Niilismo moral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Niilismo moral (também conhecido como niilismo ético ou amoralismo) é o ponto de vista metaético de que nada é moral ou imoral. Por exemplo, um niilista moral diria que matar alguém, por qualquer razão, não é inerentemente certo e nem inerentemente errado. Niilistas morais consideram a moral um faz de conta, um conjunto complexo de regras e recomendações que podem dar uma vantagem psicológica, social ou econômica para seus adeptos, mas não é outra forma de acordo com os fatos ou a realidade.1

O niilismo moral é distinto do relativismo moral, que não permite que demonstrações morais sejam verdadeiras ou falsas em um sentido não-objetivo, mas não atribui qualquer valor de verdade estático para declarações morais, e o universalismo moral, claro, considera declarações morais como sendo objetivamente verdadeiras ou falsas. Na medida em que apenas as afirmações verdadeiras podem ser conhecidas, o niilismo moral implica o ceticismo moral.

Alguns niilistas morais recentes e proeminentes são J. L. Mackie, Richard Joyce e o historiador da ciência Will Provine.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Landau, Russ Shafer. The Fundamentals of ethics. [S.l.]: Oxford University Press, 2010. ISBN 9780195320862 p. 292
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.