Naturalismo (filosofia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O naturalismo é, "em oposição ao sobrenatural ou espiritual, a ideia ou crença de que apenas as leis e as forças naturais operam no mundo; em extensão, a ideia ou crença de que não existe nada além do mundo natural"[Ref. 1] . Os adeptos do naturalismo - ou seja, os naturalistas - afirmam que as leis naturais são as regras que regem a estrutura e o comportamento do universo natural; que cada etapa da evolução do universo é um produto dessas leis.[Nota 1]

"Naturalismo intuitivamente pode ser separado em uma componente metafísica e outra metodológica"[Ref. 2] . Metafísica aqui refere-se ao estudo filosófico da natureza da realidade. O filósofo Paul Kurtz argumenta que a natureza é melhor explicada por referência aos princípios materiais. Esses princípios incluem massa, energia e outras propriedades físicas e químicas aceitas pela comunidade científica. Nesses termos, a acepção corrente de "naturalismo" implica a afirmação não cética de que divindades, espíritos e fantasmas não são reais, e que não existe um "propósito" na natureza. Tal crença absoluta no naturalismo é comumente referida como o naturalismo metafísico, ou de forma equivalente, naturalismo ontológico [Ref. 3]

Por outro lado, considerando-se o naturalismo encontrado nos métodos de trabalho - sem necessariamente considerar o naturalismo como uma verdade absoluta com meras vinculações filosóficas, esse é então chamado de naturalismo metodológico[Ref. 4] . O assunto aqui é uma filosofia de aquisição de conhecimento; e a afirmação anterior sutenta-se atualmente, contudo de forma cética.

Com exceção dos panteístas — que acreditam que a natureza e Deus são uma e a mesma coisa — teístas contrapõem-se à ideia de que a natureza é tudo que existe. Eles acreditam em um ou mais deuses transcendentes ao natural, geralmente criador(es) da natureza. Embora as leis naturais ainda tenham um lugar em suas teologias, tidas nessas como secundárias, as leis naturais não definem nem limitam as divindades, as causas primárias. Na maioria[Nota 2] das correntes teístas, os deuses são vistos como entidades diretamente atuantes no mundo natural e aparte de suas leis naturais.

No século XX, Willard Van Orman Quine, George Santayana, e outros filósofos argumentaram que o sucesso do naturalismo na ciência significava que os métodos científicos também deviam ser usados na filosofia. Diz-se nesse caso que a ciência e a filosofia formam um continuum.

A Ciência e o Naturalismo[editar | editar código-fonte]

Naturalismo metodológico é o naturalismo similar à visão adotada pela ciência, onde o método científico é a única forma efetiva de investigar a realidade universal. O naturalismo metodológico não necessariamente diz que os fenômenos e hipóteses inicialmente descritos como sobrenaturais não existem ou são necessariamente forjados, mas defende que todos os fenômenos no universo que podem de alguma forma ser percebidos e estudados pelo homem têm sido e por extrapolação cética são passíveis de serem estudados pelos mesmos métodos atrelados aos estudos dos fenômenos naturais já conhecidos (método científico), e que portanto qualquer coisa considerada inicialmente sobrenatural é ou inexistente - se não uma fraude uma ilusão atrelada às imperfeições dos sentidos - ou equivalente a um fenômeno natural.

Alguns naturalistas insistem que uma distinção legítima entre entidades sobrenaturais e entidades naturais não é sequer passível de ser feita em termos conceituais. [Nota 3] .

