Cariacu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Como ler uma caixa taxonómicaCariacu[1]
Macho

Macho
Fêmea
Fêmea
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Família: Cervidae
Género: Odocoileus
Espécie: O. virginianus
Nome binomial
Odocoileus virginianus
Zimmermann, 1780
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição
Mapa de distribuição
Subespécies
38, Ver texto

O cariacu, veado-da-virgínia ou veado-de-cauda-branca (Odocoileus virginianus) é uma espécie de veado encontrado do sul do Canadá ao norte do Brasil. Tais animais chegam a medir até 2 metros de comprimento e 1 metro de altura, com pelagem dorsal avermelhada, garganta e barriga brancas e chifres ramificados.

Taxonomy[editar | editar código-fonte]

Fawn waving its white tail

Até recentemente, alguns autores tentaram dividir O. virginianus em várias subespécie]s, baseando-se em caracteres morfológicos. Estudos moleculares, entretanto, sugerem que há menos subespécies do que é proposto. Nos Estados Unidos, O. virginianus virginianus é a subespécie mais difundida. A variabilidade genética é muito grande dentro da espécie e ela é adaptável a vários ambientes. Várias populações locais, especialmente em estados do sul, são descendentes de animais translocados de várias localidades do leste da Divisória Continental da América do Norte.

Macho no Kansas

A América Central e Sul possuem um complexo número de subespécies de cariacu, que ocorrem desde a Guatemala até o Peru. A lista de subespécies é maior do que das que ocorrem na América do Norte e essa quantidade também é questionável. Entretanto, as populações de cariacu são difíceis de estudar, devido à caça excessiva. Algumas áreas já não possuem mais populações da espécie, o que dificulta o estabelecimento de estudos genéticos.

Subespécies[editar | editar código-fonte]

O. v. truei, fêmea, Costa Rica
Três O. v. borealis, New Hampshire

Algumas subespécies:[1]

  • O. v. virginianus – ocorre na Virgínia
  • O. v. acapulcensis – (sul do México)
  • O. v. borealis – Ocorre ao norte dos Estados Unidos (maior e mais escura subespécie)
  • O. v. cariacou – (Guiana Francesa e norte do Brasil)
  • O. v. carminis
  • O. v. chiriquensis – Panamá
  • O. v. clavium – Florida Keys
  • O. v. couesi – Arizona
  • O. v. curassavicus – Curaçao
  • O. v. dacotensis – [[Dakota]
  • O. v. goudotii – (Colômbia (Andes) e oeste da Venezuela)
  • O. v. gymnotis – norte da Venezuela, incluindo os Llanos
  • O. v. hiltonensis
  • O. v. idahoensis – oeste do Canada, Idaho, leste de Washington)[3]
  • O. v. leucurus – Oregon e costa oeste dos Estados Unidos
  • O. v. macrourus – Kansas
  • O. v. margaritae – ilha de Margarita
  • O. v. mcilhennyi – Louisiana
  • O. v. mexicanus – centro do México
  • O. v. miquihuanensis – centro do México
  • O. v. nelsoni – sul do México e Guatemala
  • O. v. nemoralis – América Central, desde o golfo do México até o Suriname
  • O. v. nigribarbis
  • O. v. oaxacensis – sul do México
  • O. v. ochrourus –
  • O. v. osceola – litoral da Flórida
  • O. v. peruvianus – sul do Peru e possivelmente, Bolívia)
  • O. v. rothschildi – ilha Coiba
  • O. v. seminolus – Flórida
  • O. v. sinaloae – meio-oeste do México
  • O. v. taurinsulae
  • O. v. texanus – Texas
  • O. v. truei – [[[Costa Rica]], Nicarágua
  • O. v. thomasi
  • O. v. toltecus - sul do México)
  • O. v. tropicalis – Peru eEquador (possivelmente Colômbia)
  • O. v. ustus – Equador (possivelmente sul da Colômbia e norte do Peru)
  • O. v. venatorius –
  • O. v. veraecrucis – norte de Vera Cruz
  • O. v. yucatanensis – península de Yucatán
Mapa das subespécies
América do Norte
Américas Central e do Sul

Descrição[editar | editar código-fonte]

O pêlo deste cervídeo muda de cor e espessura de acordo com as estações do ano. Apresenta pernas fortes que o permitem correr a altas velocidades. Somente os machos apresentam hastes que caem e mudam todos os anos. Apresenta uma cauda branca, que eleva quando pressente algum perigo para poder sinalizar alarme, daí também ser conhecido por veado-de-cauda-branca.

Veado-da-vírginia macho

Estes animais são, por natureza, assustados e estão constantemente em alerta para qualquer perigo que possa haver. Felizmente a sua capacidade de correr a alta velocidade torna-o um alvo difícil para qualquer predador esfomeado, como os lobos.

Os veados-da-virgínia passam a maior parte do tempo à procura de alimento e a pastar e têm por hábito criar grupos familiares (compostos por fêmeas e crias de diferentes idades). Os machos levam uma vida solitário, apesar de ocasionalmente poderem formar pequenos grupos. As pequenas unidades reúnem-se no Inverno.

A época de acasalamento pode ser violenta, pois os machos competem entre si pelo direito de acasalar com as fêmeas.

Os recém-nascidos são capazes de se levantar após algumas horas e de correr após três semanas. Os jovens são desmamados quatro semanas depois, mesmo assim, as crias ficam com a progenitora durante dois ou mais anos. Durante o dia as progenitoras, deixam os seus filhos sozinhos para evitar de chamar a atenção dos predadores.

Dieta[editar | editar código-fonte]

A dieta destes animais é composta por diversos tipos de vegetais. Os que vivem nas florestas mais a Leste preferem ervas, cogumelos e, também, rebentos e ramos de árvores. Em condições desérticas mais rigorosas, sobrevivem com plantas mais duras, tais como cactos, iúcas e arbustos. Durante os meses de Inverno, quando as fontes de alimentos são difíceis de encontrar, o veado come ramos e folhas coníferas.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

O veado-da-virgínia vive numa série de hábitats diferentes, desde montanhas a semi-desertos, de pradarias a florestas temperadas e coníferas. A sua distribuição estende-se do Sul do Canadá ao Nordeste Brasileiro, passando pelos EUA e pelo México.

Referências

  1. a b Grubb, P.. Order Artiodactyla. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 637–722 p. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. Gallina, S. & Lopez Arevalo, H. (2008). Odocoileus virginianus (em Inglês). IUCN 2013. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2013 Versão 2. Página visitada em 02 de fevereiro de 2014.
  3. [1].
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Cariacu
Ícone de esboço Este artigo sobre artiodáctilos, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.