zeus então, possuído pelo medo que corrompeu ele após a Caixa de Pandora ter sido aberta pela primeira vez, tenta fazer com que o medo entre na mente de Kratos, ele entra em uma breve viagem na mente de Kratos.

Nessa interação mental, Kratos finalmente encontra uma maneira de se redimir por suas falhas, perdoando a si mesmo por seus pecados passados, e aprende que a esperança é a sua arma mais poderosa. Voltando a si, Kratos acorda, luta, tortura, e finalmente destrói o espírito de Zeus, matando o Deus dos Deuses, aparentemente não causando nenhum dano ao mundo, apenas raios que agora desciam dos céus mais frequentemente. O espírito de Atena aparece, exigindo a Kratos o poder que tirou da Caixa de Pandora. Ele responde que estava vazia, o que Atena não acredita. Atena então explica que Zeus prendeu todos os males do mundo dentro da caixa e que havia o temor do que poderia acontecer caso a caixa viesse a ser aberta. Desta forma ela colocou seu próprio poder dentro da caixa, a esperança. Ela então percebe que, quando Kratos abriu a caixa ao derrotar Ares, o mal escapou e contaminou os deuses, enquanto que Kratos ficou com a Esperança, o poder que Atena havia colocado dentro da caixa. Atena novamente pede a Kratos seu poder de volta, acreditando que ela saberia a melhor forma de usá-lo para reconstruir o mundo. Em vez disso, Kratos tira a própria vida com a Blade of Olympus (Espada do Olimpo), liberando a energia para toda a humanidade a usar. Enfurecida, Atena pensa que o mundo não vai saber o que fazer com a esperança, e sai do local esvaeçendo aos poucos.

Mortal Kombat[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Kratos começa a ser parte da série Mortal Kombat iniciando no Mortal Kombat 9, que estreou nos Estados Unidos em abril. Kratos só é jogável na versão para o console PlayStation 3, mas o jogo também tem a sua versão para o Xbox 360 e PC. Em um dos seus Fatalities, Kratos usa a Blade of Olympus, uma de suas armas mais poderosas, o outro fatality é utilizando a sua clássica Cabeça da Medusa, e ainda tem seu Babality e Fatality de Cenário.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Poderes[editar | editar código-fonte]

God of War[editar | editar código-fonte]

  • Poseidon’s Rage (Fúria de Poseidon): É uma oferta do deus Poseidon contendo o poder para provocar tempestades; é eficaz para atacar vários inimigos simultaneamente.
  • Medusa’s Gaze (Olhar de Medusa): É uma oferta da Deusa Afrodite. Kratos pode usar a cabeça de Medusa para transformar um inimigo de cada vez em estátuas de pedra(exceto a própria Medusa). É um poder que, depois de um certo tempo, perde o seu efeito e cada um que tiver transformado em pedra retorna à sua forma normal, a não ser que se tenha oportunidade de quebrar a sua estátua.
  • Zeus Fury (A Fúria de Zeus): Concedido pelo próprio Zeus, é uma magia que lança à distância relâmpagos aos inimigos de Kratos.
  • Army of Hades (Exécito de Hades): É uma oferta do Deus Hades. Esta magia libera espíritos invencíveis que se precipitam sobre os inimigos em que se encontram mais próximos de Kratos.
  • Rage of the Gods (Fúria dos Deuses)':' É a magia mais poderosa. Durante um certo período de efeito (depende da quantidade da urna deste poder) Kratos pode fazer uso de uma velocidade e de uma força superior para atacar os seus inimigos. Se as Blades of Chaos se encontrarem no nível máximo da sua capacidade, permite a Kratos, a benesse de poder usar infinitamente qualquer das outras magias enquanto o tempo urge.

God of War 2[editar | editar código-fonte]

  • Typhon´s Bane (Arco de Tifão):É um arco mágico de Tifão, no inicio pode soltar flechas mágicas a distancia mas, depois que você deposita as Red Orbs nela ela pode soltar grandes tornados.
  • Cronos's Rage (Fúria de Cronos): Cronos Deu a sua última magia á Kratos; é eficaz para atacar vários inimigos simultaneamente.
  • Atlas' Quake (Tremor de Atlas): Uma oferenda do Titã Atlas a Kratos para este ter a habilidade de fazer a terra estremecer; é eficaz para causar danos em vários inimigos simultaneamente.
  • Head of Euryale (Cabeça de Euríale): A cabeça da irmã de Medusa, Euríale, que, tal como ela, é capaz de transformar todos os seres em pedra com um simples olhar.
  • Rage of the Titans (Fúria Titânica): Semelhante a Rage of the Gods, Kratos sofre menos danos sob proteção deste poder, é mais rápido e mais forte e, ao contrário de Rage of the Gods, pode a seu mando optar por desativar a magia quando não necessita dela, evitando assim, que a urna em que está contida a magia se esvazie sempre quando acionada.