O naturalismo metodológico encontra forte corroboração em digressões cronológicas da ciência e de suas graduais descobertas. Após a consolidação de sua fundação com o processo de Galileu perante o Santo Ofício e sua subsequente disseminação, a ciência moderna, metodologicamente fundada no naturalismo, tem de forma sistêmica e inexorável trazido à tona explicações plenamente consistentes com a metodologia naturalista para uma ampla gama de fenômenos que até então por muitos eram notoriamente tidos como sobrenaturais ou mesmo transcendentais, incluindo-se na lista os fenômenos ligados à consciência e ao comportamento tanto humanos como dos demais animais [Ref. 5] . Nesses termos, ao menos sob à luz da ciência moderna, há muito os relâmpagos e trovões não são mais assumidos a priori serem manifestações de deidades como Thor; a existência de qualquer milagre tem até o momento sido gradualmente contestada, elucidada como fraude ou fenômeno natural, e por conseguinte cientificamente descartada; e a existência de espíritos - embora pergunta cientificamente válida - não encontra-se confirmada [Ref. 5] [Nota 4] .

Ao naturalismo conforme encontrado na ciência, oriundo de considerações racionais acerca das evidências verificáveis e não de presunção dogmática que de antemão exclua a possibilidade de existência de outras explicações para os fenômenos no universo ou mesmo de fenômenos transcendentes ao universo tangível, dá-se o nome de naturalismo metodológico. A ciência adota o naturalismo metodológico, sendo assim a ciência naturalista não por dogmatizar a invalidade de correntes ideológicas divergentes e fazer o universo "se ajustar" às regras naturalistas, a exemplo do que se afirma no naturalismo ontológico e busca-se fazer com o cientificismo, mas sim porque as evidências verificáveis e os fenômenos universais tangíveis corroboram de forma racional e lógica, quando metodicamente escrutinados, apenas o naturalismo e não o contraditório.[Ref. 5] .

À parte as situações exacerbadas onde alguns atrelam uma mera melhora repentina em uma dor de cabeça a um milagre[Ref. 6] ; e assumindo-se como exemplo a observação em humanos de regenerações de órgãos seriamente lesionados ou mesmo, em caso extremo, de um membro amputado; se para muitos a única explicação possível para tais fenômenos é a direta manifestação de ao menos uma entidade ou deidade sobrenatural onipotente - geralmente aclamando-se tal ocorrência como evidência necessária e sobretudo suficiente para demonstrar a existência dessa ou daquela deidade - aos olhos da ciência moderna ter-se-ia em tal situação um processo plenamente natural; explicável e compatível com as leis naturalistas que expressam as regularidade presentes na natureza[Ref. 7] , mesmo que o processo ainda não se mostre completamente compreendido quando primeiramente observado.

Em verdade, a ocorrência de processos similares ao da situação mais enfática citada encontra-se há muito verificada na natureza, em inúmeras espécies distintas, a exemplo em inúmeros insetos, platelmintos, répteis e salamandras - animais dotados de um poder de regeneração muito além do humano - e em casos não muito exóticos até mesmo em humanos, a exemplo a regeneração do fígado. Tais ocorrências, por tal plenamente naturais, em verdade embasam os fundamentos de áreas da biologia em notória expansão na atualidade: a biotecnologia atrelada ao estudo das células pluripotentes - as células tronco; bem como a biotecnologia atrelada à engenharia genética.

Em virtude do sucesso que a ciência tem obtido na era atual, muitos extrapolam - não em acordo com os rigores da metodologia científica - a naturalismo metodológico científico ao naturalismo metafísico. Embora não contraditória à ciência atual, o segundo não estabelece a metodologia da ciência empregada hoje; embora muitos cogitem tal extrapolação[Ref. 8] .

