Sayid Jarrah

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Sayid
Personagem de Lost
Nome Sayid Hassan Jarrah
Residência
formal
Iraque
Profissão (Formal) Soldado
Interpretado por(s) Naveen Andrews
Projeto Lost

Sayid Hassan Jarrah é um personagem fictício da série de televisão estadunidense Lost da ABC. Ele é interpretado por Naveen Andrews.[1] [2]


Biografia[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Antes da queda do vôo 815 da Oceanic[editar | editar código-fonte]

Nascido em 1968, filho de um grande herói iraquiano, Sayid Jarrah serviu como oficial de comunicações na Guarda Republicana Iraquiana. Durante a Guerra do Golfo, a base de Sayid foi capturada pelos americanos. Como era o único iraquiano que sabia falar inglês, Sayid foi usado pelo Americanos para perguntar ao seu superior, Tariq, acerca de um piloto americano desaparecido.

Depois de dizerem a Sayid que Tariq foi o responsável pela ordem de ataque de gás à sua aldeia, os americanos dão-lhe uma caixa cheia de ferramentas de tortura, que ele usa com sucesso ao interrogar Tariq acerca da localização do piloto. Quando a Guerra do Golfo termina com Saddam ainda no poder, Sayid é libertado pelos americanos e regressa à Guarda Republicana, jurando a si mesmo que jamais voltaria a torturar alguém.

Sayid continua perseguido pelas memórias de tortura. Nesta altura, foi-lhe dada a ordem de matar Nadia, uma amiga de infância que ele supostamente estava a interrogar, Sayid acabou apaixonando-se por ela. No dia da sua execução, ele deu um tiro na própria perna para permitir que ela fugisse com a sua arma.

Algum tempo mais tarde, ele foi abordado por membros da ASIS e da CIA que lhe estavam a seguir os passos. Ele aparentemente andava a tentar encontrar Nadia, a qual os serviços secretos afirmaram ter localizado. Em troca dessa informação, Sayid foi recrutado como infiltrado numa célula terrorista em Sydney para descobrir o roubo de 136 kg de C4.

Foi-lhe dada a tarefa de convencer Essam, o seu colega de quarto da Universidade de Cairo, a ir aceitar a tarefa de bombista suicida de modo a que através dele chegassem até aos explosivos desaparecidos. Sayid avisou Essam da armadilha no último momento para lhe dar tempo de escapar, mas Essam perturbado por Sayid o ter traído por causa de uma mulher, suicidou-se.

Sayid foi libertado com o bilhete de avião para Los Angeles para ir ter com Nadia, mas pediu que o voo fosse adiado para o dia seguinte de modo que pudesse tratar do funeral de Essam. Sayid acabou por embarcar no voo 815 da Oceanic Airlines para Los Angeles.

Na ilha[editar | editar código-fonte]

1ª Temporada[editar | editar código-fonte]

Depois da queda, Sayid foi o primeiro a fazer sinal de fogo e pedir Charlie para ajudar. Á noite, Sayid disse a Charlie que alguém já deveria ter vindo. No outro dia, Sayid foi o primeiro alvo de culpa dos sobreviventes (Sawyer) "infelicidade, incluindo acusações de ser terrorista e de ser o prisioneiro de Edward Mars". No entanto, o início das contribuições de Sayid, facilitada pelo seu conhecimento militar, provou para o grupo ser um membro vital.

Depois de ter um briga com Sawyer, ele empregou sua experiência como oficial de comunicações para consertar o transceiver do avião. Enquanto isso, foi visitado por Hurley, Sayid disse a ele que serviu na Gerra do Golfo, na Guarda Republicana. Após consertar o transceiver, ele liderou uma expedição para achar um ponto alto da ilha para receber algum sinal. Lá eles captaram uma transmissão de uma mulher francesa vindo da ilha. Sayid deduziu que aquela transmissão estava sendo repetida por 16 anos, e temendo que tais informações tirassem as esperanças dos sobrevivêntes, Sayid pediu para o grupo da expedição que mantivessem as informações em segredo.