God of War 3[editar | editar código-fonte]

  • Army of Sparta (Exército de Sparta): Invoca um exército de Espartanos Exilados que fica em volta de Kratos o defendendo atacando os seus inimigos - magia ligada as Lâminas do Exílio.
  • Soul Summon (Invocação de Almas): Kratos pode invocar a alma do ser selecionado no menu START - magia ligada as Garras de Hades.
  • Nemean Roar (Rugido de Nemeia): Kratos dá vários socos no chão, por onde saem ondas de choque que destroem inimigos - magia ligada a Cestus de Nemeia.
  • Nemesis Rage (Fúria de Nêmesis): Kratos lança um raio pegando em algum inimigo e depois vários inimigos ao mesmo tempo - magia ligada ao Chicote de Nêmesis.
  • Diving Reckoning(O Mergulhado Acerto de Contas): Kratos enfia a Lâmina do Olimpo (Blade of Olympus) no chão criando um ciclone muito violento que ataca vários inimigos - magia ligada as Lâminas de Atena.
  • Rage of Sparta (Raiva de Esparta): Kratos invoca a Lâmina do Olimpo (Blade of Olympus) ficando muito mais forte do que o normal - magia ligada a qualquer arma selecionada.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Ao longo da série, Kratos age como um anti-herói, muitas vezes tomando decisões imorais para continuar a sua meta, sacrificando humanos desprotegidos, por exemplo. Antes do início da série, ele atuou como o capitão do exército de Esparta e era apenas interessado em aumentar seu poder através da conquista de seus adversários. Sua personalidade muda quando ele se torna um servo de Ares, depois que ele seguiu fielmente as ordens do deus. Depois que ele parou de servir Ares, Kratos continuou a servir os deuses, a fim de receber o perdão, mas mostra uma postura desafiadora contra eles. Uma vez contactado pelos deuses do Olimpo, Kratos mostra desprezo por seus problemas, apenas seguindo suas ordens para benefício pessoal. No jogo, o motivo principal de Kratos é vingança. Ele é condenado a assassinar Ares e concorda em fazer isso para conseguir a absolvição de seus crimes passados.

Exterioridade[editar | editar código-fonte]

Ao longo da série, a pele de Kratos é vista completamente desprovida de pigmentação, apenas mostrando a sua cor de pele original em flashbacks. A razão para isso é evidente quando ao jogador é mostrada uma cena onde um oráculo da aldeia colocou uma maldição sobre Kratos, que fechou as cinzas de sua esposa e filha assassinadas em sua pele, que é também a forma como ele ganhou o apelido, o " Fantasma de Esparta ". O personagem não usa uma quantidade significativa de roupa, geralmente visto vestindo apenas uma tanga, sandálias, caneleiras e protetores de antebraço. Algumas exceções incluem as fases iniciais de God of War II, onde ele é visto usando uma armadura que lembra que a armadura usada por Ares em God of War e cenas detalhando o seu passado, onde ele usa uma armadura Espartana como um capitão do exército. Ele tem uma tatuagem muito grande, vermelha que começa a seguir seu olho esquerdo e espirais ao longo do topo da cabeça, no pescoço e nas costas, o seu tronco, e terminando em seu ombro esquerdo, feita em homenagem a seu irmão considerado morto Deimos, que exibia marcas de nascença semelhantes na infância. Sua arma é a Blade of Chaos, que estão ligados a seus pulsos em todas as séries. Em God of War e God of War: Chains of Olympus, estavam presos a seus pulsos por Ares, desde que Kratos ofereceu uma vida de servidão a Ares em troca de ajuda. Estas foram substituídas pela Athena's Blades, que lhe foi dada pela deusa Athena logo após a batalha final contra o deus da guerra e foram mantidas em parcelas seguintes da cronologia. O rosto do personagem exibe uma cicatriz atravessando seu olho direito e um cavanhaque. Ele também tem uma grande cicatriz em seu abdômen, que foi infligida por Zeus quando este atravessou-o com a Blade of Olympus em God of War II. Também foi adquirida em God of War II, derrotando um Cerberus, a Golden Fleece, que ele carrega em seu braço direito. Ele tem o poder para desviar ataques inimigos e contra-atacar imediatamente. O Velocino de Ouro é mantido em God of War III

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma personagem de ficção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.