Como exemplo de defensores do naturalismo metafísico na ciência citam-se: Greg Graffin, Paul Kurtz, Richard Dawkins e outros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. CATHOLIC ENCYCLOPEDIA: Naturalism (21 de novembro de 2009). Página visitada em 22 de julho de 2013. "(Em livre tradução:) Naturalismo não é mais que um sistema especial com um ponto de vista ou tendência comum a uma série de sistemas filosóficos e religiosos; não é mais que um bem definido conjunto de doutrinas afirmativas e negativas com uma atitude ou espírito que permeia e influencia muitas outras doutrinas. Tal como o nome indica, esta tendência consiste essencialmente em olhar a natureza como a única fonte original e fundamental de tudo o que existe; e na tentativa de explicar tudo em termos da natureza. Ou os limites da natureza são também os limites da realidade existente; ou pelo menos a causa primária, se sua existência for considerada necessária, não tem nada a ver com o trabalho dos agentes naturais. Todos os eventos, contudo, encontram a sua explicação adequada dentro da própria natureza. Entretanto, como os termos natureza e natural são eles próprios usados ​​em mais de um conotação, o termo naturalismo também está longe de ter um significado fixo.""
  2. Como exemplo de exceção, tem-se notoriamente o Kardecismo - que embora postule a existência de um Criador e de espíritos, considera que os fenômenos tangíveis no universol dão-se sempre em acordo com as leis naturais; os espíritos constituindo parte real e integrante da natureza, contudo. (Referência: KARDEC, A.. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro-Brasil: FEB, 1857. ISBN 9788573285291)
  3. Ver a exemplo a doutrina kardecista ou mesmo a filosofia deísta.
  4. O livro Uma História da Ciência (ver seção "Referências") é baseado em um documentário audiovisual composto por seis episódios, cada qual com título similar a um dos capítulos do livro. O títulos dos episódios (disponíveis na videoteca mais famosa da rede) são, em ordem: O que há lá fora? 2) Do que o mundo é feito? 3)Como chegamos até aqui? 4)Podemos ter energia ilimitada? 5)Qual é o segredo da vida? 6)Quem somos nós?

Referências

  1. Oxford English Dictionary Online naturalism
  2. Papineau, David "Naturalism", in "The Stanford Encyclopedia of Philosophy" Papineau used the term "ontological" instead of "metaphysical."
  3. Paul Kurtz (1998). Darwin Re-Crucified: Why Are So Many Afraid of Naturalism? (em inglês) Free Inquiry. 17 pp. secularhumanism.org. Página visitada em 22 de julho de 2013.
  4. Schafersman, Steven D. (1996). Naturalism is Today An Essential Part of Science (em inglês) Steven Schafersman. Página visitada em 22 de julho de 2013. "Naturalismo metodológico é a adoção ou assunção do naturalismo na crença e na prática científica, sem realmente acreditar no naturalismo."
  5. a b c Mosley, Michel - Lynch, Jonh - Uma História da Ciênica, Experiência, Poder e Paixão - BBC - Jorge Zahar Editor Ltda. - Rio de Janeiro - Rj - 2010 - ISBN:978-85-378-0457-5 .
  6. Universal perde fiéis para rival 'milagreira' - Jornal Folha de São Paulo de 15-04-2012 - Cópia eletrônica acessada em 22-07-13 às 23:00 UTC e disponível em http://www1.folha.uol.com.br/poder/1076218-universal-perde-fieis-para-rival-milagreira.shtml
  7. Irmãs esperam por milagre e acabam matando a mãe - Jornal O Tempo publicado em 02/13/12. Cópia eletrônica acessada em 22-07-13 às 23:00 UTC e disponível em: http://www.otempo.com.br/cidades/irmãs-esperam-por-milagre-e-acabam-matando-a-mãe-1.341425
  8. Dawkins, Richard - Deus, Um Delírio - Compahinha das Letras - 1ª edição - 2007 - ISBN: 8535910700 - ISBN-13: 9788535910704

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Audi, Robert. In: Borchert, Donald M.. The Encyclopedia of Philosophy Supplement (em inglês). Estados Unidos: Macmillan Reference, 1996. Capítulo: Naturalism. , p. 372–374.
  • Danto, Arthur C.. In: Edwords, Paul. The Encyclopedia of Philosophy (em inglês). Nova Iorque: The Macmillan Co. and The Free Press, 1967. Capítulo: Naturalism. , p. 448–450.
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.