Mazama nana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Veado-bororó-do-sul)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMazama nana[1]
Mazama nana 2.jpg

Estado de conservação
Status none DD.svgDados insuficientes (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Cervidae
Género: Mazama
Espécie: M. nana
Nome binomial
Mazama nana
(Hensel, 1872)
Distribuição geográfica
Distribuição geográfica do veado-mão-curta.  Presente   Possivelmente presente
Distribuição geográfica do veado-mão-curta.
  Presente   Possivelmente presente

Mazama nana, conhecido vulgarmente por veado-anão, veado-poca, veado-cambuta, veado-bororó, veado-mão-curta, veado-bororó-do-sul ou cambucica[3] é uma espécie de cervídeo sul-americano de pequeno porte, do gênero Mazama.[1] Já foi considerado subespécie de Mazama rufina, mas atualmente é uma espécie separada.[1] É o cervídeo brasileiro menos conhecido pela ciência, e o que se sabe sobre esta espécie muitas vezes se resume a dados de distribuição geográfica, taxonomia e genética.[4] Ocorre no sudeste do Brasil, nordeste da Argentina e leste do Paraguai, mas ainda há discussão quanto a isso. Esse cervídeo habita principalmente áreas com densa vegetação, e sua presença está fortemente associada à Mata de Araucárias, e formações adjacentes.[4]

Dificilmente ultrapassa 15 kg e os 45 cm de altura.[4] A coloração é muito semelhante a do veado-mateiro (Mazama americana), mas ela é mais homogênea, e quase não possui partes esbranquiçadas, sendo totalmente marrom-avermelhada.[4] As pernas são proporcionalmente curtas, o que deu um dos nomes populares em português, veado-mão-curta.[4] Não se tem informações a cerca da ecologia e comportamento do veado-mão-curta, mas presume-se que seja uma espécie de hábitos solitários e noturna, dado ser muito difícil de ser avistada e detectada.[4]

Habita região com alto grau de alteração pelo homem, e embora não se tenha estudos aprofundados sobre sua distribuição geográfica atual, é provável que esteja extinto em grande parte de sua ocorrência original. Ocorre em algumas unidades de conservação do sul do Brasil, como o Parque Nacional do Iguaçu, o Parque Estadual das Lauráceas, na Área de Proteção Ambiental de Guaratuba, no Paraná; no Parque das Nascentes, próximo a Blumenau, em Santa Catarina; na Floresta Nacional de São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul.[4] Provavelmente, está extinto no estado de São Paulo, mas a lista de espécies ameaçadas do estado o considera como "criticamente em perigo".[4] [5] Aparentemente, ainda ocorre nas florestas da província de Misiones, na Argentina, e as populações parecem estáveis.[2] No Paraguai, ocorre no Parque Nacional San Rafael, mas é uma área sujeita à exploração ilegal.[2] Além da perda do habitat, e da caça, uma das ameças ao veado-mão-curta é a predação por cães, como observado em Santa Catarina.[4] Não existe dados populacionais da espécie na natureza, e em cativeiro, são contabilizados apenas 24 indivíduos, a maior parte em instituições dentro de sua área de ocorrência.[4]

O IBAMA lista a espécie como "vulnerável", mas ela não consta na lista da CITES, e a IUCN, depois de muito tempo considerando como de "baixo risco", passou a considerá-la como uma espécie com "dados insuficientes" na lista de 2008.[2] [4]

Referências

  1. a b c Grubb, P.. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. Seção Order Artiodactyla. 637–722 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494.
  2. a b c d Abril, V.V. & Duarte, J.M.B. (2008). Mazama nana (em Inglês). IUCN 2013. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2013 Versão 2. Página visitada em 25 de janeiro de 2014.
  3. Duarte, J.M. et al. (2012). "Avaliação do risco de extinção do Veado-mão-curta Mazama nana Hensel, 1872, no Brasil". Biodiversidade Brasileira 3: 59-67.
  4. a b c d e f g h i j k Duarte, J.M.B.; Piovezan, U.; Zanetti, E.S.; Ramos, H.G.C.. In: Duarte, J.M.B.; Reis, M.L.. Plano de Ação Nacional para a Conservação dos Cervídeos Ameaçados de Extinção. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2012. Capítulo Espécies de Cervídeos Brasileiros com Preocupações de Conservação. 27-77 pp.
  5. Percequillo, A. R.; Kierulff, M.C.M.. In: Bressan, P.M.; Kierulff, M.C.M.; Sugieda, A.M.. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo. São Paulo, SP: Fundação Parque Zoológico de São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 2009. Capítulo Mamíferos. 31-87 pp. ISBN 978-85-63001-00-9.