Alguns dias mais tarde, depois de javalis invadirem a fuselagem, Sayid discordou do plano de Jack de queimar os corpos. Sayid e Kate começaram a fazer a polícia moral da ilha, depois de que a água foi roubada, inicialmente culpou Sawyer por isso. Sayid parou a briga entre Jin e Michael e insistiu que Jin deveria ser algemado até descobrirem o que tinha acontecido. Mais tarde, Sayid também discordou do plano de Jack de se moverem para as cavernas, acreditando na importância do sinal de fogo, e assim acabou ficando no acampamento da praia.

Mais tarde, Sayid tentou localizar a origem do sinal da mulher francesa, mas justamente na hora em que conseguiu captar algo, ele foi golpeado e inconsciente seu equipamento foi destruido.

Inicialmente, ele foi convencido por Locke que Sawyer poderia estar por tras da sabotagem do equipamento, embora Locke mais tarde revelou-se como o verdadeiro culpado. Quando Sawyer caiu sob suspeita por roubar o remédio de asma de Shannon, Sayid e Jack decidiram que eles qualquer meio necessário para pegar o remédio de volta dele. Durante um interrogatorio, Sayid torturou Sawyer, causando um corte em seu braço. Quando Kate descobriu que Sawyer era inocente o tempo todo, Sayid ficou severamente decaído, recordando o seu passado como torturador. Essa culpa levou Sayid a deixar o acampamento em uma solitária jornada de redenção, sob a pretensão de tentar mapear a ilha.

Enquanto caminhava pela praia, Sayid achou um cabo, que o levou em linha reta a uma armadilha armada por Danielle Rousseau. Sayid ficou preso por horas até que a armadilha foi desfeita. Rousseau levou Sayid para seu esconderijo, e começou a interrogá-lo. Rousseau questionou-o, repetindo "Onde está Alex?". No entanto, Sayid não sabia, e acabou sendo torturado pela francesa. Sayid disse a ela que estava em um avião que caiu, e que ele captou um sinal contínuo, e perguntou como ela estava ali depois de 16 anos. Rousseau parou de torturá-lo e perguntou se fazia tanto tempo assim. No entanto, Rousseau não acreditou nele, e torturou Sayid ainda mais, acreditando que Sayid era um Outro.

Rousseau encontra uma foto de Nadia que Sayid carregava e pergunta o que aconteceu com ela, Sayid responde que ele a matou, fazendo com que ela o torture mais. Mais tarde Rousseau mostra a Sayid sua caixinha de música e Sayid a conserta. Rousseau então diz a Sayid sobre os Outros e como ela chegou a ilha. Quando Rousseau está distraida com as vozes do lado de fora do esconderijo, Sayid arma sua escapada, roubando os mapas de Rousseau e suas anotações e trazendo eles de volta para o acampamento. Sayid encontra Rousseau na floresta apontando uma arma para ele. Sayid a pergunta se ela quer voltar, no entanto ela diz que ela não quer voltar com ele, porque ela disse que seu pessoal está doente. Na sua jornada de volta, Sayid é cercado por sussurros na floresta.

Poucos dias depois, Sayid retona para o acampamento, dizendo a Jack "nós não estamos sós". Sayid que estava ferido recebeu a visita de Sawyer. Ele ameaça Sayid, mas pára quando Sayid diz a ele que a mulher francesa estava viva e que havia outras pessoas na ilha. O mencionamento sobre os sussurros intriga Sawyer. Decidindo não retaliar, Sawyer vai embora, mencionando que ele vai continuar a manter o sinal de fogo na praia enquanto Sayid estiver afastado.

Sayid pediu a ajuda de Shannon para a tradução dos documentos que tinha roubado do bunker, isto fez com que os dois se tornassem mais próximos, chegando a partilhar um jantar à luz da tocha e passando a noite junto, sem no entanto se envolverem. O que eles não sabiam é que ao mesmo tempo, Boone estava a morrer. Mais tarde, Shannon pediu a Sayid que eliminasse Locke, a quem ela atribuía a culpa da morte do irmão. Sayid recusou-se, e também que impediu que Shannon o matasse usando uma das armas de Jack. Isto levou a um aparente afastamento entre os dois.

O primeiro encontro entre Shannon e Sayid foi no aeroporto, quando ele lhe pediu para tomar conta de sua mala por um momento. Ela denunciou à segurança do aeroporto dizendo que um “homem árabe” deixou uma mala desacompanhada. Ela disse a Boone que o tinha feito apenas para lhe provar que podia fazer tudo o que lhe apetecia. Sayid foi abordado pela segurança mas libertado pouco depois.

2a Temporada[editar | editar código-fonte]

No episódio Abandoned a relação de Sayid e Shannon tornou-se física, depois de Sayid a ter surpreendido com uma tenda que ele tinha construído para ela. Depois de uma discussão acerca de se ela tinha ou não visto Walt na floresta, Shannon foi-se embora com o cão de Walt, Vincent, á procura dele. Sayid foi atrás dela e os dois acabaram por ver Walt. Pouco depois Shannon foi morta aparentemente pela sobrevivente Ana-Lucia, caindo nos braços de Sayid. No episódio Collision, Ana-Lucia tem Sayid preso a uma árvore, e falam acerca do trauma que ambos passaram nas vidas deles. Depois de Sayid ser libertado, eles decidiram não confrontar-se.

Sayid cava a sepultura de Shannon e faz um discurso emocionado no funeral dela.

Rousseau captura um homem chamado Henry Gale e entrega-o a Sayid, dizendo-lhe que se trata de um Outro. Sayid interroga-o mas Henry constantemente nega tratar-se de quem ele acha que é. Henry diz que chegou de balão com a mulher que morreu. Quando Sayid lhe pergunta onde a enterrou, Henry responde que foi à beira do balão, quando lhe pergunta quantos metros tinha a sepultura que ele cavou, Henry não se recorda. Sayid confronta-o dizendo que se ele tivesse cavado a sepultura da mulher que amava lembrar-se-ia de todos os detalhes. Não conseguindo nada de Henry, Sayid começa a bater-lhe mas é parado por Jack.

Em conjunto com Charlie ele vai com Ana-Lucia à procura do balão de Henry. Ele está ansioso por saber se o balão sequer existe, ele culpa os Outros pela morte de Shannon e está convencido que Henry é um deles. Os três descobrem o balão, assim como a sepultura da mulher de Henry, mas Sayid continua sem estar convencido.

Ele escava a sepultura e descobre um homem lá. Um cartão de identificação revela que ele se trata do verdadeiro Henry Gale e que o Henry é mesmo um Outro. Quando regressam e numa discussão acalorada Sayid quase atinge Henry a tiro mas é impedido por Ana-Lucia.

Quando Michael regressa, Sawyer pede a Sayid que se junte a eles no ataque ao acampamento dos Outros. No entanto, Michael é inflexível ao recusar a sua ajuda, e vai pedir em privado a Sayid que ele não intervenha porque pode por em risco Walt. Sayid diz a Michael que compreende e que não vai.

Sayid vai falar com Jack e diz-lhe que acha que Michael está a mentir e pode estar a leva-los para uma armadilha. Diz também que acha que Michael libertou Henry e que fará qualquer coisa para ter o filho de volta. Jack parece concordar com Sayid e os dois decidem não dizer nada a Michael de modo a que possam conseguir algum tipo de vantagem, embora no momento não saibam qual.

Depois da chegada do Desmond no barco, Sayid vê ali a resposta para ganharem uma vantagem em relação a Michael. Sayid diz a Jack que enquanto eles vão por terra ele irá muito mais rapidamente por mar dando-lhes assim a possibilidade de estudar o acampamento dos Outros e uma estratégia de ataque. Quando lá chegar ele avisará Jack do ponto de encontro fazendo uma fogueira e colocando umas folhas lá que irão fazer um fumo preto espesso. Sayid não sabe velejar e então vai pedir ajuda a Jin, ele e Sun concordam em ajuda-lo na viagem.

Durante a viagem os três avistam uma estátua em tudo invulgar, um pé gigante sem o resto do corpo e Sayid nota que apenas tem quatro dedos.

Os três chegam ao acampamento dos Outros e Sayid vai investigar, ele encontra todas as cabanas vazias e quando vai abrir o que parece ser a porta de escotilha depara-se do outro lado apenas com uma parede de pedra. A última vez que vemos Sayid é novamente no barco com Jin e Sun quando a luz enche o céu da ilha.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências